A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Oficina Divulgação de Resultados Língua Portuguesa Professora Lara Barreto Corrêa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Oficina Divulgação de Resultados Língua Portuguesa Professora Lara Barreto Corrêa."— Transcrição da apresentação:

1 Oficina Divulgação de Resultados Língua Portuguesa Professora Lara Barreto Corrêa

2 Objetivos da Oficina Apresentar a Matriz de Referência, analisando os descritores que norteiam a elaboração dos itens presentes nos testes de Língua Portuguesa. Apresentar e interpretar a Escala de Proficiência, considerando os agrupamentos de seus intervalos (Padrões de Desempenho Estudantil).

3 Objetivos da Oficina Analisar e interpretar pedagogicamente os resultados da avaliação de Língua Portuguesa.

4 Sumário Língua Portuguesa Matriz de Referência e Análise de Itens Escala de Proficiência e Padrões de Desempenho Resultados

5 Avaliação Educacional Testes de Proficiência Questionários Contextuais Oferecer uma medida Desempenho Escolar

6 Testes de Proficiência Os testes de proficiência têm como objetivo aferir habilidades que são esperadas dos alunos em diferentes etapas de escolarização. Cada habilidade é descrita por um descritor.

7 Habilidades Ao falarmos da relação Testes, Habilidades, Descritores e Matriz de referência, pensamos : O que compreendemos por Habilidades?

8 HABILIDADES, COMPETÊNCIA E DESCRITORES É necessário a definição das habilidades e competências que serão avaliadas em cada área de conhecimento para a elaboração dos itens. A definição dessas é dada pela Matriz de Referência para a avaliação. As Matrizes de Referência são compostas por um conjunto de descritores, os quais contemplam dois pontos básicos do que se pretende avaliar: o conteúdo programático a ser avaliado em cada período de escolarização e o nível de operação mental necessário para a habilidade avaliada. Os descritores não podem ser adotados com um conjunto de indicações básicas para as práticas de ensino-aprendizagem.

9 Avaliando IDEPB Descreve cada uma das habilidades da Matriz Avalia apenas uma única habilidade Representa uma subdivisão de acordo com o conteúdo, competências de área e habilidades. Agrupa as habilidades passíveis de avaliação em um teste de proficiência. Matriz Tema Tópico Descritor Item

10 Matriz de Referência Elemento base de origem dos testes utilizados na avaliação da Paraíba. Garante legitimidade e transparência à avaliação. Formada por um conjunto de descritores agrupados em tópicos ou temas. Os descritores apresentam as habilidades consideradas básicas e possíveis de serem aferidas por meio do instrumento utilizado em avaliações em larga escala. Não esgota o conteúdo a ser trabalhado em sala de aula e, portanto, não pode ser confundida com propostas curriculares, estratégias de ensino ou diretrizes pedagógicas.

11

12 Dinâmica da Matriz

13 V I- VARIAÇÃO LINGUÍSTICA II - IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO GÊNERO E/ OU DO ENUNCIADOR NA COMPREENSÃO DO TEXTO V- RELAÇÕES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO IV - COESÃO E COERÊNCIA III - RELAÇOES ENTRE TEXTOS I. PRÁTICAS DE LEITURA

14 Atividade 01 Dividir a turma em grupos de até quatro pessoas Os participantes deverão escrever quais habilidades cada tópico da Matriz deve conter. Discutir se as habilidades, de fato, estão alocadas no tópico correto. Currículo e Matriz

15 Atividade 02 Propor atividades a partir dos conteúdos conflitando-as com o currículo. Associar as atividades à Matriz

16 I. PRÁTICAS DE LEITURA II - IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO GÊNERO E/ OU DO ENUNCIADOR NA COMPREENSÃO DO TEXTO III - COESÃO E COERÊNCIA IV - RELAÇÕES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO V - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA Língua Portuguesa – 5º ano EF Percentuais de acerto por descritor

17 Língua Portuguesa – 9º ano EF Percentuais de acerto por descritor V I- VARIAÇÃO LINGUÍSTICA V- RELAÇÕES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO IV - COESÃO E COERÊNCIA II - IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO GÊNERO E/ OU DO ENUNCIADOR NA COMPREENSÃO DO TEXTO I. PRÁTICAS DE LEITURA III - RELAÇ OES ENTRE TEXTO S V- RELAÇÕES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO IV - COESÃO E COERÊNCIA III - RELAÇ OES ENTRE TEXTO S

18 V I- VARIAÇÃO LINGUÍSTICA V- RELAÇÕES ENTRE RECURSOS EXPRESSIVOS E EFEITOS DE SENTIDO IV - COESÃO E COERÊNCIA II - IMPLICAÇÕES DO SUPORTE, DO GÊNERO E/ OU DO ENUNCIADOR NA COMPREENSÃO DO TEXTO I. PRÁTICAS DE LEITURA III - RELAÇ OES ENTRE TEXTO S Língua Portuguesa –EM Percentuais de acerto por descritor

19 Item É uma questão do teste de larga escala; Avalia uma única habilidade, portanto, o item é unidimensional. A habilidade é apresentada por meio de cada descritor que compõe a matriz de referência.

20 Enunciado Suporte Distrator Comando Distrator Gabarito

21 D6 Localizar informação explícita em textos.

22 D10 Distinguir fato de uma opinião relativa a esse fato.

23 D16 Estabelecer relações causa/consequência entre partes e elementos do texto.

24 Atividades e Itens Avaliando IDEPB Atividades podem apresentar o desenvolvimento de diversas habilidades; O item avalia apenas uma habilidade; Atividades são desenvolvidas com base em diversos instrumentos e recursos didáticos; O item é, geralmente, desenvolvido por meio de questões de múltipla escolha.

25 Escala de Proficiência Principais elementos da Escala de Proficiência – Temas/Tópicos – Competências – Régua numerada: proficiência – Níveis de proficiência – Gradação de cores: graus de dificuldade da competência Avaliando IDEPB

26 Leitura na Escala de Proficiência Avaliando IBEPB Leitura Horizontal: podemos ver os níveis de consolidação de cada competência avaliada, diferenciados pela gradação de cores. Leitura Vertical: conseguimos através de uma determinada proficiência, identificar em que nível de consolidação encontra-se cada uma das competências avaliadas, bem como a qual padrão de desempenho equivalente àquela proficiência.

27

28

29

30 No intervalo de 200 a 250, indicado pelo amarelo- escuro, os estudantes já conseguem realizar tarefas mais complexas como estabelecer relações anafóricas por meio do uso de pronomes pessoais retos, e por meio de substituições lexicais. Acrescente-se que já começam a estabelecer relações semânticas pelo uso de conjunções, como as comparativas. No laranja-claro, intervalo de 250 a 300 pontos na Escala, os estudantes atingem um nível maior de abstração na construção dos elos que dão continuidade ao texto, pois reconhecem relações de causa e consequência sem que haja marcas textuais explicitas indicando essa relação semântica. Esses estudantes também reconhecem, na estrutura textual, os termos retomados por pronomes pessoais oblíquos, por pronomes demonstrativos e possessivos. Os estudantes com proficiência entre 225 e 250 pontos, além de localizar informações em textos mais extensos, conseguem localizá-las, mesmo quando o gênero e o tipo textual lhe são menos familiares. A partir de 250 pontos, encontram-se os estudantes que localizam informações explícitas, mesmo quando essas se encontram sob a forma de paráfrases. Esses estudantes já desenvolveram a habilidade de localizar informações explícitas. Níveis de Proficiência 275

31 Exemplo Exemplo – Competência: Estabelece relações lógico-discursivas D 17 – Estabelecer relações lógico-discursivas presentes no texto.

32 Padrões de Desempenho

33 Criar o texto dos Padrões de Desempenho a partir dos Domínios e Competências...

34 PadrõesDescrição Abaixo do Básico Os alunos que apresentam este padrão de desempenho revelam ter desenvolvido competências e habilidades muito aquém do que seria esperado para o período de escolarização em que se encontram. Por isso, esse grupo de alunos necessita de uma intervenção focada de modo a progredirem com sucesso em seu processo de escolarização. Básico Os alunos que apresentam este padrão de desempenho demonstram já terem começado um processo de sistematização e domínio das habilidades consideradas básicas e essenciais ao período de escolarização em que se encontram. Para esse grupo de alunos, é importante o investimento de esforços para que possam desenvolver habilidades mais elaboradas. Descrição geral dos Padrões de Desempenho

35 PadrõesDescrição Adequado Os alunos que apresentam este padrão de desempenho demonstram ter ampliado o leque de habilidades tanto no que diz respeito à quantidade quanto no que se refere à complexidade dessas habilidades, as quais exigem um maior refinamento dos processos cognitivos nelas envolvidos. Avançado Os alunos que apresentam este padrão de desempenho revelam ser capazes de realizar tarefas que exigem habilidades mais sofisticadas. Eles desenvolveram habilidades que superam aquelas esperadas para o período de escolaridade em que se encontram. Descrição geral dos Padrões de Desempenho

36 Padrões de Desempenho Avaliando IDEPB Indicam o grau de cumprimento dos objetivos educacionais considerados essenciais e expressos na MATRIZ DE REFERÊNCIA para avaliação, bem como as metas de desempenho a serem alcançadas. Ao testes feitos pelos estudantes trazem uma medida de seu desempenho nas HABILIDADES avaliadas que é denominada PROFICIÊNCIA e organizada em uma Escala para fins de análise. Os Padrões apresentam uma caracterização das COMPETÊNCIAS e HABILIDADES cognitivas desenvolvidas pelos estudantes em importantes pontos da ESCALA DE PROFICIÊNCIA.

37 Padrões de Desempenho Avaliando IDEPB São categorias definidas a partir de cortes numéricos que agrupam os níveis da Escala de Proficiência, com base nas metas educacionais estabelecidas pelo IDEPB. Esses cortes dão origem a quatro Padrões de Desempenho – Abaixo do básico, Básico, Adequado e Avançado, os quais apresentam o perfil de desempenho dos estudantes.

38 Padrões de Desempenho Avaliando IDEPB Padrões de desempenho estudantil Estabelecimento e monitoramento das metas de qualidade educacional Caracterização do desempenho escolar Grau de realização das ações educacionais Políticas públicas voltadas à promoção da equidade Identificação do percentual de alunos em risco pedagógico (evasão, reprovação ou abandono)

39 Padrões de Desempenho Avaliando IDEPB

40 Padrões de Desempenho Avaliando IDEPB

41 Cortes dos Padrões de Desempenho de Língua Portuguesa 5º ano do Ensino Fundamental – ABAIXO DO BÁSICO - Até 125 – BÁSICO a 175 – ADEQUADO a 225 – AVANÇADO - Acima de 225 Avaliando IDEPB Marcar os pontos de corte na escala

42 Cortes dos Padrões de Desempenho de Língua Portuguesa 9º ano do Ensino Fundamental – ABAIXO DO BÁSICO - Até 200 – BÁSICO a 250 – ADEQUADO a 300 – AVANÇADO - Acima de 300 Avaliando IDEPB Marcar os pontos de corte na escala

43 Cortes dos Padrões de Desempenho de Língua Portuguesa 3ª série do Ensino Médio – ABAIXO DO BÁSICO - Até 225 – BÁSICO a 275 – ADEQUADO a 325 – AVANÇADO - Acima de 325 Avaliando IDEPB Marcar os pontos de corte na escala

44 Resultados

45 Formas de Apresentação dos Resultados Percentual de acerto por descritor Proficiência Média – médias comparadas Participação Evolução do percentual de alunos por padrão de desempenho Distribuição do percentual de alunos por nível de proficiência e padrão de desempenho

46 Resultados Entregar resultados para os grupos; Comparar os resultados de 2012 e 2013 em uma mesma escola. O que podemos notar ao observar a proficiência média dos estudantes as avaliações desses dois ciclos? E em relação ao percentual de alunos em cada padrão de desempenho nesses dois ciclos? Encontramos diferenças? Quais seriam? Avaliando IDEPB

47 Resultados Observe a participação dos estudantes na escola. Qual seria o percentual de participação na avaliação aplicada na escola? Este percentual é significativo? Em relação à participação, o número de alunos avaliados corresponde ao número de alunos que frequentam a escola? Quem são os alunos que não fizeram a avaliação? Como possibilitar a participação desses alunos nas próximas avaliações? Como melhorar a frequência desses alunos na escola? Avaliando IDEPB

48 Resultados Observe a proficiência média da sua escola em cada etapa de escolaridade O que podemos observar ao associar a proficiência média aos padrões de desempenho em cada etapa? Quais são as habilidades desenvolvidas pelos alunos em cada etapa de escolaridade, considerando o resultado da proficiência média? Quais seriam os conhecimentos mínimos esperados em cada etapa de escolaridade? (quais as habilidades que os alunos ainda não desenvolveram?) Avaliando IDEPB

49

50 Paraíba

51

52 GRE

53

54 Paraíba GRE ESCOLA

55 X 9,5 100x = 42.9,5 X= 399/100 X= 3,99 X= 4 alunos X 28,6 100x = 42.28,6 X= 1201,2/100 X= 12,02 X= 12 alunos X x = X= 2100/100 X= 21 X= 21 alunos X 11,9 100x = 42.11,9 X= 499,8/100 X= 4,998 X= 5 alunos

56

57

58

59 Utilização dos resultados Avaliando IDEPB Gestores ProfessoresEstudantes

60 Utilização dos resultados Avaliando IDEPB Gestores REDE ESCOLA Planejamento e execução de políticas públicas. Criação de metas de qualidade e equidade educacionais. Implementação de medidas de responsabilização. Políticas de incentivos diretos ou indiretos. Ações de formação continuada de professores. Elaboração do projeto da escola. Monitoramento da qualidade de ensino. Subsídio para avaliação institucional.

61 Utilização dos resultados Avaliando IDEPB Professores Intervenção pedagógica. Elaboração de projetos especiais. Foco nos estudantes com dificuldades. Ações de recuperação escolar. Planejamento das ações de sala de aula. Visão proativa quanto ao desenvolvimento de habilidades e competências ao longo da educação básica.

62 Utilização dos resultados Avaliando IDEPB Estudantes Acompanhamento individual do desempenho escolar pelos estudantes e seus familiares. Informações sobre a qualidade dos serviços educacionais oferecidos.

63 Lara Barreto Corrêa Obrigada!


Carregar ppt "Oficina Divulgação de Resultados Língua Portuguesa Professora Lara Barreto Corrêa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google