A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Introdução à Economia Faculdade de Rolim de Moura – FAROL Prof. Renato A. dos Santos

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Introdução à Economia Faculdade de Rolim de Moura – FAROL Prof. Renato A. dos Santos"— Transcrição da apresentação:

1

2 Introdução à Economia Faculdade de Rolim de Moura – FAROL Prof. Renato A. dos Santos

3 A alocação de recursos e o sistema de economia de mercado realocação dos fatores alteração dos preços busca do lucro tentativa e erro o que, como e para quem?

4 As fases do Processo de alocação de recursos Os votos dos consumidores: o que se deve produzir? A concorrência: como se devem produzir os bens? A oferta e a demanda no mercado de fatores produtivos: Para quem se deve produzir?

5 A alocação de recursos em uma economia de mercado Mercado de Produtos Demanda e oferta de produtos em função dos preços O QUÊ COMO PARA QUEM FamíliasEmpresas Mercado de Fatores Demanda e oferta dos fatores em função dos preços Fluxo de fatores Fluxo monetário Oferta de produtos Oferta de fatores Demanda dos produtos Demanda de fatores

6 Aspectos essenciais de uma economia de mercado Oferta de bens e e serviços rentáveis pelos quais há demanda Escolha do consumidor dentro das suas possibilidades de renda Compra ou locação dos fatores produtivos Variações no preço dos bens

7 Vantagens da economia de mercado Escolha Sistema de preços controlando a escassez e o excedente Não necessita da intervenção do Estado Incentivos financeiros a demanda de bens e serviços determina a sua oferta

8 Reflexão Como se pode eliminar um excesso de oferta num sistema de economia de mercado? O que se pode fazer quando há excesso de demanda?

9 A ESCOLHA E A NECESSIDADE

10 O conceito de economia NECESSIDADE HUMANA tipos de necessidades –necessidade do indivíduo »natural »social –necessidade da sociedade coletiva públicas –Primárias –Secundárias

11 Estudo da economia A economia estuda a maneira como se administram os recursos escassos, com o objetivo de produzir bens e serviços e distribuí- los para seu consumo entre os membros da sociedade.

12 A micro e a macroeconomia MICROECONOMIA –considera a atuação das diferentes unidades econômicas como se fossem unidades individuais MACROECONOMIA –ocupa-se do comportamento global o emprego, o investimento, o consumo, o nível geral de preço etc..

13 O problema econômico: a escassez a escassez escassez relativa bens econômicos –utilidade –escassez –transferíveis

14 Tipos de Bens Tudo aquilo que satisfaz direta ou indiretamente os desejos e necessidades dos seres humanos Segundo o seu caráter –livres –Econômicos Segundo sua natureza –de capital –de consumo ( duráveis e não duráveis ) Segundo sua função –intermediários –finais

15 O serviços Os serviços são aquelas atividades que, sem criar objetos materiais, se destinam direta ou indiretamente a satisfazer necessidades humanas.

16 Recursos ou fatores de produção Categorias dos fatores de produção TerraTerra TrabalhoTrabalho CapitalCapital

17 População Ativa intervem no processo produtivo empregados –no sentido estrito: têm um trabalho remunerado ainda que esteja, afastados por doença –ativos marginais fazem trabalhos periódicos desempregados –reúnem as condições de idade e capacidade física e mental para trabalhar, mas ainda não trabalham

18 População Inativa a que somente consome Aposentados Estudantes Donas de casa Pessoas que não trabalham e não procuram emprego incapacitados de trabalhar

19 Os Bens de Capital Capital físico ou real –fixo edifícios e maquinaria –circulante matérias-primas e estoques Capital humano –educação, formação profissional e experiência Capital financeiro

20 O custo de oportunidade O custo de oportunidade de um bem ou serviço é a quantidade de outro bem ou serviço que se deve renunciarpara obtê-lo. O custo de oportunidade de um bem ou serviço é a quantidade de outro bem ou serviço que se deve renunciar para obtê-lo.

21 A fronteira de possibilidade de produção reflete as opções que se oferecem à sociedade e a necessidade de se escolher entre elas. Uma economia está situada sobre a Fronteira de Possibilidades de Produção quando todos os fatores de que dispõe a economia estão sendo utilizados para a produção de bens e serviços.

22 A curva ou fronteira de possibilidade de produção trigo Algodão A B C

23 Questões para reflexão Em que sentido se pode dizer que a escassez está presente tanto nos países ricos como nos países pobres? O conceito de custo de oportunidade implica a necessidade de escolha?

24 OS SISTEMAS DE ECONOMIA CENTRALIZADA

25 As limitações do sistema de economia de mercado vantagens atuam guiados pelo seu próprio interesse e de forma livreatuam guiados pelo seu próprio interesse e de forma livre eficiência e liberdade econômicaeficiência e liberdade econômica o sistema de preços estimula os produtoreso sistema de preços estimula os produtores o mercado motiva os indivíduos a utilizarem os bens e recursos escassoso mercado motiva os indivíduos a utilizarem os bens e recursos escassos

26 As limitações do sistema de economia de mercado limitações a renda não se distribui de forma eqüitativa existem falhas no mercado alcança-se a eficiência econômica quando a sociedade não pode aumentar a quantidade produzida de um dos bens sem reduzir a do outro

27 Principais razões das falhas de mercado a concorrência é imperfeita efeitos externos, como a contaminação, que o mercado não aborda existência de bens públicos que distorcem o mercado Os bens ou recursos de propriedade comun tendem a esgotar-se a publicidade pode ser utilizada para manipular os consumidores as economia de mercado tendem a ser instáveis

28 Os sistemas econômicos Sistemas econômicos Economia de mercado Economias mistas Planejamento Central Planejamento totalmente centralizado ou economias autoritárias Socialismo de mercado

29 O sistema de economia centralizada Nas economia centralmente planificadas, os meios de produção são propriedade estatal e as decisões-chave são feitas na agência de planejamento, o poder central.

30 Como funciona o planejamento centralizado o papel do poder central o funcionamento das empresas o crescimento da burocracia

31 O mecanismo de transferências Transferências Poder central Dívida Pública Empresas com déficit Empresas com superávit

32 O fracasso do sistema de economia centralizada começaram a manifestar-se na década de 1970 e explodiram na década seguinte falta de informações e incentivos. a Perestroika –processo de reforma fiscal e de reestruturação da sociedade adotado pelas autoridades soviéticas.

33 A razão do fracasso do planejamento centralizado Não existe nenhum mecanismo centralizado que seja capaz de recolher e transmitir mais eficientemente que o mercado a informação necessária para coordenar a atividade econômica.

34 Pontos negativos estruturas empresariais de caráter monopolístico e oligopolístico luta de interesses mercado negro corrupção desperdício indisciplina financeira desaparecimento de incentivos à inovação

35 A volta ao mercado abandono do sistema de planejamento mudança do sistema de propriedade introdução progressiva do mercado –liberação dos preços forte inflação –mercados de fatores desemprego

36 As economias mistas e o mercado E uma economia mista, o setor público colabora com a iniciativa privada nas respostas às perguntas sobre o que, como e para quem do conjunto da sociedade

37 A corrente neoliberal redescobrimento do livre mercado acentuada onde de neoliberalismo revalorização da eficiência econômica

38 Reflexão Do seu ponto de vista, qual é a maior virtude do sistema de economia de mercado?

39 PRODUÇÃO E MERCADO

40 A EMPRESA E A PRODUÇÃO

41 A empresa, a produção e os benefícios a empresa privadaa empresa privada –função produtiva fundamental ProcessoProdutivo com uma tecnologiadadaTerraTrabalhoCapitalProdutosIntermediários ProdutoFinal

42 A empresa e os lucros maximizar os lucrosmaximizar os lucros a concorrênciaa concorrência Lucros = Receitas - CustosLucros = Receitas - Custos

43 A tecnologia e a empresa estado de conhecimentos técnicos da sociedadeestado de conhecimentos técnicos da sociedade função de produçãofunção de produção –mostra a quantidade máxima de produto que se pode obter com uma quantidade dada de fatores produtivos

44 A produção e o curto prazo bens de capitalbens de capital –máquinas e edifícios curto prazocurto prazo produto totalproduto total produto médio do trabalhoproduto médio do trabalho –indica o nível de produção que a empresa obtém por unidade de trabalho empregada.

45 Rendimentos crescentes e decrescentes Produto médio ou produtividade Produto médio 83 5 Produto médio Número de trabalhadores

46 A produção e o longo prazo A longo prazo, as empresas têm a possibilidade de alterar a quantidade de qualquer dos fatores empregados na produção. Em economia, a diferença entre curto e longo prazo se estabelece unicamente à existências ou não de fatores fixos.

47 Rendimentos ou economias de escala quando varia a quantidade utilizada de todos os fatores em uma determinada proporção, a quantidade obtida do produto varia em uma proporção maior. Dessa forma, ao dobrarmos a quantidade utilizada de todos os fatores, obteremos mais do que o dobro do produto.

48 Rendimentos constantes de escala quando a quantidade utilizada de todos oa fatores e a quantidade obtida do produto variam na mesma proporção.

49 Rendimentos decrescentes de escala ao variar a quantidade utilizada de todos os fatores em uma proporção determinada, a quantidade obtida do produto varia numa proporção menor.

50 Eficiência técnica Um método de produção é tecnicamente eficiente se a produção obtida é a máxima possível com as quantidades de fatores especificadas Um método de produção é tecnicamente eficiente se a produção obtida é a máxima possível com as quantidades de fatores especificadas.

51 A eficiência econômica determina como se combinam os fatores produtivos com referência aos preços dos fatores determina como se combinam os fatores produtivos com referência aos preços dos fatores.

52 Reflexão Comente as limitações do conceito de produtividade.

53 OS CUSTOS DE PRODUÇÃO

54 Os custos na empresa Toda decisão implica um custoToda decisão implica um custo Ao escolher uma opção estamos deixando de lado muitas outras.Ao escolher uma opção estamos deixando de lado muitas outras. custos: ajudam a selecionar as melhores decisõescustos: ajudam a selecionar as melhores decisões uso do capital físico: amortização ou depreciaçãouso do capital físico: amortização ou depreciação –perda de valor

55 Custos Fixos São os custos dos fatores fixos da empresa e, portanto, a curto prazo independem do nível de produção.

56 Custos variáveis dependem da quantidade empregada dos fatores variáveis e, portanto, do volume da produção dependem da quantidade empregada dos fatores variáveis e, portanto, do volume da produção.

57 Custos totais CustosTotaisCustosFixos = + CustosVariáveis

58 Custos Médios CMe = CT Q

59 Os custos a longo prazo a empresa é capaz de ajustar-se totalmente a mudanças de circunstânciasa empresa é capaz de ajustar-se totalmente a mudanças de circunstâncias os custos totais de produção aumentam à medida que se eleva a quantidade produzida, já que os custos aumentam com o incremento da produçãoos custos totais de produção aumentam à medida que se eleva a quantidade produzida, já que os custos aumentam com o incremento da produção.

60 Os custos médios a longo prazo custos médios a longo prazo unidades de produto Custos médios a longo prazo

61 O Produto e o custo marginal O produto marginal de um fator variável ( o trabalho ) mostra o aumento na produção obtida, utilizando uma unidade adicional desse fator O produto marginal de um fator variável ( o trabalho ) mostra o aumento na produção obtida, utilizando uma unidade adicional desse fator.

62 Produto Marginal se define como o aumento no produto total, devido ao aumento de uma unidade de trabalho PM= PT L

63 Custo marginal O custo marginal (CMg) pode expressar-se como a razão da mudança no custo total ante uma mudança na produção CM= CT L

64 Reflexão Justifique a forma da curva de custo médio a longo prazo, segundo o conceito de economia de escala.

65 A REMUNERAÇÃO DOS FATORES DE PRODUÇÃO

66 A empresa e os fatores de produção Mercado de Bens de serviços Mercado de Fatores Empresas Famílias Ofertas das Empresas Demanda dos Consumidores Demanda Derivada Oferta de fatores preços dos bens e serviços ( trigo, automóveis, viagens etc.) preços dos fatores salário, preço da terra, tipo de interesses

67 Valor adicionado É a diferença entre o valor dos bens produzidos e o custo das matérias- primas e os bens intermediários que se utilizam na sua produção

68 A demanda de fatores e a demanda derivada a demanda de um fator é uma demanda derivadaa demanda de um fator é uma demanda derivada A quantidade demandada a cada preço de um fator para ser empregada num processo produtivo real dependerá da quantidade que se deseja obter do bem ou produto finalA quantidade demandada a cada preço de um fator para ser empregada num processo produtivo real dependerá da quantidade que se deseja obter do bem ou produto final condicionada pelo preço do produtocondicionada pelo preço do produto

69 Substituição entre os fatores qualquer bem pode ser produzido com diferentes combinações de quantidades de vários fatoresqualquer bem pode ser produzido com diferentes combinações de quantidades de vários fatores substituir uns pelos outrossubstituir uns pelos outros minimizar custosminimizar custos

70 Os salários Salário é o conjunto de renda que recebem os trabalhadores, em dinheiro ou em epécie, pela prestação de seus serviços para terceiros

71 A demanda de trabalho: fatores determinantes demanda de trabalhodemanda de trabalho –é o número de pessoas que estão dispostas a ser contratadas pelas empresas a cada nível de salário dependemdependem –nível de salários –produtividade –preços dos bens e serviços produzidos

72 A oferta de trabalho: fatores condicionantes oferta de trabalhooferta de trabalho –é o número de pessoas que estão dispostas a oferecer seu tempo para executar um trabalho, segundo o nível de salários. determinadadeterminada –o tamanho da população total, a proporção da população que está em idade para trabalhar

73 Taxa de atividade Taxa de atividade é a porcentagem das pessoas que tendo a idade necessária para trabalhar estão buscando emprego

74 O mercado de trabalho Salários (R$ p/hora) Se= Qtde de trabalho Número de pessoas Le

75 A mobilidade ocupacional e as diferenças salariais fatores que determinam a oferta de trabalhofatores que determinam a oferta de trabalho habilidade especialhabilidade especial nível educacionalnível educacional natureza do trabalho desenvolvidonatureza do trabalho desenvolvido produto elaboradoproduto elaborado

76 Renda da Terra O preço ou remuneração da terra pode ser denominado renda. Esta reflete o valor da produtividade da terra. Renda da terraOferta de terra fértil Demanda de terra Qtde disponível de terra fértil

77 A oferta de solo urbanizável AB D1 D2 r1 r0 O Preço de solo urbanizável Qtde disponível de solo urbanizável Demanda de solo urbanizável Oferta de solo urbanizável

78 Renda econômica e oferta fixa é o rendimento de um fator de produção sobre seu custo de oportunidade.

79 Os juros e o capital Os juros podem ser definidos como o pagamento pelos serviços de capital ou, mais especificamente, como o preço de um empréstimo.

80 A diversidade dos tipos de juros risco da operaçãorisco da operação garantia que oferece o devedorgarantia que oferece o devedor período que se concede o empréstimoperíodo que se concede o empréstimo

81 Demanda de capital produtividade ou rendimento do capitalprodutividade ou rendimento do capital depende da rentabilidade esperado do investimentodepende da rentabilidade esperado do investimento

82 Determinação da taxa de juros de equilíbrio Tipo de taxa de juros (%) Oferta de fundos disponíveis Demanda de fundos disponíveis Fundos disponíveis ie

83 A oferta de capital provém basicamente da poupançaprovém basicamente da poupança setor públicosetor público empresasempresas economias domésticaseconomias domésticas –é o que proporciona a maior parte do capital oferecido como empréstimos dependemdependem –nível de renda –taxa de juros

84 A determinação da taxa de juros análise conjunta da demanda e da oferta de capital determina a taxa de juros.

85 Reflexão Os aumentos salariais são assumíveis pela empresa, pois se compensam com aumentos na produtividade Os aumentos salariais são assumíveis pela empresa, pois se compensam com aumentos na produtividade

86 O MERCADO, OS PREÇOS E A ELASTICIDADE

87 Deslocamento da curva de demanda as rendas ou receitas dos consumidoresas rendas ou receitas dos consumidores os preços dos bens relacionadosos preços dos bens relacionados as mudanças nos gostos ou preferências dos consumidoresas mudanças nos gostos ou preferências dos consumidores

88 As rendas dos consumidores bens normaisbens normais –são aqueles cuja quantidade demandada aumenta quando aumenta a renda bens inferioresbens inferiores –são bens os quais há alternativas de maior qualidade, ex: mortadela, margarina –são aqueles cuja quantidade diminui quando aumenta a renda

89 Deslocamento da curva de demanda de discos D1D1 D2D2 Preços dos discos ( reais por disco) Qtde de discos (milhões de discos ao ano)

90 Bens de luxo e bens de primeira necessidade primeira necessidadeprimeira necessidade –ao aumentar a renda, a quantidade demandada do bem aumenta em menor proporção de luxode luxo –ao aumentar a renda, a quantidade demandada do bem aumenta em maior proporção

91 Tipos de Bens Bens Bem normal Bem inferior Bens de Luxo De primeira necessidade

92 Os preços dos bens relacionados a quantidade demandada de um bem depende das variações dos preços dos bens relacionados

93 Bens Substitutos Os bens são substitutos se a majoração do preço de um deles eleva a quantidade demandada do outro, qualquer que seja o preço Os bens são substitutos se a majoração do preço de um deles eleva a quantidade demandada do outro, qualquer que seja o preço.

94 Bens complementares Os bens são complementares se a majoração do preço de um deles reduz a quantidade demandada do outro.

95 Mudanças nos gostos ou preferência dos consumidores ocasionam deslocamentos na curva de demandaocasionam deslocamentos na curva de demanda se modificam com o decorrer do tempose modificam com o decorrer do tempo campanhas publicitáriascampanhas publicitárias mudanças para a direita e para a esquerda.mudanças para a direita e para a esquerda.

96 Deslocamentos da curva de oferta –os preços dos fatores de produção –a tecnologia disponível As variações de qualquer desses elementos alteram a quantidade oferecida a cada um dos preços e, em consequência, fazem a curva da oferta se deslocar

97 Os preços dos fatores de produção Deslocamento da curva de oferta O1 O2 Preços dos discos ( reais por disco) Qtde de discos (milhões de discos ao ano) 4

98 A tecnologia existente conjunto de técnicas ou métodosconjunto de técnicas ou métodos permite produzir e vender a quantidade dada de um bem a um preço menorpermite produzir e vender a quantidade dada de um bem a um preço menor aumento da ofertaaumento da oferta

99 Movimentos ao longo da curva da demanda acontecem como conseqüência de uma mudança nos preços

100 Deslocamento da curva de demanda se devem a alterações de alguns fatores, que não o preço. Por exemplo a renda dos consumidores

101 Mudanças na demanda Preço Quantidade da demanda P2 P1 B A C Q2Q1Q3 D1 D2

102 Mudanças na demanda e mudanças na quantidade demandada Alterações na renda naspreferências no preço de outros bens Mudanças na demanda Mudanças na quantiade demandada Alterações no preço O O

103 Os deslocamentos da curva de oferta e sua incidência sobre o preço e a quantidade de equilíbrio O fator-chave da maior ou menor sensibilidade dos preços e a quantidade de equilíbrio ante um deslocamento da curva de oferta baseiam-se na inclinação da curva de demanda

104 Deslocamento da curva de oferta Mercado de trigo Oo O1 D Preço do trigo Qtde de trigo Po = 10 P1 = 5 Qo=10Q1=12 (a)

105 Deslocamento da curva de oferta Mercado de cevada Oo O1 D Preço da cevada Qtde de cevada Po = 10 P1 = 7 Qo = 5Q1 = 9 (b)

106 Elasticidade-preço da demanda (Ep) mede o grau em que a quantidade demandada responde às variações de preço de mercado e se expressa como o quociente entre a variação percentual da quantidade demandada do bem, produzida por uma variação de seu preço em 1%, mantendo-se constantes todos os demais fatores que afetam a quantidade demandada

107 Para calcular a elasticidade Elasticidade da demanda = variação percentual da quantidade demandada variação percentual do preço Q x 100 Q P P

108 Demanda elástica 5 3 Preço unitário Demanda elástica (Ep=2) (a) Quantidade

109 Demanda de elasticidade unitária 3 2 Preço unitário Demanda de elasticidade unitária (Ep=1) 1520 (b) Quantidade

110 Demanda inelástica 5 4 Preço unitário Demanda inelástica (Ep=0,5) (c) Quantidade

111 Tipologia das elasticidades da demanda ELÁSTICA A demanda é elástica se o valor numérico da elasticidade é maior que a unidade, isto é, se a variação na quantidade é percentualmente maior que no preço

112 Tipologia das elasticidades da demanda ELASTICIDADE UNITÁRIA A demanda tem elasticidade unitária se uma variação percentual do preço produz uma variação percentual da quantidade igual àquela.

113 Tipologia das elasticidades da demanda INELÁSTICA A demanda é inelástica se o valor numérico da elasticidade é menor que a unidade, isto é, se a variação na quantidade é percentualmente menor que a variação do preço A demanda é inelástica se o valor numérico da elasticidade é menor que a unidade, isto é, se a variação na quantidade é percentualmente menor que a variação do preço.

114 A elasticidade da demanda: casos extremos PERFEITAMENTE INELÁSTICA A demanda é perfeitamente inelástica - isto é, sua elasticidade é zero - quando, ao variar o preço, a demanda não mostra nenhuma resposta na quantidae demandada.

115 PERFEITAMENTE INELÁSTICA Preço unitário demanda perfeitamente inelástica Quantidade demandada (a)

116 A elasticidade da demanda: casos extremos PERFEITAMENTE ELÁSTICA A demanda é perfeitamente elástica, ou infinita, quando os compradores não estão dispostos a pagar mais que um determinado preço, qualquer que seja a quantidade do bem

117 TOTALMENTE ELÁSTICA Preço unitário demanda totalmente elástica Quantidade demandada (b)

118 A elasticidade no ponto O valor da elasticidade da demanda é diferente em cada ponto da curva de demanda

119 ELASTICIDADE NO PONTO Preço Quantidade

120 A elasticidade da demanda e a receita total elástica Quando a demanda é elástica, uma redução do preço aumentará a receita total. Um aumento do preço, ao contrário, reduzirá a receita total

121 A elasticidade da demanda e a receita total inelástica Quando a demanda é inelástica, uma redução no preço diminuirá a receita total e um aumento elevará a receita Quando a demanda é inelástica, uma redução no preço diminuirá a receita total e um aumento elevará a receita.

122 Reflexão Como varia a receita total quando se reduz o preço de um bem cuja demanda é elástica? O que acontece se for inelástica?

123 A concorrência perfeita, o monopólio e o oligopólio

124 O mercado e a concorrência associada a rivalidade ou oposiçãoassociada a rivalidade ou oposição mecanismo de organização dos mercadosmecanismo de organização dos mercados uma forma de determinar os preços e as quantidades de equilíbriouma forma de determinar os preços e as quantidades de equilíbrio

125 A concorrência A concorrência é uma forma de organizar os mercados que permite determinar os preços e as quantidades de equilíbrio

126 Tipos de mercado concorrência perfeitaconcorrência perfeita –grande número de vendedores OligopólioOligopólio –um número reduzido de vendedores monopóliomonopólio –controlado por só um produtor

127 Concorrência imperfeita Os mercados em concorrência imperfeita são aqueles nos quais o produtor ou produtores são suficientemente grandes para ter efeito notável sobre o preço

128 Tipos de mercados e características Concorrência perfeita Concorrência imperfeita imperfeita oligopólio oligopólio monopólio monopólio Muitos produtores número reduzido de produtores um só produtor

129 A concorrência perfeita Um mercado em concorrência perfeita é aquele no qual existem muitos compradores e muitos vendedores, de forma que nenhum comprador ou vendedor individual exerce influencia sobre o preço

130 Condições existência de elevado número de ofertantes e demandantesexistência de elevado número de ofertantes e demandantes homogeneidade do produtohomogeneidade do produto transparência do mercadotransparência do mercado liberdade de entrada e saída de empresasliberdade de entrada e saída de empresas

131 O funcionamento dos mercados e a concorrência perfeita O mercado determina o preço de equilíbrio; assim, a empresa individual produzirá uma quantidade conforme o preço indicado pela sua curva de oferta, que dependerá dos custos de produção.

132 Equilíbrio de mercado Preço Quantidade Pe Oferta de mercado Demanda de mercado

133 Equilíbrio de empresa individual Preço Quantidade Pe Oferta de mercado

134 Os lucros e a concorrência perfeita O preço que se determina no equilíbrio de um mercado concorrencial não dará às empresas, em geral, os mesmos lucros.O preço que se determina no equilíbrio de um mercado concorrencial não dará às empresas, em geral, os mesmos lucros. tecnologiatecnologia instalações fixasinstalações fixas custos e lucros diferentescustos e lucros diferentes

135 Os lucros da concorrência perfeita Empresa A Pe Custos médios Quantidade produzida CMe (A) Preço de mercado

136 Os lucros da concorrência perfeita Empresa B Pe Custos médios Quantidade produzida CMe (B) Preço de mercado

137 O Monopólio o mercado monopolista existe um só ofertante, que tem plena capacidade de determinar o preço

138 Causas que explicam a aparição do monopólio o controle exclusivo de um fator produtivoo controle exclusivo de um fator produtivo a concessão de uma patentea concessão de uma patente o controle estatal da oferta de determinados serviçoso controle estatal da oferta de determinados serviços o porte do mercado e a estrutura de custoso porte do mercado e a estrutura de custos

139 Monopólio natural surge quando uma empresa à medida que aumenta a produção. Consequentemente, poderá satisfazer as necessidades do mercado de forma mais eficiente que muitas empresas surge quando uma empresa diminui de maneira expressiva seu custo médio por unidade de produto à medida que aumenta a produção. Consequentemente, poderá satisfazer as necessidades do mercado de forma mais eficiente que muitas empresas.

140 A curva de demanda na empresa concorrencial Pe Preço de mercado dd P q (a) empresa individual

141 A curva de demanda na empresa monopolística Preço de mercado P q (b) Mercado D D

142 Monopólio natural CMe CMe D D P P2 P1 Q1 Q

143 Análise comparativa entre monopólio e concorrência perfeita MonopólioMonopólio –o preço de venda maior –maiores lucros Concorrência perfeitaConcorrência perfeita –preço menor –menores lucros

144 A regulação do monopólio Dividir o monopólio em duas ou três empresasDividir o monopólio em duas ou três empresas Impedir que se formem monopóliosImpedir que se formem monopólios Regular os monopólios existentesRegular os monopólios existentes –deixar que funcionem com uma regulação mínima e estabelecer impostos –obrigar o monopólio a fixar um preço que elimine os lucros extras –obrigar o monopólio a fixar um preço que situe a empresa numa situação similar à concorrência perfeita

145 existe um número reduzido de vendedores (ofertantes), diante de uma grande quantidade de compradores, de forma que os vendedores podem exercer algum tipo de controle sobre o preço interdependência mútua Os mercados oligopolistas

146 Possibilidades para ganhar o mercado adivinhar as ações dos rivaisadivinhar as ações dos rivais pôr-se de acordo sobre os preços e competir só na base da publicidadepôr-se de acordo sobre os preços e competir só na base da publicidade formar um cartel, isto é, em vez de competir, cooperar e repartir o mercadoformar um cartel, isto é, em vez de competir, cooperar e repartir o mercado

147 Cartel é um agrupamento de empresas que procura limitar a ação das forças de livre concorrência para estabelecer um preço comum e/ou alcançar uma maximização conjunta dos lucros

148 A FIXAÇÃO DOS PREÇOS NA PRÁTICA: O CUSTO MÉDIO

149 Críticas aos modelos tradicionais de fixação de preços complexidade da empresacomplexidade da empresa preços, quantidadespreços, quantidades publicidadepublicidade grau de diversidade dos produtosgrau de diversidade dos produtos a empresa conta com certa flexibilidadea empresa conta com certa flexibilidade

150 A curva de custos com um trecho horizontal CMe CFMe CTMe CVMe CFMe q1 q2 q

151 A fixação dos preços mediante o critério do custo médio CT = CF + CV CVMe = CV q CFMe = CF q

152 Custo total médio (CTMe) CTMe = CT = CFMe + CVMe q q

153 Critério de fixação de preços O critério de fixação de preços segundo o custo médio mantém que, para determinar o preço que os empresários fixarão para os seus produtos, o adequado é estimar os diferentes elementos que integram os custos e, portanto, o preço dos produtos

154 Os componentes dos preços custos diretoscustos diretos –só podem ser determinados a partir da curva de custos médios variáveis custos comuns ou indiretoscustos comuns ou indiretos margem de lucro líquidomargem de lucro líquido

155 A fixação do preço segundo o custo médio CTMe CVMe P P CTMe qqLq CVMe Limite de capacidade

156 O preço P = custos diretos + custos comuns = margem líquida = = CVMe + CFMe + MN

157 Reflexão Em que consistem as duas características básicas do oligopólio: a interdependência mútua e a incerteza.


Carregar ppt "Introdução à Economia Faculdade de Rolim de Moura – FAROL Prof. Renato A. dos Santos"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google