A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Trabalho realizado por: Andreia Costa Nº3 Inês Vieira Nº9 7ºB Escola Básica 2,3 ciclos Dr. José Jesus Neves Júnior.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Trabalho realizado por: Andreia Costa Nº3 Inês Vieira Nº9 7ºB Escola Básica 2,3 ciclos Dr. José Jesus Neves Júnior."— Transcrição da apresentação:

1 Trabalho realizado por: Andreia Costa Nº3 Inês Vieira Nº9 7ºB Escola Básica 2,3 ciclos Dr. José Jesus Neves Júnior

2 Lápis Lápis é um instrumento utilizado para escrita, desenho e pintura.escritadesenhopintura É composto por um bastão fino de grafite inserido num cilindro de madeira.grafitemadeira

3 História do lápis O protótipo do lápis poderá ter sido o antigo Romano stylus, o qual consistia de um pedaço de metal fino utilizado para escrever nos papiros, habitualmente feito a partir de chumbo.Romanostyluspapiroschumbo Em 1564, um enorme depósito de grafite foi descoberto perto de Borrowdale, Cumbria, Inglaterra. E os habitantes locais descobriram que era muito útil para marcar ovelhas. Este depósito particular de grafite era extremamente puro e sólido, sendo facilmente cozido num pau!1564grafiteBorrowdaleCumbriaInglaterraovelhas A Inglaterra manteve o monopólio sobre a indústria de lápis por muito tempo, até que outras fontes de grafite foram descobertas. Porém nenhuma era tão pura quanto a de Borrowdale, continha muitas impurezas e para retirá-las era preciso quebrá-la, resultando num pó, que poderia ser reconstituído e transformar-se em lápis.

4 Quem inventou o lápis? O primeiro lápis nasceu em 1564, quando os trabalhadores de uma mina de carvão em Cuberland na Inglaterra, puseram as mãos por acaso numa substância negra e brilhante, fácil de se raspar com a unha. De tão macia que era, deixava um traço nítido no papel, sem rasgá-lo. Adivinha? Estava descoberto o grafite. A partir daí, alguém teve a ideia de juntar duas tabuinhas e recheá-las com uma fatia de grafite para usar na escrita. Mesmo assim ainda demorou dois séculos para que o lápis se transformar-se no que é hoje. E finalmente o alemão Kasper Faber, por volta de 1839, de tanto aparar as formas achatadas das tabuinhas com grafite, conseguiu chegar ao lápis cilíndrico, igualzinho ao que usamos hoje.

5 Lápis de grafite Os lápis de grafite são utensílios universalmente usados para o desenho e para a escrita. A grafite e um mineral que, misturado com um aglutinante (cola), permite o fabrico de minas. Para que não partam facilmente são envolvidas num pedaço de madeira (os lápis), embora também se usem um forma de minas para lapiseiras. Apresentam-se com diferentes graus de dureza numerados 9H ao 7B. É esse grau de dureza que os números e as letras B, F e H traduzem; estas letras são as inicias das palavras inglesas black, Firm e Hard. Assim, os lápis 7B são os mais macios e os 9H os mais duros.

6 Dureza de lápis Duros: Lápis 8H - usado para litografia,litografia Lápis 7H,Lápis 6H, Lápis 5H,Lápis 4H, Lápis 3H, Lápis 2H, Lápis H. Médio: Lápis HB Macios: Lápis 6B da Faber-CastellFaber-Castell Lápis 2B - é um tipo de lápis semi-macio usado para desenho.lápisdesenho Lápis 3B - usado para definição de meio tom. Ideal para representação da textura da pele, Lápis 4B, Lápis 5B Lápis 6B - é um tipo de lápis (ou grafite) com ponta macia adequado para desenho. Ele tem ponta mais macia que o 5B, que o 4B,lápisgrafite desenho Lápis 7B, Lápis 8B, Lápis 9B.

7 Lápis de cor Lápis de cor é um lápis colorido muito utilizado para pinturas, sobretudo em escolas.lápiscoloridopinturasescolas Normalmente é comercializado em embalagens contendo 12, 24 ou 36 unidades de cores diferentes.comercializadoembalagens

8 Lápis de cera aguareláveis e normais Os Lápis de Cera Aguareláveis e os Lápis de Cera normais são totalmente inofensivos, pelo que podem ser usados pelas crianças. Aplicam-se directamente em papel, cartolina, tela, madeira, gesso, etc. Podem ser usados nas técnicas habituais de rascado esgrafiado, fricção e também em técnicas mistas.

9 Os lápis de cera aguareláveis são fabricadas partindo de pigmentos e colorantes amassados, aglutinados com ceras e gorduras naturais, fundidos a quente que, uma vez frios, transformam-se em barrinhas cilíndricas. oferece a possibilidade de realizar composições de tons bastante vivos, onde se combinem a opacidade e a transparência. Passando um pincel molhado em água na superfície pintada, conseguiremos efeitos de aguarela, pelo qual serve tanto em técnicas em seco como em molhado ou também combinando as duas. Lápis de cera aguareláveis e normais

10 Lápis de cera ceralux Os LÁPIS DE CERA CERALUX são fabricados partindo de pigmentos e colorantes amassados e aglutinados com ceras e gorduras naturais, fundidos a quente. Esta massa homogénea, esfriada, transforma-se numa barra cilíndrica. Para pintar sobre superfícies não porosas, é recomendável realizar uma prova prévia de aderência. Também são adequados para a prática da fundição, esquentando a barrinha de cera com uma vela, podendo ir aplicando então com a espátula. Diluindo as barrinhas de cores com Essência de Terebintina, consegue-se um efeito tipo "óleo".

11 Pastel seco O pastel seco (também se chama pastel de giz) é um material muito antigo. À semelhança do pastel de óleo e de lápis de cera, apresentasse em barras cilíndricas ou de secção quadrada (estas últimas de maior dureza). O pigmento é misturado geralmente com goma-arábica (espécie de cola) que funciona como aglutinante. O resultado da técnica de pastel usada pelo pintor francês La Tour assemelha-se muito ao de uma pintura, especialmente se a olharmos a distancia. Edgar Degas, um pintor do século XIX, também utilizou com frequência a técnica do pastel segundo uma característica distinta: a impressão dos riscos feitos pelas barras de pastel e deixada propositadamente, sem esfregar, permitindo uma maior expressão.

12 Podemos considerar o pastel seco como uma técnica quer de desenho quer de pintura. Devido às suas características de dureza é utilizando segundo dois processos: deixando perceber o riscado das linhas ou através do esfregado (geralmente com os dedos), diluindo essas mesmas linhas e criando áreas de cores lisas e de tonalidades. Pastel seco

13 Pastel de óleo A técnica do pastel de óleo é em tudo semelhante a técnica dos lápis de cera. O seu aspecto e embalagem são também semelhantes as ceras. A diferença principal esta no aglutinante que, neste caso, não é a cera mas sim o óleo, o que os torna muito mais gordurosos. Quanto aos suportes e ao processo, são, em tudo semelhantes aos indicados os lápis de cera.

14 Trabalho realizado por: Andreia Costa Nº3 Inês Vieira Nº9 7º B


Carregar ppt "Trabalho realizado por: Andreia Costa Nº3 Inês Vieira Nº9 7ºB Escola Básica 2,3 ciclos Dr. José Jesus Neves Júnior."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google