A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

As fontes da Teologia Fé Vida do Povo Realidade Razão Revelação Escritura Comunidade Tradição da Igreja.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "As fontes da Teologia Fé Vida do Povo Realidade Razão Revelação Escritura Comunidade Tradição da Igreja."— Transcrição da apresentação:

1

2 As fontes da Teologia Fé Vida do Povo Realidade Razão Revelação Escritura Comunidade Tradição da Igreja

3 POR QUE ESTUDAR CRISTOLOGIA? a)Por causa de nossa fé: Quem dizeis vós que eu sou? (Mc 8,29). Ser cristão é, basicamente, responder a essa pergunta... b)Por pertencermos a uma Igreja cristã. O jeito de sermos Igreja se baseia num modo de perceber Jesus Cristo c)Por uma questão ética: vivemos num continente onde a grande maioria se diz cristão e não vive como Jesus viveu d)Por causa de nossa missão: somos chamados a sermos missionários; como vamos anunciar a alguém que não conhecemos ou conhecemos muito pouco?

4 CRISTOLOGIA: CONHECER JESUS CRISTO Como podemos conhecer a pessoa de Jesus? Na Bíblia Antigo e Novo Testamento os Evangelhos Nos escritos apócrifos e deuterocanônicos Nos documentos históricos – a busca do Jesus histórico Na Liturgia Na Catequese Na Teologia Na Arte: cantos, pinturas, cinema, poesia, romances... Nas devoções populares Na fé da Igreja No Magistério da Igreja Na fé do Povo de Deus Na experiência pessoal

5 CRISTOLOGIA: CONHECER JESUS CRISTO Quem é Jesus Cristo? Mt 16,16: E vós, quem dizeis que eu sou? Jesus: um ser humano igual a nós Cristo: o enviado de Deus para salvar o mundo Verdadeiro Deus e verdadeiro humano

6 CRISTOLOGIA: CONHECER JESUS CRISTO Conhecer a Jesus Cristo é conhecermo-nos a nós mesmos Vaticano II: Na realidade, o mistério do homem só no mistério do Verbo encarnado se esclarece verdadeiramente. (...) «Imagem de Deus invisível» (Col. 1,15), Ele é o homem perfeito, que restitui aos filhos de Adão semelhança divina, deformada desde o primeiro pecado. Já que, n'Ele, a natureza humana foi assumida, e não destruída, por isso mesmo também em nós foi ela elevada a sublime dignidade. Porque, pela sua encarnação, Ele, o Filho de Deus, uniu-se de certo modo a cada homem. Trabalhou com mãos humanas, pensou com uma inteligência humana, agiu com uma vontade humana, amou com um coração humano. Nascido da Virgem Maria, tornou-se verdadeiramente um de nós, semelhante a nós em tudo, exceto no pecado (GS 22). Sobrino: Jesus é verdadeiramente humano (Calcedônia) e o humano verdadeiro.

7 O INÍCIO DA HISTÓRIA DE JESUS Ler: Mt 4, Mc 1, Lc 4, Responder: a)O que há de comum nas três narrativas que os Evangelhos Sinóticos fazem do início da missão pública de Jesus? b)Em que isso nos ajuda a entender quem é a pessoa de Jesus?

8 JESUS E O REINO A palavra Reino nos Evangelhos. Reino: 111x (Mt 51x; Mc 18x; Lc 39x; Jo 3x) Reino de Deus : 50x (Mt 3x ; Mc 14x ; Lc 31x ; Jo 2x) Reino dos Céus : 33x (Mt 32x ; Mc 1x) Reino do Pai : 8x (Mt 5x ; Mc 1x ; Lc 2x) Reino na boca de Jesus :63x

9 REINO DE DEUS NO ANTIGO TESTAMENTO Governo de Deus sobre o Povo de Israel baseado na Aliança Um governo para a justiça e a igualdade (1Sm 8,10-22)

10 REINO DE DEUS NO TEMPO DE JESUS Os diversos modos de esperar a vinda do Reino de Deus no tempo de Jesus Messianismo real/davídico (Mt 21, 1-9) Messianismo farisaico (Mt 5,10-48) Messianismo apocalíptico (Lc 3,7-9) Messianismo essênio... Os que não querem o Reino de Deus... (Mt 22, 23-33)

11 REINO DE DEUS NO TEMPO DE JESUS Os diversos modos através dos quais Jesus nos mostra o que é o Reino de Deus Parábolas Sinais do Reino Gestos Conflitos Refeições – com quem ele come...

12 AS PARÁBOLAS DO REINO Mt 13,24-33 Mt 13,44-48 Mt 18,1-4 Mt 18,23-34 Mt 22,1-14 Mt 25,1-13 Mt 25,14-30

13 OS SINAIS DO REINO Mt 11, 2-6; Lc 7,18-28 Mc 1,40-45 Mc 2,1-12 Mc 3,1-6 Mc 5,1-20 Mc 5,21-24;35-43 Mc 5,25-34 Mc 7,24-30 a)Quem são os beneficiados pelo sinal? b)De quê sofrem? c)Quem toma a iniciativa para que o sinal aconteça? d)O que faz e/ou diz Jesus? e)Como reagem as pessoas que estão ao redor?

14 AS REFEIÇÕES DO REINO

15 Em todas as sociedades, simples e complexas, o ato de comer é o modo básico de iniciar e manter relações humanas (...) Quando o antropólogo descobre onde, quando e com quem se dá a alimentação, pode-se inferir quase tudo mais sobre as relações entre os membros da sociedade (...) Saber o quê, onde, como, quando e com quem as pessoas comem é conhecer o caráter de sua sociedade (Peter Farb and George Armelagos, Consuming Passions: the Anthropology of Eating. Boston: Houghton Mifflin, p. 4 e 211. Apud: CROSSAN, J.D. Jesus: uma biografia revolucionária...,p. 82)

16 AS REFEIÇÕES DO REINO Compartilhar a comida é uma transação que envolve uma série de obrigações mútuas e dá origem a um complexo interconectado de mutualidade e reciprocidade. Além disso, a capacidade da comida de simbolizar essas relações, bom como de definir as fronteiras entre os grupos, surge como uma de suas propriedades únicas. (...) A troca de comida é um fator básico da interação humana. Nela está implícita uma série de obrigações de dar, receber e retribuir. Essas transações envolvem os indivíduos numa rede social de reciprocidade, mutualidade e obrigação. Além disso, as trocas de comida podem funcionar como símbolos da interação humana. O ato de comer é um comportamento que reflete sentimentos e relações, serve como mediação para o status social e o poder, e exprime os limites de identidade de um grupo.( Lee Edward Klosinski. The meals in Mark. Ann Abor: University Microfilmes, p Apud: CROSSAN, J.D. Jesus: biografia revolucionária, p. 83.)

17 AS REFEIÇÕES DO REINO 1.Mt 4, Mt 6, Mt 9, 10-13* 4.Mt 9, Mt 12, 1-8* 6.Mt 14, Mt 15, Mt 15, Mt 16, Mt 22, Mt 26, 17-35

18 AS REFEIÇÕES DO REINO 1.Mc 2, Mc 2, Mc 6, Mc 7, Mc 7, Mc 8, Mc 8, Mc 14, Mc 14, 12-31

19 AS REFEIÇÕES DO REINO 1.Lc 1, 46-55* 2.Lc 4, Lc 5, 296,5 4.Lc 7, Lc 7, Lc 8, * 7.Lc 9, Lc 11, Lc 14, 1-24* 10.Lc 15, Lc 16, 19-31* 12.Lc 22, Lc 24, 13-35* 14.Lc 24, 36-42*

20 AS REFEIÇÕES DO REINO 1.Jo 2, Jo 6, 1-15* (Ex 16, 1-21) 3.Jo 12, Jo 13, 1-15* 5.Jo 21, 1-14

21 AS REFEIÇÕES DO REINO 1.At 6, Cor 11,17-32

22 O ESPÍRITO QUE CONSTRÓI COMUNIDADE 1.Nm 11, Cor 1214

23

24 Frei Vanildo Luiz Zugno – Carlos Barbosa – julho de 2008

25 OS CONFLITOS EM NOME DO REINO Com os fariseus e doutores da Lei Com as autoridades do Templo Com as autoridades políticas

26 Marcos 1, , ,7-12 5,1-20 5, , (todo o capítulo) 14, , ,40-41 João 1, (todo o capítulo) 13 (todo o capítulo) 15,12-26 O SEGUIMENTO DE JESUS NOS EVANGELHOS Mateus 4, ,1 8, ,9-13 9, , , , ,2 19,1620,34 21, , ,45-56 Lucas 5,1-11 5, ,1-10 8,1-3 8,26,39 9, , , ,18-43* 22, , ,44-49

27 A MORTE DE JESUS Mt 2627 Mc 1415 Lc 2223 Jo )Quem quer a morte de Jesus? 2)Que acusações são feitas contra Jesus? 3)Como reage Jesus a estas acusações?


Carregar ppt "As fontes da Teologia Fé Vida do Povo Realidade Razão Revelação Escritura Comunidade Tradição da Igreja."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google