A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mestrado Profissional em Ecologia e Biomonitoramento Impacto do plano de aproveitamento energético de uma bacia Amazônica sobre a população de dourada.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mestrado Profissional em Ecologia e Biomonitoramento Impacto do plano de aproveitamento energético de uma bacia Amazônica sobre a população de dourada."— Transcrição da apresentação:

1 Mestrado Profissional em Ecologia e Biomonitoramento Impacto do plano de aproveitamento energético de uma bacia Amazônica sobre a população de dourada (Brachyplatystoma rousseauxii). Fonte: ProVárzea Equipe 2: Adelina Silva, Ana Celly, Delfin Vilam, Denilson Oliveira, Leib Carteado, Michele Amurim e Simone Campos.

2 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 A dourada é um grande bagre da ordem Siluriformes, família Pimelodidae; Possui como principais características morfológicas: cabeça prateada e achatada, corpo dourado e presença de barbilhões maxilares curtos; Habita os canais dos principais rios da bacia amazônica e ocasionalmente entra na várzea durante a noite para se alimentar, retornando ao nascer do dia às águas fundas e escuras do canal;

3 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 Sua estratégia de vida a coloca no grupo de estratégia em equilíbrio (k-estrategistas) por apresentar altos valores de tamanho e idade média de maturação gonadal, taxa de crescimento baixa, alta sobrevivência de adultos e mortalidade natural baixa; Também podem ser vistos como R-estrategistas, pois sua época de reprodução é cíclica, dura de dois a três meses durante a cheia de cada ano, sua fecundidade é alta e seus ovos pequenos e sem proteção parental, os ambientes utilizados pela espécie variam sazonalmente e seus mecanismos de dispersão e migração são amplos.

4 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 Ciclo de vida A dourada é um peixe migrador que parece se desenvolver em três regiões diferentes: 1. As cabeceiras – locais de reprodução; 2. O estuário – área de criação e 3. O médio Amazonas para alimentação e crescimento.

5 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 Esse grande bagre percorre de a 5.500Km durante a migração, do estuário (na região de Marajó) até as áreas de desova (Peru), a fim de completar o seu ciclo de vida.

6

7 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 Após a desova, nas cabeceiras dos rios, os ovos e larvas são carreados passivamente pelas correntes do rio, de volta às regiões de criadouro, próximas a foz do Amazonas, onde o ciclo recomeça. Nessa fase pré-adulta os indivíduos vivem no estuário – área de alimentação e crescimento.

8 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 No estuário, as águas ricas em nutrientes do Amazonas encontram as águas oceânicas transparentes, que permitem a penetração de luz necessária para a intensa produção de fitoplancton, o que torna esta área um ecótono de alta produção primária e grande densidade de invertebrados e outros organismos, que servem de alimentação a esses peixes.

9 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 Depois da fase pré-adulta, ainda jovens, os indivíduos se dispersam por um a dois anos nos canais dos grandes rios da Amazônia Central para se alimentar e crescer.

10 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 Quando o nível do rio começa a subir, a dourada que viveu na Amazônia Central durante pelo menos um ano, forma cardumes e se move rio acima procurando as cabeceiras, onde desova. Essa migração dura de 5 a 6 meses.

11 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 Durante a migração para a desova, o grupo de douradas que saiu do estuário vai diminuindo gradativamente (Batista, 2005): Até Santarém - indivíduos entram nos rios Xingu e Tapajós; Até Manaus - indivíduos entram no rio Madeira; Até os Andes - indivíduos entram no rio Japurá-Caquetá, Içá-Putumayo, Purus e Juruá. Até Tabatinga (Alto Solimões ) – pouquíssimos indivíduos chegam.

12 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 Boa parcela do grupo de douradas retorna para o rio onde nasceu (Batista, 2006) Contudo, segundo Ferreira (2005): Estudos genéticos com indivíduos coletados no rio Branco e rio Anauá indicam que não há diferenciação genética significativa e existe grande fluxo gênico entre as localidades. Não há diferenciação genética significativa entre indivíduos estudados na bacia do Rio Branco, em Belém, Tabatinga e no rio Madeira, indicando que a dourada possa compor uma única população panmítica* distribuída nos grandes tributários e no eixo Amazonas/Solimões, incluindo a Bacia do Rio Branco. * População cujos cruzamentos são ao acaso, sem restrição, desde que entre indivíduos da mesma espécie.

13 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 O padrão sugere uma migração preferencial parcial pelos tributários (cores diferentes indicam a variabilidade genética para a população de dourada). Batista et al, 2005 Distribuição dos indivíduos e variabilidade genética da população de dourada ao longo da calha dos rios Solimões-Amazonas e seus afluentes Madeira, Purus, Juruá, Içá e Japurá:

14 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 Número de indivíduos diferentes entre si: Batista et al, 2005

15 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2

16 Problemas no delineamento amostral: (Magnusson & Mourão, 2003; Alcântara Filho, s/data) Delimitação do universo de interesse – desconsiderada a biologia da espécie, sua área de vida e as diversas variáveis que afetam a distribuição e abundância ao longo dos rios da bacia; Escala espacial - a investigação buscava responder uma pergunta sobre a distribuição e abundância da dourada na bacia amazônica, no entanto, alocou unidades amostrais em pontos nos quais estava prevista a construção de barragens; Independência das amostras - há pseudo-repetições espaciais em afluentes onde está prevista a construção de mais de uma barragem – unidades amostrais dependentes entre si);

17 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 Problemas no delineamento amostral: Método de captura - a população da dourada se distribui e se desloca na bacia com indivíduos agrupados por faixa etária; Escala temporal: as douradas ocupam os afluentes nos períodos de migração, para reprodução nas cabeceiras. Para investigar se o afluente é utilizado, a coleta poderia ser nas cabeceiras e ao longo dos meses de reprodução; a migração ocorre de acordo com os ciclos de cheia e seca sazonais e dura de 5 a 6 meses, enquanto as coletas ocorreram durante apenas 5 dias na seca e 5 na cheia, ou seja, metade do esforço de coleta se deu em época inapropriada, quando não haveria migração.

18 Ecologia de Indivíduos e Populações e Ecologia de Comunidades Problema 2 Problemas na análise dos dados: O mapa da Figura 1 aponta apenas 24 unidades amostrais ao invés de 25; Não foram apresentados dados brutos obtidos nas coletas, somente histogramas e box plot..


Carregar ppt "Mestrado Profissional em Ecologia e Biomonitoramento Impacto do plano de aproveitamento energético de uma bacia Amazônica sobre a população de dourada."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google