A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA – UFSC | Projeto Arquitetônico IV Acadêmicas: Daniele Feller | Débora Barcelos | Gabriela Fontana | Ivana Bernart.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA – UFSC | Projeto Arquitetônico IV Acadêmicas: Daniele Feller | Débora Barcelos | Gabriela Fontana | Ivana Bernart."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA – UFSC | Projeto Arquitetônico IV Acadêmicas: Daniele Feller | Débora Barcelos | Gabriela Fontana | Ivana Bernart Professores: Themis Fagundes | José Kós

2 Sustentabilida de UsuáriosRelações Referênci as O QUÊ/PRA QUEM/ONDE?

3 A casa une as ideias tradicionais, como a modularidade no design, que apresenta módulos residenciais e lacunas de ar, às inovações tecnológicas, como as placas solares de geração de energia e a torre de umidificação para arrefecimento ou aquecimento do ar. Essa união define a casa como uma arquitetura inovadora usando elementos tradicionais. O objetivo é usar os sistemas ativos para conforto térmico somente quando os passivos forem esgotados, isso acontecerá nos pico de altas e baixas temperaturas decorrentes das estações do ano.

4 Módulo - mobiliário Módulo – cozinha e banheiro. MODULARIDADE 4 módulos com funções definidas, separados por lacunas usadas nos sistemas passivos de conforto térmico. Flexibilidade no uso dos espaços(quantidade de morador). Área social separada da área íntima.

5 O sistema modular se adapta à diferentes famílias, de acordo com a sua necessidade.

6 CLIMA A modularidade também permite adaptação a diferentes condições climáticas. Para um clima subtropical, como prevalece em Madrid, o último dos três módulos foi implementado baseado na arquitetura histórica do deserto (resolvido com a torre de umidificação) O telhado e as fachadas leste e oeste são fornecidos para a geração de energia como uma segunda capa com painéis solares. Foram usados dois tipos de painéis fotovoltaicos(laterais e cobertura). GERAÇÃO DE ENERGIA

7 Ventilação cruzada Torre de ventilação - Voltado para o vento predominante da região (norte e sul). As zonas ao lado da torre de ventilação possuem aberturas mais altas com painéis para absorver o calor que é irradiado na casa o dia inteiro. Essas zonas aquecidas vão eliminar o ar quente para fora proporcionando o resfriamento do ambiente, esse sistema é chamado de Chaminé solar. Umidade + calor = evaporação + sensação de resfriamento As soluções são específicas de Madrid mas a modularidade da casa pode se adaptar a diferentes sistemas de conforto térmico. O sistema passivo de massa térmica também foi utilizado, de forma bastante eficiente em consequência das diferente camadas de materiais utilizados. Chaminé Solar

8 Ventos predominantes: Norte e Sul o ano todo, e também o Nordeste no verão. Os ventos atuam principalmente durante o dia, tem picos durante a tarde, e ficam amenos na madrugada. Unidade Relativa do Ar é alta em todas as épocas do ano.

9 Ventilação ameniza o desconforto térmico causado pela combinação de umidade e temperaturas altas. Massa térmica garante que a temperatura interna sofra poucas alterações durante o dia. Num clima com amplitudes térmicas consideráveis durante o dia garante que o ar resfriado durante a noite demore para aquecer. Região capaz de usar a insolação para gerar energia e iluminação natural com seu devido tratamento.

10 atividades Pesca artesanal Havaianas do Leal (atividade rentável) a região Na sua maioria nativos com costumes da cultura açoriana. a ponta Nativos (cultura ainda bastante enraizada) Colônia de pesca artesanal nos anos 60. Hoje: abriga cerca de 3oo pessoas em casas sobre palafitas no bairro do Estreito.

11 manter Contato com o mar Pesca artesanal Atividades Rentáveis já existentes Identidade cultural dos usuários Aspectos afetivos dos usuários com o local propor Transporte marítimo Mais atividades rentáveis Conexão com o parque linear Inserção ao bairro

12 32.500m² reúne habitação social, imóveis para arrendamento, residência para deficientes físicos, escritórios e comércios; O bloco é composto por cinco sessões, cada uma projetada por um arquiteto diferente; Grande pátio interno com um espaço público elevado com vista para a cidade, a nova marina e um parque; Os apartamentos na fachada sul estão protegidos do sol por meio de persianas de alumínio como referência à arquitetura tradicional local; A diversidade de apartamentos de Le Monolithe atrai diferentes grupos de moradores, tornando o bloco como um reflexo da população de Lyon; Ambientes naturalmente ventilados e iluminados.

13 remoção de pessoas das áreas de risco realocação das pessoas em conjuntos habitacionais soluções para sistema viário e de esgotamento sanitário

14 Criação de áreas de lazer, convivência e contemplação ante s depo is Integração e Apropriação

15 Barco Compartilhado, a viajem custa 27 euros e atende até 8 passageiros. Táxi Aquático, custa 90 euros (ida e volta, 170 euros). Uso da água como atrativo turístico Embarcaç ões

16 Ferryboat é utilizado na Travessia Salvador/Itaparica. Aporta em 60 cm de lâmina de água e transporta até 600 passageiros. Enquanto um ônibus transporta em média 35 passageiros um ferryboat carrega até 600 passageiros, que equivalem a 17 ônibus.

17 Preço da tarifa varia de R$4,80 e R$12,0 reais, dependendo da distancia da viajem, ou bilhete único de R$ 3,30 reais. As embarcações atingem capacidades para até 2.00 passageiros nos barcos tradicionais, passageiros nos chamados catamarãs sociais, embarcações modernas, com capacidade para 237 passageiros sentados conhecidos como catamarãs seletivos e ainda com capacidade para 645 passageiros sentados. O transporte atende as cidades do Rio de Janeiro, Niterói, Ilha Grande, Mangaratiba, Paquetá, Angra dos Reis, Cocotá e Charitas. Funciona de segunda a segunda, com o número de horários reduzido aos finais de semana.

18 Nenhum município, de maneira isolada, poderia resolver a questão sem a mobilização intermunicipal, orientada pelo planejamento central do governo. Florianópolis já tem transporte marítimo. Sim, funciona há muitos anos na ligação entre a Lagoa e a Costa da Lagoa e é operado por uma cooperativa de barqueiros, com apoio oficial da prefeitura. Se já existe um modelo, por que não estendê-lo para outros lugares? Há 3 cidades no Brasil que não podem se queixar de que o trânsito não tem solução: Florianópolis, Vitória e São Luiz. São três ilhas cercadas de avenidas marítimas por todos os lados. Cooperbarco: Rio Vermelho – Costa da Lagoa Cooperbarco: Lagoa da Conceição – Costa da Lagoa

19

20 Sustentabilid ade Usuári os Relações Referênc ias O QUÊ/PRA QUEM/ONDE? Habitação de interesse social para uma população nativa de Florianópolis inserida num espaço com muitas potencialidades: Paisagem Abundantes rotas marítimas Possível conexão com o parque Riqueza cultural Clima

21 O QUÊ/PRA QUEM/ONDE? PROPOSTA CONCEITUAL Reinserção sócio-cultural: diferentes formas de habitar. Reinserir os usuários ao bairro e trazer seus hábitos culturais a um primeiro plano como oportunidade de valorização de um povo e geração de renda a partir deste, e não descartar a possibilidade de conciliá-los para que possam ser vinculados e reestruturados a partir de estratégias sustentáveis e novas tecnologias, respondendo a diferentes necessidades de habitação.


Carregar ppt "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA – UFSC | Projeto Arquitetônico IV Acadêmicas: Daniele Feller | Débora Barcelos | Gabriela Fontana | Ivana Bernart."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google