A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ANATOMIA: RETINA Óptica Turma 20 Anderson Tartas Juliana Marques; Seila Tasca; Vinicios do Amaral Facco. INSTITUTO FILADÉLFIA ANATOMIA Prof.: Liandra Branco.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ANATOMIA: RETINA Óptica Turma 20 Anderson Tartas Juliana Marques; Seila Tasca; Vinicios do Amaral Facco. INSTITUTO FILADÉLFIA ANATOMIA Prof.: Liandra Branco."— Transcrição da apresentação:

1 ANATOMIA: RETINA Óptica Turma 20 Anderson Tartas Juliana Marques; Seila Tasca; Vinicios do Amaral Facco. INSTITUTO FILADÉLFIA ANATOMIA Prof.: Liandra Branco

2 TÚNICA NERVOSA A Túnica nervosa ou Túnica interna é constituída pela retina; Está sobre a coróide, estende-se do ponto da implantação do nervo óptico no olho até as margens do orifício pupilar; É irrigada pela artéria central da retina, que se ramifica posteriormente.o retorno da circulação se faz pelas vênulas, desemboca em veias maiores até formar a veia central

3 RETINA A retina é um tecido de origem neuroectodérmica que reveste a parte mais interna do olho, seguida pelacoróide e pela esclera(parte branca do olhos); A retina é uma extensão do sistema nervoso central;

4 O nervo óptico estende-se do centro do cérebro até próximo do centro da retina e se ramifica, a área central da retina, macula, contém a maior densidade de nervos sensíveis a luz e que produz melhor resolução visual.

5 Desempenha importante função na visão, onde se encontram as células conhecidas como fotoreceptoras, e que recebem a imagem que será levada ao cérbro para nos dar a sensação da visão. É responsável pela transformação de energia luminosa em energia elétrica (neuronal), que desencadeará transmissão neuronal até a área cortical cerebral responsável pela visão, portanto ela tem a função de captar e enviar as imagens ao cérebro.

6 CAMADAS DA RETINA Todas estas células formam um formam uma complexa rede neuronal que se traduz em camadas na retina jirehdesign.com

7 SÃO 10 AS CAMADAS DA RETINA Epitélio Pigmentado Cones e Bastonetes Membrana Limitante Externa Nuclear Externa Plexiforme Externa Nuclear Interna Plexiforme Interna Ganglionar Fibras Nervosas Limitante Interna medgadget.com

8 Perceba que a luz atravessa várias camadas da retina, antes de atingir os fotorreceptores (cones e bastonetes), que são as células que efetivamente respondem ao estímulo luminoso, gerando impulso elétrico que será conduzido por meio de sinapses pelas outras camadas.

9 RETINA E VITAMINA A A camada pigmentar da retina armazena vitamina A, que é trocada de um lado a outro pelas membranas dos segmentos esternos dos bastonetes e cones; A vitamina A é importante percursos dos pigmentos fotossensíveis; Este processo é importante para o ajuste da sensibilidade da retina;

10 USO DE LENTES DE PROTEÇÃO CONTRA A LUZ SOLAR É importante a proteção da retina contra a radiação solar, principalmente nos que tem doenças degenerativas da retina, pois a radiação acelera um processo de catarata precoce e anula o efeito da vitamina A na retina; Por este motivo se recomenda o uso de lentes protetoras contra raios UV e raios azuis;

11 FOTORECEPTORES A retina possui dois tipos de fotoreceptores Cones Bastonetes Anatomicamente possuem forma cilíndrica e alongada, por isso o nome.

12 CONES Os cones são responsáveis pela visão das cores respondem à luz vermelha, amarelo-verde, ou azul-violeta. Os cones são estimulados apenas pela luz brilhante Também podem determinar detalhes Concentram-se na parte central da retina, que é responsável pela visão de cores e detalhes

13 BASTONETES Os bastonetes contêm a rodopsina quando exposta a luz produz sinal elétrico que é transmitido para a fibra nervosa Os bastonetes são muito sensíveis à luz e são importantes para a visão noturna Apresentam maior densidade na periferia da retina

14 CONES E BASTONETES Existem 120 a 150 milhões de bastonetes (em cada olho) 6 a 7 milhões de cones (por olho); 1 milhão de fibras nervosas no nervo óptico 250 milhões de células receptoras nos dois olhos

15 Um pouco acida do nervo óptico, a retina forma uma pequena depressão chamada mácula lútea (mancha amarela); no centro há uma pequena região chamada fóvea centralis, onde só há cones e se forma a imagem mais nítida do olho, o foco de visão; Existe ainda outro ponto do nervo óptico, onde não há nem cones e nem bastonetes, sendo insensível a luz, o ponto cego.

16 Na ora serrata só existem bastonetes; Na medida que há o afastamento dessa mácula lútea o numero de cones diminui e de bastonetes aumenta. Os bastonetes tem função principal de perceber movimentos, reconhecem apenas as cores preta e branco, então a imagem obtida pelos cones é mais nítida e mais rica em detalhes;

17 Os bastonetes não tem este poder de resolução tão bom, porem são mais sensíveis a luz, por isso em situações de pouca luminosidade a nossa visão passa a depender exclusivamente dos bastonetes que sempre serão mais exigidos a noite.

18 DOENÇAS DA RETINA Existem vários tipos de doenças que podem atingir a retina, estas podem ser congênitas, crônicas ou degenerativas: Deslocamento da retina; Retinite Pigmentosa; Retinopatia diabética; Degeneração macular ou Uveite; Toxoplasmose.

19 DESLOCAMENTO DE RETINA Quando a retina desprende do globo ocular, geralmente por acumulo de líquido atrás de suas camadas; Quando ocorre o deslocamento há a interrupção da transmissão nervosa e a imagem não é transmitida para o cérebro; Os primeiros sintomas são flashs de luz na frente da visão; Tratamento cirúrgico com urgência.

20 Olhos com deslocamento de retina

21 RETINITE PIGMENTOSA Distúrbio hereditário muito raro no qual a retina degenera de modo lento e progressivo levando a cegueira, em algumas pessoas, principalmente nos homens também ocorre uma forma hereditária de perda na audição; Os primeiros sintomas começam na infancia, nos estágios mais avançados o individuo apresenta uma pequena area central da visão e pouca visão periférica, daí o diagnostico; Não existe tratamento que retarde esta lesão.

22 RETINOPATIA DIABÉTICA Principal causa de cegueira entre pessoas de 20 a 60 anos; Alterações como catarata, glaucoma e retinopatia diabética ocorre em cerca de 90% dos diabéticos com mais de 25 anos de doença; Já é possível reduzir drasticamente a cegueira devido a diabete, um dos fatores mais importantes para o sucesso do tratamento é diagnosticar cedo; Existe também a degeneração macular relacionada a idade.

23 Olhos com retinopatia diabética

24 DEGENAÇÃO MACULAR OU UVEITE Doença mais comum em pacientes com mais de 50 anos; Sintomas são embasamentos da visão central, dificuldade para ler e visão distorcida; Perdem a visão central pois os cones são responsáveis pela transmissão ao cérebro; Não existe tratamento efetivo, atualmente a terapia fotodinâmica é uma opção de tratamentos, mas para caso específicos.

25 Olhos com degeneração macular

26 TOXOPLASMOSE Infecção causada Toplasma Gondii, parasita que vive no intestino de gatos; Pode contaminar água, frutas e vegetais, além de carne de porco e cordeiro; No Brasil a principal forma de contágio é através de carne de porco mal passada; Humanos podem ser contaminados ainda na gestação, se dá pela infecção congênita.

27

28 INFECÇÃO CONGÊNITA Infecção congênita se dá quando a mãe contrai a doença durante a gravidez, ou logo após dela; Cerca de 30% das crianças que nascem com toxoplasmose congênita vão apresentar lesão ocular até os 12 anos de idade; A gestante com toxoplasmose deve ser tratada com remédios especiais que diminuem a chance de prejudicar o bebê.

29 O parasita atinge o concepto através da placenta; Ocorre a invasão do parasita em vários órgãos, mas prevalece lesões no sistema nervoso e na retina, podendo levar a morte fetal, aborto ou má formação do feto; As crianças que nascem podem vir a apresentar anomalias e alterações no desenvolvimento físico e mental;

30 TOXOPLASMA GONDII

31 TOXOPLASMOSE ADQUIRIDA Infecção contraída depois do nascimento, esta é mais comum do que a congênita; Os pacientes geralmente não apresentam sintomas, ou são leves como mal estar, febre... Parecidos com o de uma gripe; Alguns pacientes apresentam uma forma mais grave de infecção e lesão na retina, que causa inflamação dentro do olho, podendo causar baixa visão;

32 A maioria dos pacientes não apresenta lesões de retina quando contrai toxoplasmose,; Alguns tem a lesão e depois de curada nunca mais terão novamente; Poucas pessoas apresentam novas crises da doença; Dependendo do local da inflamação poderá causar baixa da visão, que pode deixar seqüelas; Quando acomete o centro da visão pode deixar uma cicatriz, causando visão ruim pelo resto da vida; A medicina ainda não consegue explicar porque alguns pacientes apresentam lesões e outros não.

33 O exame mais importante para diagnosticar a toxoplasmose é o exame de fundo de olho, seguido pelo de sangue; Tratada com sulfa e pirimetamina, raramente são necessários medicamentos intra-oculares, laser ou cirurgia; A toxoplasmose pode causar deslocamento de retina e ser necessário cirurgia; Ainda não existe tratamento eficiente para reparar as áreas lesadas e recuperar a visão.

34 A toxoplasmose pode causar lesões na parte anterior do olho, chamada Uveite Anterior, forma leve e sem graves seqüelas; A forma mais grave da toxoplasmose ocular são as lesões da retina e da coróide, chamada de Coriorretinite ou Uveite Posterior; Toxoplasmose pode ocorrer nos dois olhos, e cada olho pode ter várias lesões;

35 SINTOMAS DA TOXOPLASMOSE OCULAR O sintoma mais importante é a diminuição da visão, pode ser muito ou pouco importante dependendo do tamanho e da localização da lesão; Pode ocorrer vermelhidão ocular, visão de pontos pretos flutuantes na frente dos olhos, dor ocular e fotofobia;

36 COMO EVITAR A CONTAMINAÇÃO Evitar comer alimentos contaminados, mal lavados; Não comer carne de porco mal cozidas e em locais mal higienizados; Evitar contatos com animais domésticos contaminados(gatos), e locais de higiene dos animais; Mulheres grávidas fazer exame no 1º e 3º trimestre.

37 Hospedeiros intermediários: animais de sangue quente(aves e mamíferos), incluindo o homem; Hospedeiros definitivos: felídeos, se contaminam caçando animais infectados(ratos, outros roedores e aves infectadas com o Toxoplasma Gondii, que se instala no intestino e forma os oocistos imaturos que serão eliminados pelas fezes, contaminando o ambiente se tornando infectantes.

38 TOXOPLASMOSE OCULAR ASSOCIADA A RETINOCOROIDITE

39 Este parasita possui três formas estruturais durante o ciclo evolutivo: taquizóitas, bradizóitas e oocistos.

40 OOCISTOS: produzidos no epitélio intestinal dos felídeos

41 RETINA: AVANÇOS CIRÚRGICOS Nos últimos 5 anos tem sido dado mais atenção às doenças degenerativas da retina; Estes avanços levam a tratamentos como: genética e biologia molecular; terapia genética; medicamentos farmacêuticos e biotecnológicos e cirurgias; No campo cirúrgico tem vários frentes de pesquisas, os transplantes de retina, especialmente de células do epitélio pigmentar da retina continuam em fase experimental;

42 A técnica de translocação da mácula para pacientes com degeneração macular consiste em deslocar a retina(macula) e recolocá-la longe da região onde se encontram os vasos sanguíneos com crescimento anormal; Por fim a técnica mais esperada, para os quem já não tem a visão, a prótese retiniana ou olho eletrônico; um chip eletrônico que imita a função da célula fotorecpetora, implantado na superfície da retina ou cortex cerebral, para restaurar a visão, está em teste com pessoas.

43 PRINCIPAL CAUSADOR DA TOXOPLASMOSE

44 PRA VOCÊ QUEM É O PRINCIPAL CULPADO ?

45


Carregar ppt "ANATOMIA: RETINA Óptica Turma 20 Anderson Tartas Juliana Marques; Seila Tasca; Vinicios do Amaral Facco. INSTITUTO FILADÉLFIA ANATOMIA Prof.: Liandra Branco."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google