A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Brasil dos Viajantes Descrição da fauna brasileira nos primeiros anos de colonização.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Brasil dos Viajantes Descrição da fauna brasileira nos primeiros anos de colonização."— Transcrição da apresentação:

1 O Brasil dos Viajantes Descrição da fauna brasileira nos primeiros anos de colonização

2 Viagem à Terra do Brasil Na narrativa de Jean de Léry em Viagem à Terra do Brasil publicado em França em 1578, pode ler-se uma descrição da existência de monstros que amedrontavam as pessoas (Léry, 1980: 164): Disse-me ele que, estando certa vez com outros em uma de suas canoas de pau, por tempo calmo em alto mar, surgiu um grande peixe que segurou a embarcação com as garras, procurando virá-la ou meter-se dentro dela. Vendo isso, continuou o selvagem, decepei-lhe a mão com uma foice e a mão caiu dentro do barco; e vimos que ela tinha cinco dedos como a de um homem. E o monstro, excitado pela dor pôs a cabeça fora dágua e a cabeça, que era de forma humana, soltou um pequeno gemido.

3 Monstra marina e terrestria na Cosmographia de Sebastian Münster de 1550.

4

5

6

7

8 Manatí Fuente: Francisco Hernández, Rerum medicarum Novae Hispanae thesaurus, edición de 1651.

9 O tapirussú, de pêlo avermelhado e assaz comprido, do tamanho mais ou menos de uma vaca, mas sem chifres, com pescoço mais curto, orelhas mais longas e pendentes, pernas mais finas e pé inteiriço com a forma de casco de asno. Pode-se dizer que, participando de um e outro animal, é semivaca e semi-asno. Difere entretanto de ambos pela cauda, que é muito curta (há aqui na América inúmeras alimárias sem cauda), pelos dentes que são cortantes e aguçados; não é entretanto animal perigoso, pois só se defende fugindo. Anta

10 Incorporado à nossa cultura como sinônimo de atitude traiçoeira, o famoso abraço de tamanduá é uma de suas facetas mais conhecidas, como relatava, em 1806, o alferes poeta Joaquim José Lisboa, em sua Descrição Curiosa da Capitania de Minas Gerais: tem grandes forças, e não é animal muito bravo; se sucede ser acometido de onça ou lobo, não lhes foge; antes, os espera constantemente, sustentando-se logo e abrindo os braços; mal que a onça se chega a ele para o matar, ele se abraça com ela fortissimamente, e vai apertando logo; urram ambos; e raivosa a onça crava-lhes os dentes, as unhas, e o sacode forte, porém o tamanduá apertando-a inda mais, lhe vai também cravando as fortes unhas que tem até as entranhas; e, introduzindo-lhes a comprida e áspera língua que tem pelo nariz, lhe chega aos miolos; e sem se poder safar um do outro, morrem ambos. É certo que esta contenda ninguém a observa ao princípio, porém tem-se achado muitos pelos campos mortos nesta figura, abraçados com as onças, elas com eles; mas afirmam alguns campinos terem observado esta briga andando pelo campo, e acudindo aos urros que ambos dão. Tamanduá

11 Imaginário francês sobre o Brasil (séculos XVI a XVIII)

12 PRANCHAS CIENTIFICAS

13 Louis Agassiz Peixes do Brasil 1829

14

15

16 Johann Baptist von Spix

17 Em 1821, o barão Georg Heinrich von Langsdorff ganhou financiamento do czar da Rússia para empreender uma expedição do Rio de Janeiro ao Pará, percorrendo 17 mil quilômetros de terras do interior do País.

18

19

20 Diário do barão Langsdorff, rio Tietê, 23 de junho de Quando a gente se banha em lugar de poucas piranhas o perigo é diminuto, mas mesmo assim é preciso cobrir com as mãos as partes pudendas, porque por ali é que elas atacam. O senhor barão foi mordido, sem contudo sofrer grande mal, porque pulou fora da água. O peixe não se despegou senão alguns instantes depois; correu sangue e cinco dentes ficaram bem marcados.

21 Carta do biólogo Luiz Riedel, Vila Bela, Mato Grosso, 8 de março de 1827, noticiando a morte do pintor Adrien Taunay a um seu parente Acabrunham-nos as enfermidades. Os mosquitos causam duros sofrimentos, não nos dando a menor trégua. Chove torrencialmente há dois dias, e até o que temos dentro das barracas está molhado. A caça e a pesca nada produzem, tornando a parada intolerável. Vimo-nos reduzidos a comer carne de macacos. Nesse lugar se manifestou a doença do senhor Langsdorff, com a perda de memória das coisas recentes e o completo transtorno das ideias, devido às febres intermitentes. Essa perturbação obrigou-nos a por termo à viagem, cujo plano era vastíssimo. Diário de Hércules Florence, 7 de maio de 1828, no Salto Augusto, rio Juruena. Com pesar, devo informar a Vossa Excelência que encontrei o senhor Langsdorff numa situação completamente miserável. Privado de todas suas capacidades mentais, ele age como uma criança, não pode ocupar-se de absolutamente nada e tampouco consegue conversar.


Carregar ppt "O Brasil dos Viajantes Descrição da fauna brasileira nos primeiros anos de colonização."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google