A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Imagem Paralela e Imagem Acústica SABOYA, Jackson. Manual do Autor-roteirista. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2001.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Imagem Paralela e Imagem Acústica SABOYA, Jackson. Manual do Autor-roteirista. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2001."— Transcrição da apresentação:

1 Imagem Paralela e Imagem Acústica SABOYA, Jackson. Manual do Autor-roteirista. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2001.

2 A linguagem visual sonora da Imagem Acústica A imagem acústica é a imagem criada pela nossa imaginação, depois de ouvirmos um som que nos ligue a uma referencial. A imagem acústica é a imagem criada pela nossa imaginação, depois de ouvirmos um som que nos ligue a uma referencial. Referencial: tempo, modo, espaço ou ambiência. Buscar exemplos. Referencial: tempo, modo, espaço ou ambiência. Buscar exemplos. Música: volume aumentando lentamente e os compassos se acelerando: provoca tensão, expectativa. Música: volume aumentando lentamente e os compassos se acelerando: provoca tensão, expectativa. Diálogo de duas pessoas enquadradas em planos fechados + sons de gaivota: saberemos que o diálogo acontece numa ambiência perto de mar, de porto etc. Diálogo de duas pessoas enquadradas em planos fechados + sons de gaivota: saberemos que o diálogo acontece numa ambiência perto de mar, de porto etc.

3 Som: capacidade de induzir cenas imaginárias! Os sons podem enfatizar modos, marcar tempo, épocas e locais. Os sons podem enfatizar modos, marcar tempo, épocas e locais. O signo sonoro pode mobilizar uma audiência. Ele pode reforçar, fortalecer o impacto da mensagem. O signo sonoro pode mobilizar uma audiência. Ele pode reforçar, fortalecer o impacto da mensagem. Produz emoções no receptor. Produz emoções no receptor. A imagem acústica pode ser construída em diversas formas e situações. É sempre formada pela imaginação de quem ouve! Obs. Todo som é um signo icônico, no entanto, ele torna-se simbólico quando agregado a um significado coletivo. EX. som de telefone, sirene de ambulância etc. Exemplo da sonoplastia da época do ouro da Rádio-novela.

4 Classificação dos sons Sons factuais: Sons factuais: Ao acaso. Sons naturais. É um som sem produção. Ao acaso. Sons naturais. É um som sem produção. Seletivo: sons naturais que permitem identificar um tipo particular de ruído, de som. Seletivo: sons naturais que permitem identificar um tipo particular de ruído, de som.

5 Sons atmosféricos: Sons atmosféricos: 1) Realístico: seleção deliberada de um tipo de som realístico que sugere, em particular, um som muito próximo do que se quer. Ex. som de moinho dá água: palhetas. 2) Fantasia: distorção deliberada da realidade estimulando a imaginação de quem ouve, através de associações. Ex. grito de gaivota para sugerir peixes, num barco pesqueiro. Obs. Aqui o receptor completa o sentido da mensagem. Constrói o significado a partir de seu repertório sígnico-cultural. 3) Abstração: sons que estimulam idéias e emoções através de ritmos, tons, compassos etc. Ex. música concreta. Obs. Escutar música erudita construindo o significado sugerido. 4) Produzidos: são sons não naturais, elaborados ou distorcidos através de qualquer recurso: mecânico, computador, humano etc.

6 Imagem Paralela Subjetivo! É no som do silêncio que o real se mistura com a ficção. Subjetivo! É no som do silêncio que o real se mistura com a ficção. É na intenção do som do silêncio que vemos a imagem paralela, aquela que está fora dos vídeos, fora das telas. Está nos referenciais dentro de nós, escondida no inconsciente! É na intenção do som do silêncio que vemos a imagem paralela, aquela que está fora dos vídeos, fora das telas. Está nos referenciais dentro de nós, escondida no inconsciente!

7 Universo artificial. Não há referencial na realidade. O referencial está em nossa imaginação. Ex. personagens de novela que dizem que vão viajar. Batem a porta...vemos um avião decolando. Pronto: já imaginamos outro lugar ( a próxima cena pode acontecer no mesmo estúdio!) Universo artificial. Não há referencial na realidade. O referencial está em nossa imaginação. Ex. personagens de novela que dizem que vão viajar. Batem a porta...vemos um avião decolando. Pronto: já imaginamos outro lugar ( a próxima cena pode acontecer no mesmo estúdio!) Universo artificial! Imagem paralela é o próprio discurso da imagem. Universo artificial! Imagem paralela é o próprio discurso da imagem. Obs. Nós completamos a cena com nossa imaginação. Obs. Nós completamos a cena com nossa imaginação. Carlitos nos deixou uma imagem paralela: memória de um homem humilde, do povo, explorado! Carlitos nos deixou uma imagem paralela: memória de um homem humilde, do povo, explorado!

8 Imagem Acústica e Imagem paralela A imagem acústica induz à imagem paralela! Ex. da cena da novela Mulheres Apaixonadas. Cena em que o marido bate na esposa. Não vimos a cena, ouvimos só os sons... A imagem acústica induz à imagem paralela! Ex. da cena da novela Mulheres Apaixonadas. Cena em que o marido bate na esposa. Não vimos a cena, ouvimos só os sons... Imagem acústica: imaginamos a violência contra a personagem. Imagem paralela: mobilizações de revolta, emoções de identificação, etc. Imagem acústica: imaginamos a violência contra a personagem. Imagem paralela: mobilizações de revolta, emoções de identificação, etc.

9 Personagens andam em ambientes indefinidos, intermediários. Personagens andam em ambientes indefinidos, intermediários. Há músicas para identificar personagens e moradias. Há músicas para identificar personagens e moradias. Para sair de casa basta passar pela porta. Para sair de casa basta passar pela porta. Viagem: tomada no avião. Viagem: tomada no avião. Imagem paralela induzida pela imagem acústica que determina os espaços, os locais. Imagem paralela induzida pela imagem acústica que determina os espaços, os locais. Voz de Iris Lettieri anunciando saídas e chegadas de aviões. Plano fechado: imagem acústica e paralela: imaginamos o Aeroporto Internacional do Rio. Voz de Iris Lettieri anunciando saídas e chegadas de aviões. Plano fechado: imagem acústica e paralela: imaginamos o Aeroporto Internacional do Rio.

10 As funções dos Sons Som factual: veicula informações diretas. Ex. fala norma, um discurso, uma ação. Som factual: veicula informações diretas. Ex. fala norma, um discurso, uma ação. Som Ambiental: determina a ambiência onde se passa a ação ou ações. ( ruídos) Som Ambiental: determina a ambiência onde se passa a ação ou ações. ( ruídos) Som Interpretativo: idéias, pensamento e sentimentos. Ex. modulação musical, passagem anunciando zombaria, estereótipos etc. Som Interpretativo: idéias, pensamento e sentimentos. Ex. modulação musical, passagem anunciando zombaria, estereótipos etc. Som simbólico: lugares, modos, acontecimentos. Ex. som de alarme que denota o esperado; alto-falante> aeroporto. Som simbólico: lugares, modos, acontecimentos. Ex. som de alarme que denota o esperado; alto-falante> aeroporto. Imitação: sintetizador imitando o barulhos de trem. Imitação: sintetizador imitando o barulhos de trem. Identificador: associado com determinadas pessoas ou acontecimentos: ex. : vinhetas e música, ou frases musicais. Identificador: associado com determinadas pessoas ou acontecimentos: ex. : vinhetas e música, ou frases musicais. Rememorador: reativa nossas lembranças com sons apresentados anteriormente. Ligação de cenas, eventos ex. Fazer com o som uma ponte de uma cena sobre outra. Rememorador: reativa nossas lembranças com sons apresentados anteriormente. Ligação de cenas, eventos ex. Fazer com o som uma ponte de uma cena sobre outra. Montagem: sucessão ou mixagem de sons arranjados para efeitos dramáticos ou cômicos. Montagem: sucessão ou mixagem de sons arranjados para efeitos dramáticos ou cômicos.


Carregar ppt "Imagem Paralela e Imagem Acústica SABOYA, Jackson. Manual do Autor-roteirista. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2001."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google