A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Nadimir Quadros 1. 2 Apresentação Na 44ª AG (2006) foi aprovado pelos Bispos a realização do Ano Catequético, após 50 anos do 1° Ano Catequético (1959).

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Nadimir Quadros 1. 2 Apresentação Na 44ª AG (2006) foi aprovado pelos Bispos a realização do Ano Catequético, após 50 anos do 1° Ano Catequético (1959)."— Transcrição da apresentação:

1 Nadimir Quadros 1

2 2 Apresentação Na 44ª AG (2006) foi aprovado pelos Bispos a realização do Ano Catequético, após 50 anos do 1° Ano Catequético (1959). Iniciativa é resultado da importância que a Igreja vem dando a catequese, como ficou expresso no DNC e no Doc.Aparecida. Não é um evento isolado, mas p/toda Igreja, insere-se: Nas novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora na 46 a. Assembléia Geral da CNBB, em abril de 2008; Em estreita relação com a Campanha da Fraternidade de O tema Fraternidade e Segurança Pública e o lema - "A paz é fruto da justiça" - (Is 32,17); Juntamente com os 30 anos da Exortação Apostólica de João Paulo II, Catechesi Tradendae, e Puebla;

3 Nadimir Quadros 3 Apresentação Sínodo dos Bispos de 2008, dedicado à "A Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja ; sintonizado com o 12° Inter-eclesial das CEBs; Ano Catequético terá sua culminância com a Terceira Semana Brasileira de Catequese, em Indaiatuba(SP), de 07 a 11 de outubro de 2009

4 Nadimir Quadros 4 INTRODUÇÃO

5 Nadimir Quadros 5 O TEXTO INSPIRADOR (1-5) Discípulos de Emaús". (Lc 24,13-35); Experiência do encontro com Jesus Cristo, no caminho, na Palavra e na Eucaristia; Relata a mudança de rumo que tomou a vida dos discípulos; não fica no rito gestual da partilha. Foi a partir da mudança provocada pelo encontro, que os discípulos assumiram o compromisso da partilha, da missão, da evangelização, do anúncio, da construção das comunidades (cf. Mt 28,19-20); O ideal da vida comunitária Somos uma comunidade de RESSUSCITADOS (cf. At 2,42­47)

6 Nadimir Quadros 6 Os objetivos do Ano Catequético Nacional (6) Despertar para a importância do aprofundamento e do amadurecimento na fé, vivida no seio de uma comunidade; a experiência do discipulado, como seguimento do Caminho; Que o discípulo possa mergulhar, de modo cada vez mais profundo, nas Escrituras, na liturgia, na teologia, na evangelização e no compromisso pastoral, fruto da experiência do "partir o pão".

7 Nadimir Quadros 7 Objetivo Geral (7) dar novo impulso à catequese como serviço eclesial e como caminho para o discipulado. Consciência de que a catequese é uma dimensão de toda a ação evangelizadora; Que toda a Igreja assuma uma nova concepção de catequese como processo formativo, sistemático, progressivo e permanente de educação da fé, da esperança e do amor (cr. DNC 233).

8 Nadimir Quadros 8 Objetivos específicos (8) a) intensificar a formação catequética dos catequistas, dos agentes de pastoral, dos religiosos/as e dos ministros ordenados; b) incentivar a instituição do Ministério de Catequista; c) impulsionar o estudo das Sagradas Escrituras; d) acentuar o Primado da Palavra de Deus na vida da Igreja; e) cultivar a dimensão litúrgica da catequese; f) estimular a dimensão catequética nas comunidades na perspectiva da pastoral de conjunto;

9 Nadimir Quadros 9 Continuando g) dar a devida ênfase à catequese com adultos, com jovens e junto às pessoas com deficiência; h) incentivar na catequese a inspiração catecumenal; i) estimular a implementação da disciplina Catequética nos cursos de Teologia; j) intensificar a dimensão missionária da catequese por meio da espiritualidade do seguimento de Jesus Cristo; l) educar para a vivência de uma fé comprometida com as urgentes mudanças da nossa sociedade, tendo presente o princípio da interação vida/fé; m) favorecer na catequese a abertura ao outro, à realidade, ao ecumenismo e ao diálogo inter- religioso.

10 Nadimir Quadros 10 A estrutura do Texto-Base (9-12) Está organizado em três partes, segundo o método ver-julgar-agir, resgatado e valorizado pela Conf.Aparecida e presente no DNC. Primeira parte: ENCONTRO- Aprender, caminhando com o Mestre (Jesus se aproxima e escuta); Segunda Parte: PALAVRA- Aprender, ouvindo o Mestre (Ele nos revela as Escrituras); Terceira parte: MISSÃO -Aprender, agindo com o Mestre (ao partir o pão, eles o reconhece­ram e retomaram ao caminho de Jerusalém); Trazer o relato dos discípulos de Emaús para o contexto da ação catequética em sua própria comunidade;

11 Nadimir Quadros 11 PRIMEIRA PARTE: O ENCONTRO Aprender Caminhando com o Mestre JESUS SE APROXIMA E ESCUTA

12 Nadimir Quadros 12 Caminhar é preciso (12-22) O ato de caminhar indica o desenvolvimento da história da salvação; Caminho indica o método de comunicação de Deus; Jesus é modelo de caminhante e se definiu como o Caminho (cf. Jo 14,6); e neste caminhar ele instruía os discípulos; O caminho aponta para a comunidade; Mais do que uma palavra, caminho significa um modo de ser da Igreja que vai ao encontro das pessoas;

13 Nadimir Quadros 13 Caminhar é preciso (12-22) A fidelidade a Jesus Caminho exigiu textos de referência sobre Jesus, nasceu o (NT) e o texto doutrinal: (Didaqué –165). TRADIÇÃO.Isso garantiu a transmissão do depósito da fé, dos apóstolos à 1ª geração e 2ª geração e até os nossos dias pela TRADIÇÃO.(DNC 23-25). A Igreja que é obra do Espírito continua o seu peregrinar no mundo e com o mundo a serviço do ser humano, orientada pelos valores do Evangelho (Conc.Vat.II –LG 50)

14 Nadimir Quadros 14 Caminhar é preciso (12-22) O Doc. Catequese Renovada (1983) dá umnovo enfoque à catequese como CAMINHADA. O DNC (2005) vem reforçar esta concepção de catequese como Itinerário de inspiração catecumenal (DNC 45); O Doc.Aparecida 298 e DGAE 64: Itinerário catequético permanente.

15 Nadimir Quadros 15 O caminho de Emaús (23-29) A iniciativa é de Jesus. Ele não interrompe o assunto. A atitude de Jesus é caminhar com eles, escutá-los e descobrir sua realidade; Aproximar-se é dispor-se a conhecer e sentir de perto a necessidade do outro; Jesus quer ouvir as preocupações, angústias, decepções e esperanças. Tal como deveríamos fazer nós também na ação evangelizadora: interessar-nos pelo outro; Jesus entra pela porta das preocupações; Na verdade a decepção dos discípulos está na falta de compreensão da morte de cruz. Quanta gente desanima e desiste de lutar diante das dificuldades da vida

16 Nadimir Quadros 16 EVANGELIZAR É, ANTES DE TUDO, NÃO IGNORAR (30) Jesus ouve as dúvidas e os questionamentos dos dois caminhantes; Na catequese ensinamos o que achamos necessário sem ouvir o que está no coração do interlocutor; O diálogo serve tanto para criar laços como para indicar os procedimentos pedagógicos mais adequados.

17 Nadimir Quadros 17 As respostas dependem das perguntas (31-34) Na realidade atual as pessoas fazem perguntas complexas. Considerar estas perguntas é fundamental; O caminho não está pronto. Ele se refaz e se remodela à medida que as pessoas vão descobrindo novas perguntas, respostas e propostas para a vida; O caminho das pessoas é uma jornada individual e comunitária. Traz as marcas da cultura, da religiosidade, do ambiente social, político e econômico.

18 Nadimir Quadros 18 O discipulado como seguimento de Cristo Vivo (35-37) Na convivência cotidiana com Jesus e no confronto com os seguidores de outros mestres, os discípulos descobrem duas coisas bem originais: não foram eles que escolheram seu mestre, foi Cristo quem os escolheu (cf.Jo 15,16); "Não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou uma grande idéia, mas através do encontro com um acontecimento, com uma Pessoa... (DA 243 e 12)

19 Nadimir Quadros 19 ABRINDO TAMBÉM NOSSOS OLHOS PARA NOSSA REALIDADE (38-42 ) O Doc.Aparecida (367) afirma que: a pastoral da Igreja não pode prescindir do contexto histórico onde vivem seus membros. Sua vida acontece em contextos sócio-culturais bem concretos. Nos Discípulos de Emaús, um deles tem nome - Cléofas; do outro não consta o nome, é um anônimo (cf. Lc 24,17-18). Não é por acaso. Em nossa sociedade, os sem nome são milhões. São anônimos, ignorados em sua dignidade de pessoa e em seus direitos. Aparecida chama atenção para os novos rostos da pobreza: o povo da rua, migrantes, enfermos, dependentes de drogas, presidiários, etc... O neo-liberalismo considera o lucro e as leis de mercado parâmetros absolutos em detrimento da dignidade e do respeito da pessoa Quem são os excluídos de nossas comunidades?

20 Nadimir Quadros 20 O olhar de Aparecida sobre nosso mundo (43-45) Campo sócio-cultural : supervalorização da subjetividade individual, imediatismo, consumismo, despreocupação ética; felicidade confundida com bem-estar. Campo econômico : o mercado absolutiza o lucro, convertendo-a em promotora de iniqüidades e injustiças Campo social : globalização concentra o poder e a riqueza na mão de poucos Campo ecológico : subordina-se a preservação da natureza ao desenvolvimento econômico Campo sócio-político : (positivo) esforço dos Estados em definir e aplicar políticas públicas nos campos sociais, (negativo) corrupção na sociedade e no Estado, gerando impunidade e favorecendo o descrédito do povo

21 Nadimir Quadros 21 O olhar de Aparecida sobre a Igreja (46-47) A Igreja tem exercido um importante serviço, particularmente aos mais pobres, promovendo a dignidade deles nos campos sociais, contudo: Há insuficiente número de presbíteros; Falta de espírito missionário no clero; Insuficiente atendimento pastoral e sacramental dos fiéis; Espiritualidade contrária à renovação do Concílio Vaticano II; A falta de uma linguagem adequada à cultura vigente; A falta de preparo de agentes de pastoral e de catequistas; Variedade de ofertas religiosas, de críticas à religião.

22 Nadimir Quadros 22 SEGUNDA PARTE: A PALAVRA Aprender Ouvindo com o Mestre ELE NOS REVELA AS ESCRITURAS Nesta segunda parte, somos convocados a aprender o que o Mestre tem a nos dizer, através das Escrituras, para compreender e iluminar o chamado ao discipulado e à missão.

23 Nadimir Quadros 23 CONVERSAS AO LONGO DO CAMINHO Eles pararam, com o rosto triste, e um deles, chamado Cléofas, lhe disse: És tu o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que lá aconteceu nestes dias? (cf. Lc 24, 17-24).

24 Nadimir Quadros 24 Perguntas que brotam da vida (49-53) O que andais conversando pelo caminho?" (cf. Lc 24,17) – Jesus quer entendê-los nos seus sofrimentos, nas suas angústias e suas buscas. Que foi? Respondem: "O que aconteceu com Jesus, o Nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e diante de todo o povo" (cf. Lc 24, 19-24) - Estas palavras revelam que a esperança dos discípulos em torno de Jesus era de um líder humano. Sua crise estava na incapacidade de superar a experiência da cruz. Ouvir faz parte do acolhimento.

25 Nadimir Quadros 25 Jesus, resposta para os problemas humanos (54-59) A fé cristã nos faz reconhecer um propóstio na existência: não somos frutos do acaso, fazemos parte de uma história que se desenrola sob o olhar amoroso de Deus (DNC 15) A identidade do discípulo missionário de Jesus Cristo nasce da experiência, do encontro vital com o Senhor (cf. DA 243 e 312).

26 Nadimir Quadros 26 Jesus, resposta para os problemas humanos (54-59) A ação evangelizadora da Igreja "deve ser resposta consciente e eficaz para atender as exigências do mundo de hoje com indicações programáticas concretas, objetivos e métodos de trabalho, formação e valorização dos agentes e a procura dos meios necessários que permitam que o anúncio de Cristo cheguem às pessoas, modelem as comunidades e incidam profundamente na sociedade e na cultura mediante o testemunho dos valores evangélicos" (DA 371).

27 Nadimir Quadros 27 CATEQUESE DE JESUS (60-63) Atitudes de Jesus: Aproxima-se Escuta Pergunta Retoma as Escrituras e percebe que não tinham entendido Pacientemente começa a recordar o processo catequético A resposta de Jesus é um convite a ver a realidade à Luz da Palavra em vista da missão. Seguir o CRUCIFICADO RESSUSCITADO

28 Nadimir Quadros 28 CATEQUESE DE JESUS (31-35) Dores, sofrimentos, perseguição acompanham a missão de quem abre novos caminhos. (2 Cor 11,23-30) A catequese de Jesus começa pela memória da Palavra de Deus, para relembrar aos discípulos que o caminho percorrido pelo Cristo já estava previsto nelas.

29 Nadimir Quadros 29 PALAVRA QUE ILUMINA (60-67) Explicar as Escrituras é lembrar a prática, a missão e os ensina­mentos de Jesus, nos fez retornar à comunidade, assumir a missão e manter viva a esperança. Caminhada de Jesus com os discípulos de Emaús é modelo de INICIAÇÃO CRISTÃ, com destaque para os seguintes elementos: Escuta da Palavra Adesão e Celebração

30 Nadimir Quadros 30 PALAVRA QUE ILUMINA (60-67) desconhecer as Escrituras é desconhecer Jesus Cristo e renunciar a anunciá-lo" (DA 247). o encontro de Filipe com o Etíope que lia, sem entender. Daí a importância dos animadores das comunidades e dos catequistas terem uma iniciação às Escrituras e uma intimidade orante com a Palavra. (Rm 10,14-15) Para superar uma leitura meramente fundamentalista é de grande importância criar um projeto de animação bíblica da pastoral.

31 Nadimir Quadros 31 PERMANECER COM O SENHOR (68-71) fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando. (Lc 24, 29) A sensibilidade dos discípulos aumenta na medida em que se aproximam da aldeia. O peregrino já não é mais um estranho. O rito da partilha remete à memória da prática messiânica de Jesus de multiplicar o pão com as multidões famintas (cf. Mt 14,13-21; Lc 9,10-17; Mc 6,30-42). Foi a memória do jeito de ser e fazer de Jesus, que permitiu abrir seus olhos e reconhecer a presença viva do Ressuscitado. É naquela refeição fraterna, na aldeia, que os olhos dos dois caminheiros se abrem e despertam para o discipulado e a missionariedade.

32 Nadimir Quadros 32 Fazei isto em minha memória (72-73) A memória foi feita pelo caminho quando lhes explicava as Escrituras e a Palavra é compreendida a partir da experiência concreta do partir o pão. Partir e repartir o pão era a nova fonte da vida comunitária. Esta era a Boa Nova, testemunhada por Jesus e apresentada pelas primeiras comunidades cristãs. No gesto da memória está a passagem da cruz para a ressurreição, da morte para a vida. As mulheres são as primeiras discípulas de Jesus a levar a boa notícia da sua Ressurreição (cf.Mt 28,8) A INSTITUIÇÃO DA Eucaristia torna-se MEMÓRIA PERMANENTE para a mística dos discípulos.

33 Nadimir Quadros 33 O primeiro dia (74-84) "Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos iam para um povoado, chamado Emaús, a uns dez quilômetros de Jerusalém." (Lc 24,13) Sua ressurreição deu-se no primeiro dia da semana, no domingo; Viver "segundo o domingo", é viver como ressuscitados,"filhos da Luz", de acordo com São Paulo; O Domingo indica o início do mundo novo em Cristo Jesus; O Domingo é o oitavo dia e o primeiro da Nova Criação. Tornou-se o Dia do Senhor (cf. Ap 1,10);

34 Nadimir Quadros 34 Assim, o Domingo é: a) é dia de celebrar a ressurreição de Jesus, o grande Memorial, o centro da fé; b) é dia de interrupção do trabalho, de descanso, para alegrar-se com a criação de Deus, que também descansou; c) é dia de encontro na comunidade eclesial, com os que crêem na ressurreição; d) é dia do Senhor, de sua ressurreição e da nova Criação; e) é dia de estar com a família, enriquecer os laços do amor.

35 Nadimir Quadros 35 TERCEIRA PARTE: A MISSÃO Aprender Agindo com o Mestre AO PARTIR O PÃO, ELES O RECONHECERAM E RETORNARAM AO CAMINHO

36 Nadimir Quadros 36 CORAÇÃO ENTUSIASMADO DO DISCÍPULO MISSIONÁRIO (85-90) Não estava ardendo o nosso coração (Lc 24,32). Agora o novo ardor se espalha. Sai do coração e chega à mente, à consciência e move os pés dos que saem para evangelizar (cf. Is 52,7; Na 2,1); A rotina pastoral, catequética e celebrativa, em lugar de atrair, às vezes pode afastar as pessoas; A conversão pastoral de nossas comunidades exige que se vá além de uma pastoral de mera conservação para uma pastoral decididamente missionária" (DA 3 70). O caminho do discipulado é sustentado por uma mística e uma espiritualidade do seguimento de Jesus Cristo no encontro com o irmão, especialmente os mais pobres (cf. DA 243).

37 Nadimir Quadros 37 MESMO CAMINHO: NOVO ESPÍRITO (91-97) Naquela mesma hora, levantaram-se e voltaram para Jerusalém (Lc 24, 33) Os discípulos voltam à comunidade com um novo olhar. Refazem o caminho, agora com espírito novo, com melhor compreensão da missão; A catequese evangelizadora ajuda a formar discípulos (DNC 34), e educa para a ação sócio- transformadora. Fazer discípulos é, porém, um processo dinâmico, pois o discipulado requer um tempo de aprendizagem; Aparecida retoma com uma nova compreensão e vigor uma dimensão fundamental do discipulado: a missão. Ela está enraizada visceralmente nos sacramentos do Batismo e da Confirmação.

38 Nadimir Quadros 38 PISTAS DE AÇÃO PARA O ANO CATEQUÉTICO NACIONAL (98-99) Situar a catequese no seio da Pastoral Orgânica e de Conjunto, de modo que a dimensão bíblico-catequética esteja presente em todos os serviços pastorais como parte integrante da ação evangelizadora; Não perder de vista alguns princípios básicos na animação bíblico-catequética; Todos estão convidados a assumir e tenham em conta na sua pastoral a dimensão catequética.

39 Nadimir Quadros 39 CATEQUESE E PASTORAL DE CONJUNTO (100) Logo após o Concílio Vaticano II, a CNBB passou a enfocar suas diretrizes de ação a partir das conhecidas seis dimensões: Comunitária e Participativa, Missionária, Bíblico Catequética, Litúrgica, Ecumênica e Sócio Transformadora. Desta maneira cada dimensão está profundamente unida à bíblico-catequética e esta em função das outras

40 Nadimir Quadros 40 O lugar da pastoral bíblico-catequética na vida da Igreja ( ) É toda a comunidade; Na pastoral orgânica, porque cada serviço específico não forma um corpo, mas conforma um órgão dentro de um único corpo que é a Igreja, no conjunto (pastoral de conjunto) de seu ser e missão, levada a cabo através de diferentes serviços.

41 Nadimir Quadros 41 A dimensão bíblico-catequética ( ) no seio de uma única ação evangelizadora Propiciadora e dinamizadora da Pastoral de Conjunto; É sua função suscitar em todos os serviços de pastoral a integração e explicitação da dimensão bíblico catequética inerente a toda e qualquer ação eclesial; Não há pastoral de conjunto se esta não estiver perpassada pela animação bíblico catequética

42 Nadimir Quadros 42 PRINCÍPIOS DA ANIMAÇÃO BÍBLICO-CATEQUÉTICA

43 Nadimir Quadros 43 A Bíblia como fonte da Catequese ( ) A fonte primeira da Catequese é a Bíblia Na Catequese, mais importante do que falar da Bíblia é propiciar as condições para que os próprios catequizandos aprendam a entrar em contato direto com o texto das Escrituras, a partir da fé.

44 Nadimir Quadros 44 A leitura da Bíblia como tarefa eclesial ( ) A leitura da Bíblia é uma tarefa, não individual, mas eclesial (cf. 2 Pd 1,20), pois se trata de lê-la no mesmo Espírito que a inspirou e a codificou. Primeiro vem a revelação de Deus no 'livro da vida', depois nos é dado o 'livro da Bíblia', para decodificar a revelação do 'livro da vida'. Animação bíblico catequética: sua grande tarefa é criar aquelas condições que permitam uma autêntica leitura das Escrituras.

45 Nadimir Quadros 45 A diversidade de funções da Palavra ( ) Liturgia: é na celebração, no simbolismo do rito, que a fé antecipa aquilo que ela espera. Norma de vida: ilumina a conduta pessoal, um modo de ser e de agir. Comunitária e social: serviço no seio da sociedade, como 'fermento na massa' e 'luz do mundo' (GS 43). Pedagógica: A função da Palavra não é simplesmente 'informar' ou veicular um conjunto de verdades, mas ela é interpeladora.

46 Nadimir Quadros 46 AÇÕES RELACIONADAS AO MINISTÉRIO DA PALAVRA (DGAE 9-14) (116-17) Promover uma catequese contextualizada "Educar o povo na leitura e na meditação da Palavra de Deus, com oportunidades de formação bíblica e teológica Promover o Serviço de Animação Bíblica da Pastoral Privilegiar a Palavra de Deus como fonte, inspiração, fundamentação de todos os nossos projetos e ações pastorais Valorizar os textos bíblicos nas homilias Divulgar, ensinar, educar e praticar a lectio divina

47 Nadimir Quadros 47 Iniciação cristã e catequese permanente (118) Assumir a iniciação cristã; Motivar o processo catequético, assumido por todos como catequese básica fundamental (cr. DA 294); Investir na implementação da catequese de inspiração catecumenal; Motivar os adultos para a vivência da fé em comunidade; Organizar formações diferenciada aos adultos praticantes, aos batizados não praticantes ou afastados e aos convertidos que pedem o Batismo; Educar para o diálogo ecumênico e inter-religioso

48 Nadimir Quadros 48 Formação para o discipulado (119) (cf. DGAE 37-46) a.Fazer "uma clara e decidida opção pela formação dos membros de nossas comunidades b.Promover formação de animadores pastorais, catequistas, seminaristas, diáconos, presbíteros; c.Organizar equipes ou comunidades de formadores de agentes de pastoral e de coordenadores; d.Assumir a formação de comunidades, sobretudo as comunidades eclesiais de base; e.Incentivar a instituição do Ministério de Catequista

49 Nadimir Quadros 49 AÇÕES RELACIONADAS AO MINISTÉRIO DA LITURGIA (DGAE 15-26) (120) Promover, com ênfase, nas celebrações eucarísticas; Destacar na liturgia, sua dimensão educativa permanente da fé, assim como mistagógica; Evidenciar sempre a conexão íntima e orgânica de todas as ações da Igreja, privilegiadamente a catequese, com a liturgia; Valorizar e promover a aplicação do Ritual de Iniciação Cristã de Adultos (RICA); Aprofundar o sentido do domingo e resgatar o sentido do descanso;

50 Nadimir Quadros 50 AÇÕES RELACIONADAS AO MINISTÉRIO DO SERVIÇO (DGAE 17-23)

51 Nadimir Quadros 51 Opção pelos pobres e Pastoral Social (121) a)Integrar todas as iniciativas de Pastoral Social na promoção da dignidade humana, na renovação da comunidade e na construção de uma sociedade solidária; b)Assumir a opção preferencial pelos pobres; c)Promover formas de serviços de voluntariado; d)Promover na Igreja a dimensão fraterna de acolhida; e)Abrir espaço aos excluídos.

52 Nadimir Quadros 52 Família (122) lugar e escola de comunhão a)Assegurar, na Pastoral Orgânica, a importância da Pastoral Familiar; b)Acolhimento em situações matrimoniais canonicamente irregulares; c)Vincular, de modo especial, a catequese à família, pois os pais são os primeiros catequistas de seus filhos; d)Rever os conteúdos e métodos da preparação dos jovens para a vida matrimonial

53 Nadimir Quadros 53 Pastoral orgânica (123) a."Fazer com que todos os fiéis, homens e mulheres participem do planejamento e das decisões relativas à vida eclesial e à ação pastoral" (DGAE 1 05d); b.Conhecer e explicitar a dimensão catequética presente em cada ação evangelizadora; c.Contar com serviços e participação dos movimentos e pastorais para realizar etapas do itinerário do discípulo missionário;

54 Nadimir Quadros 54 Pastoral urbana e segurança pública (124) a.Transformar as paróquias em comunidade de comunidades (cf. DA 517); b.Abrir-se para experiências, estilos e linguagens, que possam encarnar o Evangelho na cidade; c.Fomentar a pastoral da acolhida; d.Dar atenção especial aos que sofrem; e.Efetivar maior presença nos centros de decisão da cidade; f.Criar iniciativas de educação para a paz e superação de toda forma de violência; g.Conscientizar sobre a necessidade de superação da violência familiar; h.Cobrar do poder público formas de superação da injustiça.

55 Nadimir Quadros 55 Metodologia de ação (125) a.Modo de proceder de Jesus; b.Aplicação do princípio metodológico de interação fé e vida; c.No trabalho pastoral haja trabalho de equipe; d.Promover oficinas para elaboração de textos e instrumentos didáticos para as pastorais e a catequese; e.Exercer a coordenação como ministério da comunhão.

56 Nadimir Quadros 56 Comunidades Eclesiais de Base ( ) a. Descentralizar as 'grandes comunidades' impessoais, tornando-as espaços promotores do resgate da identidade; b.Renovação da paróquia com setorização em unidades menores, para que aconteça realmente a unidade entre fé e vida; c.Estudar o Texto-Base do 12° Inter-eclesial

57 Nadimir Quadros 57 ORAÇÃO PARA O ANO CATEQUÉTICO Senhor, Como os discípulos de Emaús, somos peregrinos. Vem caminhar conosco! Dá-nos teu Espírito, para que façamos da catequese caminho para o discipulado. Transforma nossa Igreja em comunidades orantes e acolhedoras, testemunhas de fé, de esperança e caridade. Abre nossos olhos para reconhecer-te Nas situações em que a vida está ameaçada. Aquece nosso coração, para que sintamos sempre a tua presença. Abre nossos ouvidos para escutar a tua Palavra, fonte de vida e missão. Ensina-nos a partilhar e comungar do Pão, alimento para a caminhada.

58 Nadimir Quadros 58 ORAÇÃO PARA O ANO CATEQUÉTICO Permanece conosco! Faz de nós discípulos missionários, A exemplo de Maria, a discípula fiel, Sendo testemunhas da tua Ressurreição. Tu que és o Caminho para o Pai. Amém!

59 Nadimir Quadros 59


Carregar ppt "Nadimir Quadros 1. 2 Apresentação Na 44ª AG (2006) foi aprovado pelos Bispos a realização do Ano Catequético, após 50 anos do 1° Ano Catequético (1959)."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google