A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Tolerância a Falhas Carlos Oberdan Rolim Ciência da Computação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Tolerância a Falhas Carlos Oberdan Rolim Ciência da Computação."— Transcrição da apresentação:

1 Tolerância a Falhas Carlos Oberdan Rolim Ciência da Computação

2 Redundância de Hardware Baseada da replicação de componentes físicos:

3 Redundância Dinâmica É provida pelo emprego das técnicas de detecção, localização e recuperação; Usada em aplicações que suportam permanecer em um estado errôneo durante um curto período de tempo; Geralmente é preferível defeitos temporários do que suportar o custo de grande quantidade de redundância necessária para o mascaramento de falhas.

4 Redundância Dinâmica Redundância dinâmica ou ativa

5 Redundância Dinâmica Estados de um sistema com redundância dinâmica

6 Redundância Dinâmica Ex.: através de módulos estepe (standby sparing). Podem ser Operados de duas formas: Exemplo de redundância dinâmica

7 Redundância de Software Simples replicação de componente idênticos é uma estratégia de detecção e mascaramento de erros inútil em software: Componentes idênticos vão apresentar erros idênticos

8 Redundância de Software Exemplos de técnicas de Redundância de Softwares: Diversidade (ou programação n-versões); Blocos de Recuperação; Verificação de Consistência

9 Diversidade Programação diversitária; Técnica de redundância para obter TF em software; A partir de um problema a ser solucionado, são implementadas diversas soluções alternativas; Resposta do sistema é determinada por votação.

10 Diversidade Programação n-versões

11 Diversidade Não leva em conta se erros em programas alternativos apresentam a mesma falha; Ex.: Falsa interpretação de uma especificação ou uma troca de um sinal de uma fórmula; Para os erros serem detectados devem se manifestar de forma diferente nas diversas alternativas;

12 Diversidade Pode ser utilizada em todas as fases do desenvolvimento de um programa: Da especificação até o teste; Dependendo do tipo de erro que se quer detectar: Erro de especificação; Erro de projeto Erro de Implementação

13 Diversidade Chamada Projeto Diversitário: Quando o desenvolvimento do sistema é realizado usando diversidade de metodologias; Programação n-versões: Quando se restringe à implementação.

14 Diversidade Também pode ser usada como técnica de prevenção de falhas; Várias alternativas são desenvolvidas (de projeto ou de implementação); Na fase de testes, erros eventuais possam ser localizados e corrigidos; Se escolhe então, a alternativa em que se detectou a menor ocorrência de erros.

15 Diversidade Vários fatores influenciam a eficácia da programação diversitária: as equipes podem trocar algoritmos entre si os membros das equipes podem, por formação, tender a adotar os mesmos métodos de desenvolvimento as equipes podem buscar suporte nas mesmas fontes. Qualquer uma dessas correlações imprevisíveis se constitui uma fonte potencial de erros.

16 Blocos de Recuperação Semelhante a programação n-versões Programas secundários só serão necessários na detecção de um erro no programa primário; Teste de aceitação; Programas são executados e testados um a um até que o primeiro passe no teste de aceitação;

17 Blocos de Recuperação Blocos de recuperação


Carregar ppt "Tolerância a Falhas Carlos Oberdan Rolim Ciência da Computação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google