A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Poluição Atmosférica e Ciclo Hidrológico Profa. Dra. Maria Olímpia de Oliveira Rezende.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Poluição Atmosférica e Ciclo Hidrológico Profa. Dra. Maria Olímpia de Oliveira Rezende."— Transcrição da apresentação:

1 Poluição Atmosférica e Ciclo Hidrológico Profa. Dra. Maria Olímpia de Oliveira Rezende

2 Importância do Ar É um recurso indispensável à vida na Terra Ciclos naturais seus constituintes são consumidos e reciclados

3 CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Um ciclo biogeoquímico é o movimento ou o ciclo de um determinado elemento ou elementos químicos através da atmosfera, hidrosfera, litosfera e biosfera da Terra. Os ciclos estão intimamente relacionados com processos geológicos, hidrológicos e biológicos. Grupo de Química Ambiental-IQSC-USP

4 O Ciclo Hidrológico O ciclo hidrológico é dirigido pela energia solar e compreende o movimento da água dos oceanos para a atmosfera por evaporação e de volta aos oceanos pela precipitação que leva à lixiviação ou à infiltração. Grupo de Química Ambiental-IQSC-USP

5

6

7

8 Constituição da Atmosfera

9 Poluição atmosférica 1ºlugar na poluição atmosférica : Atividade industrial Circulação rodoviária

10 Definição: presença ou lançamento no ambiente atmosférico de substâncias em concentrações suficientes para interferir direta ou indiretamente na saúde, segurança e bem estar do homem, ou no pleno uso de suas propriedades. Poluição do Ar

11 Serra da Canastra

12 - Característica: partículas de material sólido ou líquido que ficam suspensos no ar, na forma de poeira, neblina, aerossol, fumaça, fuligem, etc. - Fontes Principais: processos de combustão (indústrias e veículos automotores), queima de biomassa, aerossol, construções, pedreiras. - Efeitos gerais sobre o meio ambiente: danos à vegetação, deterioração da visibilidade e contaminação do solo. Diminui a intensidade de radiação do sol sobre a superfície terrestre. - Efeitos gerais sobre a saúde: quanto menor o tamanho da partícula pior o efeito sobre a saúde. Depositam-se nas vias respiratórias e nos pulmões provocando distúrbios respiratórios (enfisema, bronquite, câncer de pulmão, silicose) deficiência em vitamina D. 1 - Poeira e fumaça

13 2 - Monóxido de Carbono - Característica: gás incolor, inodoro e insípido. - Fontes Principais: combustão incompleta em veículos automotores, metalurgia, refinação do petróleo. - Efeitos gerais sobre o meio ambiente: os homens e animais são muito sensíveis ao CO. Já as plantas resistem às concentrações de CO observadas até o momento. Mesmo concentrações de 1% de CO não prejudicam as plantas. - Efeitos gerais sobre a saúde: combina-se com a hemoglobina, dificultando o transporte de oxigênio, causa diversos sintomas dependendo da proporção de CO combinado com a hemoglobina.

14

15 3 - Dióxido de Carbono - Característica: produzido na respiração do homem, animais, plantas e microorganismos. - Fontes Principais: combustão doméstica, veículos, usinas, indústrias. - Efeitos gerais sobre o meio ambiente: efeito estufa, o seu lento acúmulo na atmosfera poderá provocar alterações no clima do planeta. - Efeitos gerais sobre a saúde: não tóxico mas em altas concentrações pode diminuir a respiração.

16 4 - Óxidos de Nitrogênio - Característica: NO 2 tem cor amarela. - Fontes Principais: indústria de ácido nítrico e ácido sulfúrico. - Efeitos gerais sobre o meio ambiente: o produto da reação do monóxido de nitrogênio e dióxido de nitrogênio, é o ozônio que é responsável pela camada de ozônio. - Efeitos gerais sobre a saúde: provoca ulcerações, irritação na pele, edemas pulmonares.

17 5 - Dióxido de Enxofre - Característica: gás incolor com forte odor, semelhante ao gás produzido na queima de palitos de fósforos. - Fontes Principais: processos que utilizam queima de óleo combustíveis, refinaria de petróleo, veículos à diesel e papel. - Efeitos gerais sobre o meio ambiente: forma ácido sulfúrico na atmosfera. Corrói construções, destrói vegetais e a vida aquática. Pode ser precipitado como chuvas dando origem as chamadas chuvas ácidas. - Efeitos gerais sobre a saúde: agrava os problemas respiratórios, destrói a mucosa nasal e faringe, podendo provocar perda de olfato.

18 - Poluentes Primários - Poluentes Secundários Classificação dos Poluentes

19 Chuva Ácida

20 Padrões de Qualidade do Ar Os principais objetivos do monitoramento da qualidade do ar são: -fornecer dados para ações de emergência - avaliar a qualidade do ar - acompanhar as mudanças da qualidade do ar

21 Controle da Poluição No Brasil, os programas de controle da poluição atmosférica obtiveram avanços significativos, tendo como base os parâmetros fixados pela legislação brasileira e normalizados pelas resoluções do CONAMA, órgão do Ministério do Meio Ambiente. Mas as informações correlacionando os níveis de poluição atmosférica aos índices de morbidade e mortalidade ainda são incipientes e dificultam o estabelecimento de uma relação direta entre a emissão de poluentes, os períodos desfavoráveis à dispersão e o agravamento das doenças.

22 Mata Atlântica

23 Liberação gases das Indústrias Indústria de base são as mais nocivas fumos e gases mais ou menos tóxicos; Centrais térmicas, refinarias petrolíferas, siderurgias e fábricas de cimento gases (óxidos de carbono e enxofre), fumos e poeiras; Indústrias químicas, curtumes e fertilizantes cheiro desagradável; Indústrias extrativas, carvão, pedreiras poluidoras e profundas alterações na paisagem.

24 Liberação gases dos veículos Veículos motorizados fumos, infinidade de gases e outras substâncias químicas, como monóxido e dióxido de carbono, dióxido de enxofre, gás sulfuroso e os hidrocarbonetos gasosos, etc... Qualquer deles de grande toxicidade.

25 Danos causados pela poluição do ar

26 Doenças provocadas pela Poluição Atmosférica Aparelho respiratório: bronquite, enfisema, asma e o cancro pulmonar; Plantas: atacam as folhas, estas caem, diminuem a fotossíntese, respiração e a transpiração crescimento mais lentos, tornando-se menos resistentes ás doenças e aos parasitas; Animais: contato com ao ar poluído como pela ingestão de vegetais mais ou menos envenenados.

27 Exemplos Antiga Grécia curtumes construídos com autorização especial Fundições de prata com chaminés altas, para os gases tóxicos (SO 2 ) distribuíssem melhores; Antiga Roma decreto segundo os matadouros, curtumes e fabricantes de azeite, permitidos em locais desabitados Fornos de fabricantes de vidros levantados em áreas restritas das cidades, devido aos HF liberados; Zwickau, Saxônia emprego de carvão de pedra nas forjas foi proibido na área urbana, em 1348; Goslar, proibição da calcinação de minérios na vizinhanças da cidade, em 1407, devido a poluição das fundições serem insuportáveis.

28 Concluimos... Comprometimento do ambiente já existe há algum tempo, embora fosse restrito a algumas áreas, porém com o aumento dos resíduos provenientes da industrialização, mostram que a contaminação ambiental se converteu num problema bem mais amplo, de caráter internacional ou até mesmo planetário.

29 Formas de Poluição do Ar Naturais Geradas por processos do homem

30 Poeiras Partículas sólidas finamente divididas de dimensões que variam entre 100 e 1000Å. Poeiras metálicas Poeiras não metálicas

31 Agentes típicos de formação de poeiras são, fábricas termoelétricas alimentadas com carvão, altos-fornos, siderúrgicas, indústrias de cimento e alguns ramos da indústria química, veículos automotivos, etc. A intensidade da radiação solar sobre a Terra diminui em média de 0,4% por ano.

32 Poeiras Metálicas Poeiras das indústrias metais pesados e ligas metálicas chumbo veículos movidos a gasolina: tetraetilchumbo; hortas e culturas próximas a estrada.

33 Chuva Ácida: uma das conseqüências da poluição atmosférica

34 Efeitos da Chuva Ácida Florestas Água Construções Pessoas

35 Efeito da Chuva Ácida Efeito da chuva ácida numa estátua. Fotografias tiradas nos anos 1908 e 1969.

36 Formação

37 Reserva da Juréia

38 Conceito e mecanismo da Radiação Solar no Ar Radiações luminosas luz Radiações caloríficas calor

39 Radiações luminosas São de pequeno comprimento de onda que atravessam facilmente a atmosfera; As radiações luminosas absorvidas pela camada superficial do Globo são convertidas em radiações caloríficas, que continuamente vão sendo por ela libertadas (radiação terrestre).

40 Radiações infravermelhas São de grande comprimento de onda, tem mais dificuldades em atravessar a atmosfera, que por intermédio do vapor de água, do dióxido de carbono e das partículas sólidas e líquidas, as absorve em grande parte.

41 As duas faces do Efeito Estufa Importância extraordinária para a vida na Terra. Face positiva Face negativa

42 Efeito Estufa

43 Diagrama do Efeito Estufa

44 Formas de Combate à Poluição Instalação nas fábricas catalisadores que retenham os fumos e os gases; Utilização de tecnologias alternativas; Aplicação de catalisadores em automóveis; Obrigatoriedade de inspeções periódicas a veículos; Substituição de produtos químicos industrias perigosos.

45 Normas de Qualidade do Ar Não exerça ação nefasta na saúde humana, na vegetação e nos animais; Não prejudique o bem-estar das populações; Não provoque danos nos materiais de construção; Não modifique a fertilidade dos solos e a qualidade das lamas.

46 Padrões de qualidade do ar Proteger a saúde humana e o bem-estar Prevenir efeitos indesejáveis ao meio ambiente

47 Controle da poluição veicular Cetesb

48 Preservar o meio ambiente é uma questão de cidadania. Somente cidadãos esclarecidos de seus direitos e deveres poderão ser capazes de criar uma sociedade mais justa e solidária, comprometida com a preservação do meio ambiente.

49 SERÁ ESTE NOSSO FIM????

50

51


Carregar ppt "Poluição Atmosférica e Ciclo Hidrológico Profa. Dra. Maria Olímpia de Oliveira Rezende."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google