A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1ª Reunião de Acompanhamento do Projeto Novo SCL Abril de 2009

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1ª Reunião de Acompanhamento do Projeto Novo SCL Abril de 2009"— Transcrição da apresentação:

1 1ª Reunião de Acompanhamento do Projeto Novo SCL Abril de 2009

2 Agenda Contexto do Novo SCL Histórico do Projeto Novo SCL
Posição atual do projeto Novo SCL Temas para discussão

3 Contexto do Novo SCL: Visão geral da operação da CCEE
Agentes Produtores Independentes de Energia Auto Produtor de Energia Comercializador Geradores Incentivados Consumidores Livre Consumidores Potencialmente Livre Consumidores Parcialmente Livre Investidores Concessionários de Distribuição Geradores (Concessionários e Autorizados) Necessidades regulatórias (ANEEL, MME) EPE, ONS, Associações Mercado ACL ACR MCP Medição Contratos Preços Contabilização Liquidação Divulgação de Resultados Diretrizes Estratégicas Regras de Comercialização Rotinas e Procedimentos Processos Organizacionais Plataforma Tecnológica SISTEMAS SCL (Sinercom,SCDE,...)

4 O SINERCOM possui vários fatores de risco que podem se realizar em médio prazo
Executamos avaliações internas e com suporte de consultorias que demonstraram os seguintes pontos de atenção no atual sistema de Contabilização e Liquidação (SINERCOM): O SINERCOM está tecnologicamente desatualizado e vários de seus componentes estão obsoletos e/ou descontinuados – a implantação deste sistema ocorreu em 2000 O sistema encontra-se com sua capacidade computacional em fase de esgotamento e vários investimentos já foram executados, nos últimos anos, buscando uma sobrevida aos recursos; A Interação dos agentes com o sistema é insatisfatória e pouco “amigável”. A forma de divulgação de relatórios e a obtenção de dados de contabilização, liquidação e outros serviços não atende às necessidades, segundo pesquisa de satisfação realizada junto à agentes e usuários; O tempo para desenvolvimento, certificação e homologação é elevado, principalmente pela necessidade de tratar todos os módulos da regra em conjunto - o SINERCOM é inflexível; O SINERCOM é baseado numa Arquitetura Tecnológica proprietária (Accenture), o que dificulta a busca de fornecedores para as atividades de adequação às mudanças regulatórias – todos os anos existem investimentos em adequação do SINERCOM às novas regras de comercialização; e A arquitetura do SINERCOM não permite que executemos mais de uma recontabilização ao mesmo tempo, nem em paralelo à contabilização do mês. O que diminui a capacidade de entregar os serviços ao mercado - o SINERCOM causa baixa produtividade.

5 O projeto Novo SCL e as iniciativas estratégias da CCEE
O projeto Novo SCL foi concebido para atender não só as necessidades de tecnologia identificadas, como também para responder às seguintes iniciativas estratégicas da CCEE: Revisar as Regras de Comercialização, tornando-as mais simples; Mapear e aperfeiçoar os Processos da CCEE; Mapear e desenvolver competências organizacionais; Alinhar o modelo de atuação de TI à estratégia e demandas da CCEE; e Desenvolver o novo sistema de Contabilização e Liquidação.

6 Missões do projeto Novo SCL
Permitir à CCEE a flexibilidade necessária para atender às demandas dos próximos anos, no que diz respeito a: Plataforma tecnológica atualizada e independente de fornecedor; Agilidade no desenvolvimento de aplicações; Redução no tempo de certificação de sistemas; e Redução nos tempos de processamento dos sistemas. Garantir a explicitação, a retenção, a correta disseminação do conhecimento de Contabilização e Liquidação na CCEE, incluindo seus processos e rotinas operacionais; e Disponibilizar um sistema que permita uma fácil e objetiva interação com os Agentes.

7 Objetivos do Projeto Novo SCL
Entregar um novo Sistema de Contabilização e Liquidação Entregar um conjunto de Cadernos de Regras de Comercialização, escritos de forma mais detalhada, oferecendo maior clareza, trazendo conceitos acessíveis a um número maior de pessoas e facilitando a disseminação do conhecimento Entregar um novo conjunto de PdC’s que concentre os conceitos em uma quantidade menor de documentos, com um linguagem mais clara, com fluxos padronizados, utilizando a metodologia de processos que está sendo adotada na CCEE e alinhado às Regras e processos da empresa Com uma arquitetura de dados que disponibilize, de forma eficiente, as informações da CCEE aos agentes Que permita a entrada de dados e a extração de informações da maneira mais amigável e segura possível Com utilização de tecnologias orientada a serviços, em uma plataforma tecnológica aberta e em linguagem compatível com as melhores práticas do mercado Que possibilite o atendimento as demandas regulatórias de acordo com suas necessidades e prazos Que otimize os tempos e permita a execução paralela de processamentos Que permita processos rápidos de certificação Regras de Comercialização Simplificação algébrica, tornando-as mais simples e adequada à linguagem matemática Revisão da estrutura e conteúdo dos módulos e sub-módulos por assunto Detalhamento e definição de novo layout para torná-la mais leve e didática Alinhamento à demanda e práticas de mercado Procedimentos de Comercialização Alinhamento às Regras e processos da empresa Reengenharia dos PdC visando aproximação com os processos realizados pelos agentes, Alteração no modelo do documento organizada por assunto, de forma a facilitar a localização e o entendimento dos Agentes para que realizem as operações na CCEE Processos Redesenho dos processos de Contabilização e Liquidação (padronizados, documentados e com indicadores de desempenho claramente identificados) Sistema Nova Plataforma tecnológica atualizada, independente de fornecedor e que permita fácil e objetiva interação com os Agentes Alinhamento ao novo conceito de Regras e PdCs Agilidade no desenvolvimento de aplicações Redução no tempo de certificação de sistemas Redução nos tempos de processamento dos sistemas

8 Além da Dimensão de Tecnologia, outras dimensões da CCEE também serão beneficiadas pelo projeto
Responsabilidades adequadamente distribuídas Disponibilização da informação onde ela é necessária Foco do Projeto Organização / Estrutura Tecnologia E Sistemas Visão integrada dos processos de negócios da empresa Orientação das atividades aos resultados Melhoria nos controles e diminuição dos riscos nos processos Redução de desperdícios (retrabalhos, tempo e sistemas) Profissionais internos e externos capacitados para o novo Modelo de Sistema Competências organizacionais mapeadas e alinhadas Base de conhecimento disponível para a organização Processos Organizacionais Pessoas e Cultura

9 Abordagem do Projeto Novo SCL

10 Organização do Projeto
Responsabilidades : Última instância de decisões Aprovações dos trabalhos Fornecer diretrizes Garantir disponibilidade de recursos Responsabilidades: Comunicação com CAd Verificação de conformidade CAd Comitê de qualidade Gerentes de área Aporte de conhecimento do negócio Validações Gestão do Projeto Gestão da Mudança Gestão de Riscos Gestão de Recursos Gestão do projeto Comitê de validação Responsabilidades : Aporte de conhecimento do negócio Desenvolver e entregar os produtos do projeto de acordo com plano de trabalho Equipe de trabalho multidisciplinar

11 Equipe de trabalho multidisciplinar
Grupo do Projeto - O “Core Team” profissionais da CCEE, com larga experiência em sua área de conhecimento, que tem a missão de coordenar e garantir a entrega dos produtos do projeto, além de interagir com suas áreas de origem durante o decorrer do projeto, levando a evolução e trazendo novas demandas e sugestões Recursos das áreas de negócio – 15 profissionais da CCEE que apoiarão o projeto principalmente em atividades de validação, validação pelos usuários e certificação. Profissionais externos – serviços contratados com força de trabalho equivalente a 60 profissionais que comporão a equipe do projeto, durante todo o desenvolvimento do tempo, porém em datas e com alocações diferentes. Serão especialistas das áreas de tecnologia, Regras, Medição e Capacitação.

12 Orçamento 2009 Desenvolver Novo Sistema de Contabilização e Liquidação (SCL) R$ Aquisição de Hardware R$ Aquisição de software R$ Treinamento R$ Mão-obra-externa TI R$

13 SITUAÇÃO ATUAL DO PROJETO

14 Visão Geral do projeto Novo SCL
Planejamento Estratégico Agente Genérico Topologia Patamarização Simplificação de Regras Contratos Sucessão Dimensões do projeto Produtos do projeto Dimensões do projeto Diretrizes Estratégicas Regras de Comercialização Álgebra Simplificada Caderno Detalhado de Regras Rotinas e Procedimentos Novo conjunto de PdC´s ANTE-PROJETO Processos Organizacionais Processos Organizacionais (2011) Plano detalhado e Orçamento Execução do projeto Tecnologia Plataforma tecnológica atualizada Contabilização Julho / 2011 Novo sistema de Contabilização e Liquidação Novo modelo de divulgação de resultados

15 Macro-cronograma

16 Planejamento do Projeto Novo SCL
Principais atividades na linha do tempo Regras de Comercialização e PdC´s Processos Sistemas Relatórios Desenvolvimento da Simplificação de Regras – Álgebra Simplificada : Medição Física e Contábil Contratos e Resarcimento Modulação de Energia Assegurada, MRE e Garantia Física Cálculo de Exposições (Excedente financeiro) ESS (Encargos de Serviços do Sistema) Apuração das diferenças e pré-fatura Ajuste de Contabilização e Recontabilização Penalidades MCSD Liquidação Desenvolvimento do Caderno Detalhado de Regras (mesmos componentes da lista acima) Ajuste Regras 2010 Levantamento, identificação de melhorias e documentação dos processos que impactam o sistema Novo SCL : Gerir Adesão de Agentes Gerir Cadastro de Medição Apurar Geração e Consumo de Energia Gerir Contratos ACR e ACL Contabilizar mercado Gerir Liquidações Financeiras Gerir penalidades Definição da arquitetura de serviços (Novo SCL e Relatórios) Especificação, desenvolvimento do núcleo do sistema : Agentes Contratos Contab – Energia Assegurada Contab – Excedente Financeiro Testes Ajustes do núcleo para Regras 2010 Levantamento de Requisitos e Análise de Soluções Análise de informações existentes / necessárias

17 Planejamento do Projeto Novo SCL
Principais atividades na linha do tempo Regras de Comercialização e PdC´s Sistemas Relatórios Ajuste Regras 2010 Desenvolvimento da Simplificação de Regras – Álgebra Simplificada : Garantias Reajuste de Receita de Vendas Votos Sobrecontratação 103% Desenvolvimento do Caderno Detalhado de Regras (mesmos componentes da lista acima) Desenvolvimento dos cadernos de PdC´s Ajuste Regras 2011 Ajustes do núcleo para Regras 2010 Testes dos seguintes componentes: Contratos Contab – Energia Assegurada e Excedente Financeiro Especificação, desenvolvimento e testes dos seguintes componentes: Contab (ESS, Consolidação de resultados e ajustes) Liquidação MCP Liquidação MCSD MCSD Mensal Cobrança de Penalidades Garantias Financeiras Penalidades Desconto Especificação, desenvolvimento da integração do sistema Novo SCL com sistemas periféricos : TUSD/TUST, CPEN, MRA, SOMA, RRV,SGC Certificação: Contab / Recontab Penalidades / Desconto RRV Conversão de base histórica de dados Ajustes para Regras 2011 Levantamento das necessidades com público interno e externo Definição de ferramenta Especificação de solução Desenvolvimento e Testes

18 Planejamento do Projeto Novo SCL
Principais atividades na linha do tempo Regras de Comercialização e PdC´s Sistemas Relatórios Ajuste Regras 2011 – Álgebra Simplificada Ajuste Regras 2011 – Caderno Detalhado de Regras Ajuste PdC´s para Regras 2011 Capacitação de agentes Ajustes dos sistema desenvolvidos para atender a Regras 2011 Especificação, desenvolvimento e testes dos seguintes componentes: MCSD Ex-Post MCSD 4% MCSD Itaipu MCSD Trocas Livres Especificação, desenvolvimento e testes da integração do sistema Novo SCL com sistemas periféricos : Preço e 103% Testes da integração do sistema Novo SCL com sistemas periféricos : Votos, CPEN, Soma, SGC. Certificação Regras 2011 Conversão Base Histórica Operação em modo “PARALELO” Capacitação de Agentes Operação assistida com agentes Operação do sistema Novo SCL a partir de Agosto/2011, contabilizando o mês de Julho/2011 Implementação Ações de Transição

19 temas a serem discutidos

20 Visão Geral do projeto Novo SCL
Planejamento Estratégico Agente Genérico Topologia Patamarização Simplificação de Regras Contratos Sucessão Dimensões do projeto Produtos do projeto Dimensões do projeto Diretrizes Estratégicas Regras de Comercialização Álgebra Simplificada Caderno Detalhado de Regras Rotinas e Procedimentos Novo conjunto de PdC´s ANTE-PROJETO Processos Organizacionais Processos Organizacionais (2011) Plano detalhado e Orçamento Execução do projeto Tecnologia Plataforma tecnológica atualizada Novo sistema de Contabilização e Liquidação Novo modelo de divulgação de resultados

21 1ª Reunião Novo SCL Agente Genérico
Alteração na forma de tratamento de agentes com perfis de geração e consumo, agentes vinculados e associados, reestruturação do cadastro, otimização na disponibilização de relatórios e na interface com o sistema. Modelagem de Ativos - Topologia Representação dos pontos de medição física em estrutura hierárquica em árvore. Patamarização em Bloco Realização dos cálculos por patamar, com exceção dos casos onde seja necessária a apuração por hora.

22 Agente Genérico Perfis "G" e "D"
Eliminação dos perfis “G” e “D” para um mesmo Agente Situação Atual Situação Proposta Agente X Perfil de Geração Agente X Perfil de Distribuição Agente X ~ ~ Contabilização Contabilização VÍNCULO PENALIDADE MCSD EX POST ENCARGOS LIQUIDAÇÃO LIQUIDAÇÃO

23 Agente Genérico Perfis "G" e "D"
VÍNCULO PENALIDADE MCSD EX POST ENCARGOS Situação Atual Agente X Perfil de Geração Perfil de Distribuição Contabilização LIQUIDAÇÃO ~ Situação Proposta Eliminação dos perfis “G” e “D” para um mesmo Agente Quem tem dois perfis? Agentes com ativos de consumo e geração. Ex.: Autoprodutores, Geradores que atendam consumidores. Agentes (sem ativos ou com apenas um tipo de ativo) que utilizam os perfis para separar/agrupar contratos. Qual o impacto? Regras de comercialização devem ser adequadas. Adequação das necessidades dos Agentes

24 Agente Genérico Perfis "G" e "D"
Exemplo do Impacto em Regras Situação Atual Situação Proposta Geração Geração Spot Perfil “G” Carga Contrato Contrato Liquidação Carga Spot Perfil “D” Contrato Spot Balanço Energético Contrato

25 Agente Genérico Associados
Agente Associado: Agente criado para representação de filiais localizadas em submercado diferente do qual a matriz está localizada. A obrigatoriedade de adesão na CCEE de consumidores livres teve início em 2004, conforme art. 50 do Decreto 5163/04, sendo nesse período discutida a forma de tratamento dessa categoria de Agentes e, entre outras questões, houve grande repercussão a representação de consumidores livres com filiais, ou seja, com mais de um ponto de consumo, sendo que em alguns casos esses pontos de consumo estão em submercados diferentes. Na Nota Técnica 061/2005 SEM/ANEEL, resultado da Consulta Pública 003/2005, a ANEEL apresentou a seguinte diretriz para o tratamento a ser dado aos agentes nessa condição: “ A maioria das contribuições se refere à questão de adesão à CCEE de empresas com matriz e filiais. De uma maneira geral, a proposta das associações e dos agentes é que o PdC Ag.01 não exija a adesão tanto da matriz quanto de suas filiais. Quanto a esse aspecto a SEM entende que cabe à CCEE demonstrar, por meio de documento fundamentado, que consumidores que pretendem registrar na CCEE e na ANEEL contratos como se fossem um só agente podem ser assim caracterizados, respeitados a legislação e regulamentação, assim como as diretrizes expressas no Ofício nº 393/2005-SEM/ANEEL” 393/2005-SEM/ANEEL: “Caso algum consumidor esteja apresentando à CCEE contratos, em que vários de seus pontos de medição estão agrupados como se fossem um só consumidor, cabe a esta Câmara comprovar à ANEEL que: Esses diferentes pontos de medição (ou unidades consumidoras) constituem uma mesma empresa (mesmo CNPJ); Ou seja, exigir a adesão individual de cada um deles obrigaria a abertura de uma nova empresa apenas com este fim, o que não é nossa pretensão; e Os diferentes pontos de medição estão em um mesmo submercado.”

26 Agente Genérico Associados
Situação Atual Contratos Contratos Contratos Agente X Principal Agente X Agente Associado 1 Agente X Agente Associado 2 Submercado Norte Submercado Sul Submercado Sudeste Contabilização Penalidades LIQUIDAÇÃO

27 Agente Genérico Associados
Situação Proposta Contratos Carga Sudeste Contratos Carga Sul Contratos Carga Norte Agente X Principal Submercado Sudeste Submercado Norte Submercado Sul Contabilização Penalidades LIQUIDAÇÃO Fica a possibilidade de adesão de Matriz e Filial prevista no PdC.AG.01

28 Agente Genérico Vinculados
Situação Atual Agente X En.Convencional Agente X1 En.Incentivada 50% Agente X2 En.Incentivada 100% Contabilização LIQUIDAÇÃO Situação Proposta Agente X Perfil convencional Perfil Incentivado 50% Perfil Incentivada 100% Contabilização LIQUIDAÇÃO

29 Agente Genérico Perfis "G" e "D"
Ganhos Otimização na: administração dos Agentes, uma vez que o cadastro será unificado sem duplicação de informações disponibilização de resultados aos Agentes Interface do Sistema

30 1ª Reunião Novo SCL Agente Genérico
Alteração na forma de tratamento de agentes com perfis de geração e consumo, agentes vinculados e associados, reestruturação do cadastro, otimização na disponibilização de relatórios e na interface com o sistema. Modelagem de Ativos - Topologia Representação dos pontos de medição física em estrutura hierárquica em árvore. Patamarização em Bloco Realização dos cálculos por patamar, com exceção dos casos onde seja necessária a apuração por hora.

31 Conceitos Topologia Representação dos pontos de medição física em estrutura hierárquica em árvore. Identificação do valor consumido ou gerado por um ativo, excluindo a influência de outros pontos de medição Representação próxima ao “mundo físico”

32 Topologia ~ ~ ~ ~ ~ TOPOLOGIA Exemplo Rede Básica Rede Básica Nível 1
Barra 1 Nível 2 Nível 2 ~ Barra 2 Nível 3 ~ ~ Ponto de Medição de Consumo Ponto de Medição de Geração Ponto de Medição de Fronteira

33 PM1ajustado = PM1 – (PM2+PM3)
Topologia Exemplo Diagrama Unifilar Rede Básica PM1 PM2 PM3 ~ ~ ~ ~ ~ Modelagem Atual Modelagem Proposta Rede Básica Rede Básica Cálculo Geral da topologia PM1 M1 = PM1 Medição ajustada de qualquer ponto de medição será a medição do ponto menos a medição dos pontos decendentes. PM1ajustado = PM1 – (PM2+PM3) ~ M2 = PM2 + PM3 M3 = M1 + M2 PM2 PM3 ~

34 Topologia Ganhos Desenho da topologia em árvore proposta, simplifica a visualização da modelagem dos ativos dos agentes e sua relação com a Rede Básica. Modelagem atual é uma tradução discricionária do modelo físico. Representação próxima ao “mundo físico”

35 1ª Reunião Novo SCL Agente Genérico
Alteração na forma de tratamento de agentes com perfis de geração e consumo, agentes vinculados e associados, reestruturação do cadastro, otimização na disponibilização de relatórios e na interface com o sistema. Modelagem de Ativos - Topologia Representação dos pontos de medição física em estrutura hierárquica em árvore. Patamarização em Bloco Realização dos cálculos por patamar, com exceção dos casos onde seja necessária a apuração por hora.

36 PATAMARIZAÇÃO POR BLOCO
PATAMARIZAÇÃO ATUAL = LEVE MÉDIO PESADO LEVE MÉDIO PESADO PATAMARIZAÇÃO POR BLOCO PESADO MÉDIO LEVE = LEVE MÉDIO PESADO

37 Patamarização Dados Entrada Cálculos Resultados por bloco Base horária
Medição Resultados Base horária Pontos que exijam valores horários (Ex. Penalidade de Potência) Pontos calculados por patamar. Ex.: posição líquida no spot . Resultados por Bloco Contratos Base horária Resultados Base horária Resultados por bloco

38 Patamarização Performance do sistema
Ganhos Performance do sistema Precisão nos cálculos (arredondamento).

39 Dúvidas

40 Próximos passos 2ª. Reunião com Agentes do Novo SCL – 16/04/2009

41 OBRIGADO ! ! !


Carregar ppt "1ª Reunião de Acompanhamento do Projeto Novo SCL Abril de 2009"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google