A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aspectos Ambientais do Uso do Agregado Siderúrgico para a Pavimentação Rodoviária Workshop: Sustentabilidade do Setor Siderúrgico Brasileiro 08 de novembro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aspectos Ambientais do Uso do Agregado Siderúrgico para a Pavimentação Rodoviária Workshop: Sustentabilidade do Setor Siderúrgico Brasileiro 08 de novembro."— Transcrição da apresentação:

1 Aspectos Ambientais do Uso do Agregado Siderúrgico para a Pavimentação Rodoviária Workshop: Sustentabilidade do Setor Siderúrgico Brasileiro 08 de novembro de 2006, São Paulo - SP

2 2 OBJETIVO O grande estímulo para realização deste estudo foi tentar verificar se algum dos usos atuais das Escórias de Aciaria apresentavam algum risco significativo para o ambiente e/ou a saúde humana, principalmente em aplicações rodoviárias.

3 3 ESCOPO Realização de Análises Fisico-químicas, Toxicológicas, Ecotoxicológicas e testes de Mutagenicidade em co-produtos da CST (Acerita e Revsol) e um agregado pétreo natural (Pó de Pedra), visando este último servir de comparativo para os resultados das análises.

4 4 APLICAÇÕES TÍPICAS Camadas superficiais e sub-superficiais de estradas; Agregado para recuperação paisagística; Agregado para controle de erosão; Gabiões; Lastro ferroviário; Enrocamentos; Estabilização de encostas; Agricultura; Tratamento de Efluentes; Jateamento; Produção de Cimento.

5 5 O QUE É UMA AVALIAÇÃO DE RISCO? Risco é a probabilidade de que uma conseqüência danosa ocorrerá como resultado de uma ação. Risco é uma função do perigo e da exposição. Para que o risco ocorra, deve-se existir uma fonte de risco (perigo) e uma exposição ao perigo. A avaliação de risco é o processo pelo qual procura-se avaliar ou predizer a probabilidade e amplitude do dano (em termos quantitativos e qualitativos) que podem resultar de um perigo a saúde ou ao meio ambiente. Uma avaliação de riscos pode fornecer informações essenciais acerca da severidade e extensão de problemas ambientais específicos. (Hundertmark, 2004)

6 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS DA ANÁLISE DE RISCO? A Análise de risco pode ser usada pelos fabricantes, processadores e clientes para avaliar os usos propostos atuais e futuros da escória, bem como para legisladores municipais, estaduais e federais avaliar a necessidade de regulamentação ambiental.

7 7 LABORATÓRIO DE PESQUISA Laboratório independente que desenvolve análises e testes para alimentos, águas e efluentes, resíduos sólidos e substâncias químicas em geral (agro e petroquímicos, domissanitários e produtos veterinários), com o objetivo de fornecer informações técnicas, com base em análises laboratoriais, a cerca dos impactos na saúde e ao meio ambiente (Laudos Técnicos). Credenciamentos e Registros: INMETRO (Boas práticas de laboratório); Ministério da Agricultura e Abastecimento; ANVISA; Certificado de Qualidade em Biossegurança - CTNBio; CRQ, CRB, CREA; Análises Laboratoriais: Microbiologia; Físico-Química; Toxicologia; Ecotoxicologia; Mutagenicidade; TECAM – TECNOLOGIA AMBIENTAL

8 8 ANÁLISES REALIZADAS TesteNormaMetodologiaResposta Caracterização de Resíduos Sólidos ABNT NBR :1987 e 2004 Classificação com base nos extratos lixiviados e solubilizados (NBR e :1987 e 2004) Resíduo Classe I – Perigoso Resíduo Classe II – Não Inerte Resíduo Classe III - Inerte Toxicidade com Algas OECD 201 Inibição do crescimento de 50% das células expostas. Exposição: 4 dias Concentração efetiva mediana (CE 50) Toxicidade com Microcrustáceos OECD 202 Imobilidade de 50% dos organismos expostos. Exposição: 2 dias Concentração efetiva mediana (CE 50) Toxicidade com Peixes OECD 203 Mortalidade de 50% dos organismos expostos. Exposição: 4 dias Concentração letal mediana (CL 50) Toxidade com Minhocas OECD 207 Mortalidade de 50% dos organismos expostos. Exposição: 14 dias Concentração letal mediana (CL 50) Resumo dos Testes Laboratoriais: Avaliação de Risco ao Meio Ambiente

9 9 ANÁLISES REALIZADAS Resumo dos Testes Laboratoriais: Avaliação de Risco à Saúde Humana - 1 TesteNormaMetodologiaResposta Irritação Cutânea OECD 404 Efeitos irritantes / corrosivos sobre pele de coelhos. Exposição: 4 horas Observação: 14 dias Corrosivo / Irritante / Irritante Leve/ Não irritante Irritação Ocular OECD 405 Efeitos irritantes / corrosivos sobre olhos de coelhos. Exposição: 1 a 24 horas Observação: 21 dias Corrosivo / Irritante / Irritante leve/ Não irritante Sensibilização dérmica OECD 406 Efeitos sensibilizantes sobre pele de cobaias. Indução: 3 semanas Desafio 6 horas Observação: 48 horas Potencialmente sensibilizante / Não sensibilizante

10 10 ANÁLISES REALIZADAS Resumo dos Testes Laboratoriais: Avaliação de Risco à Saúde Humana - 2 TesteNormaMetodologiaResposta Toxicidade Cutânea OECD 402Letalidade a 50% dos organismos expostos por via cutânea. Exposição: 24 horas Observação: 14 dias Dose cutânea letal mediana (DL50) até a dose máxima de 4000 mg/kg Toxicidade Oral OECD 423Letalidade a 50% dos organismos expostos por via oral Exposição: 14 dias Dose oral letal mediana (DL50) até a dose máxima de 2000 mg/kg

11 11 ANÁLISES REALIZADAS Resumo dos Testes Laboratoriais: Avaliação de Risco à Saúde Humana - 3 TesteNormaMetodologiaResposta AMESOECD 471Efeito mutagênico sobre Salmonella typhimurium. Exposição: 3 dias Positivo / Negativo MicronúcleoOECD 474Efeito mutagênico sobre células eucarióticas de camundongos. Exposição: 3 dias Positivo / Negativo

12 12 RESULTADOS TECAM Resultados dos Testes Laboratoriais: Análise de Risco ao Meio Ambiente TesteACERITAREVSOLPó de Pedra Caracterização de Resíduos Sólidos - Norma ABNT NBR /1987 Resíduo Classe II (Resíduo Não Inerte) Resíduo Classe II (Resíduo Não Inerte) Resíduo Classe II (Resíduo Não Inerte) Enquadramento Extrato Solubilizado - Dureza Extrato Solubilizado – Dureza / Fluoreto Extrato Solubilizado – Ferro / Fluoreto Caracterização de Resíduos Sólidos - Norma ABNT NBR /2004 Resíduo Classe II -B Não Perigoso Inerte Resíduo Classe II -B Não Perigoso Inerte - Enquadramento Todos os parâmetros analisados atenderam aos valores máximos para extrato lixiviado e solubilizado -

13 13 RESULTADOS TECAM Resultados dos Testes Laboratoriais: Análise de Risco ao Meio Ambiente TesteACERITAREVSOLPó de Pedra Toxidade com Algas < 6,25 % elutriato 27,51% elutriato Toxidade com Microcrustáceos 3,16 % elutriato > 100% elutriato Toxidade com Peixes 4,42 % elutriato > 100% elutriato Toxidade com Minhocas aprox. 33,33% elutriato/kg de solo > 33,33% elutriato/kg de solo aprox. 33,33% elutriato/kg de solo

14 14 RESULTADOS TECAM Resultados dos Testes Laboratoriais: Avaliação de Risco à Saúde Humana TesteEscória LDEscória NPPó de Pedra Irritação CutâneaNão irritante Irritação OcularIrritante Irritante Leve Sensibilização dérmica Potencialmente não sensibilizante Toxicidade CutâneaDL50 > 4000 mg/kg Toxicidade OralDL50 > 2000 mg/kg AMESNegativo MicronúcleoNegativo

15 15 CONCLUSÃO Não perigoso Não corrosivo Não tóxico (análises físico-químicas do lixiviado) Não tóxico para mamíferos Irritante Não sensibilizante Não mutagênico Alguma Ecotoxicidade

16 16 Foi realizado uma modelagem das emissões de partículas. A suspensão devida a perturbação física (p.ex., tráfego, nivelamento, escavação, etc.) foi considerada a possível fonte mais significativa de partículas de escória em suspensão no ar ambiente. Foram determinados os parâmetros para cada cenário de exposição e aplicação ambiental; Para quantificar a exposição pelo ar dos trabalhadores da construção e agricultores, determinou-se a quantidade de escória que poderia ficar em suspensão no ar ambiente com base nos Fatores de Emissão de Poluentes do Ar da USEPA' (Compilation of Air Pollutant Emission Factors,1996c). Impactos associados a inalação de partículas – Riscos a Saúde STEEL SLAG COALITION* * Estudo coordenado pela Collier Shannon Scott e realizado pela Chemrisk / Exponent, a pedido da Steel Slag Coalition.

17 17 STEEL SLAG COALITION A fração de PM5 corresponderam a uma média 0.79% para a escória de Aciaria. A fração de PM10 (partículas de até 10 µm de diâmetro) corresponderam a 1.0% para a escória de Aciaria; Como as emissões de partículas no cenário da construção civil eram PTS, que em sua maioria não são respiráveis, considerou-se adequado corrigir o PTS para a fração que possa ser inalada e afetar a região alveolar do pulmão. Só se prevê que cheguem à região alveolar do pulmão as partículas de até 5 µm (Cowherd et al. 1985). Impactos associados a inalação de partículas – Riscos a Saúde

18 18 STEEL SLAG COALITION Os riscos carcinogênicos e não carcinogênicos associados com as escórias siderúrgicas foram considerados insignificantes para populações urbanas e rurais ou trabalhadores em manutenção, industria e construção potencialmente expostas. Impactos associados a inalação de partículas – Riscos a Saúde

19 19 CONCLUSÃO Através dos estudos de análise de risco efetuados tanto no Brasil como nos Estados Unidos, é possível afirmar que a Escória de Aciaria é um produto seguro para aplicações rodoviárias e para saúde dos trabalhadores e comunidades expostas.

20 20 PRÓXIMOS PASSOS … Aprofundar a análise de Risco referente a ecotoxicidade em ambientes aquáticos; Desenvolver pesquisa cientifica em parceria com o setor acadêmico no uso de escória para tratamento de efluentes. Promover a divulgação do estudo junto a Universidade Federal de Viçosa relativo ao uso de escória de aciaria na agricultura.

21 21 Obrigado pela atenção! (27) João Bosco Reis da Silva Especialista em Gestão Ambiental


Carregar ppt "Aspectos Ambientais do Uso do Agregado Siderúrgico para a Pavimentação Rodoviária Workshop: Sustentabilidade do Setor Siderúrgico Brasileiro 08 de novembro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google