A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n As Organizações. –As organizações são indiscutivelmente o tipo de sistema social predominante das sociedades industriais. Enquanto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n As Organizações. –As organizações são indiscutivelmente o tipo de sistema social predominante das sociedades industriais. Enquanto."— Transcrição da apresentação:

1 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n As Organizações. –As organizações são indiscutivelmente o tipo de sistema social predominante das sociedades industriais. Enquanto que antes a sociedade era constituída de um sem-número de pequenos sistemas sociais desorganizados, hoje são as organizações que dominam o panorama social contemporâneo. –Hoje, raramente o homem trabalha, defende os seus interesses e mesmo se diverte por conta própria, de forma isolada. Ele está inserido em organizações que coordenam o seu trabalho, seu estudo, seus interesses, suas reivindicações. –É lícito afirmar que a sociedade moderna se caracteriza pelas organizações.

2 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n As Organizações. –O desenvolvimento industrial desenrolou-se dentro de dois dos principais tipos de organização: as empresas e o Estado. Quanto mais as empresas e o Estado se organizavam, quanto melhor suas relações se ajustavam, quanto mais o trabalho era racionalizado e sistematizado através das organizações, maior era o desenvolvimento. –Não existe dúvida de que o progresso de uma nação ou de uma sociedade, depende da sua capacidade de organizar a atividade humana. –A organização é necessária para criar um Estado, para formar um exército, para propagar ideologias e religiões, ou para levar adiante o desenvolvimento econômico.

3 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n As Organizações. –O desenvolvimento é um processo integrado de transformação social que tem nas organizações um de seus principais instrumentos. –Um sistema social qualquer não necessita ser eficiente, produtivo. Já nas organizações, a eficiência - ou pelo menos a procura de eficiência - é uma condição de existência. Se esta condição não se verifica, a organização não existe, o sistema social em questão não se caracteriza como organização.

4 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n As Organizações. –O primeiro objetivo de uma organização é, em tese, o aumento da eficiência. Sem eficiência, sem produtividade, não há organizações; sem o aumento da eficiência, não existe desenvolvimento. –Não existe organização sem administração, e a recíproca é quase totalmente verdadeira.

5 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n As Organizações. –O desenvolvimento é um processo de aumento de renda per capita, através da recombinação sistemática e racional dos fatores de produção. –Essa recombinação visa um melhor aproveitamento dos fatores de produção, visa à obtenção de um maior resultado para um dado esforço. –Visa, enfim, ao aumento de produtividade, que é, portanto, a chave do desenvolvimento.

6 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n As Organizações. –Se a produtividade é o princípio fundamental que orienta as organizações, é fácil compreender a importância da produtividade para com o desenvolvimento e para com a sociedade moderna como um todo. –A produtividade é uma relação entre o resultado e o esforço aplicado para obtenção do mesmo.

7 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Perspectivas da Organização < Racional < Natural/Sistêmica < Aberta/Contingencial n São formas de se apresentar a evolução do pensamento - dentro de cada perspectiva encontramos várias escolas. Relações com o Meio Ambiente

8 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n A efetividade de uma organização –A efetividade se verifica através do atendimento das expectativas dos stackholders. –A partir do momento que uma organização passa a atender satisfatoriamente todos os interesses dos stackholders, a sua eficácia é maior. –A organização é o sistema social que administra segundo critérios de eficiência e produtividade.

9 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Mintzberg. –De acordo com Mintzberg 5 aspectos são considerados importantes nas configurações estruturais de uma organização. < Estrutura < Estratégia < Processos < Pessoas < Recompensas

10 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Paradigmas. –Funcionalista Taylor –Burocrático/Elitista ---- Weber –Classista Marx n A relação do indivíduo com a organização. –Implica em estudos e pesquisas sobre a satisfação do indivíduo com o trabalho.

11 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Mudanças –As mudanças que realmente trazem benefícios para uma organização como um todo, são transformações a níveis de uma visão macro das propostas, que ocorrerm dentro das organizações. < Funcionalista/Estrutural = o indivíduo é capaz de introduzir as mudanças na organização - visão individualista. < Classista = relações de trabalho/greve/conflitos - pressuposto de que existe um eterno jogo entre as partes - a existência de uma dinâmica dentro das classes.

12 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Sistemas Racionais. –São instrumentos para o alcance de objetivos, com o máximo de racionalidade n Racionalidade Técnica e/ou Funcional. –Série de ações organizadas de forma a alcançar determinados objetivos, com a máxima eficiência; alcançar os objetivos com o menor tempo e o menor custo. Como a racionalidade comportamental ocorre em um determinado contexto, é importante a necessidade de especificação clara dos objetivos e da formalização de uma estrutura adequada e que seja capaz de lidar com os imprevistos.

13 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Ato Racional. –Um ato é racional quando ele é coerente com os fins desejados; possibilitando o alcance dos objetivos com um mínimo de esforços e um mínimo de custos e permite alcançar o máximo de resultado. Relação CustoBenefício

14 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Objetivos da Organização. –São a concepção dos fins desejados. –Objetivos claros possibilitam a definição de critérios objetivos, para selecionar entre atividades alternativas. –As organizações podem ser avaliadas pelo alcance ou não dos seus resultados. –Quanto mais vagos os objetivos, mais difícil é a definição da estrutura adequada para alcançá-los.

15 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n O que são objetivos ? –Sobrevivência da organização. –Atender as expectativas dos stackholders. –Remuneração do capital dos sócios. –Objetivos econômicos - geração de riqueza. –Objetivos sociais. –Crescimento/Perpetuação.

16 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Formalização. –O grau de formalização de uma estrutura é determinado pelo grau em que as regras que governam o comportamento são precisas e explicitamente formuladas e pela extensão em que as relações são prescritas independentemente das relações entre os indivíduos e do lugar que elas ocupam na estrutura. –Sabedoria - a organização precisa de sabedoria na determinação e na construção de suas estruturas, para que estas sejam flexíveis. –A formalização torna mais explícita e visível a estrutura de relações - integrando as regras e os pricípios que governam as relações dentro do sistema.

17 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Formalização. –Contribui para a racionalidade e costitui uma forma de barrar a estrutura sociométrica. –Possibilita lidar com a finitude e inconstância das ações humanas. –Permite o funcionamento da máquina independentemente das ações particularesw de um indivíduo. –Em organizações altamente formalizadas a ação inovativa e empreendedora é suplantada pela ação técnica administrativa. –A estrutura organizacional é um instrumento que pode ser modificado para melhorar o desempenho da organização.

18 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Formalização. –Os téoricos clássicos afirmaram a importância da formalização e devotaram suas energias a desenvolver guias precisos sobre como governar as atividades dos participantes. –O Homem Organizacional seria um indivíduo flexível, dedicado, capaz de adiar as recompensas e o desejo de auto-realização. –A Formalização é um vetor forte na resultante da racionalidade, contribuindo para que sempre exista uma melhor maneira de se executar algo.

19 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Relações entre a organização e o indivíduo. –Podemos considerar que as relações entre as organizações e o indivíduo de certa forma não são ingênuas. De ambas as partes sempre se espera algum retorno. –Quando as relações são claramente explicitadas e não ocorrem de forma camuflada em relação ao interêsse de qualquer uma das partes, existe uma condição para amenização dos conflitos entre o capital e o trabalho. –Quando existe clareza nas intenções, deixa de existir a necessidade de se criar desculpas para encobrir ou responder as falhas decorrentes do conflito de interesses e que implicam cada vez mais na deterioração da qualidade da relação entre o indivíduo e a organização.

20 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Relações entre a organização e o indivíduo. –Pode-se caracterizar como senso comum a condição de que a maioria das organizações empresariais não socializa o capital ao empregado da forma ou ao nível do que ela recebe dele, entretanto é claro que o meio principal de ganho/recompensa do indivíduo que trabalha em uma organização é o seu salário, bem pago ou não. –A vida do índivíduo está de certa maneira atrelada ao seu salário, que garante a sua sobrevivência. –É importante que o empregado possa sentir esta ligação, pois o sentimento de sobrevivência do indivíduo o torna compromissado com o resultado do seu trabalho na organização, pois este resultado será traduzido na forma de ganho/salário.

21 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n O conceito de organização burocrática. –Um sistema social pode ser muito ou pouco organizado; temos então agrupamentos praticamente inorganizados, até os completamente organizados. –Como exemplo de agrupamentos inorganizados temos o conjunto dos consumidores, o povo em geral, etc. –No extremo oposto temos os agrupamentos extremamente organizados, que seriam as organizações burocráticas, que são chamadas simplesmente de organizações ou burocracias. –Max Weber sociólogo alemão, no início do século XX, foi o primeiro a estudar sistematicamente as organizações burocráticas.

22 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n O conceito de organização burocrática. –Max Weber não considerou a burocracia como um sistema social, mas como um tipo de poder ou de dominação. –Para Weber a burocracia seria um tipo de poder da mesma forma que o patriarcalismo, o patrimonialismo, o feudalismo e o carismatismo. –Cada um desses tipos de poder corresponde um ou mais sistemas sociais diferentes. –A burocracia ou poder burocrático, corresponde as organizações burocráticas, ou simplesmente burocracias. –Adotaremos portanto o conceito de burocracia como sinônimo de organização, para exprimir um tipo de sistema social.

23 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n O conceito de organização burocrática. –Max Weber formulou a burocracia como um tipo ideal, sem a conotação de valor. –O tipo ideal é uma abstração, através da qual as características extremas desse fenômeno são definidas, de uma forma a fazer com que ele apareça em sua forma pura. –Assim nenhuma organização corresponde exatamente ao modelo puro de burocracia. Muitas até se aproximam desse modelo, desse tipo ideal, como as grandes empresas, o Estado moderno, as igrejas, as escolas, as associações, os clubes.

24 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n O conceito de organização burocrática. –No sentido popular, burocracia significa papelada, numero excessivo de normas, procedimentos, tramitações, apego excessivo aos regulamentos, ineficiência, etc. –Estas condições são os defeitos do sistema ou as suas disfunções. –No entanto a burocracia ou organização é um sistema social racional, em que a divisão do trabalho é racionalmente realizada, sistematicamente aplicada, tendo em vista os fins visados. –É o sistema social em que se busca atingir os fins através dos meios mais racionais. –Na burocracia o conjunto de indivíduos participantes mantêm entre si relações sociais.

25 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n O conceito de organização burocrática. –O desejo de racionalização do homem moderno atingiu todos os setores de sua vida, inclusive o da estrutura dos sistemas sociais de que participa. Estes são racionalizados através de métodos administrativos. É o administrador que racionaliza, que organiza os sistemas sociais, transformando-os em burocracias. –Um ato será racional na medida em que represente o meio mais adaptado para se atingir um determinado objetivo, na medida em que a sua coerência em relação a seus objetivos se traduza na exig~encia de um mínimo de esforços para se chegar a esses objetivos.

26 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n O conceito de organização burocrática. –Chegamos portanto a uma definição clara para uma burocracia ou organização: sistema social em que a divisão do trabalho é sistemática e coerentemente realizada - racionalmente; tendo em vista os fins visados; é o sistema social em que há procura deliberada de economizar os meios para se atingir os objetivos. –O ato racional é aquele coerente em relação aos fins visados: ato eficiente ou produtivo é aquele que, não só é coerente em relação aos fins visados, como também exige o mínimo de esforços, o mínimo de custos, para um máximo de resultados. –A organização portanto é o sistema social que se administra segundo o critério da eficiência, no qual as decisões são tomadas sempre em vista o aumento de produtividade.

27 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Burocracia e os tipos de dominação. –Segundo Max Weber, uma outra forma de delinear os limites que separam a burocracia dos demais sistemas sociais é através da classificação dos tipos de dominação. –Nesta classificação, são três tipos de dominação fundamentais: < Carismático < Tradicional < Racional-legal –A legitimidade da dominação é o fato que a torna efetiva, é o motivo que explica por que um determinado número de pessoas obedece as ordens de alguém, conferindo-lhe poder.

28 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Burocracia e os tipos de dominação. Legitimação da dominação carismática. –O subordinado se identifica com o líder e aceita uma espécie de dependência afetiva. Não é racional. –É um poder sem base racional, é instável, arbitrário. –O líder mantém o seu poder enquanto os seus seguidores reconhecem nele forças extraordinárias. –É uma dominação essencialmente pessoal e intransferível. Não pode ser delegada nem concedida em herança. –Sua arbitrariedade se explica pela ausência de leis, estatutos e tradições que o regulamentam. –É um poder cujos limites são dados pela sua própria personalidade. –Tende a ser instrumento de transformação social.

29 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Burocracia e os tipos de dominação. Legitimação da dominação tradicional. –Resultante da crença nas rotinas e nas normas de conduta, cujo caráter inviolável resulta da tradição. –É um tipo de dominação conservador e os usos e costumes são a fonte última de poder. –Opõe-se a mudança social, porque nada legitima. –Aquele que é investido do poder é um senhor, e seus subordinados não são funcionários, mas servidores. –O senhor tradicional usufrui de uma certa área de arbítrio. –Não é exercida com uma preocupação de eficiência. Não é racional. –Tipos básicos: patriarcalismo e o patrimonialismo.

30 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Burocracia e os tipos de dominação. Legitimação da dominação racional - legal. –Também chamada de burocrática. –É a dominação na qual a legitimidade se baseia em normas legais racionalmente definidas. –O predomínio desse tipo de dominação dentro de um sistema social define a existência de uma organização ou burocracia. –A dominação racional-legal corresponde à burocracia. –A legitimação se apoia em regras racionalmente estabelecidas, ao invés de se estruturar na crença e na devoção como suporte da autoridade. –As burocracias tem a sua legitimidade no poder racional-legal. Em seu tipo ideal, puro, as organizações são sistemas sociais racionais.

31 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Características das burocracias. –As burocracias têm sua fonte de legitimidade racional-legal, e não no poder patriarcal, patrimonial ou carismático. Em seu tipo ideal puro, as organizações são sistemas sociais racionais. –A racionalidade se expressa nas burocracias através dos seguintes aspectos: < São sistemas sociais formais; < São impessoais; < São dirigidos por administradores profíssionais; < O controle é exercido sistemáticamente.

32 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n A burocracia e a autoridade. –O formalismo se expressa nas burocracias no fato de que a autoridade deriva de um sistema de normas racionais, que definem com precisão as relações de mando e subordinação, distribuindo as atividades a serem executadas de forma sistemática, tendo em vista os fins visados. –Sua administração é formalmente planejada, organizada, e sua execução se realiza através de documentos escritos.

33 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n A burocracia e a autoridade. –A autoridade em uma burocracia deriva de normas racionais-legais. Assim as normas são válidas, não porque a tradição as legitime, mas porque, sendo racionais levam para os fins visados. –A autoridade burocrática é baseada no Direito, entendendo-se por Direito um sistema de normas cuja obediência pode ser imposta pela coação. –A autoridade é definida nos estatutos e regulamentos, através de um processo de delegação de autoridade. Os administradores têm a sua disposição meios coercitivos que lhes asseguram, pelo menos na teiria, a obediência por parte dos subordinados.

34 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n A burocracia e as normas. –As normas devem cobrir todas as áreas da organização, prevendo todas as ocorrências e enquadrá-las dentro de um comportamento definido. –Desta forma a alta administração mantém o controle, reduzindo o âmbito da decisão dos subordinados. –As normas racionais precisam a todo momento serem modificadas, adaptando-se aos fatores novos que surgem no ambiente, visando a consecução dos objetivos visados da forma mais econômica e eficiente possível.

35 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n A burocracia e as normas. –Baseando-se nas diretrizes, nas normas organizacionais e disciplinares, nos métodos e rotinas, nos padrões previamente definidos; todo funcionário sabe como deve agir. –Com a normas e procedimentos previamente determinados e exaustivamente escritos, todo comportamento, de todos os funcionários participantes da organização tornam-se mais previsíveis, muito mais preciso, muito mais controlável.

36 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n A burocracia e a hierarquia. –A burocracia se caracteriza pelo seu caráter hierárquico, ou seja, por um sistema firmemente organizado de mando e subordinação mútua das autoridades, mediante supervisão das inferiores pelas superiores. –A organização toma forma de uma pirâmide. –Cada superior tem sob suas ordens um determinado número de subordinados (geralmente pequeno). –Nas burocracias a hierarquia deve ser monocrática, isto é, só existe um chefe para cada subordinado, não sendo aceitável que um superior de um nível elevado passe ordens diretas para um funcionário de escalão mais inferior.

37 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n A burocracia e a divisão do trabalho. –Além da forma de divisão vertical do trabalho pela hierarquia, as burocracias apresentam uma divisão horizontal do trabalho, em que as diferentes atividades são distribuídas de acordo com os objetivos a serem atingidos. É o processo de departamentalização. –A divisão do trabalho em funções é realizada em termos de cargos abstratamente definidos e não de pessoas. A autoridade e a responsabilidade pertencem ao cargo, seja qual for a pessoa que o ocupe.

38 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n A burocracia e a impessoalidade. –O caráter impessoal das organizações é uma das formas básicas através das quais elas expressam a sua racionalidade. A administração burocrática é realizada sem levar em consideração as pessoas. –O governo das pessoas existe apenas na medida em que elas ocupam cargos dentro da organização. –O caráter estritamente impessoal de uma burocracia tem como característica a não derivação da personalidade do indivíduo participante, como acontece na liderança carismática. –Se a autoridade é impessoal, a obediência prestada pelo subordinado também o é. A obediência é limitada a uma competência, racional e objetiva ao superior dentro do que é outorgado pelo cargo.

39 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n A burocracia e a impessoalidade. –A burocracia é bem desenvolvida quanto mais ela é desumanizada; quanto mais alcança as características que são consideradas como virtudes: a eliminação do amor, do ódio, de todos os elementos pessoais, emocionais e irracionais. –Em uma burocracia, no seu estado puro, não há lugar para sentimentos, para o favoritismo, para a gratidão, para as demonstrações de simpatia e antipatia. –O administrador burocrático é objetivo e imparcial, que tem como missão cumprir as obrigações do seu cargo e contribuir para a consecução dos objetivos da organização.

40 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n A burocracia e o profissionalismo. –Os administradores burocratas são profíssionais, que fazem uso do seu conhecimento técnico. –Administrar é a profissão do funcionário burocrata e as organizações devem ser dirigidas por administradores profíssionais. –O adminstrador profíssional deve ser um especialista, pessoas treinadas para exercer as diversas funções criadas através da divisão do trabalho. –Os administradores de nível inferior por ser um especialista, deve conhecer bem as normas e procedimentos da organização. –Os administradores do topo, sua especialidade é administrar. Eles não são especialistas em finanças, produção, mecadologia, pessoal. São generalistas.

41 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Evolução das formas de Organização do Trabalho. < Científica (Taylorismo/Fordismo) < Clássica (Fayol); < Toyotismo; < Escola das Relações Humanas; < Abordagem Sistêmica; < Corrente Sócio-Técnica; < Abordagem Contingencial.

42 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Pincípios da administração científica :Taylor –Ênfase na eficiência - Sempre existe uma melhor maneira de se fazer o trabalho. Para descobri-la o administrador deve empreender um estudo de tempo e métodos, decompondo os movimentos das tarefas exercidas. –Divisão do Trabalho - o trabalho deve ser subdividido ao máximo, buscando sempre a melhor maneira ou a maneira certa de se fazer a tarefa, procurando-se sempre o aumento da produtividade. –Gerentes planejam, funcionários executam - é necessário se separar o planejamento do trabalho, da execução do mesmo. Cabe a função gerencial o planejamento e aos empregados agirem de acordo com o que foi planejado.

43 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Pincípios da administração científica :Taylor –Seleção científica do trabalhador - Deve-se promover a seleção do melhor operário para cada tarefa, promovendo-se o seu treinamento e o seu desenvolvimento. –Enfoque mecanicista - A organização é comparada com uma máquina, que deve seguir um projeto pré- definido. Cada operário é visto como uma engrenagem na empresa, não se importando com a sua condição de ser humano. Deve-se evitar a formação de grupos, times ou equipes de trabalho. –Incentivo Salarial - O operário ganha pelo que ele produz. Todo trabalhador deve procurar maximizar os seus ganho e aumentar a produtividade.

44 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Pincípios da administração científica :Taylor –Objetivos comuns - os interesses da empresa e dos funcionários quando alinhados, resultam em uma maior produtividade. –Tempo padrão - Todo empregado deve atingir a produção determinada pela gerência. Esse controle torna-se importante tendo em vista a idéia de que o ser humano é um indivíduo que não quer trabalhar, é preguiçoso. –Supervisão - É especializada por áreas. Deve controlar o trabalho dos operários verificando o número de peças produzidas, e garantir o volume esperado de produção. –Homo Economicus - O salário é importante, mas não é fundamental para a satisfação dos funcionários.

45 TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n Pincípios da administração científica :Taylor –Recompensas - O reconhecimento do trabalho, incentivos morais e a auto-realização são aspectos que não devem ser levados em consideração, pois cada empregado deve cumprir com o planejado. A sua única recompensa é o salário pago. –Superespecialização do funcionário - Com a divisão do trabalho a qualificação do funcionário passa a ser uma questão secundária. O foco está na tarefa. –


Carregar ppt "TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO n As Organizações. –As organizações são indiscutivelmente o tipo de sistema social predominante das sociedades industriais. Enquanto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google