A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Vinha de Luz 128- Liberdade - Chico/Emmanuel -.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Vinha de Luz 128- Liberdade - Chico/Emmanuel -."— Transcrição da apresentação:

1 Vinha de Luz 128- Liberdade - Chico/Emmanuel -

2 Liberdade "Não useis, porém, da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pela caridade." - Paulo. (GÁLATAS, 5:13.) Em todos os tempos, a liberdade foi utilizada pelos dominadores da Terra. Em variados setores da evolução humana, os mordomos do mundo aproveitam-na para o exercício da tirania, usam-na os servos em explosões de revolta e descontentamento. Quase todos os habitantes do Planeta pretendem a exoneração de toda e qualquer responsabilidade, para se mergulharem na escravidão aos delitos de toda sorte. Ninguém, contudo, deveria recorrer ao Evangelho para aviltar o sublime princípio. A palavra do apóstolo aos gentios é bastante expressiva. O maior valor da independência relativa de que desfrutamos reside na possibilidade de nos servirmos uns aos outros, glorificando o bem.

3 O homem gozará sempre da liberdade condicional e, dentro dela, pode alterar o curso da própria existência, pelo bom ou mau uso de semelhante faculdade nas relações comuns. É forçoso reconhecer, porém, que são muito raros os que se decidem à aplicação dignificante dessa virtude superior. Em quase todas as ocasiões, o perseguido, com oportunidade de desculpar, mentaliza represálias violentas; o caluniado, com ensejo de perdão divino, recorre à vingança; o incompreendido, no instante azado de revelar fraternidade e benevolência, reclama reparações. Onde se acham aqueles que se valem do sofrimento, para intensificar o aprendizado com Jesus Cristo? Onde os que se sentem suficientemente livres para converter espinhos em bênçãos?

4 No entanto, o Pai concede relativa liberdade a todos os filhos, observando-lhes a conduta.
Raríssimas são as criaturas que sabem elevar o sentido da independência a expressões de vôo espiritual para o Infinito. A maioria dos homens cai, desastradamente, na primeira e nova concessão do Céu, transformando, às vezes, elos de veludo em algemas de bronze.

5 Tirania X Revolta e Descontentamento
VL – Liberdade Tirania X Revolta e Descontentamento

6 “Delitos de toda sorte”
VL – Liberdade “Delitos de toda sorte” Usurpar; Caluniar; Iludir; Mentir; Roubar; Denegrir; Invejar; Sabotar e etc.

7 Livre arbítrio 1)estado de Espírito: com a escolha das provas;
VL – Liberdade O estado de liberdade depende do livre-arbítrio, quer dizer,  da capacidade de escolha entre o certo e o errado.  LE – Allan Kardec – Livre arbítrio 1)estado de Espírito: com a escolha das  provas; estado  corpóreo: com a faculdade de ceder ou resistir aos arrastamentos a que voluntariamente estamos submetidos. Libertemos    "Disse-lhes Jesus: desatai-o e deixai-o ir.” (João, 11:44.) É importante pensar que Jesus não apenas arrancou Lázaro à sombra do túmulo. Trazendo-o, de volta, à vida, pede para que seja restituído à liberdade. "Desatai-o e deixai-o ir” – diz o Senhor. O companheiro redivivo deveria estar desalgemado para atender às próprias experiências. Também nós temos, no mundo da própria alma, os que tombam na fossa da negação. Os que nos dilaceram os ideais, os que nos arrastam à desilusão, os que zombam de nossas esperanças e os que nos lançam em abandono assemelham-se a mortos na cripta de nossas agoniadas recordações. Lembrá-los é como reavivar velhas úlceras. Entretanto, para que nos desvencilhemos de semelhantes angústias, é imperioso retirá-los do coração e devolvê-los ao sol da existência. Não basta, porém, esse gesto de libertarão para nós. É imprescindível haja de nossa parte auxílio a eles, para que se desagrilhoem. Nem condená-los, nem azedar-lhes o sentimento, mas sim exonerá-los de todo compromisso, ajustando-os a si próprios. Aqueles que libertamos de qualquer obrigação para conosco, entregando-os à bondade de Deus, mais cedo regressam à luz da compreensão. Se alguém, assim, caiu na morte do mal, diante de ti, ajuda-o a refazer-se para o bem; entretanto, além disso, é preciso também desatá-lo de qualquer constrangimento e deixá-lo ir.

8 ARTÍFICES do nosso próprio destino!
VL – Liberdade Liberdade Estado do ser que não sofre constrangimento, que age conforme a sua vontade, a sua natureza. Em  termos políticos, é a faculdade de fazer o que se queira dentro  dos limites do direito. Livre Arbítrio – Faculdade dada ao ESPÍRITO; Estabelece em nós o senso de responsabilidade pelas ESCOLHAS feitas e daí passamos a ser os ARTÍFICES do nosso próprio destino!

9 VL – Liberdade Uma certeza... Um dia, no curso dos milênios, o nosso livre-arbítrio se harmonizará plenamente com a verdade total, com as deliberações superiores. Nesse dia saberemos executar, com fidelidade, o pensamento do Cristo, Mestre e Senhor Nosso. E aí repetiremos com Jesus, “A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar sua obra” (João, 4: 34) Interesses Pessoais X Interesses Espirituais

10 VL – Liberdade Mas, por agora, Emmanuel fala em “Liberdade Condicional” e que o Pai concede Relativa Liberdade a todos os filhos, observando-lhes a conduta. >> Exigindo de nós “VIGILÂNCIA E ORAÇÃO”

11 VL – Liberdade Poema: Liberdade Estudando a Liberdade, busquei a Natureza para sondar-lhe o brilho. O esplendor me cercava, mas o Sol afirmou : – Para libertar a luz devo permanecer em minha própria órbita. Disse o Mar : – Como nutrir as forças da Vida sem aceitar as minhas limitações? A Fonte declarou : – Não posso emancipar o beneficio de minhas águas, sem atender às linhas que me orientam o curso. Explicou-se a Flor : – Impossível abrir-me para o festival dos perfumes, sem deixar-me prender. Tem o homem o livre-arbítrio de seus atos? "Pois que tem a liberdade de pensar, tem também a de obrar. Sem o livre-arbítrio, o homem seria máquina." Livro dos Espíritos, questão 843 A Liberdade é condição essencial do homem sobre a Terra. É um dom preter-natural, ou seja foi forjado juntamente com o espírito pela mãos divinas. Imagem e Semelhança refere-se principalmente à esta faceta humana, ser livre. Essa condição natural é tratada no capítulo X da terceira parte de "O Livro dos Espíritos". Somos livres enquanto dotados de livre-arbítrio, mas a vida em sociedade nos impõe as limitações necessárias ao abuso, a ganância e ao totalitarismo. A primeira forma de Legislação veio a Terra por meio da mediunidade de Moisés, no momento em que o povo hebreu após quatro séculos de servidão no Egito, ansiou e arriscou-se na jornada em busca da Liberdade. A liberdade é então um marco na nossa história. Foi a sua busca que nos proporcionou a recepção da primeira Revelação de Deus ao mundo. Moisés legislava e o povo lhe obedecia, sustentado pela promessa divina. Deixou o povo judeu no Egito, pequenas propriedade, alguma posse material, alguns animais. E visando um sonho contido em profecias de seu povo, trocaram a estabilidade mesquinha da terra da servidão, pela instabilidade promissora da terra prometida. Trocaram a mediocridade pela oportunidade, arriscaram tudo por uma promessa. Saíram do Egito, como Abrhão havia deixado a Caldéia, apenas com uma promessa divina de uma Terra dadivosa. Durante essa prolongada e tormentosa travessia, alguns tiveram saudade da servidão e dos velhos ídolos do imediatismo e da idolatria, mas Moisés foi enérgico e proibiu entre eles práticas que recordassem o período em que eram escravos, em que não tinham dignidade, em que não eram homens. Não há preço para a Liberdade. Todos os povos a almejam em todas as épocas da humanidade. Todos os povos submetidos ao imperialismo rebelaram-se e nesse particular, a Epopéia judaica da travessia do Mar Vermelho é incomparável. Erich Fromm refere-se ao Medo à Liberdade, que é o mesmo do pássaro que nasce no cativeiro e não sabe deixar a gaiola se aberta, e se deixá-la fenece. Stephen King filmou um épico do cinema "Um Sonho de Liberdade", estrelado por Morgan Freeman e Andy Dufresne, onde prisioneiros de uma cadeia pública eram condenados à prisão perpétua por causa do autoritarismo corrupto de um cruel diretor. Quando um velhinho que cuidava da Biblioteca da prisão é libertado, vai para uma cidade e um tempo onde não conhecia mais nada e na melancolia extrema de lutar pela sobrevivência como empacotador de um supermercado, suicida-se. O medo da liberdade foi mais forte que o sonho dela. Do sonho de Liberdade dos judeus, nasceu a Revelação. Apenas o anseio de liberdade poderia temperar o espírito do ser humano para compreender a Lei de Deus. Ali está o código sintético da Ética na Terra. Em primeiro lugar, Reverência à Deus e ao Seu nome. A seguir, reverência aos nossos progenitores, honrando o seu nome e a sua memória durante toda a nossa vida. E então, uma série de proibições, de limitações à nossa ação que longe de ser restrição à liberdade, são uma educação para ela. Sim, por que a questão 826 nos explica que apenas o eremita no deserto não deve seguir regras. Se estamos em Sociedade há que se respeitar a vida em comum e a nossa natureza de filhos de Deus. O decálogo é a síntese perfeita da ética na Terra. Segui-lo é o primeiro passo para se alcançar a Liberdade plena. Por isso não há como fugir da necessidade de educação. Por isso que Allan Kardec nos deixou a frase lapidar de O Espírito de Verdade: "Espíritas: Amai-vos! Eis o primeiro mandamento. Instruí-vos, eis o segundo!" Instruir-se é conquistar cada vez mais a liberdade. É necessário conhecer a Lei. "Conhecereis a Verdade e esta vos converterá em homens livres"! Jesus expressou com perfeição, aprender a Lei é libertar-se! A codificação espírita tem o grande mérito de embasar-se na razão! É através da cerebração dos postulados cristãos, que os internalizaremos em nossas consciências. Estamos há dois milênios aprendendo com o coração. Agora o cérebro precisa aprender apensar com a lógica cristã. É necessário que racionalizemos a nossa Fé para que os edifícios construídos a partir dela, não continuem a ruir como tem sido com as construções espirituais ao logo destes vinte séculos de mensagem cristã. Somos espíritos em evolução, em passagem. A Fatalidade da Lei só é real para a determinação de nossa morte. Todos os outros momentos de nossa vida que aparentam fatalismo, são na verdade efeitos de ações por nós perpetradas no passado. Livremente agimos e havemos de colher os frutos que conscientemente semeamos. Disse-nos Paulo de Tarso: Não vos enganeis: de Deus não se zomba. O que o homem semeia, isso mesmo colherá. Quem semeia na carne, da carne colherá a corrupção; quem semeia no Espírito, do Espírito colherá a vida eterna. Não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo colheremos, se não relaxarmos. Gl 6:7-9 Arremessamos livremente dardos em nosso passado cujas trajetórias compõem hoje o que chamamos destino, mas que são apenas as conseqüências das nossas ações conscientes. Expiações e Provas são momentos específicos de nossa vida. No primeiro momento somos constrangidos a parar de errar pelas limitações físicas e mentais impostas pela Lei de Causa e Efeito, Ação e Reação ou Carma. No segundo momento estamos já amadurecidos, e instruídos para participar da Prova, dos testes. Na hora da prova, não há como pedir explicação. É a hora do julgamento, do juízo. Somos sustentados na hora da expiação, somos preparados para a hora da provação, mas não podemos pedir a ninguém para passar pelas nossas provas ou não podemos sofrê-las por ninguém. A cada um conforma as suas obras. O grande objetivo de Deus é a reparação. Somos confrontados, pelas provações com as nossas tendências erradas, mas ao vencê-las com o exercício repetido da reencarnação, vencemos e trocamos os círculos viciosos de outrora, pelos círculos virtuosos da liberdade. Santo Agostinho, revela em suas Confissões que roubava, na infância, as maçãs dos vizinhos, que havia em seu próprio pomar, apenas pelo prazer de pecar. A sublimação de seus instintos levou-o a descobrir o Prazer de Não Pecar. Essa é a verdadeira Liberdade. Esse é o escopo de nossa vida!

12 VL – Liberdade A Ponte murmurou: – Nada seria eu se não guardasse a disposição de servir. Não longe, a Eletricidade comentou, movimentando uma fábrica : – Fora da disciplina, em vão procuraria ser mais útil. Um Automóvel parado entrou na conversação : – Posso ganhar tempo e vencer o espaço, mas infeliz daquele que me use sem breques! Então, voltando-me para dentro do próprio coração, exclamei em prece: – Deus, meu Deus, fizeste-me livre no pensamento para criar o bem e estendê-lo aos meus irmãos ; no entanto, que será de mim, sem ajustar-me às tuas leis? Cid Franco / Chico Xavier “Chico Xavier pede licença”

13 VL – Liberdade Paz do Cristo!


Carregar ppt "Vinha de Luz 128- Liberdade - Chico/Emmanuel -."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google