A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Este trabalho consiste na resolução das questões propostas nas páginas 190 e 191 do manual, relativas ao Conto: Sentado No Deserto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Este trabalho consiste na resolução das questões propostas nas páginas 190 e 191 do manual, relativas ao Conto: Sentado No Deserto."— Transcrição da apresentação:

1

2 Este trabalho consiste na resolução das questões propostas nas páginas 190 e 191 do manual, relativas ao Conto: Sentado No Deserto.

3 Luísa Costa Gomes (Lisboa, 16 de Junho de 1954) é uma escritora e dramaturga portuguesa. Licenciada em Filosofia, pela Universidade de Lisboa, foi professora do Ensino Secundário. Iniciou-se como escritora ao publicar 13 Contos de Sobressalto, (1982), e daí em diante assinou contos, romances e teatro. Autora de crónicas, colaborou com os jornais O Independente, Público e Diário de Notícias). Faz tradução literária, nomeadamente para teatro, e foi responsável pela edição da revista Ficções, dedicada à divulgação do conto, quer de autores estrangeiros, quer de autores portugueses.

4 A imagem de um menino negro sentado no deserto que recorrentemente vinha à cabeça de Marciana simboliza a pobreza, isto porque apesar de viver com bastante à vontade ela tem a noção de que o mesmo não acontece com outros, desta forma, a imagem também é símbolo das diferenças entre ricos e pobres.

5 As personagens intervenientes neste conto são: Pereira – Sem abrigo e amigo do Miguel Miguel – Filho de Marciana e Zé Aureliano Auspicioso – Irmão de Marciana Adelina – Cunhada da Marciana Zé – Marido de Marciana e pai do Miguel Refulgêncio – Irmão de Marciana Deodato – Irmão de Marciana

6 Os estranhos nomes dos vários irmãos da família de Vasconcelos devem-se ao facto de se tratar de pessoas de classe média-alta, pelo que era uma forma de se evidenciarem na sociedade, esta ideia foi do seu pai, tal como podemos confirmar pela passagem do conto: Ainda hoje a intrigava que o pai, de costume tão sensato e de perfil em outras matérias discreto, tivesse marcado os filhos para a vida com o ferro de um nome confuso de que Aureliano Auspicioso não era senão o mais equilibrado.

7 Os indícios através dos quais é possível perceber que esta família é da classe Média-Alta são o facto de terem de antes do seu último nome; comerem peru e bacalhau na noite de consoada; a mobília da casa: carpete, mesinha com tampo de vidro e as pratas e porcelanas, a forma de vestir: fatos, gravatas e o visual brilhante e tufado das cunhadas de Marciana e ainda o facto de o seu pai estar associado a uma organização de Vela.

8 Os gestos do pai de Miguel (Zé) que provam que os receios de Marciana quanto á sua reacção á presença do Pereira eram injustificados podem retirar-se na passagem do conta: Afinal o Zé até achou graça, quando chegou a casa. Não deu importância ao olhar de dramatismo que a mulher lhe lançara á entrada, ofereceu mais uma rodada ao Pereira e deu-lhe um longo abraço., a partir daqui, podemos claramente afirmar que Marciana estava errada pois ao contrário do que ela esperava o seu marido reagiu muito bem á presença do Pereira.

9 O acto ilocutório presente na fala do Miguel referida é um acto ilocutório directivo, pois o Miguel mostra intenção de trazer o Pereira para jantar, pelo que, de uma forma indirecta está quase a dar uma ordem á sua mãe.

10 A diferença de tratamento em relação ao Pereira do Miguel e da sua mãe devem-se ao facto de o Pereira ser um rapaz jovem e sem abrigo e desta forma, o Miguel não vê problema algum em trazer o desconhecido para jantar com a família; por outro lado a sua mãe não vê este episódio da mesma forma, porque apesar de em frente ao convidado o tratar com toda a simpatia, na realidade ela vê-o como um intruso, um vagabundo que vai arruinar a sua noite de Natal. Daqui podemos retirar que os dois têm formas de pensamento bastante diferentes, provavelmente devido ás diferentes gerações a que pertencem.

11 Através do excerto do conto: Quando se sentaram na sala, o Pereira á ponta do sofá, de punhos rígidos assentes nos joelhos, o Miguel com os ténis em cima da mesinha de tampo de vidro… é perceptível que o Pereira se sente pouco á vontade, estando até um pouco tímido e recatado pois esta sentado na ponta do sofá, aparentemente nervoso; por outro lado o Miguel está bastante á vontade, com os pés em cima da mesa, o que é normal uma vez que está em sua casa.

12 Os dois nomes utilizados para referir o Pereira são: Vagabundo-l.9 e Indigente-l.20.

13 A função da analepse utilizada é transportar-nos até um tempo relativo ao passado, neste caso um período em que o Miguel, provavelmente devido á sua idade, sofreu uma mudança de comportamento e atitude, onde começou a ver com um ar mais crítico determinadas hipocrisias notórias no espírito natalício, pois na sua opinião trata-se de um tremendo consumismo onde até a Igreja está implicada.

14 Quando Marciana diz que Afinal até o pior tinha superlativo, ela quer dizer que quando pensava que nada podia ser pior do que o seu filho não aparecer na Noite de Consoada para jantar, nunca pensou que ele fosse fazer algo a seu ver ainda pior (daí a expressão superlativo), e neste caso, o pior era ele aparecer para jantar e trazer consigo um Vagabundo. Através desta expressão podemos concluir que Marciana preferia que o seu filho não fosse jantar do que trazer tal companhia, percebendo-se assim a preocupação dela com as aparências.

15 Miguel é um jovem adolescente de 15 anos, de família numerosa e classe média-alta. Emocionalmente é irreverente e rebelde, de convicções fortes mas pouco duradouras, podemos também retirar que é solidário tal como provou com o seu comportamento face ao Pereira.

16 Os comentários feitos pelas personagens são essencialmente dirigidos aos emissores pois de certa forma, esta família culpa a televisão por passar imagens tristes e chocantes, pois como são ricos e como tal aquela não é a sua realidade, mostrando-se por isso até um pouco indiferentes ao que se passa no Mundo, denotando-se um egoísmo característico nos ricos.

17 Nesta intervenção do Pereira, ele tenta dar de certa forma uma lição de moral àquela família que se mostra indiferente á realidade, pois de certa forma sente que também está implicado na conversa sentindo-se pouco á vontade, falando por isso de uma professora que pediu ao menino rico para fazer uma redacção sobre os pobres, aqui, ao dizer menino rico, o pereira está a referir-se a toda a família. Assim ele tentou que vissem o outro lado da realidade onde nem tudo á fácil e perfeito, pois ele próprio é um testemunho disso mesmo pois não tem sequer para onde ir.

18 Esta afirmação refere-se essencialmente ao comportamento de Marciana, pois é evidente que ele teve que aceitar uma situação menos agradável e inesperada – a presença de um vagabundo na sua Consoada. Assim, Marciana faz uma espécie de encenação pois uma vez que a verdade é que tem o Pereira em sua casa, ela opta por fazer de conta que se trata de um membro da família, ou seja ela vê-o mas faz de conta que não.

19 A nosso ver, o gesto do Miguel nesta passagem é de uma generosidade e solidariedade louvável, pois uma vez que os walkman apesar de terem sido uma prenda da sua mãe, estariam melhor nas mãos do Pereira pois ele não tem tudo aquilo o que quer, ao contrário do Miguel que tem bastante posses. Com esta atitude tanto o Miguel como o Pereira ficaram felizes e no fundo até Marciana ficou orgulhosa do gesto do seu filho.

20 O recurso ao verbo desabar, neste contexto refere-se ao momento em que Adelina podia finalmente dizer o que guardava para si enquanto o Pereira estava presente. Desta forma, desabar é um sinónimo de alívio, pois agora pode agir com normalidade pois está apenas com a sua família.

21 De acordo com a época atravessada, as pastilhas contra a indigestão são um sinal da abundância de comida e doces que a família tem, comendo de tal forma que se vê obrigada a tomar as pastilhas para a indigestão. Estas pastilhas são portanto um símbolo dos exageros da quadra natalícia no que diz respeito á alimentação.

22 A escolha de comer mais um sonho, pode eventualmente prender-se com o Pereira, não efectivamente pelo doce em si, mas pelo nome e o significado, pois apesar de esta família ter bastantes facilidades, pessoas como o Pereira não têm natal, sendo este um dia de sofrimento como todos os outros, assim o sonho é um regresso ao mundo Cor-De-Rosa em que a família vive, após a saída do Pereira.

23 C- Omnisciente.

24 B- Heterodiegético.

25 B- caracterização indirecta.

26 Trabalho elaborado por: Hélder Matos; José Mendes; Laura Martins; Paulo Coelho; Stephane Monteiro;


Carregar ppt "Este trabalho consiste na resolução das questões propostas nas páginas 190 e 191 do manual, relativas ao Conto: Sentado No Deserto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google