A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Apoio à criação de emprego científico Paulo Sá e Cunha 2ª Conferência Nacional de Emprego Científico Universidade do Minho, 13 de Novembro 2006.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Apoio à criação de emprego científico Paulo Sá e Cunha 2ª Conferência Nacional de Emprego Científico Universidade do Minho, 13 de Novembro 2006."— Transcrição da apresentação:

1 Apoio à criação de emprego científico Paulo Sá e Cunha 2ª Conferência Nacional de Emprego Científico Universidade do Minho, 13 de Novembro 2006

2 Inserção de Mestres e Doutores no Tecido Empresarial e Institucional Emprego Científico deGRAU Científico Doutoramentos em Ambiente Empresarial Formação e Treino CERN, ESA, ESO NITECNEOTEC

3 Inserção de Mestres e Doutores no Tecido Empresarial e Institucional Emprego Científico deGRAU Científico Doutoramentos em Ambiente Empresarial Formação e Treino CERN, ESA, ESO NITECNEOTEC

4 Incentivo ao emprego científico e tecnológico, através da inserção de recursos humanos altamente qualificados (mestres e doutores), com o objectivo de promover a inovação e aumentar a competitividade das empresas. Objectivos Inserção de Mestres e Doutores no Tecido Empresarial e Institucional Destinatários Empresas Centros Tecnológicos Associações Empresariais Associações Sindicais Apoio Comparticipação degressiva nos custos salariais dos recursos humanos inseridos, até ao máximo de 3 anos Elegibilidade da candidatura Apresentação de um programa de inovação: - Objectivos da contratação; - Plano de Trabalhos a 3 anos, com resultados previstos. Celebração de um contrato de trabalho (Termo certo/sem termo)

5 1º ano 2º ano 3º ano 75 % 50% 25% (1) Os contratos sem termo beneficiam de uma majoração de 20% Limites Máx. Mensais (1) : Contrato a termo certo: Mestres: 1.396,63 Doutores: 2.095,00 Contrato sem termo: Mestres: 1.675,96 Doutores: 2.514,00 Inserção de Mestres e Doutores no Tecido Empresarial e Institucional Regime do Apoio

6 Inserção de Mestres e Doutores no Tecido Empresarial e Institucional

7

8 Importa referir que de Janeiro a Setembro de 2006 foram apresentadas 81 candidaturas e que, destas, ainda se encontram pendentes de avaliação 51 (Painel de Avaliação a realizar a 16 Novembro 2006).

9 Empresas com candidaturas apresentadas ( Setembro 2006) Novas Empresas (Acumulado) Novas Empresas Inserção de Mestres e Doutores no Tecido Empresarial e Institucional

10

11 Emprego Científico deGRAU Científico Doutoramentos em Ambiente Empresarial Formação e Treino CERN, ESA, ESO NITECNEOTEC

12 Formação e Treino CERN, ESA, ESO Organizações Científicas Internacionais A Adi firmou protocolos com: CERN (Laboratório Europeu de Física de Partículas) ESA (Agência Espacial Europeia) ESO (Observatório do Sul Europeu) Objectivos Formar e treinar* licenciados em domínios onde a competência dessas organizações é internacionalmente reconhecida, permitindo o desenvolvimento de um plano de formação complementar (on-the-job- training), em domínios estratégicos para o aumento da competitividade das empresas portuguesas. * Pelo período mínimo de 1 ano e máximo de 2 anos

13 Formação e Treino CERN

14 Formação e Treino ESA * Candidaturas Concurso aberto até 17 Novembro

15 Formação e Treino ESO * Candidaturas Concurso aberto até 30 Novembro 2006

16 Formação e Treino CERN, ESA, ESO

17 Inserção de Mestres e Doutores no Tecido Empresarial e Institucional Emprego Científico deGRAU Científico Doutoramentos em Ambiente Empresarial Formação e Treino CERN, ESA, ESO NITECNEOTEC

18 Bolsas de Doutoramento em Ambiente Empresarial (BDE) Nesta iniciativa estão associadas: Agência de Inovação - promoção de contactos junto do meio empresarial Fundação para a Ciência e a Tecnologia - avaliação e gestão das bolsas. Objectivos. Promover a formação avançada em ambiente empresarial, através da cooperação entre empresas e universidades em torno de projectos de interesse para a empresa e cujo desenvolvimento permita ao estudante a obtenção do grau de doutor, conferido pela Universidade.

19 Bolsas de Doutoramento em Ambiente Empresarial (BDE) Situação (2004 – Set. 06)

20 Inserção de Mestres e Doutores no Tecido Empresarial e Institucional Emprego Científico deGRAU Científico Doutoramentos em Ambiente Empresarial Formação e Treino CERN, ESA, ESO NITECNEOTEC

21 A Adi, em colaboração com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia, lançou a 14 de Dezembro de 2004 o deGRAU Científico – Carreiras Pós-Graduadas nas Empresas. Objectivos Promover o emprego científico nas empresas. Dinamizar as candidaturas às medidas que apoiam a Formação Avançada de Recursos Humanos e a Colocação de Recursos Humanos qualificados nas empresas;

22 O deGRAU científico é um sítio na Internet que disponibiliza uma base de dados de candidatos altamente qualificados. Empresas: –encontrar, nos perfis disponíveis, o know-how ou competências adequados às suas necessidades. –Localizar os recursos humanos dispersos pelo sistema científico e tecnológico nacional Candidatos (Pós–graduados, candidatos a BDE, estagiários CERN, ESA, ESO) : – publicitar o seu perfil de qualificações.

23 Agricultura e Pescas2 Alimentar2 Ambiente4 Automóvel2 Biotecnologia7 Eléctrico e Electrónico7 Energia5 Farmacêutico1 Metalúrgico1 Química fina1 Químico3 Saúde3 Serviços28 Tecnologias de Informação45 Telecomunicações4 Têxtil2 Transportes1 TOTAL118 Empresas registadas por sector de actividade

24 Perfis aprovados por área de especialização Perfis aprovados por grau

25 Durante o mês de Dezembro irá decorrer uma nova fase de angariação de novos candidatos. Em Janeiro 2007 está prevista a divulgação a novas empresas, universidades e empresas de recrutamento, para registo e utilização da ferramenta.

26 financiamento: República Portuguesa

27 Iniciativa neotec DUAS TIPOLOGIAS DE PROJECTOS de duração máxima 24 meses Projectos de criação de Empresas Base Tecnológica Investigadores SCT; Estudantes de graduação ou pós- graduação ou com inscrição de há não mais de 3 anos Projectos de Valorização do Potencial Empreendedor (valorização do conhecimento gerado nas) Instituições do Sistema Científico e de Empreendedorismo Nacional

28 Açores Madeira Centro Valorização/OTIC VPE/Valorização Potencial Empreendedor Interface Univ/Empresa

29 CRIAÇÃO DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA Fase 1: Geração de conceitos de produtos, serviços ou processos Duração máxima 6 meses e 15K Fase 2: Desenvolvimento de um modelo e plano de negócio Duração máxima 6 meses e 15K Fase 3: Constituição e arranque da empresa Duração máxima 14 meses e 70K A duração máxima cumulativa das três fases é de 24 meses. O acesso à fase seguinte é condicionado pelos resultados da fase anterior. Participação de investidores considerada mais valia Iniciativa neotec

30 216 EBT+23 VPE Candidaturas 71 EBT+12 VPE Projectos Aprovados 93 Candidaturas EBT submetidas a 31 Out 06 (em avaliação)

31 20 empresas Neotec já constituídas 5 com participação de Entidades Especializadas de Capital de Risco

32 Alguns Indicadores NEOTEC (dos primeiros 24 projectos homologados)

33 Alguns Indicadores NEOTEC Experiência Académica e Empresarial

34 Alguns Indicadores NEOTEC Experiência Internacional Promotores

35 Alguns Indicadores NEOTEC Mercado-Alvo

36 Alguns Indicadores NEOTEC Emprego a criar

37 Sectores de Aplicação Agro, Aliment., Florestal 13% Ind. Transformadora 29% Construção Civil 8% Internet 13% Saúde 17% Turismo Outros Serviços 8% Meios de Produção 96% Bem de consumo 4%

38 NITEC Apoia Criação de Núcleos de I&D nas empresas NITEC Sistema de Incentivos à criação de núcleos de investigação e desenvolvimento tecnológico no sector empresarial

39 NITEC Apoia Criação de Núcleos de I&D nas empresas NITEC - Núcleo de I&DT Núcleo de I&DT é uma equipa permanente que se dedica unicamente a actividades de endogeneização e desenvolvimento de competências tecnológicas no interior da empresa.

40 NITEC – Objectivos Apoiar a criação de competências internas de I&DT nas empresas Estimular a apetência para prosseguir essas novas competências Premiar o esforço empresarial desenvolvido quer ao nível da concepção e execução, quer da endogeneização de conhecimentos de inovação tecnológica Levar a uma afirmação efectiva das empresas nacionais através da disponibilização de soluções e oferta de produtos tecnologicamente inovadores NITEC Apoia Criação de Núcleos de I&D nas empresas

41 NITEC – Despesas Elegíveis Pessoal técnico do promotor a admitir e que se destine ao exercício de actividades permanentes de investigação e desenvolvimento; Software e equipamento informático para apoio técnico e administrativo; Bibliografia e acesso a bases de dados técnicas; Contratos de transferência ou aquisição de tecnologia que se traduzam na sua efectiva endogeneização por parte do núcleo; Intervenção de revisores oficiais de contas ou técnicos oficiais de contas; NITEC Apoia Criação de Núcleos de I&D nas empresas

42 NITEC (Previsão 2006) Investimento assumido pelas empresas em Núcleos de I&DT: ,13 Incentivo a Fundo Perdido aprovado: ,00

43 NITEC Apoia Criação de Núcleos de I&D nas empresas NITEC Candidaturas Recebidas Candidaturas Aprovadas 2003/ * TOTAL227 * 58 candidaturas em processo de avaliação

44 Pessoas NITEC (novas contratações) NITEC Apoia Criação de Núcleos de I&D nas empresas

45


Carregar ppt "Apoio à criação de emprego científico Paulo Sá e Cunha 2ª Conferência Nacional de Emprego Científico Universidade do Minho, 13 de Novembro 2006."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google