A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GABRIELA BATISTA GUSTAVO MACEDO MARIANA ROSA MARINA ÉVORA GRUPO 8H Unidade 10 – Logística e realidade brasileira.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GABRIELA BATISTA GUSTAVO MACEDO MARIANA ROSA MARINA ÉVORA GRUPO 8H Unidade 10 – Logística e realidade brasileira."— Transcrição da apresentação:

1 GABRIELA BATISTA GUSTAVO MACEDO MARIANA ROSA MARINA ÉVORA GRUPO 8H Unidade 10 – Logística e realidade brasileira

2 O suprimento,o estoque e armazenamento, e a distribuição em organizações brasileiras A Logística prove de recursos, de informações e de equipamentos a execução de todas as atividades de uma empresa. A logística brasileira passou por grandes avanços no inicio da década de 90 devido a globalização do mercado brasileiro e a implementação do Plano Real. Ao final dessa década, com a explosão do comercio internacional, a estabilização econômica e as privatizações da infraestrutura, a logística tomou impulso no Brasil. A nova situação ressaltou para as empresas brasileiras a importância da logística como vantagem competitiva de mercado.

3 Métodos e técnicas logísticas aplicadas no Brasil ECR Centros de Distribuição Cross-Docking JIT Consórcio Modular RFID (Identificação por Radio Frequência) Identificação por código de barras VMI (Inventários Gerenciados pelo Fornecedor) Cadeia de Suprimentos Demanda empurada ou puxada Arms Length ou Parcerias ERP (Enterprise Resource Planning) Classificação ABC portos, portos secos, rodovias, ferrovias, hidrovias, aerovias, dutovias

4 ECR Efficient Consumer Response O ECR, movimento global voluntario, no qual empresas industriais, comerciais e os integrantes da cadeia produtiva trabalham em conjunto com vistas a obter padrões comuns e processos eficientes que minimizem os custos e otimizem a produtividade. O ECR, também conhecido como Resposta Eficiente ao Consumidor, tem por objetivo estabelecer fluxo consistente de informações e produtos incluídos bidirecionalmente na cadeia logística de abastecimento, com vistas a manter o abastecimento do ponto de venda a custos baixos e em stocks adequados.

5 Cross-docking É o fracionamento de cargas, ou seja, divide-se uma ou mais cargas maiores em outras menores. Assegurando assim maior vazão a etapa de distribuição e oferecendo rapidez em atendimento. Designa um processo utilizado na distribuição de produtos com elevados índices de giro e de perecibilidade, em que estes não são estocados, apenas cruzam o armazém indo direto aos pontos de venda sem passar pelo processo de estocagem. Na prática, as operações de cross docking requerem grandes estágios, onde os materiais são classificados, consolidados e armazenados por pouco tempo ou não armazenados. Após esses estágios os produtos estarão prontos para distribuição. Crossdocking é usado diminuir o armazenamento, aumentando o fluxo entre o fornecedor e o fabricante.

6 Just in Time Just in time é um sistema de administração da produção que determina que nada deve ser produzido, transportado ou comprado antes da hora exata. Pode ser aplicado em qualquer organização, para reduzir estoques e os custos decorrentes. Esse processo faz com que todos os produtos cheguem a tempo ao seus destinos, evitando atrasos e insatisfações. Com este sistema, o produto ou matéria prima chega ao local de utilização somente no momento exato em que for necessário. Os produtos somente são fabricados ou entregues a tempo de serem vendidos ou montados.

7 RFID – (Radio Frequency Identification) Trata-se de um método de identificação automática através de sinais de rádio, recuperando e armazenando dados remotamente através de dispositivos denominados etiquetas RFID. As RFIDs (Radio Frequency Identification) são comumente conhecidas por etiquetas inteligentes, que possibilitarão o acompanhamento de um produto, em tempo real, por toda a cadeia de suprimentos, proporcionando altíssimos ganhos de produtividade operacional e garantindo a segurança na manipulação e comercialização destes produtos. Esta nova tecnologia é uma grande inovação e prevê uma mudança radical na operação do varejo mundial. A indústria varejista será beneficiada, com o uso desta tecnologia de diversas maneiras, dentre elas, a redução dos custos, devido ao aumento da eficiência dos processos e a satisfação do consumidor que encontrará sempre os produtos desejados.

8 Desafios Nacionais A infra-estrutura brasileira é antiga, as rodovias são de péssima qualidade, os portos, ferrovias e dutos são ineficientes, Há grande movimentação nas rodovias e nos portos. Seria necessário investir mais em hidrovias e ferrovias, modelos de transporte com custo muito menor que o rodoviário Seria necessário a constituição de um modelo equilibrado de transporte feito por embarcações, trens e caminhões, Problema em lidar com a legislação e tributação estrangeira, Constituição de políticas que sincronizem as ações do governo e da iniciativa privada, Combater a insatisfação dos clientes,o descumprimento dos prazos e entregas e diminuir o custo dos transportes,


Carregar ppt "GABRIELA BATISTA GUSTAVO MACEDO MARIANA ROSA MARINA ÉVORA GRUPO 8H Unidade 10 – Logística e realidade brasileira."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google