A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Comissão de Direitos Humanos da OAB SP Departamento de Cultura e Eventos da OAB SP TRABALHO INFANTIL E DIREITOS HUMANOS ASPECTOS POLÊMICOS Gabriel Lopes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Comissão de Direitos Humanos da OAB SP Departamento de Cultura e Eventos da OAB SP TRABALHO INFANTIL E DIREITOS HUMANOS ASPECTOS POLÊMICOS Gabriel Lopes."— Transcrição da apresentação:

1 Comissão de Direitos Humanos da OAB SP Departamento de Cultura e Eventos da OAB SP TRABALHO INFANTIL E DIREITOS HUMANOS ASPECTOS POLÊMICOS Gabriel Lopes Coutinho Filho Agosto/2011 Apresentação disponível em:

2 DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE II GUERRA MUNDIAL UM DOS MAIORES PESADELOS DA HUMANIDADE. 2 DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE

3 DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE II GUERRA MUNDIAL DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE VIOLÊNCIA BÁRBARA E DESRESPEITO GENERALIZADO AOS DIREITOS HUMANOS ELEMENTARES.

4 DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE II GUERRA MUNDIAL DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE EXTERMÍNIO EM MASSA DELIBERADO. -60 MILHÕES DE MORTOS -20 MILHÕES SOLDADOS -40 MILHÕES DE CIVIS

5 DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE II GUERRA MUNDIAL DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE -CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO E TRABALHO ESCRAVO -EXPERIÊNCIAS COM SERES HUMANOS

6 DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE II GUERRA MUNDIAL DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE -USO DE ARMAS BIOLÓGICAS, QUÍMICAS E ATÔMICAS. -RECURSOS FINANCEIROS IMENSOS DESTINADOS A ARMAS.

7 DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE II GUERRA MUNDIAL DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE -PERDA DA NOÇÃO DE HUMANIDADE -IDEOLOGIA DE SUPERIORIDADE RACIAL

8 DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE PÓS-GUERRA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS ONU (1945) 8 DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE

9 DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE PÓS-GUERRA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS UNIVERSAIS DO HOMEM San Francisco 1948 Eleanor Roosevelt 9 DIREITOS HUMANOS E INFANCIA E JUVENTUDE

10 DECLARAÇÃO DOS DIREITOS UNIVERSAIS DO HOMEM Artigo 1° Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. 10

11 DECLARAÇÃO DOS DIREITOS UNIVERSAIS DO HOMEM Artigo 16° A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à proteção desta e do Estado 11

12 DECLARAÇÃO DOS DIREITOS UNIVERSAIS DO HOMEM Artigo 22° Toda a pessoa, como membro da sociedade, tem direito à segurança social;... (parte) 12

13 DECLARAÇÃO DOS DIREITOS UNIVERSAIS DO HOMEM Artigo 25° A maternidade e a infância têm direito a ajuda e a assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio, gozam da mesma proteção social. 13

14 DECLARAÇÃO DOS DIREITOS UNIVERSAIS DO HOMEM Artigo 26° 1. Toda a pessoa tem direito à educação A educação deve visar à plena expansão da personalidade humana e ao reforço dos direitos do Homem e das liberdades fundamentais e...[ ] 14

15 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO INTEGRAL AOS DIREITOS DA CRIANÇA, AO ADOLESCENTE E AO JOVEM COM EMENDA CONSTITUCIONAL No.65/

16 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL Art É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. 16

17 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Lei no. 8069/1990 Art. 4º É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária. 17

18 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Lei no. 8069/1990 Parágrafo único. A garantia de prioridade compreende: a)... c) preferência na formulação e na execução das políticas sociais públicas; 18

19 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Lei no. 8069/1990 Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais. 19

20 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Lei no. 8069/1990 Art. 6º Na interpretação desta Lei levar-se-ão em conta os fins sociais a que ela se dirige, as exigências do bem comum, os direitos e deveres individuais e coletivos, e a condição peculiar da criança e do adolescente como pessoas em desenvolvimento. 20

21 ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – ONU CONVENÇÃO 182 RECOMENDAÇÃO 190 PROIBIÇÃO DAS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL E AÇÃO IMEDIATA PARA SUA ELIMINAÇÃO. APROVADAS PELO BRASIL EM

22 ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – ONU Decreto legislativo Nº 178/1999 Aprova os textos da Convenção 182 e da Recomendação 190 da OIT sobre a proibição das piores Formas de Trabalho Infantil e Ação Imediata para sua Eliminação. 22

23 ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – ONU Convenção 182 OIT Artigo 3 Para efeitos da presente Convenção, a expressão as piores formas de trabalho infantil abrange: a)... 23

24 ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – ONU... d) o trabalho que, por sua natureza ou pelas condições em que é realizado, é suscetível de prejudicar a saúde, a segurança ou a moral das crianças. 24

25 ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO – ONU Recomendação 190 da OIT II. Trabalho perigoso 1. Ao determinar e localizar onde se praticam os tipos de trabalho a que se refere o artigo 3, d ) da Convenção, deveriam ser levadas em consideração, entre outras coisas: a) os trabalhos em que a criança ficar exposta a abusos de ordem física, psicológica ou sexual; 25

26 Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente – COORDINFANCIA DIREITOS MÍNIMOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO BRASIL 26

27 Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente – COORDINFANCIA DIREITOS MÍNIMOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO BRASIL Direito de a CRIANÇA não se empregar, ante da idade mínima permitida, em atividades que lhe comprometam o seu pleno desenvolvimento moral, mental, físico e social; 27

28 Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente – COORDINFANCIA DIREITOS MÍNIMOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO BRASIL Direito do TRABALHADOR ADOLESCENTE, com idade entre 14 e 16 anos, na condição de aprendiz, à CTPS assinada, recebimento de salário, férias, recolhimento do FGTS e repouso semanal remunerado; 28

29 Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente – COORDINFANCIA DIREITOS MÍNIMOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO BRASIL Condições de trabalho para o EMPREGADO ADOLESCENTE, menor de 18 (dezoito) anos condizente com o seu desenvolvimento mental, físico e moral. 29

30 Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente – COORDINFANCIA DIREITOS MÍNIMOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO BRASIL Para tanto não se admitirá: -condições insalubres, perigosas ou penosas; -trabalhos noturnos;... 30

31 Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente – COORDINFANCIA DIREITOS MÍNIMOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO BRASIL Para tanto não se admitirá: -longas jornadas de trabalho; -locais ou serviços que prejudiquem o bom desenvolvimento psíquico, moral e social. 31

32 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios COMPARATIVO GERAL DE 1992/2001 Avanço expressivo no nível da escolarização das crianças e adolescentes. 32

33 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios COMPARATIVO GERAL DE 1992/2001 Não frequentava escola: -Grupo de 5 e 6 anos de idade de 46,1% 23,8% -Grupo de 7 a 14 anos de idade de 13,4% 3,5% -Grupo de 15 a 17 anos de idade de 40,3% 18,9%. 33

34 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 A grande maioria dos estudantes de 5 a 17 anos de idade frequentava escola da rede pública 86,0% 34

35 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 PERMANÊNCIA NA ESCOLA Em atividades desenvolvidas habitualmente (tais como as horas ocupadas em aulas obrigatórias ou opcionais, prática de esportes, lazer e outras atividades curriculares e extracurriculares) 35

36 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 PERMANÊNCIA NA ESCOLA GERAL Crianças e adolescentes estudantes 5 a 17 anos de idade Permanecem mais de quatro horas por dia na escola 41,5% 36

37 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 PERMANÊNCIA NA ESCOLA GERAL Estudantes de 5 a 17 anos com mais de quatro horas diárias na escola: -Rede privada 54,3% -Rede pública 39,4% 37

38 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 PERMANÊNCIA NA ESCOLA GERAL Estudantes de 15 a 17 anos com mais de quatro horas diárias na escola: -Rede privada 71,2% -Rede pública 42,5% 38

39 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 Motivos que podem impedir as crianças e adolescentes de frequentar a escola: 1. Realização de tarefas, seja uma atividade econômica ou afazeres domésticos Realização de tarefas, seja uma atividade econômica ou afazeres domésticos;

40 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 Motivos que podem impedir as crianças e adolescentes de frequentar a escola: 1. Realização de tarefas, seja uma atividade econômica ou afazeres domésticos Dificuldade de acesso à escola, devido a sua distância da moradia ou à falta de vaga.

41 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 Grupo de 5 a 17 anos de idade que não eram estudantes: 12,1% não frequentavam escola 41 Razão: AJUDAR NOS AFAZERES DOMÉSTICOS, TRABALHAR OU PROCURAR TRABALHO.

42 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 Razão: Ajudar nos afazeres domésticos, trabalhar ou procurar trabalho. 42 De 5 a 9 anos de idade 0,3% De 10 a 14 anos de idade 9,8% De 15 a 17 anos de idade 24,1%

43 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 Grupo de 5 a 17 anos de idade que não eram estudantes: 14,7% não frequentavam escola 43 PORQUE NÃO EXISTIA ESCOLA PERTO DA RESIDÊNCIA OU POR NÃO TEREM CONSEGUIDO VAGA.

44 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 Razão: Porque não existia escola perto da residência ou por não terem conseguido vaga.. 44 De 5 a 9 anos de idade 0,3% De 10 a 14 anos de idade 9,8% De 15 a 17 anos de idade 24,1%

45 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 NÍVEL DE OCUPAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLECENTES: VEM CAINDO. AINDA É ALTO! 45 De 5 a 9 anos: de 3,7% 1,8% De 10 a 14 anos: de 20,4% 11,6% De 15 a 17 anos de 47,0% 31,5%

46 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 No contingente ocupado de 5 a 17 anos de idade que não frequentava escola a maioria, 65,2%, dedicava 40 horas semanais ou mais ao trabalho, enquanto naquele constituído pelos estudantes esse grupo representava 25,7% ,2% 25,7%

47 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 No contingente ocupado de 5 a 17 anos de idade que não frequentava escola a maioria, 65,2%, dedicava 40 horas semanais ou mais ao trabalho, enquanto naquele constituído pelos estudantes esse grupo representava 25,7% ,2% 25,7%

48 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 CONSTATAÇÃO: A MEDIDA QUE AUMENTA A FAIXA ETÁRIA, AUMENTA O ENVOLVIMENTO EM ATIVIDADES REMUNERADAS. 48

49 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 ATIVIDADES REMUNERADAS GRUPO 5 a 17 anos de idade, 45,2% Domésticos 6,2% Conta-própria/empregadores, 41,2% Não-remunerados 49

50 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 ATIVIDADES REMUNERADAS GRUPO 5 a 9 anos de idade, 92,0% Não-remunerados -72,3% eram não-remuneradas -19,7%, trabalhadoras na produção para o próprio consumo ou na construção para o próprio uso 50

51 PNAD - Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Dados de 2001 ATIVIDADES REMUNERADAS GRUPO 10 a 14 anos de idade, 67,1% Não-remunerados GRUPO 15 a 17 anos de idade 33.3% Não-remunerados 51

52 PRIMEIRAS CONCLUSÕES O BRASIL, apesar de possuir uma Constituição moderna e normas de caráter protetivo á criança tem uma missão relevante pela frente. EXIGE-SE A INTENSIFICAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE RENDA E EDUCAÇÃO. 52

53 QUESTÕES POLÊMICAS 53 QUESTÕES POLÊMICAS 1. COMPETÊNCIA TRABALHISTA PARA PROCESSAMENTO DE AÇÃO PENAL ESPECÍFICAS

54 QUESTÕES POLÊMICAS 54 QUESTÕES POLÊMICAS

55 55 COMPETÊNCIA: AÇÃO PENAL Presidente do TRT da Paraíba, desembargador Paulo Maia Filho: Todas as ações que envolvem a repressão ao trabalho infantil, mesmo que sexual, são atraídas pela competência material da Justiça do Trabalho. Fonte: Site do TRT13 de 14/06/2011

56 QUESTÕES POLÊMICAS 56 COMPETÊNCIA: AÇÃO PENAL TRT13 (Paraíba): Ação Civil Pública que perseguia dano moral coletivo. Tribunal se pronunciou pela competência da Justiça do Trabalho e julgou procedente a ação, em voto do desembargador Paulo Maia Filho.

57 QUESTÕES POLÊMICAS 57 COMPETÊNCIA: AÇÃO PENAL STF COMPETÊNCIA CRIMINAL. Justiça do Trabalho. Ações penais. Processo e julgamento. Jurisdição penal genérica. Inexistência. Interpretação conforme dada ao art. 114, incs. I, IV e IX, da CF, acrescidos pela EC nº 45/2004. Ação direta de inconstitucionalidade. Liminar deferida com efeito ex tunc. [ ]

58 QUESTÕES POLÊMICAS 58 COMPETÊNCIA: AÇÃO PENAL O disposto no art. 114, incs. I, IV e IX, da Constituição da República, acrescidos pela Emenda Constitucional nº 45, não atribui à Justiça do Trabalho competência para processar e julgar ações penais." (Processo ADI-MC- 3684/DF, Tribunal Pleno, por unanimidade. Relator Ministro Cezar Peluso. DJ de 03/08/2007.

59 QUESTÕES POLÊMICAS 59 COMPETÊNCIA: AÇÃO PENAL C COORDENAÇÃO NACIONAL DA JUSTIÇA DO TRABALHO TEM DISCUTIDO E ENCAMINHADO A AMPLIAÇÃO DA COMPETÊNCIA CRIMINAL PARA A JUSTIÇA DO TRABALHO.

60 QUESTÕES POLÊMICAS 60 QUESTÕES POLÊMICAS 2. IDADE MÍNIMA PARA TRABALHO INFANTIL

61 CLT/1943, Art.403 (Redação original) Proibia o trabalho de menor de 14 anos. CLT/1967 (Decreto-lei nº 229/1967) Art Proibia o trabalho de menor de 12 anos. 61 IDADE MÍNIMA

62 Constituição do Brasil/1988 (Redação original) Artigo 7º. XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre aos menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de quatorze anos, salvo na condição de aprendiz; 62 IDADE MÍNIMA

63 ECA/1990 Estatuto da Criança e do Adolescente Lei No. 8069/1990 Art. 60. É proibido qualquer trabalho a menores de quatorze anos de idade, salvo na condição de aprendiz. 63 IDADE MÍNIMA

64 Constituição do Brasil/1988 Alterada pela EC 20/1998 Artigo 7º. XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos; 64 IDADE MÍNIMA

65 Constituição do Brasil/1988 (Redação original) Art.227, § 3º - O direito a proteção especial abrangerá os seguintes aspectos: I - idade mínima de quatorze anos para admissão ao trabalho, observado o disposto no art. 7º, XXXIII; Lei No /2000 Art É proibido qualquer trabalho a menores de dezesseis anos de idade, salvo na condição de aprendiz, a partir dos quatorze anos. 65 IDADE MÍNIMA

66 Lei No /2000 (Alterou a CLT) Art É proibido qualquer trabalho a menores de dezesseis anos de idade, salvo na condição de aprendiz, a partir dos quatorze anos. 66 IDADE MÍNIMA

67 CONCLUSÃO O art.60 do ECA não foi recepcionado pela EC 20/1998 Portanto: Menor de 14 anos não pode trabalhar licitamente, nem na condição de aprendiz. 67 IDADE MÍNIMA CONCLUSÃO

68 O Art.227, § 3º, I, CRBF/1988 não autoriza contrato de trabalho regular (CLT) regular de menor de 16, pois a condição de aprendiz é típica de contrato de trabalho especial (CLT, Art.428) A CLT e o ECA foram alterados para se conformar à CRBF. 68 IDADE MÍNIMA CONCLUSÃO

69 ARGUMENTOS CONTRA A IDADE MÍNIMA - A legislação tem prejudicado a renda familiar. - O impedimento ao trabalho precoce prejudica o preparo do jovem para a vida. 69 IDADE MÍNIMA POLÊMICA

70 SOLUÇÃO PARA RENDA FAMILIAR DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. 70 IDADE MÍNIMA POSIÇÃO PARA DEBATE

71 SOLUÇÃO PARA RENDA FAMILIAR DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. TRABALHO PRECOCE NÃO É SEQUER PALIATIVO. 71 IDADE MÍNIMA POSIÇÃO PARA DEBATE

72 PREPARO DO JOVEM PARA A VIDA: TRABALHAR SEM ESTUDAR É CONDENAR A UMA VIDA DE SACRIFÍCIOS E SEM REALIZAÇÃO. 72 IDADE MÍNIMA POSIÇÃO PARA DEBATE

73 PREPARO DO JOVEM PARA A VIDA: TRABALHAR SEM ESTUDAR É CONDENAR A UMA VIDA DE SACRIFÍCIOS E SEM REALIZAÇÃO. TRABALHOS MENOS QUALIFICADOS NÃO GERAM VALOR AGREGADO. 73 IDADE MÍNIMA POSIÇÃO PARA DEBATE

74 QUESTÕES POLÊMICAS 74 QUESTÕES POLÊMICAS 3. TRABALHO ARTÍSTICO

75 QUESTÕES POLÊMICAS 75 QUESTÕES POLÊMICAS 3. TRABALHO ARTÍSTICO 3.1 CONCURSOS DE BELEZA INFANTIL

76 76

77 77

78 78

79 79

80 80

81 QUESTÕES POLÊMICAS 81 TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO CONCURSOS DE BELEZA INFANTIL QUESTÕES CENTRAIS: -OBSESSÃO PELA MÍDIA. -GLAMOURIZAÇÃO DA ATIVIDADE. -EROTIZAÇÃO DE CRIANÇAS. -FETICHIZAÇÃO DA CRIANÇA COMO MERCADORIA CENTRAL DA ATIVIDADE. CONCURSOS DE BELEZA INFANTIL

82 QUESTÕES POLÊMICAS 82 TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO CONCURSOS DE BELEZA INFANTIL QUESTÕES CENTRAIS: -FOMENTO DA PARTICIPAÇÃO PELOS PAIS E RESPONSÁVEIS: PERSPACTIVA DE GANHOS RELATIVAMENTE SIGNIFICATIVOS. CONCURSOS DE BELEZA INFANTIL

83 QUESTÕES POLÊMICAS 83 TRABALHO INFANTIL ARTÍSTICO CONCURSOS DE BELEZA INFANTIL QUESTÕES CENTRAIS: -ALTO RISCO DE PREJUÍZOS PSICOLÓGICOS NOS CASOS DE INSUCESSO NA CARREIRA. -EXEMPLOS NÃO FALTAM! CONCURSOS DE BELEZA INFANTIL

84 QUESTÕES POLÊMICAS 84 QUESTÕES POLÊMICAS 3. TRABALHO ARTÍSTICO 3.2 INCLUEM SERVIÇOS DE MODA. CONCURSOS DE BELEZA JUVENIL

85 QUESTÕES POLÊMICAS 85 TRABALHO ARTÍSTICO CONCURSOS DE BELEZA DIFICULDADES CENTRAIS: -PARTICIPAÇÃO DE MENORES DE 14 ANOS COM APARÊNCIA DE MAIOR IDADE. -PARTICIPAÇÃO DE MAIORES DE 14 ANOS E MENORES DE 16 ANOS. CONCURSOS DE BELEZA JUVENIL

86 QUESTÕES POLÊMICAS 86 TRABALHO ARTÍSTICO CONCURSOS DE BELEZA DIFICULDADES CENTRAIS: -GANHOS RELATIVAMENTE SIGNIFICATIVOS PARA OS RESPONSÁVEIS DO MENOR/ EMANCIPADO PRECOCEMENTE. CONCURSOS DE BELEZA JUVENIL

87 QUESTÕES POLÊMICAS 87 TRABALHO ARTÍSTICO CONCURSOS DE BELEZA DIFICULDADES CENTRAIS: -DIFICULDADE DE INTERVENÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO EM FACE DOS ELEMENTOS DA SEDUÇÃO DA CARREIRA (MIDIATIDADE, GLAMOURIZAÇÃO, EROTIZAÇÃO, FETICHIZAÇÃO) CONCURSOS DE BELEZA JUVENIL

88 QUESTÕES POLÊMICAS 88 TRABALHO ARTÍSTICO CONCURSOS DE BELEZA NECESSIDADE DE AÇÃO DE ÓRGÃOS PÚBLICOS, MINISTÉRIO PÚBLICO E ENTIDADES CIVIS: -AUTO-REGULAMENTAÇÃO -FISCALIZAÇÃO -AÇÕES CIVIS PÚBLICAS. CONCURSOS DE BELEZA JUVENIL

89 QUESTÕES POLÊMICAS 89 TRABALHO ARTÍSTICO DESDE QUE COLOQUEM CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO (FÍSICO, PSICOLÓGICO, MORAL O SOCIAL) DEVEM SOFRER AÇÃO POSITIVA DA SOCIEDADE. CONCURSOS DE BELEZA JUVENIL CONCURSOS DE BELEZA INFANTIL

90 A TÍTULO DE FINALIZAÇÃO: A CRIANÇA É SUJEITO DE DIREITOS E, COMO TAL, DEVE SER PROTEGIDA DE TODAS AS FORMAS COM VISTAS À SUA INSERÇÃO SOCIAL PLENA PAA REALIZAÇÃO DOS PRÓPRIOS OBJETIVOS DA CIDADANIA E DA PERSONALIDADE. 90

91 Comissão de Direitos Humanos da OAB SP Departamento de Cultura e Eventos da OAB SP TRABALHO INFANTIL E DIREITOS HUMANOS ASPECTOS POLÊMICOS Gabriel Lopes Coutinho Filho Agosto/2011 Apresentação disponível em:


Carregar ppt "Comissão de Direitos Humanos da OAB SP Departamento de Cultura e Eventos da OAB SP TRABALHO INFANTIL E DIREITOS HUMANOS ASPECTOS POLÊMICOS Gabriel Lopes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google