A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

BREVE INTRODUÇÃO A SOCIOLOGIA Prof. Ms. Paulo Venício.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "BREVE INTRODUÇÃO A SOCIOLOGIA Prof. Ms. Paulo Venício."— Transcrição da apresentação:

1 BREVE INTRODUÇÃO A SOCIOLOGIA Prof. Ms. Paulo Venício

2 TEORIA E CIÊNCIA Generalizações, ou lei: é a descoberta de relações,( semelhanças, contrastes) mais ou constantes entre os fatos.(p.16) As leis não são totais ou absolutas, isto é, há sempre há alguma exceção. (p.16)

3 Que é Teoria? É um conjunto de leis que procuram explicar a realidade, os fatos concretos e singulares. Quando exitem algumas generalizações, ou lei, sobre determinada realidade, há uma teoria.(p17) Ciência é um conjunto de teorias (que por sua vez, são um conjunto de leis) que tentam explicar a realidade. Não há verdade absoluta.

4 IDEOLOGIAS

5 CONCEITO Significado etimológico – estudo das idéias. Sentido positivo – conjunto de idéias, valores, maneira de pensar de pessoas e grupos. Sentido negativo – idéias erradas, incompletas, distorcidas, falsas sobre fatos e a realidade. O conceito se liga a questão como nós sabemos das coisas e quem é que nos diz as coisas. É preciso ver se aqueles que nos dizem apenas metade das coisas, ou só um jeito de ver as coisas.

6 TRANSMISSÃO E REPRODUÇÃO DA IDEOLOGIA Através da linguagem e da comunicação, que também são produções históricas, são transmitidos significados, representações e valores existentes em determinados grupos; é a ideologia do grupo. A reprodução ideológica se manisfesta através de representações que a pessoa a elabora sobre si mesma, sobre os homens, a sociedade, a realidade, enfim, sobre tudo aquilo a que implícita ou explicitamente são atribuídos valores.

7 TRANSMISSÃO E REPRODUÇÃO DA IDEOLOGIA A ideologia está presente na superestrutura, que são as instituições políticas, jurídicas, morais. Já no plano psicológico individual, as ideologias se reproduzem em função da história da vida e da inserção específica de cada pessoa. No plano pessoal, o indivíduo pode se tornar consciente ao detectar as contradições entre as representações que existem na sociedade ou no plano superestrutural, e as atividades específicas que ele desempenha na produção de sua vida material.

8 TRANSMISSÃO E REPRODUÇÃO DA IDEOLOGIA Há uma dominação ideológica que se dá em plano sociológico e ela é detectada pela análise das relações existentes entre as classes sociais. Há dominação ideológica que se dá no plano individual é detectada na análise das instituições que prescrevem os papéis sociais, as funções de cada pessoa, e acabam determinando as relações sociais de cada indivíduo.

9 SOCIOLOGIA: TEORIA E IDEOLOGIA

10 Etimológico – estudo do social, ou da sociedade, ou de tudo que se refira a mais pessoas, não a uma só...busca-se uma sociologia que não apenas explique como é, mas que ajude a mudar, uma sociologia que leve à ação, uma sociologia que provoque, uma sociologia do presente, do agora.

11 TEORIAS SOCIOLÓGICAS 1. Positivista – Funcionalista Positivismo é uma palavra que vem do latim, do particípio passado do verbo, por, colocar, em latim o particípio passado é positum, que quer dizer posto, colocado. Esta teoria é chamada de positivismo por que ela supõe, implica, ou pressupõe, que a realidade é o que está ai, isto é, a realidade se resume, pois no que nós vemos, apalpamos, no que existe ai.

12 TEORIAS SOCIOLÓGICAS 1. Positivista – Funcionalista A realidade, e, principalmente a sociedade, é o que esta ai também, mas o que está estruturado duma forma especial. Tudo que esta ai forma um sistema organizado, em que tudo tem sua função..E essa função é para alguma coisa, isto é, dirigida para o todo, que no caso pode ser sistema social, ou qualquer sociedade ou organização. O funcionalismo tem como sinônimo organicismo e o biologismo.

13 O pressuposto, isto é, aquilo que não é dito, mas é aceito, da teoria positivista funcionalista é de que tudo está organizado, tudo está equilibrado e tudo procura uma harmonia. Sob o aspecto ético o normal, ou seja, bom é que a coise funcione e permaneça do jeito como está.

14 MUDANÇA NA SOCIEDADE...só pode haver mudança se a coisa toda mudar, isto é, se a coisa deixar de existir. Mudança, é sinônimo de morte, e so pode vir de fora. Pois se a sociedade é como um corpo, o normal é que funcione, isto é, que viva... é impossível uma mudança que venha de dentro, pois seria algo contra a natureza da coisa, que, por si mesma, deve funcionar e ser sempre o que é.

15 A TEORIA HISTÓRICO - CRÍTICA Pressuposto – é que tudo que é criado é histórico, isto é, o que é criado não é eterno, apareceu, e vai desaparecer. Por isso mesmo é transitório, isto é, histórico. Sé é histórico é relativo, não é absoluto. Um é o oposto do outro. Se não é absoluto, falta algo que lhe complete, isso é, é incompleto, contém em si mesmo a sua incompletude, não é total. Para ela ser completa ela precisa de algo mais, que é o seu negativo.

16 Essa teoria histórica fica, pois, continuamente nos provocando e chamando atenção para essa coisa fundamental e importante: ainda há algo para ser feito, para ser completado. Ainda há o não completo', ou o negativo, da coisa, pois tudo é histórico.... As vezes o que não é dito é mais importante do que é dito para se poder entender a coisa como ela deveria ser entendida ou compreendida.

17 Um outro nome para essa teoria é de crítica. Crítica vem do grego krinein, que significa julgar....visão crítica é a convicção de que tudo que é histórico, possui ao menos dois lados; que nada é absoluto, total....

18 A realidade não se restringi ao que e agora, mas é também o que existirá, e esta ainda em germe, em gestação, no presente. A teoria histórico crítica incorpora dentro do conceito de realidade o projeto, o futuro. A mudança faz parte da própria teoria, … pois a mesma é sempre possível, a medida que a coisa se completa. Sendo que as coisas não estão nunca prontas, acabadas, elas vão mudando a medida em que vão se aperfeiçoando, em que vão superando a contradição interna, que existe entre as coisas, pelo fato mesmo de não serem totais e acabadas.

19 A sociologia crítica é aquela que vai na essência da coisa, e que não fique apenas na aparência;...nunca se deixa absolutizar, por nada, procurar sempre o vazio, o escondido de tudo o que existe, pois tudo é relativo.

20 Sociedade: sistema ou modo de produção

21 Quando falamos em sociedade, geralmente empregamos o termo sistema social. Dizemos que as sociedades são sistemas sociais específicos, determinados por diferentes fatores, que distinguem, dessa maneira, um sistema social de outro.

22 Que significa, ou implica, o uso do termo sistema? O normal é nos imaginarmos um conjunto inter-relacionado de coisas, ligadas e dependentes umas das outras, todas com sua função determinada, formando um uma unidade específica e completa, fechada sobre si mesma. O sistema é tanto mais perfeito quanto mais os subsistemas, ou os diversos elementos que formam essa sociedade, se inter-relacionarem, e quanto melhor cada um deles, cumprir sua função.

23 Há razões de se chamar os diversos tipos de sociedade de modo de produção. Um dos pressuposto. É o de que nunuma sociedade pode existir e estruturar a não ser a partir da sobrevivência, isto é, da produção.... Nenhuma sociedade pode subsistir sem produção, que é o motor da sociedade... Segundo pressuposto que é histórico, estabelece que para compreender uma sociedade em sua essência e profundidade é preciso ver quem a gerou... ir logo ao anterior, ao que determinou e condicionou essa sociedade que está ai.

24 A TEORIA DO MODO DE PRODUÇÃO

25 TRABALHANDO CONCEITO O conceito é igual a um nome, ou a uma pessoa... Na medida em que discutirmos os conceitos, os relacionamos. Da relação (junção) de uns com os outros, irá aparecer uma espécie de instrumento para análise da sociedade. O que é necessário para viver?... muitas coisas, mas principalmente comer. Como se consegue as coisas para comer? Trabalhando(C.1). O trabalho é o ponto fundamental, e á chave de tudo..., a chave da questão social. Trabalhando onde? Na terra (C2) e nas fábricas (C3).

26 O nome mais comum para se designar terras e fábrica, e todo elemento material que de qualquer maneira produz alguma riqueza é meios de produção(C4). Que é o que produz riqueza. Outro conceito que serve para designar elementos materiais que produzem riqueza, é o capital (C5).

27 Como poderia se chamar os meios de produção e o capital? É força de produção ou forças produtivas(C6). Qual o elemento fundamental que fez com que as sociedades se organizassem? As diversas formações sociais, se organizaram, a partir da maneira como conseguiram as coisas fundamentais para sobreviver, ou seja o modo de produção(C7).

28 E o que faz a vida do grupo, sua vivência, é aquele encadeado, aquela trama de relações, que constitui a alma do grupo....Em filosofia se quer que relação é a ordenação intrínseca de uma coisa em direção a outra coisa. Marx relação gera o adjetivo relativo e se contrapõe a absoluto. Relações de produção(C8)

29 ESQUEMA INSTRUMENTAL PARA ANÁLISE DA BASE DE UMA SOCIEDADE Modo de Produção Relações de Produção Forças de Produção Meios de Produção ou Capital(Terras e Fábricas)

30 CAPITALISMO

31 DISTINÇÃO ENTRE SISTEMAS O que estabelece a distinção entre um sistema e outro são as relações de produção? Isto é como o capital e o trabalho se relacionam. Agora qual a relação entre o trabalho e o capital? Para entender o nome que vamos dar a essa relação é preciso alguma coisinha mais. Essa coisinha é: o que dá valor a todas as coisas? O valor econômico é o resultado do trabalho humano.

32 DISTINÇÃO ENTRE SISTEMAS Valor é diferente de preço que é diferente de utilidade. É o trabalho humano que produz todo o valor, toda riqueza. No sistema capitalista a relação ente capital e trabalho é de expropriação e exploração, isto é, a relação pela qual um tira uma coisa do outro. Para que haja dominação e exploração é necessário que o trabalho e o capital estejam separados

33 MAIS VALIA É o lucro líquido que sobra, depois de descontadas todas as despesas

34 CLASSE SOCIAL

35 Teorias de Classe Social 1º teoria – é aquela que diz ser a classe social determinada pela renda da pessoa, profissão e educação. 2º Teoria – afirma que o determinante duma classe social é o padrão de vida, o padrão cultural. 3º Teoria – a sociedade está dividida nos donos da produção e trabalhadores.

36 Para Max a questão que imediatamente se coloca é está: que é uma classe social? A resposta a essa pergunta decorre da que damos a outra: o que é que transforma os operários assalariados, os capitalistas e proprietários de terra em classe sociais?

37 Ideologia das classes O conceito de classe tem sido utilizado de forma descritiva e estática. A mudança nas duas primeiras teorias favorece a fortificação do sistema, em manutenção e legitimação. Ao buscar mudança na base, ou seja na posição que cada indivíduo ocupa, isso favorece a mudança na estrutura na estrutura social. A classe média é um mito, pois serve para dividir os trabalhdores.

38 INFRA – ESTRUTURA E SUPERESTRUTURA: SUAS RELAÇÕES

39 Infra-estrutura e superestrutura As forças e relações de produção que constituem o fundamento, a base da sociedade. Os fundamentos de uma sociedade, ou seja a infra-estrutura é constituída pela produção: as forças de relações de produção. A superestrutura é toda a camada superior, muita das vezes não é concreta e palpável, mas é muito real e eficiente (leis, o direito, a moral, as normas as legislação, as explicações, os mitos, lendas, as tradições, os códigos de lei diversos tipos e as ideologias)

40 O que determina em primeiro lugar: a Infra-estrutura e superestrutura 1º o mecanismo determinista, ou o determinismo mecanicista, segunda essa posição é sempre a infra-estrutura que determina tudo. 2º Culturalismo. Realça a importância da superestrutura na determinação dos fenômenos. 3º A teoria da autonomia relativa da superestrutura. Segundo essa posição, não se pode negar que a infra estrutura possui uma importância imprescindível.


Carregar ppt "BREVE INTRODUÇÃO A SOCIOLOGIA Prof. Ms. Paulo Venício."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google