A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Proposta de Plano de Manejo da Brachyplatystoma filamentosum e B. capapretum da Amazônia Equipe Camila Nunes Claudia Abreu Fernanda Andrade Leonídia Serretti.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Proposta de Plano de Manejo da Brachyplatystoma filamentosum e B. capapretum da Amazônia Equipe Camila Nunes Claudia Abreu Fernanda Andrade Leonídia Serretti."— Transcrição da apresentação:

1 Proposta de Plano de Manejo da Brachyplatystoma filamentosum e B. capapretum da Amazônia Equipe Camila Nunes Claudia Abreu Fernanda Andrade Leonídia Serretti Samantha Grimaldi Docentes: Eduardo Mariano Neto Mauro Ramalho

2 Problema Dada a relevância histórica das piraíbas para a atividade pesqueira na bacia amazônica, além dos sinais de sobre-exploração que as espécies têm sofrido (PETRERE et. al., 2004), seria oportuno usar esses bagres como modelo para o desenvolvimento de um programa de manejo integrado e organizado espaço- temporalmente. Pois estas espécies apresentam características migratórias e reprodutivas específicas, retratada em um ciclo de vida que abrange grandes distâncias entre a reprodução e o nascimento, muitas vezes envolvendo outros países.

3 BIOLOGIA DAS ESPÉCIES Classificação taxonômica : Classe: Actinopterygii Ordem: Siluriformes Família: Pimelodidae Gênero: Brachyplatystoma Espécies: Brachyplatystoma filamentosum Brachyplatystoma capapretum

4 Morfologia Fonte: (RIBEIRO, 2009) Bracyplatistoma filamentosum

5 Morfologia B. capapretum : Projeto Calhamazon: nova espécie a B. capapretum (LUNDBERG E AKAMA, 2005). Dentição fina densamente espaçada Manchas escuras e redondas nos flancos Dorso muito escuro e nadadeira caudal pouco furcada Estimativa da divergência genética entre as espécies de 10% (HUERGO, 2010), mas não suficiente para uma boa resolução filogenética.

6 Morfologia Fonte: (RIBEIRO, 2009) B. filamentosum B. capapretum

7 BIOLOGIA DAS ESPÉCIES Área de ocorrência: Bacia Amazônica Expectativa de vida: inexistência de dados ??? Maturidade reprodutiva: anos Hábito alimentar: Predador de topo de cadeia Dinâmica populacional: inexistência de dados ???

8 Área de ocorrência Fonte Área de criação Área de crescimento Área de desova Fonte: Acessado em 02/08/2013. Modificado

9 Larva, leva em média 13 dias até o estuário. Jovem e Pré- adulto migrando do estuário para cabeceiras do rio Adultos, 6-10 anos, vão aos tributários p/reproduzir. Tributário Estuário Rio Principal

10 Relações Ecológicas

11 Cadeia Trófica Bagre (Piraíba) Predador de Topo de cadeia Peixes herbívoros Peixes detritívoros Peixes bentônicos Invertebrados aquáticos FitoplânctonFrutosSementes Peixes Carnívoros

12 A sobre-exploração das espécies Desembarque das piraíbas: % %. Letícia (Colômbia) - principal mercado de bagres na Amazônia Ocidental. Frotas de pesca do Brasil, Colômbia e Peru Bogotá – exportados Espinhel, redes e arpão PETRERE, 2004

13 Decréscimo na captura da Piraíba Petrere,2004

14 Justificativas para os estudos de campo e sugestão de manejo Estudos de genética, ciclo de vida, dinâmica populacional e o estado atual da exploração das piraíbas são essenciais para orientar o manejo e a conservação dessas espécies. Espacialização dos estudos: sugestões de manejo mais específicas para as micro-regiões.

15 Dinâmica populacional Estuda as mudanças no tamanho das populações, ao longo do tempo, e os fatores que causam essas mudanças. O levantamento de informações sobre o ciclo de vida, padrões de migração dos indivíduos, crescimento individual e mortalidade, é fundamental para entender como as populações de piraíba respondem à explotação pesqueira. Tal compreensão, por sua vez, permite avaliar o estado atual da explotação e a relação entre o esforço de pesca e o rendimento do recurso. Com base nesses dados, é possível propor políticas de manejo em todo o sistema Solimões- Amazônas para atender as necessidades das populações humanas que dependem diretamente dessa atividade.

16 ESTRUTURA ETÁRIA Tabela de vida – dados simulados IDADE (X) SOBREVIVÊNCIA (Sx) FECUNDIDADE (Bx) N° DE INDIVÍDUOS (Nx) 00, , , ,0230 IDADECENSO POP. (T=0) TAXA DE SOBREV. N° DE SOBREVIVENTES N° DE FILHOTES POR ADULTO N° TOTAL DE FILHOTES CENSO DA POP. (T=1) 0200, , , , TOTAL

17

18 MMA,2011

19 ÁreaSituação problema Ação propostaRiscos e dificuldades ESTUÁRIOESTUÁRIO Pesca excessiva Conflito entre frotas Área sensível a pesca Criar áreas protegidas - áreas da bacia hidrográfica desprotegidas, ampliar corredores-ecologicos, oferecem refúgios onde as populações das espécies explotadas podem se recuperar e os ambientes degradados pela pesca podem se regenerar; Investimentos na pesquisa; Revisão da legislação vigente – limites de efluentes, biodiversidade; Criar área de exclusão de pesca - permitem que as espécies-alvo cresçam mais e atinjam idades mais avançadas, produzam mais juvenis e repovoem áreas de pesca a partir do fornecimento de larvas e/ou indivíduos adultos.; Acordos comunitários; Estudos orientados para uma prática de manejo do entorno; Programas ambientais – monitoramento e avaliação de impactos; Investimentos e incentivos a recuperação e conservação – criar linhas de créditos de conservação para recuperação de espécies – chaves e as ameaçadas; Campanhas de conscientização para pequeno e grande pescador – causas, consequências e medidas mitigadoras; População local sejam fiscais da proteção; Agenda 21; Unir pecuaristas, fazendeiros, comunidade local, indústria pesqueira e, ONGs ambientalistas; Ação de longo prazo Atuação efetiva do governo - lidar com as tensões sociais, aumentar os percentuais de áreas protegidas; Áreas permanentemente fechadas para a pesca, pesca.

20 ÁreaSituação problema Ação propostaRiscos e dificuldades DECRESCIMENTODECRESCIMENTO Apetrechos usados na pesca Profissionais de fora e a desqualificação dos profissionais locais Rodízio de pesca – cotas de pesca, tamanho da frota; Defeso piracema – Bolsa defeso; Revisão da legislação vigente – limites efluentes, biodiversidade Programas de monitoramento da qualidade ambiental de ecossistemas aquáticos - monitoramento e avaliação de impactos, informações relevantes dos componentes biológicos, socioeconômico e político institucional; Acordos comunitários Qualificação da cadeia produtiva Investimentos na tecnologia e na pesquisa: Uso técnicas modernas e eficientes; Tratamento tecnológico na transformação da pele; Estudos orientados para uma prática de manejo do entorno orientar a implementação de atividades produtivas, por intermédio de políticas de desenvolvimento sustentável, compatibilizando a preservação e conservação do meio ambiente com a Causas antrópicas geração de emprego e renda para as populações Investimentos e incentivos a recuperação e conservação – criar linhas de créditos de conservação para recuperação de espécies – chaves e as ameaçadas; Campanhas de conscientização para pequeno e grande pescador – causas, consequências e medidas mitigadoras População local sejam fiscais da proteção; Agenda 21; Investimentos; Acordos de Gestão compartilhada – ação de longo prazo; Atuação comunidade local e industria pesqueira - os atores locais e microrregionais forem devidamente situados no processo de gestão e na respectiva escala, efetiva do governo; Aumento de conflito entre pescadores ribeirinhos e industria pesqueira;

21 ÁreaSituação problemaAção propostaRiscos e dificuldades TRIBUTÁRIO TRIBUTÁRIO Pesca excessiva Área sensível a pesca Criar áreas protegidas ; Investimentos na pesquisa ; Revisão da legislação vigente – limites efluentes, biodiversidade; Criar área de exclusão de pesca; Acordos comunitários; Controle assoreamento; Programas ambientais; Investimentos e incentivos de recuperação para as matas ciliares – bolsas Unir pecuaristas, fazendeiros, comunidade local, industria pesqueira e, ONGs ambientalistas; Ação de longo prazo Atuação efetiva do governo - lidar com as tensões sociais, aumentar os percentuais de áreas protegidas; Áreas permanentemente fechadas para a pesca, pesca.

22 Monitoramento a partir da pesca predatória A descrição dos tamanhos e idades que compõem a população que está sendo capturada permite verificar em que locais de sua área de distribuição os peixes desovam, criam-se, alimentam-se e crescem. O impacto da pesca sobre cada uma das parcelas da população será diferenciado. Assim, se houver exploração predatória dos adultos desovantes, os peixes não poderão gerar o número necessário de filhos para renovar a população a cada ano. Nesse caso, ocorre a sobrepesca de recrutamento. Do mesmo modo, se houver pesca de jovens e de pré-adultos de forma desmedida, por exemplo, na área de criação da espécie, não será possível que eles atinjam o tamanho no qual o rendimento em peso seja máximo. Nesse caso, ocorre a sobrepesca de crescimento (FABRÉ et al., 2005).

23 BEGON, M.; TOWNSEND, C. R.; HARPER, J. L. Ecologia: de indivíduos a ecossistemas. Tradução Adrianos Sanches Melo et al., 4 ed., Porto Alegre: Artmed, FABRÉ, NÍDIA NOEMI & BARTHEM, RONALDO BORGES. O manejo da pesca dos grandes bagres migradores: piramutaba e dourada no eixo Solimões- Amazonas / Nídia Noemi Fabré; Ronaldo Borges Barthem, organizadores – Manaus: Ibama, ProVárzea, p.114 il; 16x23 cm. (Coleção Documentos Técnicos: Estudos Estratégicos) PETRERE, M.; BARTHEM, R. B.; CÓRDOBA, E. A., GÓMEZ, B. C. Review of the large catfish fisheries in the upper Amazon and the stock depletion ofpiraíba (Brachyplatystoma filamentosumLichtenstein). Reviews in Fish Biology and Fisheries 2004, Volume 14, Issue 4, pp Referências

24 Fragmentação de Ecossistemas: causas, efeitos sobre biodiversidade e recomendações de politicas publicas / Denise Marçal Rambaldi, Daniela America Suarez de Oliveira (orgs.). Brasilia:MMA/ SBF, 2003, pp Santos, Geraldo Mendes dos and Santos, Ana Carolina Mendes dos Sustentabilidade da pesca na Amazônia. Estud. av., Ago 2005, vol.19, no.54, p ISSN Ribeiro, Carmelita de Fátima Amaral Processamento de Piraíba (Brachyplatystoma Filamentosum): desidratação osmótica, defumação e secagem / Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro. -- Campinas, SP: [s.n.], Kalikoski, Daniela Coswig, Seixas, Cristiana Simão and Almudi, Tiago Gestão compartilhada ecomunitária da pesca no Brasil: avanços e desafios. Ambient. soc., Jun 2009, vol.12, no.1, p ISSN X. Referências

25 HUERGO, G. P. C. M., Estimativa genética da piraíba (Brachyplatystoma filamentosum Lichtenstein, 1819) e da piraíba negra ( Brachyplatystoma capapretum Lundberg e Akama, 2005), na Amazônia Brasileira, inferidas por meio do DNA mitocondrial: subsídios para manejo e conservação. Tese (doutorado) – INPA – Manaus, RiIBEIRO, C. F. A., Processamento de Piraíba (Brachyplatystoma Filamentosum): desidratação osmótica, defumação e secagem / Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro. -Campinas, SP: [s.n.], brasil.html, 2011 modificado Mapa Ilustrativo do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Local: [Brasília], mapa: 1,189x841 mm. Escala: 1: Áreas prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade brasileira. [Brasília], mapa: x 685,8mm. Escala: 1: Referências

26

27


Carregar ppt "Proposta de Plano de Manejo da Brachyplatystoma filamentosum e B. capapretum da Amazônia Equipe Camila Nunes Claudia Abreu Fernanda Andrade Leonídia Serretti."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google