A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Complexo Hospitalar Universidade Federal do Rio de Janeiro

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Complexo Hospitalar Universidade Federal do Rio de Janeiro"— Transcrição da apresentação:

1 Complexo Hospitalar Universidade Federal do Rio de Janeiro
Comissão de Implantação: Presidente: Nelson Albuquerque de Souza e Silva Alexandre Pinto Cardoso Marcelo Land

2 Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Rio de Janeiro
CHUFRJ Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Rio de Janeiro INDC

3 Principios para o Complexo Hospitalar da UFRJ

4 Principios para o Complexo Hospitalar da UFRJ

5 Principios para o Complexo Hospitalar da UFRJ

6 Principios para o Complexo Hospitalar da UFRJ

7 Gastos com Saúde A Realidade orçamentária O Brasil e o Mundo

8 Gastos com Saúde Evolução dos custos de assistência médica e odontológica nos EUA Fonte: Health Care Costs Survey - Towers Perrin 2008

9 Gasto em Saúde no Ano de 2002 * Dados do Ano de 2001

10 Gasto em Saúde X PIB no Ano de 2006
Brazil 6,600 Adaptado por João Manoel Pedroso com Fontes do IBGE- SIOPS-MS

11 Gastos com Saúde Evolução dos gastos de assistência médica e odontológica na Brasil Fonte: MS-SIOPS/SPO-SE/FNS O Montante global Per Capita gasto no sistema privado é semelhante ao público o que Significa que não ultrapassa R$1000,00/hab./ano ou inferior a U$500,00/hab/ano

12 Projeção de gasto com medicamentos
Estimativa de elevação de gastos com medicação Período : 50%

13 The Lancet Journal Volume 363, Number 9427     26 June 2004 Medicine and health policy
French government approves unpopular health reforms On June 16, the French Cabinet approved controversial health-care reforms in a bid to reduce its annual deficit of E13 billion, which is threatening to bankrupt the system. "The reforms guarantee the future of our health-care system and equal treatment for all French people", president Jacques Chirac told ministers. The reforms were voted in despite receiving strong criticism from trade unions, which claim the plan puts most of the health burden on patients and hits the weakest hardest. Ministers expect the changes will mean savings of up to E16 billion a year by The plans include: computerising patient records, encouraging patients to visit their family physician before going to specialists, promoting the use of cheaper generic drugs, and making patients pay a small charge of E1 charge for each visit to a doctor. That charge "is more a sign of taking responsibility than a real financial issue", says Health Minister Philippe Douste- Blazy. This would allow doctors to check whether a medical examination has already been done or whether someone has visited other doctors to get sick-leave authorisation. From now on, family doctors will have responsibility for referring any patient to a specialist. Without this referral, patients will either pay more for the visit or will be reimbursed less. Bruno Fron, a general practitioner in Paris, says: "It is essential that going to the doctor should cost something, to make people realise what they are getting.” Xavier Bosch

14 Previsão de Aumento de Gastos X Arrecadação
nos próximos anos Arrecadação Gastos O Sistema caminha para um desequilíbrio sustentado

15 O Complexo Hospitalar da UFRJ e o Sistema de Saúde da Cidade do Rio de Janeiro

16 Necessidades básicas do SUS
Leitos: Aumento de leitos clínicos Readequação leitos cirúrgicos e pediátricos Perfil, TMP, fusão de serviços Oferta de procedimentos obstétricos de AC Cadastramento de leitos / acreditação Emergência e SIPAC Retaguarda resolutiva para Unidades com U/E Adequação dos perfis Produção x Capacidade Instalada Ajuste da Capacidade Instalada

17 Necessidades básicas do SUS
Ambulatório: Ampliação da Rede Básica Garantia de capacitação e resolutividade Formação de profissionais para a AB / PSF Maior oferta e regulação de Exames de MC Aumento de oferta e Regulação Alta Complexidade Oferta de procedimentos para a Cidade e o Estado Regulação de procedimentos pela Rede Municipal Introdução de Protocolos Análise crítica da incorporação tecnológica

18 O Paradigma de Gestão Complexo Hospitalar da UFRJ

19 + Capacidade instalada Estado de Equilíbrio Integração das
Leitos Salas de atendimento Equipamentos Unidades de suporte CTI, U.C., Centro Cirúrgico Capacidade operacional Pessoal Insumos Equilíbrio financeiro Performance da Unidade Gastos x Produção x Qualidade Assistencial Unidades Acadêmicas Estado de Equilíbrio Integração das unidades do C.Hosp. + CH X SUS

20 Serviços Oferecidos Ano 2008

21 Desafios do Complexo Hospitalar
Missão acadêmica X assistencial Oferta de serviços de alta complexidade ao sistema SUS Avaliação de incorporação tecnológica Formação de profissionais conforme perfil epidemiológico Generalistas PSF Ensino Pesquisa Assistência

22 Docentes Ano 2008

23 Necessidade de integrar e ajustar o perfil das unidades do Complexo Hospitalar da UFRJ

24 Classificação Hierárquica de Unidades em Rede
1 SIPAC Média Complexidade PS 2 CMS 3 4 5 6 7 8 POLICLÍNICA MATERNIDADE APAC CAPS CASA DE PARTO UI H. ESPEC. Psiquiatria Cuid. Prolong. USF AC UTI Autorizações Especiais Alta Complexidade Hospitais Especializados; SADT SADT Básico em Unidade Hospitalar Alta Ambulatório Especialidade Sem SADT HOSP. Assistência Ensino e pesquisa

25 Classificação da Insuficiência Cardíaca American College Of Cardiology / American Heart Association D Unidade Quaternária Alta Complexidade . Internações repetidas . Transplantes Assistência C Unidade Terciária . Cansaço aos esforços . Edema dos membros inferiores Ensino e pesquisa Média Complexidade B Unidade Secundária . Aumento do coração (hipertrofia) . Infarto prévio . Insuficiência de Válvula Cardíaca A Atenção Básica . Hipertensão arterial . Diabetes Mellitus . Doença arterial coronariana assintomática Unidade Primária

26 D C B Equilíbrio do Sistema A Hosp. Universitários Institutos Alta
Complexidade Unidade Quaternária Assistência C Unidade Terciária Ensino e pesquisa Média Complexidade Hospitais Municipais B PAM CMS Unidade Secundária A PS Atenção Básica PSF Unidade Primária

27

28

29 Orçamento resumido das Unidades Ano 2008

30 Leitos 420 459 383 735 R$-Leito ,00 ,00 ,00 ,00

31 Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Rio de Janeiro CHUFRJ
Proposta de organização

32 Conselho Universitário Complexo Hospitalar (CH) Estrutura Orçamentária
UFRJ Conselho Universitário Cons. Curadores Reitoria CSCE CEG CEPG PR1 PR2 PR3 PR4 PR5 SG6 ETU PU CCMN CLA CFCH CCJE CCS CT FCC NOVO Complexo Hospitalar (CH) Estrutura Orçamentária UFRJ UFRJ CH Dispõe de : Unidade Orçamentária própria Unidade de Pagamento de Pessoal Unidade Gestora

33 Conselho Pleno Complexo Hospitalar da UFRJ Conselho Diretor
FMedicina EEAN INJC Conselho Pleno FF FO ESS IPsic IESC Representação da Comunidade Universitária e Usuária Conselho Diretor HUCFF IPPMG INDC ME IG IPUB HESFA IDT ICES Conselho Administrativo Conselho Acadêmico e Assistencial Diretoria Executiva

34 Centro Acadêmico Hospitalar
Complexo Hospitalar UFRJ Centro Acadêmico Hospitalar Conselho Pleno do Complexo Hospitalar Conselho Administrativo Conselho Acadêmico Assistencial Conselho Diretor Diretoria Executiva Assessoria Especial Ouvidoria Comissões Especificas Direção de Gestão Administrativa Direção Acadêmico e Assistencial

35 Unidade de Serviço Hospital / Ambulatório
DIREÇÃO GERAL 1. DIREÇÃO MÉDICA 2. DIREÇÃO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA 1.1. SADT 2.1. Apoio Técnico - Administrativo 1.2. Clínicas Cirúrgicas 1.3. Centro Cirúrgico 1.4. Tratamento Intensivo 1.5. Especialidades Clínicas de Internação 1.6. Medicina Física e Reabilitação 1.7. Pacientes Externos 1.8. Vigilância em Saúde 1.9. Serviços de Apoio Técnico

36 1.1 Serviços e Atos Diagnósticos e Terapêuticos (SADT)
Unidade de Serviço 1. DIREÇÃO MÉDICA 1.1 Serviços e Atos Diagnósticos e Terapêuticos (SADT) 1.1.1 Imagenologia 1.1.2 Apoio Diagnóstico e Terapêutico Patologia Clínica Tomografia Computadorizada Anatomia Patológica Necrotério Ultra-sonografia Métodos Gráficos Ecocardiograma ECGrafia Teste Ergométrico EEGrafia ENMiografia Ultra-sonografia Geral Hemoterapia Radiologia Endoscopia Digestiva / Per-oral Per-oral Digestiva Broncoscopia Radiologia Intervencionista Colonoscopia Hemodiálise Fisioterapia Hemodinâmica Terapias Especializadas Diagnose Dispensação Órtese e Prótese

37 Produção Unidades Acadêmicas
Ensino e Pesquisa

38 Complexo Hospitalar da UFRJ

39 Célula da Unidade Acadêmica
RECURECURSOS HUMANOS - Profissionais de Nível Superior . Professores . Técnico-administrativos - Profissionais de Nível Básico (Médio e Fundamental) CONTRATO DE MANUTENÇÃO AMPOLA DO TOMÓGRAFO INSUMOS INPUT TOMOGRAFIA OUTPUT - PRODUTOS NÚMERO DE PROCEDIMENTOS REALIZADOS Ex: - Tomografia Craniana Multidirecional (Planigrafia) Tomografia Renal sem Contraste, etc REHUF NÚMERO DE ALUNOS DA GRADUAÇAO TREINADOS NÚMERO DE ALUNOS DA PÓS GRADUACAO TREINADOS PRODUCAO CIENTIFICA – Teses, pappers, etc AVALIACAO DE INSERCAO TECNOLOGIA

40 das Unidades Acadêmicas
Exemplo de Integração das Unidades Acadêmicas

41 Complexo Hospitalar da UFRJ
Apoio Técnico Administrativo Especialidades Clínicas Cirúrgicas Medicina Física e Reabilitação Vigilância em Saúde Serviços de Apoio Técnico Pacientes Externos Especialidades Clínicas de Internação Tratamento Intensivo e Semi-intensivo Centro Cirúrgico Document. Médica Insumos Estratégicos Controle e Avaliação Serviços Gerais Gestão de Pessoas Serviço Social Esteril./Cen-tral Material Nutrição e Dietética Saúde do Trabalhador CCIH Vigilância Epidemiol. Ambulatório Reabilitação Motora ReabilitaçãoAuditiva Tratamento Intensivo Trat. Semi-Intensivo Anestesiologia Apoio Material Clínica Geral Dermato-logia Hemato-logia Pneumologia Cardiologia Geriatria Endocri-nologia Gastroen-terologia Apoio Diag. e Terapêutico Emergência Imagenologia Buco Max. Facial Serviços e Atos Diagnós- ticos e Terapêuticos(SADT) AIDS Hanseno-logia Oncologia Neurologia Nefro Urologia Nefrologia Urologia Cirurgia Geral Cardio- logia Gineco-logia Oftalmo-logia Ortopedia Traumat. Otorrino Neuroci-rurgia Torácica Plástica Trans-plante Comunicações Complexo Hospitalar da UFRJ Hospital Universitário Clementino Fraga Filho

42 Complexo Hospitalar da UFRJ
Ambulatório Vigilância em Saúde Serviços de Apoio Técnico Pacientes Externos Serviços e Atos Diagnós- ticos e Terapêuticos(SADT) Document. Médica Insumos Estratégicos Controle e Avaliação Serviços Gerais Gestão de Pessoas Apoio Técnico Administrativo Apoio Diag. e Terapêutico Serviço Social Esteril./Cen-tral Material Nutrição e Dietética CCIH Especialidades Clínicas de Internação Neurologia Centro Cirúrgico Anestesiologia Apoio Material Especialidades Clínicas Cirúrgicas Neuro Cirurgia Neuro Pediatria Imagenologia Complexo Hospitalar da UFRJ Instituto de Neurologia Deolindo Couto Neuro Pediatria

43 Complexo Hospitalar da UFRJ Instituto de Psiquiatria - IPUB
Ambulatório Vigilância em Saúde Serviços de Apoio Técnico Pacientes Externos Serviços e Atos Diagnós- ticos e Terapêuticos(SADT) Document. Médica Insumos Estratégicos Controle e Avaliação Serviços Gerais Gestão de Pessoas Apoio Técnico Administrativo Apoio Diag. e Terapêutico Serviço Social Esteril./Cen-tral Material Nutrição e Dietética CCIH Especialidades Clínicas de Internação Psiquiatria

44 Exemplo de Integração das Unidades Acadêmicas
Oferta ampliada para ensino, pesquisa e assistência - Função matricial do Complexo Hospitalar - Otimização dos recursos físico-financeiros. Neurologia Psiquiatria Neuro-psiquiatria Neurociências Tratamento do Idoso - demências - depressão Reabilitação Maior integração ao SUS Necessidade de atender a população cada vez mais idosa Integra diversas especialidades como: neurologia, neurocirugia, Psicologia, psiquiatria, reabilitação, Neurociências. Amplia a capacidade de ensino e pesquisa

45 4. 1 Comissões Permanentes
Garante a existência e otimização das Comissões Permanentes – certificação HE (MEC/MS) Comissão da Unidade ou do Complexo Hospitalar 4. 1 Comissões Permanentes Comissão de Ética Comissão de Óbitos 4.1.2 Comissão de Ética em Pesquisa Comissão de Revisão de Prontuários Comissão de Mortalidade Materna e de Mortalidade Neonatal Comissão de Transplantes e captação de Órgãos Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Comitê Transfusional Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional Comissão de Documentação Médica e Estatística

46 Contratos de Metas Unificado

47 Situação Atual Nove unidades do complexo
4 unidades com contratos de metas Contrato de gestão Diretrizes Valores globais Intercâmbio no treinamento Adicional seguindo a lógica da produção (FIDEPS) Plano Operativo Annual (POA) Tetos financeiros limitados a cada unidade Produção – Valores financeiros – Regulação de procedimentos

48 Unidade Funcional Modelo de Unidade Funcional Direção das 9 unidades
Pactos internos Grupo Gestor do Complexo Hospitalar (CH) Repactuação / ajuste de perfil Representantes do CH (n=3) Negociação única com o Gestor Pleno Negociação com outras instâncias SES MS Ciência e Tecnologia Outras agências de formento

49 Contrato de Gestão Único
Integração do CH POA único Garantia de teto financeiro único Melhoria imediata no financiamento Pactuação integrada de atividades Ex: neurocências Metas de qualidade assistêncial

50 Exemplo – POA integrado
Procedimento HUCFF IPPMG H.D.Couto Hosp Y. Internação CM 200 100 20 Tomografia 300 US 50 Consulta Neurologia 250 Proced X Proced Y Proced Z

51 Uso da Medodologia do SIMEC
Substituir o modelo FIDEPS Baseado apenas na produção Evoluir no conceito de Universidade A participação para a sociedade não é meramente baseada na producão/oferta de procedimentos Produção científica Direcionada às demandas do SUS. Treinamento graduação Treinamento pós-graduação Treinamento da Rede Formação de força de trabalho para o SUS Repactuar os valores sob nova ótica, considerando ensino, pesquisa e extensão.

52 O Complexo Hospitalar da UFRJ O Momento de mudar e avançar


Carregar ppt "Complexo Hospitalar Universidade Federal do Rio de Janeiro"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google