A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Filosofia – Unidade 1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Filosofia – Unidade 1."— Transcrição da apresentação:

1 Filosofia – Unidade 1

2 Educação a Distância – EaD
Filosofia Professor: Flávio Brustoloni

3 Unidade 2 ÁREAS DE ESTUDO DA FILOSOFIA
1/#

4 Objetivos da Unidade: Identificar as diferentes teorias do conhecimento e as formas de conhecer o mundo; Reconhecer a filosofia enquanto pensamento lógico, sistemático e racional; Distinguir raciocínio dedutivo e indutivo; Identificar as diferentes formas de argumentação falaciosas; Identificar as principais concepções de ética que se formaram ao longo da história do pensamento filosófico; Identificar as principais semelhanças e diferenças entre a ética e a lei; Conhecer os principais dilemas que compõem a filosofia da arte; 2/#

5 TÓPICO 1 Teoria do Conhecimento
3/#

6 (Estamos na página 75 da apostila)
1 Introdução A Teoria do Conhecimento é uma área da Filosofia que se aplica na investigação sobre a natureza e a origem do conhecimento. (Estamos na página 75 da apostila) 4/#

7 (Estamos na página 76 da apostila)
2 O que é o Conhecimento? O conhecimento pode ser definido como uma técnica para se chegar a uma verdade sobre um determinado objeto. A vontade, a dúvida e o questionamento sobre determinado objeto são os estímulos que conduzem o homem a buscar a verdade sobre ele. (Estamos na página 76 da apostila) 5/#

8 3 A Teoria do Conhecimento
Saberes “Especulativos” – não são considerados ciência, pois baseiam-se em áreas filosóficas (ex.: Teologia); Ciências – baseiam-se em áreas exatas (ex.: Matemáticas). (Estamos na página 77 da apostila) 6/#

9 4 As Formas de Conhecer o Mundo
* Conhecimento Mítico ou religioso; * Senso Popular; * Conhecimento Científico; * Conhecimento Filosófico; * Conhecimento Artístico. (Estamos na página 78 da apostila) 7/#

10 TÓPICO 2 Lógica 8/#

11 (Estamos na página 83 da apostila)
1 Introdução Lógica – grego logos Significa razão, palavra ou expressão. Lógica Formal e Lógica Material. (Estamos na página 83 da apostila) 9/#

12 2 Tipos de Argumentação 2.1 Dedução
Forma de raciocínio que parte de uma afirmação universal para concluir sobre uma particular. Vai do geral para o específico. Todo homem é mortal. Sócrates é homem. Logo, Sócrates é mortal. (Estamos na página 84 da apostila) 10/#

13 2 Tipos de Argumentação 2.2 Indução
Parte da experiência particular e contingente a partir da qual se procura estabelecer uma conclusão de caráter geral. O ouro, o cobre, o ferro, a prata e o zinco são condutores de eletricidade. Logo, todo metal é condutor de eletricidade. (Estamos na página 84 da apostila) 11/#

14 2 Tipos de Argumentação 2.3 Analogia
Tipo de raciocínio que se elabora a partir de certas semelhanças e é capaz de inferir novas semelhanças. Para Newton, a idéia de uma atração à distância entre os planetas (a gravidade) foi sugerida pelo fenômeno mais familiar da atração magnética. (Estamos na página 85 da apostila) 12/#

15 3 Distorções da Argumentação
As relações humanas estão permeadas pelas reações de ideologias, argumentações distorcidas e conclusões precipitadas. (Estamos na página 85 da apostila) 13/#

16 3 Distorções da Argumentação
Falácia é uma forma de argumentar que tem a aparência de ser verdadeira, pode até convencer o desatento, mas se trata de um raciocínio incorreto. (Estamos na página 86 da apostila) 14/#

17 3 Distorções da Argumentação 3.1 Argumentos de Caricatura
É muito mais fácil ridicularizar do que contra-argumentar. “Uma pessoa que não tem Ensino Médio não saberá governar um país.” (Estamos na página 86 da apostila) 15/#

18 3 Distorções da Argumentação 3.2 Argumentos de Apelação
a) Se utiliza de uma Autoridade: se fulano falou, é verdadeiro. Propaganda do Vitasay e Pelé. (Estamos na página 87 da apostila) 16/#

19 3 Distorções da Argumentação 3.2 Argumentos de Apelação
b) Advertência: sustenta a idéia de que é preciso fazer algo para servir de exemplo aos outros. É preciso punir para remediar. (Estamos na página 87 da apostila) 17/#

20 3 Distorções da Argumentação 3.2 Argumentos de Apelação
c) Apelo à ignorância: parte do pressuposto de que é verdadeiro o que não se provou ser falso. Ninguém comprovou que os produtos transgênicos fazem mal à saúde, logo eles devem ser liberados. (Estamos na página 88 da apostila) 18/#

21 3 Distorções da Argumentação 3.2 Argumentos de Apelação
d) Alegação Especial: enuncia-se o fantástico e o misterioso para convencer. Foi comprovado cientificamente que o café faz bem à saúde. Um mês depois foi comprovado cientificamente que o café faz mal à saúde. (Estamos na página 88 da apostila) 19/#

22 3 Distorções da Argumentação 3.3 Argumentos de Generalização
a) Só analisam os extremos: não reconhecem outras alternativas. “Ninguém mais ama o Brasil, não sabem nem cantar o Hino Nacional.” (Estamos na página 88 da apostila) 20/#

23 3 Distorções da Argumentação 3.3 Argumentos de Generalização
b) Seleção de Observações: conta acertos e esquece fracassos, ou o inverso. “Barrichelo nunca termina a prova, porque ele sempre quebra o carro.” (Estamos na página 89 da apostila) 21/#

24 3 Distorções da Argumentação 3.3 Argumentos de Generalização
c) Generalização sustentada em estatística dos números pequenos: “Pela entrevista com três voluntários, pôde-se identificar que os homens são mais racionais nas relações de trabalho”. (Estamos na página 89 da apostila) 22/#

25 (Estamos na página 89 da apostila)
3 Distorções da Argumentação 3.4 Argumentos com Excesso de Tendenciosidade a) Eufemismo: Ameniza a situação com palavras brandas: “Político X apropriou-se ilicitamente de dinheiro público”. (Estamos na página 89 da apostila) 23/#

26 (Estamos na página 90 da apostila)
3 Distorções da Argumentação 3.4 Argumentos com Excesso de Tendenciosidade b) Juízo de Valor: argumento assentado em valores pessoais: “Quem não tem família não é feliz”. (Estamos na página 90 da apostila) 24/#

27 (Estamos na página 90 da apostila)
3 Distorções da Argumentação 3.4 Argumentos com Excesso de Tendenciosidade c) Discurso imperativo: usa recursos moralistas para o que pode e o que não. “Se não acordar cedo não vai ser ninguém na vida”. (Estamos na página 90 da apostila) 25/#

28 (Estamos na página 90 da apostila)
3 Distorções da Argumentação 3.4 Argumentos com Excesso de Tendenciosidade d) Naturalização: baseado em idéias conformistas e naturalizadoras. “Sempre foi assim e sempre vai ser”. (Estamos na página 90 da apostila) 26/#

29 (Estamos na página 90 da apostila)
3 Distorções da Argumentação 3.4 Argumentos com Excesso de Tendenciosidade e) Discurso etnocêntrico: privilegia um grupo e desqualifica o outro. “Somente tal time é que joga bem”. (Estamos na página 90 da apostila) 26/#

30 3 Distorções da Argumentação 3.5 Argumentos de Conclusão Precipitada
a) Confusão de causa: se atribui uma relação entre causa e efeito, sem verificar uma relação direta. “A gripe só se manifesta em organismos com falta de vitamina C”. (Estamos na página 90 da apostila) 27/#

31 TÓPICO 3 Ética Geral e Profissional
28/#

32 (Estamos na página 95 da apostila)
1 Introdução A palavra ética surge do grego ethos (hábitos, costumes); Moral vem do latim moralis (hábitos, condutas). Se definem como conjunto de costumes de uma determinada sociedade e que são considerados valores e obrigações a serem seguidos pelos seus membros. (Estamos na página 95 da apostila) 29/#

33 (Estamos na página 97 da apostila)
2.1 Ética Socrática Sócrates “virtuoso quem é sábio e pratica o bem; ao contrário, quem não conhece o bem e não o pratica é infeliz.” Crítica: como encontrar o que é certo ou errado através do conhecimento? (Estamos na página 97 da apostila) 30/#

34 (Estamos na página 97 da apostila)
2.2 Ética Aristotélica Ética é a busca da felicidade. Teoria do meio-termo (nós escolhemos o caminho), expressa equilíbrio entre os dois opostos (bons e maus) Crítica: não existem critérios para se definir o certo e o errado – cada um justifica conforme lhe convém. (Estamos na página 97 da apostila) 31/#

35 (Estamos na página 98 da apostila)
2.3 Ética Cristã Ser humano é incapaz de realizar o bem e suas virtudes, dependendo de Deus para tal. Idéia do dever. Crítica: incapacidade do homem e dependência de um “ser superior”. (Estamos na página 98 da apostila) 32/#

36 (Estamos na página 99 da apostila)
2.4 Ética Kantiana Imanuel Kant define que ética é se comportar de acordo com os princípios universais. Cumprir nossos compromissos. O contrato é a lei entre as partes. Crítica: dificuldade de consenso entre os indivíduos. Que princípios universais podem ser válidos para todos? (Estamos na página 99 da apostila) 33/#

37 (Estamos na página 100 da apostila)
2.5 Ética Marxista Somente poderá existir uma moral verdadeira quando vivermos numa sociedade sem Estado e sem propriedade privada. Liberdade, racionalidade e felicidade são irrealizáveis numa sociedade fundada na divisão do trabalho. Crítica: como definir ética e moral onde não há individualidade nem realização autêntica? (Estamos na página 100 da apostila) 34/#

38 (Estamos na página 101 da apostila)
2.6 Ética Relativista A virtude está na tolerância, no respeito pelos diferentes sistemas morais que entre si admitam viver pacificamente. Crítica: divergência de regras morais de certos grupos, visto que não se pode definir algo que seja válido para todos. (Estamos na página 101 da apostila) 35/#

39 (Estamos na página 103 da apostila)
3 Ética e a Lei Semelhanças: * Normas que devem ser seguidas por todos; * Propõem uma melhor convivência; * Se orientam por valores próprios de determinada sociedade; (Estamos na página 103 da apostila) 36/#

40 (Estamos na página 103 da apostila)
3 Ética e a Lei Diferenças: Ética Lei Informal Formal, escrito e promulgado Pode variar num mesmo grupo É única no grupo Não cumprimento ocasiona rejeição pelo grupo Desobediência ocasiona penalidade ao transgressor Abrange mais aspectos da vida humana Restrita a questões específicas de condutas sociais Liberdade dos indivíduos Cumprimento obrigatório (Estamos na página 103 da apostila) 37/#

41 (Estamos na página 103 da apostila)
4 Ética Profissional Estudo dos valores pertencentes ao exercício de uma profissão e suas relações com a sociedade. (Estamos na página 103 da apostila) 38/#

42 5 Virtudes Profissionais
* Responsabilidade; * Lealdade; * Iniciativa; * Honestidade; * Sigilo; * Competência; * Prudência; * Coragem... (Estamos na página 104 da apostila) 39/#

43 TÓPICO 4 Estética: Uma reflexão Filosófica sobre a Arte
40/#

44 (Estamos na página 111 da apostila)
1 Introdução O lindo, o belo e o maravilhoso são objetos de estudo da Filosofia da Arte. (Estamos na página 111 da apostila) 41/#

45 (Estamos na página 112 da apostila)
2 O que é Estética? Vem do grego aisthesis, que significa “Faculdade de sentir” ou “compreensão pelos sentidos”. Ramo da filosofia que se ocupa de questões ligadas à arte, como o belo, o feio, o gosto, os estilos e percepções artísticas. (Estamos na página 112 da apostila) 42/#

46 (Estamos na página 113 da apostila)
3 Dilemas: o Belo e o Feio O belo está no objeto em si ou é uma representação do sujeito? O que é belo? O que é feio? (Estamos na página 113 da apostila) 43/#

47 3.1 Dilema da compreensão do Belo
Belo é tudo aquilo que desperta no ser humano uma emoção (NIELSON NETO, 1985, p.281) ou aquilo que satisfaz a nossa sensibilidade que está de [...] acordo com a autenticidade da sua proposta e com sua capacidade de falar ao sentimento (ARANHA; MARTINS, 2002, p.217). (Estamos na página 115 da apostila) 44/#

48 Parabéns!!! Terminamos a Unidade.


Carregar ppt "Filosofia – Unidade 1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google