A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Orçamento Empresarial UNIDADE I RESUMO DE APOSTILA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Orçamento Empresarial UNIDADE I RESUMO DE APOSTILA."— Transcrição da apresentação:

1 Orçamento Empresarial UNIDADE I RESUMO DE APOSTILA

2 Educação a Distância – EaD Professor: Flávio Brustoloni Orçamento Empresarial

3 Objetivos da Disciplina: Capacitar o(a) acadêmico(a) para que ele analise a empresa como um sistema; Conhecer o que são orçamentos e como podem ser aplicados nas empresas; Compreender de que forma os orçamentos podem ser utilizados na gestão dos recursos financeiros e resultados econômicos da empresa; Conhecer os custos industriais e entender o seu reflexo no processo orçamentário da produção; Possibilitar ao(à) acadêmico(a) a prática da elaboração do orçamento, considerando as diversas áreas relacionadas, como o orçamento de vendas, o orçamento de produção e o orçamento das despesas operacionais; Contribuir para o aprendizado do DRE, do Orçamento de Caixa, do BP projetado e da análise de suas variações;

4 Unidade 1 ORÇAMENTOS

5 Objetivos da Unidade: Conhecer de que maneira a empresa é percebida como um sistema; Compreender as características do sistema organizacional de uma empresa; Aprender de que forma uma empresa pode ser vista como um sistema aberto e dinâmico; Compreender o que é orçamento e quais são seus objetivos; Conhecer por que se deve realizar um orçamento e qual é a sua função para o administrador; Identificar qual a contribuição do orçamento para o trabalho do gestor da empresa; Conhecer os principais tipos de orçamentos existentes; Compreender a maneira como o orçamento exerce influência nos administradores da empresa quanto ao seu aspecto comportamental; Avaliar a importância da gestão para a implantação de um processo orçamentário.

6 Sistema Empresa no Orçamento Empresarial Tópico 1 1/77

7 1 Introdução Sistema empresa é a área onde estudamos orçamentos para a identificação e compreensão das atividades e departamentos que interagem entre si. Uma empresa, ou qualquer outro sistema, apenas consegue atingir a plena eficiência e eficácia nas suas atividades se houver harmonia no sistema de comunicação das mesmas. 2/77 Tópico 1 Unid. 1 3

8 2 A Empresa como um Sistema 2.1 Conceito de Empresa É uma entidade constituída juridicamente, ou não, que exerce atividade econômica de produção, transformação, comércio ou prestação de serviços, podendo ter fins lucrativos, filantrópicos ou sociais. 3/77 Tópico 1 Unid. 1 4

9 2 A Empresa como um Sistema 2.2 Conceitos de Sistema Empresa O sistema é um conjunto de elementos interdependentes, ou um todo organizado, ou partes que interagem formando um todo unitário e complexo. 4/77 Tópico 1 Unid. 1 4

10 2 A Empresa como um Sistema 2.2 Conceitos de Sistema Empresa As empresas, de modo geral, possuem as mesmas características de interatividade de funções, porque elas também fazem parte de um macrossistema que fornece seus serviços para um conjunto de empresas que agregam seus bens ao produto final. 5/77 Tópico 1 Unid. 1 5

11 2 A Empresa como um Sistema 2.2 Conceitos de Sistema Empresa As empresas devem estar preparadas para se adequar às constantes mudanças que acontecem no mercado, pois isto é fundamental para a sua manutenção e sobrevivência. Em outras palavras, adequar-se e melhorar sempre. 6/77 Tópico 1 Unid. 1 6

12 2 A Empresa como um Sistema 2.2 Conceitos de Sistema Empresa Existem dois tipos de comportamentos: o operacional e o estratégico, por meio dos quais a empresa interage com o ambiente que o cerca e que se complementam entre si, dando um caráter holístico que toda a organização deve ter. 7/77 Tópico 1 Unid. 1 6

13 2 A Empresa como um Sistema 2.2 Conceitos de Sistema Empresa Todos esses fatores podem se constituir em oportunidades e ameaças à sobrevivência da empresa no mercado. Para garantir a sua continuidade, é necessário que a empresa mantenha sua capacidade de mudanças e adaptações aos diversos fatores que a influenciam tanto internamente quanto externamente. 8/77 Tópico 1 Unid. 1 8

14 2 A Empresa como um Sistema 2.3 Características do Sistema Organizacional de uma Empresa Para que o sistema empresa tenha um bom funcionamento, é dividido em vários subsistemas, que são: institucional, gestão, organização, social, informação e físico-operacional. 9/77 Tópico 1 Unid. 1 8

15 2 A Empresa como um Sistema 2.4 Missão da Empresa A missão de cada empresa encontra- se ligada ao seu respectivo motivo básico de existência, notadamente correlacionado aos produtos e serviços oferecidos por ela junto ao mercado, visando à satisfação de seu público-alvo. 10/77 Tópico 1 Unid. 1 10

16 2 A Empresa como um Sistema 2.5 A Empresa como Sistema Aberto No regime de livre comércio, o alvo da empresa é o maior lucro possível, conciliável com o seu crescimento a longo prazo e também com o bem- estar da coletividade, mediante o atendimento das suas necessidades. 11/77 Tópico 1 Unid. 1 12

17 2 A Empresa como um Sistema 2.5 A Empresa como Sistema Aberto É importante ressaltar que cada decisão tomada, inclusive por dirigentes políticos, pode afetar o andamento das empresas e implicar a necessidade de tomadas de decisões, mudando estratégias e ações já previstas. 12/77 Tópico 1 Unid. 1 12

18 2 A Empresa como um Sistema 2.5 A Empresa como Sistema Aberto Por exemplo, se determinadas empresas exportam alguns tipos de produtos e na política econômica daquele país foi aplicada alguma lei protecionista referente a esses produtos, essas empresas deverão rever seus planos de expansão, pois assim não terão condições de buscar esses mercados. 13/77 Tópico 1 Unid. 1 12

19 2 A Empresa como um Sistema 2.6 A Empresa como Sistema Dinâmico A palavra Dinâmica significa que todas as coisas se transformam com a influência de outros fatores ou mecanismos, com o poder de decisão. A empresa processa, executa e operacionaliza as suas atividades a partir do momento em que os gestores utilizam a força decisória para a tomada de decisões. 14/77 Tópico 1 Unid. 1 14

20 2 A Empresa como um Sistema 2.6 A Empresa como Sistema Dinâmico Existem diversos fatores externos como o mercado, a política econômica, o governo, a concorrência e a sazonalidade. Esses fatores influenciam tanto as corporações contratantes de produtos ou serviços como as empresas de produção em escala. 15/77 Tópico 1 Unid. 1 16

21 2 A Empresa como um Sistema 2.6 A Empresa como Sistema Dinâmico As grandes corporações industriais fornecem os insumos necessários para empresas de menor porte, que transformarão os insumos em produtos acabados, ou prestarão serviços às grandes corporações. 16/77 Tópico 1 Unid. 1 16

22 2 A Empresa como um Sistema 2.6 A Empresa como Sistema Dinâmico Ao encerrar a produção ou a prestação de determinado serviço, a empresa de menor porte retorna os produtos elaborados para o seu contratante de serviços (as grandes corporações) e, através da entrega, conclui-se o processo produtivo. 17/77 Tópico 1 Unid. 1 16

23 2 A Empresa como um Sistema 2.6 A Empresa como Sistema Dinâmico As grandes corporações disponibilizam seus produtos ao mercado consumidor. Por sua vez, o mercado consumidor poderá ou não consumir estes produtos, dependendo dos estímulos provocados pelos fatores externos como mercado, política econômica, governo, concorrência, sazonalidade dentre outros. 18/77 Tópico 1 Unid. 1 16

24 2 A Empresa como um Sistema 2.6 A Empresa como Sistema Dinâmico Para muitos estudiosos da economia, a empresa responde aos estímulos do mercado exterior. Esses estímulos estão relacionados com a sua produção (compra de insumos), controles internos, venda de produtos, contratação de mão de obra (aspectos sociais), dentre outras, com o objetivo da maximização dos seus resultados (em busca do lucro). 19/77 Tópico 1 Unid. 1 17

25 2 A Empresa como um Sistema 2.7 Modelo Conceitual de Sistema Empresa A concorrência exerce um papel fundamental no sistema empresa, pois ela faz parte dos fatores externos da empresa que podem afetar o resultado econômico, pois as decisões que os gestores concorrentes tomarem afetam positivamente ou negativamente. 20/77 Tópico 1 Unid. 1 18

26 2 A Empresa como um Sistema 2.7 Modelo Conceitual de Sistema Empresa Se o gestor da empresa concorrente decidir baixar o preço e, por conseguinte diminuir a qualidade dos seus produtos, corre o risco de afetar a manutenção da perenidade dos seus negócios no mercado. 21/77 Tópico 1 Unid. 1 19

27 2 A Empresa como um Sistema 2.7 Modelo Conceitual de Sistema Empresa Ressalta-se que esses resultados são reflexos das movimentações financeiras geradas pelas decisões tomadas, pois com a escassez dos recursos financeiros no mercado é preciso tomar decisões convenientes para não comprometer os resultados da companhia. 22/77 Tópico 1 Unid. 1 19

28 2 A Empresa como um Sistema 2.7 Modelo Conceitual de Sistema Empresa Essas decisões podem estar relacionadas ao tipo de recurso que a empresa necessita (a forma de financiamento), as habilidades desenvolvidas pelos profissionais e aos recursos tecnológicos disponíveis. 23/77 Tópico 1 Unid. 1 19

29 2 A Empresa como um Sistema 2.7 Modelo Conceitual de Sistema Empresa Isso impacta nos resultados da empresa, e essas decisões estão fundamentadas nas ferramentas dos ORÇAMENTOS, que são suficientemente capazes de fornecer informações para gerar os melhores resultados. 24/77 Tópico 1 Unid. 1 19

30 Tipos de Orçamento e suas Aplicações Tópico 2 25/77

31 2 Aspectos Conceituais Nos tempos atuais, os empresários têm necessidade de planejar as ações e buscar o controle da empresa, com isso o processo torna- se indispensável na administração de qualquer negócio. 26/77 Tópico 2 Unid. 1 23

32 2 Aspectos Conceituais O Orçamento pode ser conceituado como um planejamento de operações detalhado em todas as suas fases para um período futuro, buscando retratar formalmente as políticas, planos e metas estabelecidas pelos administradores, expressos em forma quantitativa. 27/77 Tópico 2 Unid. 1 24

33 2 Aspectos Conceituais A importância do sistema orçamentário está basicamente no modo de conduzir de forma ordenada as ideias e progredir, passo a passo, nas ações. 28/77 Tópico 2 Unid. 1 25

34 2 Aspectos Conceituais Além disso, está ligado às constantes mudanças que ocorrem no mundo globalizado, especificamente na área tecnológica. Dentro deste contexto, é importante que as empresas planejem os seus objetivos e suas atividades sempre considerando a necessidade de se adaptar às novas realidades. 29/77 Tópico 2 Unid. 1 25

35 3 Objetivos dos Orçamentos Os orçamentos possuem objetivos direcionados para o bom funcionamento das empresas, e são constituídos de planos específicos em datas e unidades monetárias que visam atingir objetivos programados. É o plano financeiro para implantar a estratégia da empresa em determinado exercício e, portanto, é uma ferramenta básica de gestão que pode ser de curto ou longo prazo. 30/77 Tópico 2 Unid. 1 27

36 3 Objetivos dos Orçamentos Planejamento: é um conjunto de metas a serem atingidas, de acordo com as ações individuais e coletivas. Pode ser dividido em três atividades: * Planejamento Estratégico; * Planejamento Programa; * Planejamento Orçamentário. 31/77 Tópico 2 Unid. 1 28

37 3 Objetivos dos Orçamentos Direção: pode ser compreendida como o tomar cuidado para que as ações individuais e grupais estejam sendo coordenadas da melhor forma possível. E essa direção deve ser bem orientada através das reuniões dos comitês de avaliação. 32/77 Tópico 2 Unid. 1 29

38 3 Objetivos dos Orçamentos Controle: o controle é um sistema de verificação do desempenho obtido com os objetivos traçados, de forma que ações corretivas possam ser implementadas. Sua existência é fundamental tanto para execução de planejamento de curto como de longo prazo. 33/77 Tópico 2 Unid. 1 29

39 4 Tipos de Orçamentos O orçamento estático é baseado a partir de um determinado volume de produção e vendas que a empresa deseja atingir. Se ocorrerem mudanças no ambiente do sistema empresa, os orçamentos para um determinado período perdem sua validade, pois estarão engessados de acordo com o volume de produção e vendas que outrora foram definidos. 34/77 Tópico 2 Unid. 1 31

40 4 Tipos de Orçamentos Se ocorrer qualquer incidente no mercado do mundo globalizado, como uma catástrofe natural, ou problemas na economia mundial ou em determinados países, isso poderá afetar de forma negativa os orçamentos estáticos. 35/77 Tópico 2 Unid. 1 31

41 4 Tipos de Orçamentos Mas, se ocorrerem fatores positivos na economia global ou de determinado país, isso também poderá afetar de forma negativa os orçamentos estáticos. Os Orçamentos Estáticos não poderão ser alterados, a própria palavra já nos coloca isso: ESTÁTICO -> IMÓVEL. 36/77 Tópico 2 Unid. 1 31

42 4 Tipos de Orçamentos O Orçamento Flexível pode ser ajustado de acordo com as necessidades da empresa e com as mudanças de mercado, envolvendo outros. 37/77 Tópico 2 Unid. 1 32

43 4 Tipos de Orçamentos O Orçamento de Tendências é uma prática orçamentária que utiliza dados passados para projetar o futuro, pois situações ocorridas no passado, decorrentes da estrutura organizacional já existente, servem de base para projetar situações futuras, uma vez que se corre o risco de tais situações acontecerem novamente. 38/77 Tópico 2 Unid. 1 32

44 4 Tipos de Orçamentos A proposta do orçamento Base Zero está em rediscutir toda a empresa toda vez que se elabora o orçamento. Está em questionar cada gasto, buscando verificar a real necessidade. Resumindo, a questão fundamental permanente para o orçamento base zero é a seguinte: não é porque aconteceu que deverá acontecer. 39/77 Tópico 2 Unid. 1 33

45 5 Sistema de Orçamentos O Sistema de orçamentos é o modelo de mensuração que avalia e demonstra, sob um formato contábil, as projeções de desempenhos econômicos e financeiros de uma empresa. 40/77 Tópico 2 Unid. 1 36

46 5 Sistema de Orçamentos O sistema orçamentário compila as informações advindas de cada setor da empresa e apresenta os resultados da execução dos planos de ação que foram aprovados por cada gestor. 41/77 Tópico 2 Unid. 1 36

47 5 Sistema de Orçamentos Após serem aprovados pela administração da empresa, juntamente com os respectivos planos de ação, são confiados aos responsáveis pela execução dos mesmos. 42/77 Tópico 2 Unid. 1 36

48 6 O que Refletem os Orçamentos Os orçamentos refletem a necessidade da empresa – dos seus administradores – em comunicar aos seus gerentes ou responsáveis os planos de ação que devem ser executados de acordo com as políticas e diretrizes nele atribuídos. 43/77 Tópico 2 Unid. 1 37

49 6 O que Refletem os Orçamentos Deverão dar origem aos resultados projetados para avaliação e análise. Portanto, o que os orçamentos refletem são as políticas, que estão presentes nas seguintes áreas: compras, estoques, vendas, qualidade, etc. 44/77 Tópico 2 Unid. 1 37

50 7 Por que Prever? Quando elaboramos um orçamento devemos levar em consideração que o principal objetivo da empresa é a venda, mas esta será efetivada somente se estiver precedida de um conjunto completo de previsões. 45/77 Tópico 2 Unid. 1 38

51 8 Como Prever? Perguntas frequentes como: a) Quais são as bases de previsão? b) Quais são os limites orçamentários? São perguntas em como prever, que somente tem fundamento na definição dos produtos ou serviços nos quais a empresa possa garantir suas vendas. 46/77 Tópico 2 Unid. 1 39

52 8 Como Prever? Garantia de Vendas -> CARRO CHEFE Em seguida, é importante que se faça uma previsão por produto e por período, levando em consideração o que o mercado pode absorver. 46/77 Tópico 2 Unid. 1 39

53 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas Quando se trata de aplicar os orçamentos para a sua execução, muitas vezes nos deparamos com situações que necessitam ser avaliadas sob a ótica comportamental. Podem surgir erros no processo de elaboração e implantação dos orçamentos em níveis de supervisão. 47/77 Tópico 2 Unid. 1 40

54 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas E quais seriam suas consequências? 48/77 Tópico 2 Unid. 1 40

55 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas a) Reação às pressões: se as pressões orçamentárias forem excessivas por busca de resultados, que não se está conseguindo cumprir, podem ocorrer desconfiança, hostilidade e, eventualmente, baixa do nível de desempenho como reação aos controles orçamentários. 49/77 Tópico 2 Unid. 1 40

56 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas Um dos problemas que pode gerar este tipo de hostilidade seria o problema do controle dos custos, pois é uma causa comum de tensão entre os gestores, geralmente oriunda da pressão de cortar custos. 50/77 Tópico 2 Unid. 1 41

57 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas b) Grande ênfase no curto prazo: um dos perigos com que se depara na organização quando se avalia a efetividade dos gestores na busca dos melhores resultados é a ênfase na lucratividade de curto prazo. As medidas tomadas para melhorar a lucratividade de curto prazo podem prejudicar as expectativas de longo prazo da organização. 51/77 Tópico 2 Unid. 1 41

58 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas c) Má qualidade das decisões do executivo principal: se o executivo da empresa possuir excessiva confiabilidade no desempenho da empresa – em lucratividade – apenas por confiar nos relatórios orçamentários, pode também afetar a qualidade das decisões realizadas pelo mesmo. 52/77 Tópico 2 Unid. 1 41

59 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas Se a competência gerencial dos gestores baseia-se somente na lucratividade de sua respectiva empresa, podem surgir daí erros sérios de julgamento. O gestor precisa conhecer o mercado. 53/77 Tópico 2 Unid. 1 41

60 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas d) Má qualidade da comunicação: quando se adota o estilo de gestão autoritária de liderança, podem surgir atitudes negativas contra os objetivos da organização, levando à falsificação dos resultados orçamentários e à falta de boa vontade de transmitir informações. 54/77 Tópico 2 Unid. 1 41

61 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas Quando um comportamento negativo prevalece numa organização que pratica o modelo de administração autoritária, pode acontecer que informações necessárias para a tomada de decisão não sejam transmitidas adequadamente aos gestores, ou que nem sejam transmitidas. É o popular salve-se quem puder ou vou cuidar do meu emprego. 55/77 Tópico 2 Unid. 1 42

62 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas e) Departamentos excessivamente centrados em si mesmos: esse tipo de tendência de centralização egoísta obscurece a importância do relacionamento entre todos os departamentos, sendo que muitas vezes o gestor esquece que o resultado global da empresa é o resultado total de cada departamento individual. 56/77 Tópico 2 Unid. 1 42

63 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas f) Limitação à iniciativa: o gestor acaba perdendo a livre iniciativa de tomar atitudes, criar, liderar e ter motivação. Os orçamentos, muitas vezes, são camisas de força que desencorajam os gestores de se desviarem das previsões orçamentárias, mesmo quando fatores internos ou externos da empresa podem indicar que ações individuais podem e devem ser desenvolvidas, para melhorar os resultados da empresa. 57/77 Tópico 2 Unid. 1 43

64 9 Os Efeitos do Orçamento nas Pessoas g) Desvios no Orçamento: os gestores podem aumentar as expectativas das receitas e reduzir custos, quando estabelecem as metas orçamentárias, e assegurar que sejam, mais facilmente atingidas. Desta forma, a introdução dos chamados desvios conscientes é uma tentativa deliberada de assegurar que seu desempenho como gestor será mais bem avaliado. 58/77 Tópico 2 Unid. 1 43

65 10 Vantagens e Limitações do Orçamento O orçamento auxilia na coordenação e sintonia das ações pertinentes às diferentes áreas de acordo com os objetivos da empresa. As principais vantagens podem ser vistas nas páginas 43 e 44 da apostila. 59/77 Tópico 2 Unid. 1 43

66 10 Vantagens e Limitações do Orçamento Da mesma forma, o orçamento apresenta algumas limitações, que podem ser vistas na página /77 Tópico 2 Unid. 1 45

67 Implantação do Orçamento Empresarial Tópico 3 61/77

68 2 Plano Orçamentário Quando falamos em plano orçamentário, devemos estar atentos ao orçamento e ao processo de gestão como ferramenta para direcionamento das atividades da empresa. Os gestores também devem compreender a utilidade das ferramentas orçamentárias e implementá-las. 62/77 Tópico 3 Unid. 1 49

69 2 Plano Orçamentário 2.1 Orçamento e Processo de Gestão Em um processo de gestão, a avaliação das áreas de responsabilidades deve ser realizada em concordância com os objetivos da empresa, sendo que estes objetivos devem atender às premissas do mercado. Por exemplo, se a empresa atua no ramo têxtil, o objetivo desta empresa é o atendimento do mercado neste segmento. 63/77 Tópico 3 Unid. 1 50

70 2 Plano Orçamentário 2.1 Orçamento e Processo de Gestão Imagine você fazendo a previsão de uma receita de recursos financeiros para a sua conta corrente pessoal. Você, com certeza, planejará onde investir esse dinheiro. Caso isso não ocorra, ficará frustrado, já que havia uma expectativa de obter determinado resultado. 64/77 Tópico 3 Unid. 1 50

71 2 Plano Orçamentário 2.1 Orçamento e Processo de Gestão Em um processo decisório descentralizado acontece a delegação de responsabilidade e autoridade. Isso se chama ACCOUNTABILITY, que consiste na obrigação que têm as pessoas envolvidas no processo decisório e operacional de prestar contas dos resultados obtidos, em função das suas responsabilidades vinculadas às suas funções que decorrem da delegação de poder. 65/77 Tópico 3 Unid. 1 51

72 2 Plano Orçamentário 2.1 Orçamento e Processo de Gestão Dentro dessa cadeia de accountability, a expectativa será sempre atingir a gestão eficiente e eficaz dos negócios da empresa. Todos os envolvidos estarão engajados na consecução dos objetivos e nas metas estabelecidas dentro de seu âmbito de autoridade e responsabilidade. 66/77 Tópico 3 Unid. 1 51

73 2 Plano Orçamentário 2.1 Orçamento e Processo de Gestão No Quadro 1, na página 52, é possível observar a cadeia de accountability dentro do conceito de autoridade e responsabilidade. 67/77 Tópico 3 Unid. 1 52

74 2 Plano Orçamentário 2.1 Orçamento e Processo de Gestão Existem dois fatores importantes, que são a motivação e o empreendedorismo. A motivação tem relação com a satisfação pessoal e envolve diversos fatores, inclusive pessoais e familiares, durante a sua vida cotidiana. 68/77 Tópico 3 Unid. 1 53

75 2 Plano Orçamentário 2.1 Orçamento e Processo de Gestão A inovação é a constante busca de novos valores profissionais e de resultados e está vinculada com o perfil empreendedor. No processo de gestão tem-se a necessidade de estar sempre inovando. 69/77 Tópico 3 Unid. 1 53

76 2 Plano Orçamentário 2.2 Princípios Fundamentais do Sistema de Orçamentos Como o processo orçamentário é formado por pessoas, cada membro envolvido responde por diversos estímulos e necessidades que o próprio mercado estabelece e a empresa (sistema empresa) deve se adequar. 70/77 Tópico 3 Unid. 1 55

77 2 Plano Orçamentário 2.2 Princípios Fundamentais do Sistema de Orçamentos Existem alguns princípios fundamentais que refletem os orçamentos e podem ser definidos da seguinte forma: a) Envolvimento dos gerentes; b) Adaptação organizacional; c) Contabilidade por áreas de responsabilidade; 71/77 Tópico 3 Unid. 1 55

78 2 Plano Orçamentário 2.2 Princípios Fundamentais do Sistema de Orçamentos d) Orientação para objetivos; e) Comunicação integral; f) Expectativas realísticas; g) Oportunidade; h) Aplicação flexível; i) Reconhecimento dos esforços individuais e de grupos; j) Acompanhamento. 72/77 Tópico 3 Unid. 1 56

79 2 Plano Orçamentário 2.3 Criação de Novas Mentalidades Geralmente, nas empresas as atividades funcionam ao estilo top- down. Se as mudanças partem de cima, do topo da administração, os demais funcionários assimilam e acatam, mas não incorporam uma nova mentalidade. 73/77 Tópico 3 Unid. 1 57

80 2 Plano Orçamentário 2.3 Criação de Novas Mentalidades É fundamental ressaltar que não serão bem-sucedidas as mudanças propostas com as filosofias orçamentárias se não ocorrer a incorporação de uma nova cultura orçamentária. 74/77 Tópico 3 Unid. 1 57

81 2 Plano Orçamentário 2.3 Criação de Novas Mentalidades A educação orçamentária está voltada para atender à necessidade de conscientização, principalmente dos gestores, na mesma linha de comando, ou seja, conscientizar primeiramente a diretoria, ou no caso, a gerência. 75/77 Tópico 3 Unid. 1 57

82 2 Plano Orçamentário 2.4 Adequação do Sistema de Orçamentos à Estrutura Organizacional Para o sistema de orçamento alcançar o sucesso na empresa e ser reconhecido como uma ferramenta útil à gestão de negócios é importante que a empresa adote uma estrutura organizacional que seja de fácil visualização em um organograma. 76/77 Tópico 3 Unid. 1 59

83 2 Plano Orçamentário 2.4 Adequação do Sistema de Orçamentos à Estrutura Organizacional Os níveis de autoridade e responsabilidade devem apresentar-se na estrutura organizacional de forma simples, objetiva e permitir a identificação de quais são as pessoas responsáveis em cada setor da empresa. Desta forma, torna-se mais acessível o contato com os profissionais, além de facilitar a comunicação interna. 77/77 Tópico 3 Unid. 1 59

84 Parabéns!!! Terminamos a Unidade.

85 PRÓXIMA AULA: Orçamento Empresarial 2º Encontro da Disciplina 1ª Avaliação da Disciplina (Redação com Consulta)


Carregar ppt "Orçamento Empresarial UNIDADE I RESUMO DE APOSTILA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google