A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Implementação da Lei Maria da Penha-Pacto Nacional Apresentação: Aparecida Gonçalves.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Implementação da Lei Maria da Penha-Pacto Nacional Apresentação: Aparecida Gonçalves."— Transcrição da apresentação:

1 Implementação da Lei Maria da Penha-Pacto Nacional Apresentação: Aparecida Gonçalves

2 CONCEITO DE VIOLÊNCIA O conceito de violência contra as mulheres[1], adotado pela Política Nacional, fundamenta-se na definição da Convenção de Belém do Pará (1994), segundo a qual a violência contra a mulher constitui qualquer ação ou conduta, baseada no gênero, que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto no âmbito público como no privado (Art. 1 ).[1] [1] O termo é utilizado no plural, para dar visibilidade às diversidades raciais, étnicas, geracionais, de orientação sexual, de deficiência e de inserção social, econômica e regional existentes entre as mulheres.

3 CONCEITO DE VIOLÊNCIA Violência constitui uma violação dos direitos humanos e um fenômeno de caráter multidimensional, que requer a implementação de políticas públicas amplas e articuladas nas mais diferentes esferas da vida social (educação, trabalho, saúde, segurança pública, assistência social, entre outras). Dimensões consideradas - ÊNFASES DA POLÍTICA: violência doméstica, violência sexual, tráfico de mulheres, violência institucional (mulheres em situação de prisão), feminização da AIDS, exploração comercial sexual de mulheres adolescentes/jovens.

4 Eixos Estruturantes da Política Prevenção – ações educativas e culturais que interfiram nos padrões sexistas Combate – ações punitivas e cumprimento da Lei Maria da Penha Assistência - Rede de Atendimento e capacitação de agentes públicos Garantia de Direitos - Cumprimento da legislação nacional/ internacional e iniciativas para o empoderamento das mulheres. Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres

5 Prevenção No âmbito preventivo, a Pol í tica Nacional buscar á implementar a ç ões que desconstruam os mitos e estere ó tipos de gênero e que modifiquem os padrões sexistas, perpetuadores das desigualdades de poder entre homens e mulheres e da violência contra as mulheres. A preven ç ão inclui não somente a ç ões educativas, mas tamb é m culturais que disseminem atitudes igualit á rias e valores é ticos de irrestrito respeito à s diversidades de gênero, ra ç a/etnia, geracionais e de valoriza ç ão da paz.

6 Prevenção As ações preventivas incluirão campanhas que visibilizem as diferentes expressões de violência de gênero sofridas pelas mulheres e que rompam com a tolerância da sociedade frente ao fenômeno. No tocante à violência doméstica, a prevenção deverá focar a mudança de valores, em especial no que tange à cultura do silêncio quanto à violência contra as mulheres no espaço doméstico e à banalização do problema pela sociedade.

7 Combate O combate à violência contra as mulheres inclui o estabelecimento e cumprimento de normas penais que garantam a puni ç ão e a responsabiliza ç ão dos agressores/autores de violência contra as mulheres. No âmbito do combate, a Pol í tica Nacional propõe a ç ões que garantam a implementa ç ão da Lei Maria da Penha, em especial nos seus aspectos processuais/penais e no que tange à cria ç ão dos Juizados de Violência Dom é stica e Familiar contra a Mulher. A Pol í tica tamb é m buscar á fortalecer a ç ões de combate ao tr á fico de mulheres e à explora ç ão comercial de mulheres adolescentes/jovens.

8 Assistência No que tange à assistência às mulheres em situação de violência, a Política Nacional deverá garantir o atendimento humanizado e qualificado às mulheres em situação de violência por meio da formação continuada de agentes públicos e comunitários; da criação de serviços especializados (Casas-Abrigo, Centros de Referência, Centros de Reabilitação e Educação do Agressor, IML, Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Defensorias da Mulher); e da constituição/fortalecimento da Rede de Atendimento (articulação dos governos – Federal, Estadual, Municipal, Distrital- e da sociedade civil para o estabelecimento de uma rede de parcerias para o enfrentamento da violência contra as mulheres, no sentido de garantir a integralidade do atendimento).

9 Garantia de Direitos No que diz respeito aos direitos humanos das mulheres, a Política deverá cumprir as recomendações previstas nos tratados internacionais na área de violência contra as mulheres.Deverão ainda ser implementadas iniciativas que promovam o empoderamento das mulheres, o acesso à justiça e garanta às mulheres como sujeito de direitos.

10 Rede de Atendimento o conceito de Rede de atendimento refere-se à atuação articulada entre as instituições/serviços governamentais, não-governamentais e a comunidade, visando à ampliação e melhoria da qualidade do atendimento; à identificação e encaminhamento adequado das mulheres em situação de violência; e ao desenvolvimento de estratégias efetivas de prevenção. A constituição da rede de atendimento busca dar conta da complexidade da violência contra as mulheres e do caráter multidimensional do problema, que perpassa diversas áreas, tais como: a saúde, a educação, a segurança pública, a assistência social, a cultura, entre outros, conforme artigos 8º e 9º da Lei /2006.

11 Rede de Atendimento A necessidade de cria ç ão de uma Rede de Atendimento leva em conta a rota cr í tica (OMS/OPAS, 1998) que a mulher em situa ç ão de violência percorre. Essa rota possui diversas portas- de-entrada (servi ç os de emergência na sa ú de, delegacias, servi ç os da assistência social), que devem trabalhar de forma articulada no sentido de prestar uma assistência qualificada e não-revitimizante à mulher em situa ç ão de violência.

12 DELEGACIAS ESPECIALIZADAS DE ATENDIMENTO À MULHER As DEAMs são unidades especializadas da Polícia Civil para atendimento às mulheres em situação de violência. As atividades das DEAMs têm caráter preventivo e repressivo, devendo realizar ações de prevenção, apuração, investigação e enquadramento legal.

13 DEFENSORIAS DA MULHER As Defensorias da Mulher têm a finalidade de dar assistência jurídica, orientar e encaminhar as mulheres em situação de violência. A SPM tem investido na criação e consolidação de Defensorias da Mulher como uma das formas de ampliar o acesso das mulheres à Justiça, garantindo orientação jurídica adequada, bem como o acompanhamento de seus processos.

14 CRAS Os Centros de Referência da Assistência Social – CRAS fazem parte do PAIF (Programa de Atenção Integral à Família) e desenvolvem serviços básicos continuados e ações de caráter preventivo para famílias em situação de vulnerabilidade social (proteção básica).

15 CREAS Os Centros de Referência Especializados de Assistência Social- CREAS, por outro lado, são responsáveis pela proteção de famílias e indivíduos que tenham seus direitos violados e que vivam em situações de risco pessoal e social (proteção especial).

16 CENTROS DE REFERÊNCIA DE ATENDIMENTO À MULHER São espaços de acolhimento/atendimento psicológico e social, orientação à mulher em situação de violência, que devem proporcionar o atendimento e o acolhimento necessários à sua situação, contribuindo para o fortalecimento da mulher e o resgate de sua cidadania. Deve fomentar as necessidades da rede de atendimento.

17 ORGANISMOS GOVERNAMENTAIS DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES Os organismos governamentais (Coordenadorias, Secretarias, Superintendências da Mulher) têm papel de elaborar, articular e propor políticas públicas de atendimento à mulher no âmbito do Executivo Estadual e Municipal.

18 CASAS-ABRIGO Casas-Abrigo: As Casas-Abrigo são locais seguros que oferecem moradia protegida e atendimento integral a mulheres em risco de vida iminente em razão da violência doméstica. É um serviço de caráter sigiloso e temporário, no qual as usuárias permanecem por um período determinado, durante o qual deverão reunir condições necessárias para retomar o curso de suas vidas.

19 CENTRO DE EDUCAÇÃO E REABILITAÇÃO DO AGRESSOR: Constituem espaços de acompanhamento e responsabilizãção de homens autores de violência, encaminhados pelos Juizados Especiais de Violência Doméstica/Familiar contra a Mulher e demais juizados/varas.

20 CENTRAL DE ATENDIMENTO À MULHER LIGUE 180 Informar as mulheres em situação de risco de violência sobre seus direitos; Encaminhar as mulheres aos serviços que compõem a rede; Registrar relatos de violência e situação de funcionamento inadequado dos serviços da rede; Sistematizar as informações geradas pelo atendimento para subsidiar a elaboração de políticas públicas.

21 Rede de Atendimento PREVENÇÃO ASSISTÊNCIA GARANTIA DE DIREITOS

22 Pacto Nacional pelo Enfrentamento da Violência contra as Mulheres

23 Marcos Normativos Nacionais Constituição Federal – Art 226, § 8º; Plano Nacional de Políticas para as Mulheres – Decreto 5.390, de ; Lei Maria da Penha , de ; Internacionais Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher (Belém do Pará); Convenção para Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres

24 Prevenir e enfrentar todas as formas de violência contra as mulheres a partir de uma visão integral deste fenômeno Objetivo Geral

25 Reduzir os índices de violência contra as mulheres; Promover uma mudança cultural a partir da disseminação de atitudes igualitárias e valores éticos de irrestrito respeito às diversidades de gênero e de valorização da paz; Garantir e proteger os direitos das mulheres em situação de violência considerando as questões raciais, étnicas, geracionais, de orientação sexual, de deficiência e de inserção social, econômica e regional. Objetivos Específicos

26 Mulheres em situação de violência Foco Será conferida atenção especial às mulheres rurais, negras e indígenas, em função da situação de dupla ou tripla discriminação a que estão submetidas e em virtude de sua maior vulnerabilidade social.

27 São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Ceará, Pernambuco, Pará, Minas Gerais, Maranhão, Rio Grande do Sul e Distrito Federal. A partir do segundo ano de implementação do Pacto, novos estados serão incorporados, até que se alcance a totalidade do território brasileiro. Territórios

28 Áreas Estruturantes

29 Fortalecimento da Rede de Atendimento; Capacitação de profissionais da Rede; Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180; Ações e campanhas educativas de prevenção; Observatório da Lei Maria da Penha; Sistema Nacional de Dados e Estatísticas. 1 - Consolidação da Política Nacional de Enfrentamento da Violência e Implementação da Lei Maria da Penha

30 Oferta de métodos anticoncepcionais reversíveis, especialmente a pílula de anticoncepção de emergência; Implementação da Notificação Compulsória nos serviços de saúde; Garantia do abortamento legal; Plano Integrado de Enfrentamento da Feminização da Epidemia de Aids e outras DST. 2 – Proteção dos Direitos Sexuais e Reprodutivos e Enfrentamento da Feminização da Aids

31 . Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas; Construção de metodologias de atendimento às mulheres vítimas de tráfico; Projetos inovadores de enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes 3 – Combate à Exploração Sexual de Meninas e Adolescentes e ao Tráfico de Mulheres

32 Construção/reforma de estabelecimentos penais femininos; Serviço de saúde integral, sistema educacional e cultura e lazer no sistema prisional; Acesso à justiça e à assistência jurídica gratuita; Proteção aos direitos sexuais e reprodutivos e à maternidade; Geração de renda. 4 – Promoção dos Direitos Humanos das Mulheres em Situação de Prisão

33 A Câmara Técnica é vinculada ao Comitê de Articulação e Monitoramento do PNPM e tem como objetivos: Coordenar e articular a execução das ações no âmbito do governo federal; Pactuar a implementação das ações com Estados e Municípios; Monitorar a implementação das ações e o cumprimento das metas estabelecidas; Definir estratégias e avaliar os resultados alcançados. Coordenada pela SPM e composta pelos seguintes órgãos: Casa Civil/PR, MPOG, MS, MinC, MDA, MDS, MEC, SEDH, SEPPIR, MJ, MTur, MTE, MCid. Câmara Técnica de Monitoramento

34 CONTATOS: Aparecida Gonçalves Subsecretária de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres – SPM/PR Fone: (61) / Site:


Carregar ppt "Implementação da Lei Maria da Penha-Pacto Nacional Apresentação: Aparecida Gonçalves."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google