A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A missão NEAR Shoemaker por Aldo Loup Pousando num asteróide:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A missão NEAR Shoemaker por Aldo Loup Pousando num asteróide:"— Transcrição da apresentação:

1

2

3 A missão NEAR Shoemaker por Aldo Loup Pousando num asteróide:

4 (433) Eros

5

6

7

8

9

10

11

12 Launch.mpg

13 near3d.mov

14

15 Mathilde.mpg

16 (253) Mathilde o Asteróide tipo C o 54 km x 51 km x 72 km

17 Feb12.mpg

18

19 Small.mpg

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31 NEAR_LowA_Flyby.mpg

32

33

34

35

36 NEAR_Descent.mpg

37 Fontes recomendadas Near Earth Asteroid Rendezvous Mission Science 22 de setembro de Volume 289, número de abril de Volume 292, número American Association for the Advancement of Science National Space Science Data Center-NASA

38 Pousando num asteróide: A missão NEAR Shoemaker. por Aldo Loup Diapositivos 01-) CDA. 02-) Sessão Astronomia. 03) 03) Pousando num asteróide: A missão NEAR Shoemaker. 04) 04) O asteróide Eros visto através de telescópio (Maksutov- Cassegrain 7", 30 segundos de exposição), no dia do centésimo aniversário da sua descoberta. 05) 05) Logo da missão NEAR, o primeiro projeto da NASA da classe Discovery. A primeira missão tercerizada da NASA, através do Laboratório de Física Aplicada da Universidade John Hopkins.

39 06) 06) A nave NEAR, de meia tonelada, pronta, no JHUAPL. Costou 125 milhões de dólares. Note o bocal do motor principal, num dos lados da estrutura; a antena principal acima e os painéis solares para gerar a eletricidade. 07) 07) Instrumentos científicos da nave. O sinal do transmissor de rádio, ultraestável, é utilizado para calcular a trajetória e a velocidade, e a partir de aí, o campo gravitacional de objetos próximos, que tem relação direta com a massa dos mesmos. 08) Outros sistemas da nave NEAR. Leva aproximadamente 300 kg de combustível, para a alteração de trajetórias e manobras de orientação. 09) As antenas de 70 m de diâmetro da Deep Space Network do Laboratorio de Propulsão a Jato da NASA. A da foto é da California; existem outras na Austrália e em Espanha. Para operar a nave e analizar os dados científicos transmitidos a NASA liberou uma verba de 55 milhões de dólares. 08) 09)09)Antenas de Comunicação do Controle da Missão em Terra.

40 10) 10) A órbita de (433) Eros em torno do Sol. Aparecem os quatro planetas interiores (com o tamanho exagerado). Pode-se apreciar que a órbita de Eros é bastante inclinada em relação à orbita da Terra. 11) 11) Trajetória original da missão NEAR. Inclui um sobrevôo pela Terra para assistência gravitacional, devido ao escaso poder do foguete lançador. Ao todo, quase 3 anos de viagem. O sobrevôo por Mathilde, no Cinturão Principal, é um bônus obtido ao lançar a nave no primeiro dia da janela de lançamento (somente). 12) 12) Lançamento do foguete Boeing Delta II, desde Cape Canaveral Air Station, Flórida, em 17 de fevereiro de Na época, o menor foguete já utilizado para uma missão interplanetária. Custo: 45 milhões de dólares. 13) 13) Animação da trajetória da NEAR até o encontro com (433) Eros.

41 14) 14) Geometria do encontro com Mathilde e principáis atividades. A velocidade relativa era de aproximadamente 10km/s, e distância da Terra uns 300 milhões de km. 15) 15) Simulação do encontro com Mathilde, vista desde a nave. Os quadros indicam imagens tiradas pelas câmeras. 16) 16) (253) Mathilde, vista pela NEAR em alta resolução. 17) 17) Vistas globais de Eros durante a aproximação final para a insercão em órbita. A rotação é de 5 horas e meia. A vista é do hemisfério norte. 18) 18) A primeira órbita foi de mais de 300 km de raio, e a velocidade parecida à de uma pessõa caminhando. Pouco a pouco a nave vai se aproximando até chegar à orbita planejada, de 50 km. No final do ano desceria até os 35 km. 19) 19) Filme feito com fotos da NEAR, a 50 km. Aparece uma rotação inteira. A missão foi renomeada NEAR Shoemaker, em honora ao lendário geologo interplanetário Eugene Shoemaker, falecido em 1997.

42 20) 20) Vista glodal de Eros. Note as bordas arredondadas, a sela e diferênças em albedo na mancha a esquerda. 21) 21) Psyche, a maior cratera em Eros, de 5,5 km. 22) 22) Psyche. Notar o profundidade da cratera. O objeto que impactou tal vez foi de 300 m de diâmetro. 23) 23) Ao todo a NEAR Shoemaker identificou umas crateras em Eros. 24) 24) Montanhas em Eros. As maiores elevações têm uns 2000 metros de altura. Foram formadas por impactos, e não por procesos internos como na Terra e outros corpos celestes. 25) 25) Grandes rochas em Eros, tal vez de mais de 50 m de altura. A superfície esta cheia de rochas soltas, resultado da formação das crateras. 26) 26) Cartografia de Eros. A seta indica a cratera que foi escolhida para marcar o meridiano 0. O eixo de rotação está quase horizontal con relação ao plano da eclíptica. Não foi detectada precesão. O mapa de projeção cilíndrica mostra algumas das características notáveis do relevo.

43 27) 27) Exemplo de como se obtêm imagens coloridas com a câmera preto e branco da NEAR Shoemaker através do uso de filtros. 28) 28) (433) Eros em cor natural. Como outros asteróides silíceos, é mais avermelhado que os condritos ordinários ( o tipo de meteorito mais comun achado na Terra), mas a NEAR Shoemaker confirmou que na verdade se trata do mesmo tipo de rocha. 29) 29) Quase não existe variações de cor na superfície de Eros, sugerindo que a composição é uniforme. (Imagens procesadas para salientar detalhes). 30) 30) Sobrevôos a baixa altitude para coleta de dados de alta resolução. Arriscados, houve só dois: um em outubro de 2000, outro em janeiro ) 31) Animação de um dos sobrevôos a baixa altura. Detalhes de até 1 m apareceram nas imagens. 32) Cratera mostrando material que caiu dentro dela, indicando terra solta e pedras na superfície (regolito). Se acredita que uma camada de regolito de uns 30 m cobre a superfície de Eros, produto de bilhões de anos de bombardeio.

44 32)32) Detalhe da cratera preenchida com material oriunda das fragmentações das colisões sofridas no asteróide 33) 33) Fendas, trincas e rugas, produto da violência das colisões de outros corpos com Eros. O interior do asteróide tal vez esteja cheio de rajaduras. 34) 34) Detalhe da terra solta e pedras que cairam dentro de uma cratera. O único proceso geológico identificado em Eros é o bombardeio interplanetário. 35) 35) Terreno apagado por causa provavelmente de tremores do solo causado por impactos. 36) Animação do pouso da NEAR Shoemaker na superfície de Eros, em 12 de fevereiro de 2001, dando fim a missão. A nave consiguiu sobreviver ao pouso e transmitir mais dados científicos durante um par de semanas. Os dados continuarão sendo analizados durante anos. 36)36) Animação da aproximação final da sonda NEAR-Schoemaker a superfície do asteróide. 3 7) 3 7) Fontes recomendadas.

45 Observação: Na data prevista para a inserção em órbita da NEAR em torno de Eros, o motor principal não funcionou. Rápidamente foi idealizado um plano de coleta de dados de emergência, e depois de consertar o problema, o controle da missão definiu uma nova trajetória. NEAR chegaria finalmente a Eros com mais de um ano de atraso.


Carregar ppt "A missão NEAR Shoemaker por Aldo Loup Pousando num asteróide:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google