A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR GESTAR II FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES - FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES - Unidades: 17, 18 e 19 TP5:

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR GESTAR II FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES - FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES - Unidades: 17, 18 e 19 TP5:"— Transcrição da apresentação:

1 PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR GESTAR II FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES - FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES - Unidades: 17, 18 e 19 TP5: ESTILÍSTICA COERÊNCIA TEXTUAL COERÊNCIA TEXTUAL COESÃO TEXTUAL COESÃO TEXTUAL

2

3

4

5 E S T I L O uso individual dos recursos expressivos da língua é o máximo de efeito expressivo que se consegue obter dentro das possibilidades da língua.

6 Oficina: Salve a Sarita ( Lia Zatz) Sarita Sarará das Sardas Senfim Nasceu assim E assim será: Sabe o que gosta Sabe o que quer, Quer ser estrela Do sacolejar. E não quer casar. Sarita cresce Saçaricando sua serpentina, saboreando seu sambar. E não quer casar. Será? Sarita Sarará das QUAIS OS RECURSOS EXPRESSIVOS? Sardas Senfim da Silva É porta-bandeira. E não é mais solteira. Casou-se Com o mestre-sala Da sua gafieira. QUAIS OS RECURSOS EXPRESSIVOS? EFEITO DE SENTIDO? EFEITO DE SENTIDO?

7 Oficina Grupo 1 Pg: 23 AA 5 PROFESSOR 1.Selecione diversas palavras ( VERBOS, SUBSTANTIVOS, ADJETIVOS )que comecem com a letra inicial do nome de um amigo. 2 Usando estas palavras, construam um pequeno poema. SIGA A ESTRUTURA: 1 ª ESTROFE: APRESENTE O AMIGO / CARACTERÍSTICAS 2ª O QUE GOSTA DE FAZER 3ª A SURPRESA/ NOVIDADE/.

8 Grupo 2 OFICINA Pg. 40 AA5 TODA PALAVRA TEM A CARA DE SEU SIGNIFICADO LEIA O TEXTO LEIA O TEXTO USANDO SUA CRIATIVIDADE USANDO SUA CRIATIVIDADE ESCREVA UM TEXTO CITANDO PALAVRAS E AS MOTIVAÇÕES QUE SENTEM NELAS.

9 OFICINA COLETIVA 2 GRUPOS PROVÉRBIOS AAA 5 AULA 4 PROFESSOR Pg.25 TRILHA TRILHA

10 Grupo 3 AA5 Pg 33 Após a leitura dos provérbios,escolha 10 e modifique o final deles criando provérbios mais realistas. Escreva em folha separada.

11 Repetição consciente resulta: efeito de sentido ESTILO e expressividade É preciso conhecer as normas gramaticais para poder transgredi-las propositalmente, de modo que isso se torne qualidade, e não defeito de estilo.

12 Em busca da construção do sentido do texto, o leitor utiliza vários níveis de conhecimentos adquiridos ao longo de sua vida, como: KLEIMAN, A. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. São Paulo: Pontes, KLEIMAN, A. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. São Paulo: Pontes, Conhecimento textual Conhecimento de mundo Conhecimento linguístico,

13 Coerência Textual As partes dessa imagem estão em conflito? Qual o contexto de produção? Todo texto incoerente revela um pensamento incoerente? Analise as imagens. Cadáver esquisito Henri Matisse

14 GRUPO 1 GRUPO 1 OFICINA: TEXTO FATIADO GRUPO 2 OFICINA : QUEBRA - CABEÇA GRUPO 3 OFICINA: HISTÓRIA EM QUADRINHOS SEQUÊNCIA LÓGICA 15 MINUTOS

15 A integração de conhecimentos provenientes de várias áreas e de várias habilidades é a base para a atribuição de coerência aos textos.

16 Coerência Textual Oi que lá vinha pelo rio uma pedra boiando Em riba dessa pedra, três navegador ( * sic) Um deles era cego, nada enxergando O outro não tinha braço pois o trem cortou Mas três o terceiro era o mais sem – vergonha Pois estava nuzinho como Deus criou Olhando para o fundo, olha um tostão! gritou E ouvindo isso o tal sem braço Metendo a mão no fundo o tostão apanhou E o tal que estava nu tendo o tostão tomado Mais que ligeirinho no bolso guardou...

17 Veja o texto: Veja o texto: Havia um menino muito magro que Havia um menino muito magro que vendia amendoins numa esquina das avenidas de São Paulo. Ele era tão fraquinho, que mal podia carregar a cesta em que estavam os pacotinhos de amendoim. Um dia, na esquina em que ficava, um motorista que vinha em alta velocidade, perdeu a direção. O carro capotou e ficou de rodas para o ar. O menino não pensou duas vezes. Correu para o carro e tirou de lá o motorista, que era um homem corpulento. Carregou-o até a calçada, parou um carro e levou o homem para o hospital. Assim salvou-lhe a vida. vendia amendoins numa esquina das avenidas de São Paulo. Ele era tão fraquinho, que mal podia carregar a cesta em que estavam os pacotinhos de amendoim. Um dia, na esquina em que ficava, um motorista que vinha em alta velocidade, perdeu a direção. O carro capotou e ficou de rodas para o ar. O menino não pensou duas vezes. Correu para o carro e tirou de lá o motorista, que era um homem corpulento. Carregou-o até a calçada, parou um carro e levou o homem para o hospital. Assim salvou-lhe a vida.

18 Coerência narrativa Lá dentro havia uma fumaça formada pela maconha e essa fumaça não deixava que nós víssemos qualquer pessoa, pois ela era muito intensa. Meu colega foi à cozinha me deixando sozinho, fiquei encostado na parede sala e fiquei observando as pessoas que lá estavam. Na festa havia pessoas de todos os tipos: ruivas, brancas, pretas, amarelas, altas, baixas, etc. Prof. Diana Luz Pessoa de Barros. In: Platão & Fiorin – Para entender o texto.

19 A harmonia entre as informações que servem de pistas para estabelecer essa continuidade constitui a COERÊNCIATEXTUAL.

20 QUALO EFFEITO DE SENTIDO? QUALO EFFEITO DE SENTIDO? QUAL É A PISTA SUGERIDA PELO AUTOR? QUAL É A PISTA SUGERIDA PELO AUTOR? QUAIS RECURSOS LINGUÍSTICOS ? QUAIS RECURSOS LINGUÍSTICOS ? QUAL O GÊNERO? QUAL O GÊNERO? Veja S.Paulo 04/12/2002

21 COERÊNCIA 1. QUALIDADE,ESTADO OU ATITUDE DE COERENTE. 2. LIGAÇÃO OU HARMONIA ENTRE SITUAÇÕES, ACONTECIMENTOS OU IDEIAS; CONEXÃO, NEXO, LÓGICA ( DICIONÁRIO AURÉLIO ) ( DICIONÁRIO AURÉLIO )

22 COERÊNCIA TEXTUAL CONTEXTO ESPECÍFICO ESPECÍFICO RESPONSÁVEL PELA PELA UNIDADE DE SENTIDO RELAÇÃOHARMÔNICA

23 A COERÊNCIA CONTINUIDADE DE SENTIDOS A UM TEXTO. DEPENDE MULTIPLICIDADE DE FATORES DEPENDE MULTIPLICIDADE DE FATORES : CONHECIMENTO DE MUNDO CONHECIMENTO DE MUNDO EXPERIÊNCIAS PRÉVIAS DAS PESSOAS EXPERIÊNCIAS PRÉVIAS DAS PESSOAS CONTEXTO DE PRODUÇÃO CONTEXTO DE PRODUÇÃO GÊNERO TEXTUAL GÊNERO TEXTUAL

24 TEXTO: UNIDADE UNIDADE DE SENTIDO. ESTÁ LIGADO INTERLOCUTOR AGENTES ENVOLVIDOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDO AUTORES LEITORES

25 Atribuímos, ou não, sentido ao texto CONHECIMENTO PRÉVIO PRÉVIO SEGUINDO PISTAS AO INTERPRETÁ -LO

26 O texto visual está coerente com o texto verbal? Explique como o efeito de sentido pretendido Explique como o efeito de sentido pretendido por essa campanha atinge o leitor. Como a imagem se relaciona com o texto verbal? Gênero textual? Tipo de texto? Como o texto verbal se dirige ao leitor?

27 Coerência figurativa É a articulação harmônica das figuras do texto, com base na relação de significado que mantêm entre si. As várias figuras que ocorrem num texto devem articular-se de maneira coerente para constituir um único bloco temático.

28 A multiplicidade de experiências de mundo serve de base para compor o quebra-cabeças em que se constitui o texto. Quanto maior for a informação do leitor a respeito do tema, maior sua prontidão para interpretar a continuidade de sentidos, a coerência textual.

29 Coerência é uma característica que pode ser construída também na imaginação, nas possibilidades de recriar, por meio de possibilidades de recriar, por meio de imagens,um princípio de interpretabilidade, um fio condutor para a leitura e a interpretação do texto.

30 Câncer Parabéns a VEJA pela excelente matéria Os avanços contra o câncer (edição 55). Muito esclarecedora. Ariádina Schaeffer Volta Redonda, RJ ONDE CIRCULOU O TEXTO? QUE PISTAS CONTEXTUAIS FORAM APRESENTADAS PARA ISSO? COMO O TITULO CONTRIBUI PARA A COERÊNCIA? QUAL O EFEITO DE SENTIDO QUANTO AO USO DAS ASPAS? QUAL É O GÊNERO ?

31 A finalidade está associada ao propósito pelo qual o texto é produzido e veiculado; é a razão que deu origem ao texto e, por isso, faz parte dos aspectos sóciocomunicativos da produção textual.

32 Coerência argumentativa Sempre que vemos, lemos ou interpretamos uma mensagem, seja composta no código linguístico seja em qualquer outro código, procuramos compreendê-la articulando os sentidos das partes com os sentidos do todo.

33 CONVERSA ENTRE PROFESSOR E UM EX-ALUNO - QUEM ESTÁ DANDO AULA DE MATEMÁTICA PARA VOCÊ ESTE ANO? E O ALUNO RESPONDE: - O PROFESSOR EDSON - AH! O EDSON TAMBÉM É UM BOM PROFESSOR. INFERÊNCIAS? USO DE PALAVRAS: FIO CONDUTOR

34 OFICINA COLETIVA ORGANIZANDO IDEIAS O Urubu também comeu e bebeu até não poder mais e não ( ) O Urubu também comeu e bebeu até não poder mais e não viu que o Cururu, aproveitando uma distração sua, se viu que o Cururu, aproveitando uma distração sua, se escondera de novo dentro da viola para tornar a tirar uma escondera de novo dentro da viola para tornar a tirar uma carona na volta para a terra. O Urubu foi, deixando a viola encostada num canto ( ) O Urubu foi, deixando a viola encostada num canto. O Cururu aproveitou para pular da viola sem ser ( ) O Cururu aproveitou para pular da viola sem ser visto e foi se empanturrar com os quitutes da festa visto e foi se empanturrar com os quitutes da festa. ( ) Quando o Urubu chegou ao céu, foi muito bem recebido, pois todos esperavam por ele para começar a dançar o cateretê e a quadrilha. ( )Mas antes o chamaram para beber umas e outras.

35 Coerência textual Um conjunto em que todas as partes se encaixam de maneira complementar de modo que não haja algo destoante, ilógico, contraditório e desconexo.

36 Coerência argumentativa A coerência de um texto não está propriamente no texto, ou na simples organização linguística : é uma qualidade que se constrói na leitura e interpretação dos textos, sejam eles verbais ou não verbais.

37 Construção da Coerência textual É a partir dos conhecimentos que temos que vamos construir um modelo de mundo representado em cada texto – é o mundo textual. Tal mundo, é claro, nunca vai ser uma cópia fiel do mundo real, já que o produtor do texto recria o mundo sob uma ótica ou ponto de vista, dependendo de seus objetivos, crenças, convicções e propósitos. Koch, I. & Travaglia, L.C. A coerência textual. São Paulo: Contexto, p. 63

38 COESÃO TEXTUAL A coesão textual é um mecanismo linguístico que articula as informações de um texto, relacionando sentenças com o que veio antes e com o que virá depois, no propósito comunicativo de, conjuntamente, tecer o texto. A coesão textual é um mecanismo linguístico que articula as informações de um texto, relacionando sentenças com o que veio antes e com o que virá depois, no propósito comunicativo de, conjuntamente, tecer o texto.

39 Coesão é um conjunto de recursos linguísticos que orientam a construção da continuidade de sentidos.

40 A coerência combina os textos com seu exterior com a situação sóciocomunicativa com suas finalidades com seu contexto

41 INTERIOR LIGA AS PARTES A COESÃO COMBINA OS TEXTOS FORMANDO UM TODO

42 A COESÃO TEXTUAL É FATOR DE TEXTUALIDADE SOLIDÁRIO À COERÊNCIA.

43 % MUNDIAL DE ÁGUA % DA POPULAÇÃO GLOBAL O TEXTO ESTÁ COMPLETO? COMO DEVEMOS ENTENDER E INTERPRETAR O TEXTO? HÁ CONTINUIDADE DE SENTIDOS?

44 % MUNDIAL DE ÁGUA % DA POPULAÇÃO GLOBAL TEMOS OUTRAS POSSIBILIDADES DE INDICAR COMO ESSE TEXTO PODE SER INTERPRETADO? (Época, Adaptado)

45 Em uma reportagem a respeito da escassez de água doce no mundo, foram encontrados os seguintes dados a respeito da distribuição de água no mundo por continente.

46 A coesão pode, portanto, ser considerada parceira da coerência nos objetivos de fazer um texto ter sentido porque ela colabora para a interpretação (ou leitura) de um texto. A coesão pode, portanto, ser considerada parceira da coerência nos objetivos de fazer um texto ter sentido porque ela colabora para a interpretação (ou leitura) de um texto.

47 FAÇA A DEPENDÊNCIA ENTRE RECURSOS LINGUÍSTICOS E VISUAIS TRANSFORMANDO UM TEXTO PUBLICITÁRIO, POR EXEMPLO, QUE SE CONSTITUA DE IMAGENS E LINGUAGEM VERBAL, EM UM TEXTO APENAS LINGUÍSTICO. ESCOLHA O GÊNERO ALGUMAS PALAVRAS SÃO IMPORTANTES NA ORGANIZAÇÃO DAS IDEIAS – COMO ALGUMAS PALAVRAS SÃO IMPORTANTES NA ORGANIZAÇÃO DAS IDEIAS – COMO ENTÃO, ENQUANTO ISSO, PORQUE, ACIMA, EM, ABAIXO, ANTES, DEPOIS, ETC. OFICINA

48 COMO PODEMOS INTERPRETAR A PALAVRA ENERGIA DENTRO DO CONTEXTO? O USO DO ARTICULADOR ISSO ESTÁ DE ACORDO COM A NORMA PADRÃO? FOI TANTA ENERGIA QUE RESULTOU NISSO QUE REFERÊNCIA TEM A PALAVRA NISSO NO TEXTO 2? COMO O LEITOR PODE IDENTIFICAR A QUE SE REFERE A PALAVRA CONSUMIDOR? OUVIR O CONSUMIDOR DÁ RESULTADAO E A SADIA ACREDITA NISSO.

49 OPA! ESSA BOIA PARECE GOSTOSA AMIZADA! É O MEU ALMOÇO!! OBA! VOCÊ ALMOÇA TODO DIA! NÃO VAI TE FAZER FALTA! DEVOLVA ISSO A QUE SE REFERE A PALAVRA ESSA NO 2º QUADRINHO? A QUE SE REFERE A PALAVRA ISSO NO ÚLTIMO QUADRINHO? QUE OUTRA PALAVRA SE REFERE À PALAVRA BOIA DO 1º QUADRINHO?

50 A coesão referencial é um processo linguístico que remete a interpretação de um elemento expresso no texto a outro que já foi utilizado para construir esse texto.

51 Diz-se que um item faz referência a outro quando não pode ser interpretado por si mesmo, mas em relação a esse outro;quando a significação de um está associada à significação do outro.

52 TERMOS LINGUÍSTICOS QUE ORIENTAM COMO AS INFORMAÇÕES DEVEM SER ORGANIZADAS SÃO OS ELOS OU LAÇOS COESIVOS, QUE COMPÕEM AS CADEIAS COESIVAS. A natureza gramatical de cada um desses elementos, os elos ou laços coesivos, que compõem as cadeias coesivas A coesão textual é responsável pela ligação das idéias nos textos.

53 OFICINA: TRANSFORME O TEXTO VISUAL EM UM TEXTO VERBAL QUE FAÇA SENTIDO, COLOCANDO AS MESMAS INFORMAÇÕES ARTICULADAS POR MECANISMOS DE COESÃO.

54 1. QUE CLASSE DE PALAVRA SERVIU PARA CONSTRUÇÃO DO TEXTO? 2. O POEMA APRESENTA ELOS COESIVOS PARA ESTABELECER COERÊNCIA E SENTIDO ? 3. OBSERVE A PALAVRA SOL NOS VERSOS DO POEMA. O QUE ELA SUGERE EM CADA VERSO? 4.COMO PODE SER INTERPRETADA A ÚLTIMA ESTROFE? Poesia Concreta rua rua rua sol rua rua sol rua rua sol rua rua sol rua rua rua rua rua rua Ronaldo Azeredo OFICINA COLETIVA

55 AMANHECEU RENATO TEIXEIRA ALMIR SATER OFICINA COLETIVA

56 Amanheceu, peguei a viola botei na sacola e fui viajar botei na sacola e fui viajar Sou cantador e tudo nesse mundo, vale pra que eu cante e possa praticar. A minha arte sapateia as cordas E esse povo gosta de me ouvir cantar. Amanheceu, peguei a viola botei na sacola e fui viajar

57 Ao meio-dia eu tava em Mato Grosso, Do Sul ou do Norte, não sei explicar. Só sei dizer que foi de tardezinha, Eu já tava cantando em Belém do Pará. Amanheceu, peguei a viola botei na sacola e fui viajar botei na sacola e fui viajar

58 Em Porto Alegre um tal de coronel, pediu que eu musicasse um verso que ele fez. Para uma china, que pela poesia, Nem lá em Pequim se vê tanta altivez.

59 Amanheceu, peguei a viola Amanheceu, peguei a viola botei na sacola e fui viajar botei na sacola e fui viajar Parei em Minas pra trocar as cordas, E segui direto para o Ceará. E no caminho fui pensando, é lindo, Essa grande aventura de poder cantar.

60 Amanheceu, peguei a viola Amanheceu, peguei a viola botei na sacola e fui viajar (BIS) Chegou a noite e me pegou cantando, num bailão, no norte lá do Paraná. Daí pra frente ninguém mais se espanta, E o resto da noitada eu não posso contar. Anoiteceu, e eu voltei pra casa, Que o dia foi longo e o sol quer descansar. AMANHECEU... (BIS) 3X ALMIR SATER ALMIR SATER

61 OFICINA COLETIVA 1. POR MEIO DE QUE PALAVRAS OU EXPRESSÕES PODE – SE PERCEBER ONDE ESTEVE O POETA? 2. Daí pra frente ninguém mais se espanta, E o resto da noitada eu não posso contar. COMO PODEM SER INTERPRETADOS OS VERSOS ACIMA (INFERÊNCIAS)? 3.Com qual informação a expressão Daí pra frenteconstitui uma cadeia coesiva? 4. QUE IMPORTÂNCIA TEM PARA O TEXTO A EXPRESÃO ESSE POVO? 5. Que importância tem para o texto os articuladores de tempo?

62 TREM DAS ONZE ADORINAN BARBOSA

63 TREM DAS ONZE TREM DAS ONZE Não posso ficar nem mais um minuto com você Sinto muito amor, mas não pode ser Moro em Jaçanã Se eu perder esse trem Que sai agora às onze horas Só amanhã de manhã 1.ONDE ESTÁ O POETA? 2.QUE PALAVRA OU EXPRESSÃO NOS PERMITE INTERPRETAR O LUGAR? 3. QUE PALAVRA JUSTIFICA O PRIMEIRO ARGUMENTO DO POETA? 4. A EXPRESSÃO COM VOCÊ SE REFERE A QUAL PALAVRA DO TEXTO? 5. ANALISE O EMPREGO DA PALVRA ESSE (4ºVERSO) 6. QUE PALAVRA É RETOMADA PELO PRONOME QUE? 7. QUAL IDEIA FICOU SUBENTENDIDA NO ÚLTIMO VERSO?

64 Além disso mulher, tem outra coisa Minha mãe não dorme enquanto eu não chegar Sou filho único, tenho minha casa pra olhar Não posso ficar, não posso ficar... Não posso ficar nem mais um minuto com você Sinto muito amor, mas não pode ser EM QUAL VERSO A RETOMADA INCLUI O REFERENTE INICIAL? PELO CONTEXTO QUE REFERÊNCIA TEM A PALAVRA ENQUANTO? QUE PALAVRA FICOU SUBENTENDIDA NO 4º VERSO? QUE INFORMAÇÃO DO TEXTO SE RELACIONA AO TÍTULO?

65 Moro em Jaçanã Se eu perder esse trem Que sai agora às onze horas Só amanhã de manhã Além disso mulher, tem outra coisa Minha mãe não dorme enquanto eu não chegar Sou filho único, tenho minha casa pra Olhar Não posso ficar, não posso ficar... Que elemento do 2º verso permite o reconhecimento da progressão sequêncial? Qual é o efeito de sentido que a repetição provoca no texto?

66 Ao retomar a referência de um termo, algumas novas ideias podem ser agregadas ao termo inicial. Por isso, podemos dizer que a referência estabelece-se no desenvolvimento do texto, modificando-se o referente a cada novo nome que recebe ou a cada termo com que o retomamos. Recria-se, assim, no texto, a própria ideia do objeto referido.

67 As várias formas de retomada de referência, desde a mais simples, a mera repetição, até a mais elaborada, têm em comum a função de orientar como o leitor/ouvinte deve interpretar a continuidade de sentidos no texto.

68

69 Coesão referencial sequencial Coesão referencial sequencial coesão referencial remete a interpretação de um elemento expresso no texto a outro que já foi utilizado para construir esse texto. Coesão sequêncial interliga as partes do enunciado, progredindo o desenvolvimento do tema em direção ao objetivo pretendido.

70 A escolha dos conectores É fundamental na formação de um texto. Conferem unidade de sentido

71 Avaliar o encontro. Portifólio ( ?) Próximo encontro: 18/09 02/10 09/10 23/10 30/10 02/10 09/10 23/10 30/10 06/11 13/11 27/11 04/12 ASSUNTO: TP5 UNIDADE 20 Combinados : UM AVANÇANDO NA PRÁTICA TP5 UNIDADES: 17,18 ou 19 Obrigada!


Carregar ppt "PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR GESTAR II FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES - FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES - Unidades: 17, 18 e 19 TP5:"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google