A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Comunicadores pelos direitos da criança e do adolescente.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Comunicadores pelos direitos da criança e do adolescente."— Transcrição da apresentação:

1 comunicadores pelos direitos da criança e do adolescente

2 Apresentação Colocar a infância e a adolescência como prioridades absolutas na definição e implementação de políticas públicas. É com esse horizonte, que as 11 organizações da Rede ANDI Brasil trabalham diariamente para incidir na agenda da mídia, pautando e qualificando notícias e reportagens sobre o universo infanto juvenil. Organizações sociais e conselhos de direitos também recebem atenção especial da Rede na elaboração de planos de comunicação que melhorem sua relação com a mídia, dêem visibilidade ao seu trabalho e contribuam na mobilização em torno de suas causas. Estudantes de comunicação são o terceiro público-estratégico da Rede, que desenvolve programas de apoio a sua formação para que atuem como agentes da comunicação e mobilização social.

3 Mapa da Rede Agência Uga Uga de Comunicação (AM) 2.Agência de Notícias da Infância Matraca (MA) 3.Catavento Comunicação e Educação Ambiental (CE) 4.Associação Companhia Terramar (RN) 5.Auçuba – Comunicação e Educação (PE) 6.Instituto Recriando (SE) 7.Cipó - Comunicação Interativa (BA) 8.Oficina de Imagens – Comunicação e Educação (MG) 9.Girassolidário – Agência de Notícias em Defesa da Infância (MS) 10.Ciranda – Central de Notícias dos Direitos da Infância e Adolescência (PR) 11.Andi – Agência de Notícias dos Direitos da Infância (DF)* *A atuação da Andi é nacional

4 História Em 1992, é fundada a Andi - Agência de Notícias dos Direitos da Infância, iniciando um trabalho inovador com a mídia, com ações de conscientização, qualificação e mobilização na área dos direitos da criança e do adolescente. Em 1997, a Andi percebe a oportunidade e o desafio de replicar sua metodologia em outras organizações com atuação estadual. Parte dessa percepção partiu da relação com algumas estudantes de jornalismo da PUC - PR, que, inspiradas numa palestra da Andi, acabaram criando a Ciranda – Central de Notícias dos Direitos da Infância e Adolescência (PR). Em 1999, a Cipó – Comunicação Interativa (BA) funda a Central Cipó de Notícias e passa a abrigar o projeto piloto da Rede ANDI Brasil.

5 História Em 2000, nasce a Rede ANDI Brasil com quatro entidades: além da Andi e da Cipó, integram a Rede Auçuba - Comunicação e Educação (PE) e Agência Uga-Uga de Comunicação (AM). Ainda no final de 2000, a Ciranda e a Oficina de Imagens – Comunicação e Educação (MG) ingressam na articulação. Em 2006, o grupo, já consolidado, conta também com: Agência de Notícias da Infância Matraca (MA), Catavento Comunicação e Educação Ambiental (CE), Associação Companhia Terramar (RN), Instituto Recriando (SE), e Girassolidário – Agência de Notícias em Defesa da Infância (MS).

6 Bandeiras A atuação da Rede ANDI Brasil tem como horizonte algumas lutas específicas como: o fortalecimento do Sistema de Garantia de Direitos. a democratização e qualificação dos meios de acesso, produção e difusão da comunicação sobre, para e com crianças e adolescentes, na perspectiva do direito à comunicação. a criação de uma cultura de participação infanto-juvenil na mídia e na sociedade. a universalização e melhoria da qualidade da educação básica. a qualificação das políticas públicas e ampliação do orçamento público na área da criança e adolescente.

7 Estratégias da Rede Mídia, sociedade e poder público sensibilizados e mobilizados para os Direitos da Criança e do Adolescente

8 Monitoramento de mídia Clipagem de notícias sobre infância e adolescência de 116 jornais e revistas. Edição do boletim A Criança e o Adolescente na Mídia com resumo das principais notícias do universo infanto-juvenil veiculadas na imprensa. Envio para um mailing de mais de 15 mil contatos. PÚBLICO: organizações sociais, conselhos de direitos e tutelares, especialistas e sociedade em geral.

9 Capacitação de organizações Realização de oficinas de comunicação para organizações sociais, Conselhos Tutelares e Conselhos de Direito. Acompanhamento para a realização de planos de comunicação das organizações. PÚBLICO: organizações sociais, conselhos de direitos e tutelares.

10 Mobilização de comunicadores Realização de visitas a redações. Disponibilização de banco de dados, com cerca de 2 mil contatos de fontes de informação. Atendimento diário a comunicadores. Envio de boletins de pautas, com dados, eventos e indicação de fontes para mais de 3 mil comunicadores. PÚBLICO: comunicadores de veículos impressos, rádio, TV e web.

11 Qualificação Edição da pesquisa A Criança e o Adolescente na Mídia, resultante do acompanhamento e análise das notícias publicadas nos jornais e revistas. Realização de oficinas com comunicadores e outros atores sociais para discussão de caminhos que aprimorem a cobertura sobre infância e adolescência. Realização de palestras e debates em universidades. PÚBLICO: comunicadores, estudantes, organizações sociais, conselhos de direitos e tutelares, especialistas e sociedade em geral.

12 Características Somam-se a estas estratégias características específicas da proposta coletiva que vem sendo desenvolvida pela Rede ANDI Brasil: Atuação semelhante nos diversos estados para dar unidade e identidade às ações coletivas. Atuação colaborativa com valorização das competências específicas que potencializam a rede. Uso de tecnologias da comunicação e informática (TICS) para o desenvolvimento de rotinas e ferramentas que facilitam o fluxo do trabalho, a governança, a comunicação interna e a gestão do conhecimento Partilha de metodologias com sistematização de processos e ações que possam ser replicados. Monitoramento e avaliação dos resultados.

13 Atuação A atuação da Rede ANDI Brasil se dá da seguinte forma: Projetos: a partir de suas bandeiras, a Rede ANDI Brasil formata e apresenta aos parceiros projetos que contribuam para a promoção e defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. Parcerias/Serviços: a parceria e o apoio da Rede ANDI Brasil em outros projetos também faz parte da ação da Rede. Assim, ela pode dar suporte na divulgação e produzir materiais específicos que contribuam para ampliar a visibilidade e mobilização social em torno de projetos parceiros. Advocacy: mesmo desvinculada de projetos, a Rede ANDI Brasil participa de espaços de articulação da sociedade civil de maneira a interferir na formulação e implementação de políticas públicas em prol das crianças e adolescentes.

14 Atuação – Projetos atuais Desde 2006, a Rede ANDI Brasil está envolvida na execução do projeto Comunicação para o Desenvolvimento, uma parceria entre a Secretaria Especial de Direitos Humanos, Conanda e Unicef. O projeto é financiado pelo Oi Futuro, Instituto C&A, Fundação Itaú Social, Instituto Credicard e Fundação Itaú Bank. O objetivo é contribuir para a melhoria das condições de vida das crianças e adolescentes do Semi-árido brasileiro, utilizando a comunicação para colocar essa questão na agenda da mídia, dos governos e da sociedade brasileira. Ações realizadas até julho de 2007: - 95 pautas - 99 atendimentos a jornalistas notícias veiculadas na imprensa novas fontes de informação cadastradas - 14 oficinas nas redações - 4 oficinas com organizações sociais O projeto tem duração de um ano.

15 Atuação – Projeto atuais Em 2007, a Rede ANDI Brasil estabeleceu uma parceria com o Prêmio Itaú Unicef de forma a contribuir com a mobilização de atores sociais para participação no Prêmio e também para disseminar a proposta educativa relacionada ao Prêmio Itaú-Unicef/2007. A parceria envolve ações de mobilização de jornalistas, com apoio na divulgação das diversas fases do Prêmio, produção de pautas especiais de conteúdo, além de boletim temático com notícias sobre educação integral para contribuir com o site do Prêmio.

16 Resultados Monitoramento e análise de mídia No mais recente ranking da ANDI que aponta os estados com maior cobertura em temas socialmente relevantes, 4 dos 5 primeiros colocados são estados em que a Rede atua. Entre 2001 e 2004, a evolução no número de matérias publicadas sobre o universo infanto-juvenil nos estados em que a Rede começou - Amazonas, Bahia, Pernambuco, Paraná e Minas Gerais - foi de 100,75%. 63 oficinas com organizações de capacitação em comunicação forma realizadas entre 2004 e 2007, totalizando cerca de mil pessoas envolvidas com as questões da infância e adolescência habilitadas a melhor interagir com a mídia.

17 Resultados Monitoramento e análise de mídia Em 2006: 116 jornais foram monitorados nos 11 estados cobertos pela Rede boletins de notícias foram enviados a contatos, dos quais cerca de são jornalistas, radialistas e comunicadores. 926 sugestões de pautas com agendas semanais foram enviadas ao conjunto de contatos ou a uma parcela específica deles. 549 novos contatos de especialistas e organizações foram inseridos no Banco de Fontes. 933 atendimentos a jornalistas foram realizados

18 Parceiros Em 8 anos, a Rede consolidou-se e ampliou seu impacto graças a parcerias fundamentais com: Organizações internacionais: Avina, Fundação Kellog, Save The Children Suécia, Novib, União Européia e Unicef. Institutos e Fundações nacionais: Oi Futuro, Instituto C&A, Fundação Itaú Social, Instituto Credicard e Fundação Bankboston. Governo: Secretaria Especial de Direitos Humanos. Conselhos: Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Conselhos Estaduais e Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente. E outros 76 parceiros locais que apoiaram a Rede por meio das organizações durante o ano de 2006.

19 Contatos Secretária Executiva Ciça Lessa Rua Gonçalo Afonso, 55 Vila Madalena São Paulo, SP CEP (11)


Carregar ppt "Comunicadores pelos direitos da criança e do adolescente."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google