A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Sistema Solar teve origem há cerca de 4600 milhões de anos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Sistema Solar teve origem há cerca de 4600 milhões de anos."— Transcrição da apresentação:

1

2 O Sistema Solar teve origem há cerca de 4600 milhões de anos.

3 Constituição do Sistema Solar O Sistema Solar é constituído por uma estrela, pelos astros que orbitam à sua volta, pelos satélites naturais ou luas, pelos planetas anões, asteroides, cometas e meteoroides. [A] Asteroides da Cintura de Asteroides. [B] Asteroides da órbita de Júpiter. [C] Asteroides da Cintura de Kuiper.

4 O nosso Sistema Solar Sol Cometas, Asteróides, Meteoros e Meteoritos Mercúrio Vénus Marte Júpiter Saturno Úrano Neptuno Terra Planetas Principais Satélites Naturais ou Planetas Secundários Planetas anões Ceres Plutão Haumea Makemake Éris Pequenos corpos do Sistema Solar -Cometas, Asteróides, Meteoros e Meteoritos

5 Planetas Terra Mercúrio Vénus Marte Júpiter Saturno Urano Neptuno Sol Sistema Solar – sistema planetário constituído por 8 planetas principais, planetas anões, vários satélites naturais, centenas de cometas, vários milhares de asteróides, meteoróides, poeiras e uma só estrela, o Sol.

6 Planetas principais – planetas que giram directamente em volta do Sol (órbitas elípticas). Planetas interiores, terrestres ou rochosos – são de pequenas dimensões, quentes e são os mais próximos do Sol, têm uma superfície rochosa e compacta como a Terra. Planetas exteriores ou gasosos – são planetas de grandes dimensões, gelados, e são os que se encontram mais afastados do Sol. Mercúrio Vénus Marte Terra Júpiter Saturno Úrano Neptuno

7 Diâmetro: km Massa: possui 99,8% da massa do Sistema Solar e a sua massa é 333 mil vezes maior que a massa da Terra Sol Temperatura: 5800 ºC (na fotosfera) Período de rotação: 25 dias (na zona do equador) O Sol tem movimento de Translação: demora 225 milhões de anos para efectuar uma volta completa ao centro da galáxia

8

9

10 A aurora polar é um fenómeno óptico composto de um brilho observado nos céus nocturnos próximos a zonas polares, quando as partículas que se libertam, continuamente, da superfície exterior do Sol são arrastadas pelo vento solar, interactuam com os corpúsculos da atmosfera terrestre.ópticozonas polares Em latitudes do hemisfério norte é conhecida como aurora boreal.hemisfério norte Em latitudes do hemisfério sul é conhecida como aurora austral.hemisfério sul

11 Satélites naturais ou Planetas secundários – planetas que giram à volta de outro planeta. Exemplo: Lua. Júpiter é o maior planeta do Sistema Solar. Possui 33 satélites naturais.

12 Um satélite natural ou lua (em letra minúscula) ou ainda planeta secundário é um astro que circula em torno de um planeta principal, isto é, não orbita em torno de uma estrela. Por exemplo, a Lua é um satélite da Terra.LuaTerra Porém, algumas luas são maiores que alguns planetas principais, como Ganímedes e Titã, satélites de Júpiter e Saturno, respectivamente, que são maiores que Mercúrio. Assim sendo estes satélites, se orbitassem o Sol, seriam mundos de pleno direito. Apesar disso, existem outros satélites que são muito menores e têm menos de 5 km de diâmetro, como várias luas do planeta Júpiter. GanímedesTitãJúpiterSaturnoMercúrioSol Júpiter CaronteCaronte, a lua de Plutão tem mais ou menos metade do diâmetro deste último. Mercúrio e Vénus são os únicos planetas do Sistema Solar que não têm luas.

13

14 Asteróides - são objectos rochosos ou metálicos que orbitam o Sol mas são pequenos de mais para serem considerados planetas, também são conhecidos por planetas menores.

15 Cintura de asteróides – faixa de asteróides que se situa entre as órbitas de Marte e de Júpiter.

16 Meteoro - fragmento de rocha que, ao entrar na atmosfera a grande velocidade, torna-se incandescente, deixando um rasto luminoso que origina o conhecido fenómeno das estrelas cadentes. Meteoritos - fragmentos de rocha que atravessam a atmosfera da Terra sem serem completamente vaporizados, caindo ao solo. São responsáveis pelas conhecidas crateras de impacto. Meteoróides – fragmentos de rochas provenientes do Espaço antes de entrarem na atmosfera terrestre.

17 Aproximadamente duas vezes por semana, um meteoro do tamanho de uma almofada precipita-se sobre a Terra e explode com uma força igual à de uma bomba atómica. Felizmente, a nossa atmosfera faz com que eles se vaporizem a cerca de 8 quilómetros do solo. Se um pedaço de meteoro sobrevive e consegue atingir a superfície, então é denominado de meteorito. Contam-se aos milhões os meteoros que se precipitam diariamente sobre a Terra, embora a maioria deles seja do tamanho de um grão de areia. No entanto, de vez em quando, algo maior consegue penetrar através do escudo de defesa natural da Terra, por vezes com efeitos catastróficos.

18 Os cientistas acreditam agora que foi uma destas bolas de fogo que provocou o desaparecimento dos dinossauros, ao colidir com a Terra em Chicxulub, na província mexicana do Iucatão, há 65 milhões de anos atrás. Calcula-se que esse meteorito possa ter tido 8 km de diâmetro.

19

20 Cometa – corpo celeste constituído, principalmente, por gelo, grãos de poeira e gás e que descrevem órbitas em torno do Sol. Possui um núcleo que, quando se aproximam do Sol, originam uma cabeleira e uma cauda. Cometas Cauda Núcleo Cabeleira Basicamente, existe uma classificação quanto à periodicidade dos cometas, ou seja, cometas com aparições de menos de 200 anos são classificados de período curto, acima disto são classificados de período longo, ou ciclo superior a duzentos anos. Estes são por isso chamados vagabundos do espaço

21 Quando os cometas se aproximam do Sol, descrevendo normalmente órbitas elípticas muito alongadas, os gases solidificados e o gelo passam ao estado gasoso. Deste modo, forma-se à volta do cometa uma nuvem de gás e poeira chamada cabeleira. O vento solar empurra os gases para trás do núcleo formando duas caudas que se estendem por milhões de quilómetros. As caudas dos cometas apontam sempre para fora das suas órbitas. Os cometas longe do Sol são escuros. Só se tornam brilhantes quando se aproximam do Sol. Isto porque o gelo que os constitui reflecte grande parte da luz solar que recebem.

22 A grande maioria dos cometas provém de uma região do espaço para além da órbita de Neptuno, que é muitas vezes designada por Cintura de Kuiperou Cintura de asteróides exteriores.

23 Os cometas são pequenas bolas de neve suja, constituídas por uma mistura de gelo, gases congelados e poeira, que restaram do tempo em que o Sistema Solar se formou. Viajam três vezes mais rápido que os asteróides e só são visíveis quando estão próximos do Sol. O cometa de Halley tem 16 km de comprimento e passa em frente ao Sol a cada 76 anos, enquanto o cometa Halebopp, de 40 km de comprimento, só passa a cada 4026 anos. Crê-se que metade dos asteróides que se encontram na vizinhança da Terra sejam cometas mortos. O cometa Halebopp, de 40 km de comprimento, só passa a cada 4026 anos. Cometa de Halley, 1986 Cometa Hale-Bopp, 1997

24 Movimento de translação

25

26 Movimento de rotação

27

28 Planetas principais Movimento de translação – movimento em torno do Sol, no sentido directo (sentido contrário ao movimento dos ponteiros de um relógio). Movimento de rotação – movimento em torno de si próprios. Satélites naturais Movimento de translação – movimento em torno do seu planeta principal e, também, juntamente com ele, em torno do Sol. Movimento de rotação – movimento em torno de si próprios.


Carregar ppt "O Sistema Solar teve origem há cerca de 4600 milhões de anos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google