A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS-SP

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS-SP"— Transcrição da apresentação:

1 PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS-SP
CENTRO DE REFERÊNCIA E TREINAMENTO DST/AIDS-SP PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS-SP

2 HISTÓRIA 1980: Primeiro caso de aids no Brasil (SP)
1983: Programa Estadual Aids, Instituto de Saúde, Instituto de Infectologia Emílio Ribas, Instituto Adolfo Lutz 1986: Coordenação Nacional DST/Aids 1988: CRT Aids-SP - Serviço e Coordenação de Aids 1998: CRT DST/Aids-SP torna-se a Coordenação do Programa Estadual DST/Aids-SP

3 MISSÃO PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS-SP
Diminuir a vulnerabilidade da população do Estado de São Paulo em adquirir Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e HIV/aids; buscar a melhoria da qualidade de vida das pessoas afetadas e reduzir o preconceito, a discriminação e os demais impactos sociais negativos das DST/HIV/aids, em consonância com os princípios do SUS

4 Assessoria de Imprensa / /Comunicação CRT DST/AIDS Diretoria Técnica
Informática - Infraestrutura - Sistemas Assessoria de Imprensa / /Comunicação CRT DST/AIDS Diretoria Técnica Unidade de Pesquisa de Vacina em HIV Ouvidoria . Assessoria de Pesquisa Gerência de Vig. Epidemiológica Gerência de Ass. Integral à Saúde Gerência de Apoio Técnico Gerência de Recursos Humanos Gerência Administrativa Inform. Educ. e Comunicação Vig. e Controle de DST/Aids Ambulatório de HIV e especialidades Informações (SAME) Desenv.de RH Finanças Populações mais Vulneráveisl Controle de Infecções Hospitalares Atendimento Extra Farmácia Dep. Pessoal Compras e Gestão de Contratos Atenção Básica Ambulatório de Hepatites Controle de Medicamentos Eng. e Seg. e Med. Trabalho Infra-Estrutura Internação . Laboratório . Treinamento Atividades Complementares ADT Biblioteca Projetos de ONG’s DST e CTA Diagnóstico por Imagem . Coordenação de enfermagem Coordenação de Saúde Mental Monitoramento e avaliação Hospital-Dia e Pediatria Ambulatório de .Saúde Integral a Travestis e Transexuais Comunicação Interna Unidade de Ensaios Clínicos Gestão de equipamentos Gerência de Planejamento Articulação com OSC Supervisão de Nutrição Gerência de Prevenção

5 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS
Lei Federal 8080 (1989) – Sistema Único de Saúde (SUS) “Saúde é um direito de todos e dever do Estado” – acesso gratuito e universal Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde Princípios .Universalidade .Integralidade .Equidade .Participação social .Descentralização .Hierarquização Secretarias Estaduais de Saúde Conselho Estadual de Saúde Secretarias Municipais de Saúde Conselho Municipal de Saúde 70% da pop brasileira utiliza o SUS quase 100% para terapias de alto custo 5

6 BRASIL - PANORAMA DA EPIDEMIA
Estimativa de infectados pelo HIV: Prevalência da infecção pelo HIV**: 0,42% (pop. 15 a 49 anos, 2010) - fem. 0,31% - masc. 0,52% Casos acumulados de aids (06/2012): Taxa de incidência de aids (por 100 mil hab) 2009 – 18,8 Nº óbitos por aids acumulados ( ): 2010 – – Taxa de mortalidade (por 100 mil habitantes) 2010 – 6, ,3 Fonte: MS/SVS/Departamento de DST, Aides e Hepatites ViraisPN DST/AIDS-MS *Casos notificados no SINAN, registrados no SISCEL/SICLOM até 30/06/2011 e SIM de 2000 a 2009. Dados preliminares para os últimos 5 anos. ** Estudo Sentinela Parturientes, 2006.

7 POPULAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO
41,3 milhões de habitantes (22% da pop do país) - censo 2010 Número de municípios: 645 Densidade demografica: 167,90hab/km² Responsável por 31% do PIB do Brasil PIB per capita ,00r$ Expectativa de vida ao nascer: 74,8 anos em 2009

8 ESTADO DE SÃO PAULO - PANORAMA DA EPIDEMIA
casos acumulados de 1980 a junho de 2012* Taxa de Incidência em ,5/100mil sexo masculino Taxa de Incidência – 2011: 26,0/100mil sexo feminino Taxa de Incidência : 11,4/100mil  óbitos por aids acumulados de 1981 a 2012 Taxa de Mortalidade em 2011: 7,2 /100mil 3.006 óbitos em 2011   Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIP-Aids) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação SEADE MS/SVS/Departamento Nacional de DST, Aids e Hepatites Virais '(**) Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (SEADE), sujeitos a revisão mensal

9 Estimativa da prevalência de HIV
Grupos Específicos UD: 5,9% Bastos,EI. Taxas de infecção de HIV e sífilis e inventário de conhecimento, atitudes e práticas relacionadas as IST entre usuários de drogas em 10 municípios brasileiros. Relatório téncico,2009. HSH: 10,5% Kerr,L. CAP e prevalência de HIV e sífilis entre HSH em 10 cidades brasileiras. Relatório técnico,2009. Profissionais do sexo: 4,9% Szwarcwald,CL. Taxas de prevalência de HIV e sífilis e CAP de risco relacionadas as IST nos grupos de Conscritos (Exército ª): 1,16% 9

10 Taxa de Incidência de aids por 100 mil habitantes-ano e razão de sexo (%) por ano de diagnóstico, Estado São Paulo, 1980 a 2010* casos (30/06/12) 2009 TI= 21,4 Masc = 28,3 Fem= 14,9 Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIPAIDS) – Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação Seade; MS/SVS/Departamento Nacional de DST, Aids e Hepatites Virais Notas: *Utilizada projeção populacional da Fundação Seade ** Dados preliminares até 30/06/2011 (SINAN) e 31/12/2009 *Seade), sujeitos a revisão mensal 10

11 Taxa de Mortalidade por aids (por 100 mil habitantes-ano) segundo sexo e ano de óbito, estado de São Paulo, 1988 a 2010 Até óbitos acumulados 2011 * – óbitos TM =7,1/100mil hab.-ano 8 óbitos/dia Fonte: Fundação Seade 11

12 Objetivos do Plano Estratégico – Estado de São Paulo
Até 2015 reduzir para 15% o diagnóstico tardio de HIV e aumentar em 100% a população testada para HIV pelo menos uma vez na vida no Estado Até 2015 reduzir para 2 crianças HIV+/100 mães soropositivas e reduzir para 0,5/1000 nascidos vivos a taxa de incidência da sífilis congênita Aprimorar a Saúde Integral das PVHIV nos serviços da rede especializada de saúde. Reduzir a morbi-mortalidade por causas relacionadas à infecção pelo HIV e demais eventos associados ao tratamento antirretroviral. Ampliar e qualificar as ações de prevenção, assistência e tratamento das DST /HIV/AIDS para Gays, outros HSH e Travestis, considerando as demandas e especificidades desse grupo populacional. Promover políticas e ações intersetoriais para a redução das vulnerabilidades as DST/HIV/AIDS vivenciadas por Gays e outros HSH e Travestis. Diminuir a incidência do HIV entre as mulheres Aumentar o acesso das mulheres as ações de prevenção, diagnóstico e tratamento às DST/HIV/AIDS e à saúde sexual e reprodutiva contemplando, situações específicas de vulnerabilidade. 12

13 Aids em Homens com 13 anos ou mais segundo categoria de exposição e ano de diagnóstico, estado de São Paulo, 1980 a 2010* Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIP-Aids) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação SEADE (**) Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (SEADE), sujeitos a revisão mensal

14 Aids em Homens que fazem sexo com homens (HSH) segundo faixa etária (anos) e ano de diagnóstico, estado de São Paulo, 1980 a 2010* Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIP-Aids) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação SEADE (**) Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (SEADE), sujeitos a revisão mensal

15 Casos notificados de gestantes infectadas pelo HIV segundo ano de diagnóstico, estado de são paulo, * Total= casos Fonte: SINAN- PEDST/Aids-SP '(**) Dados preliminares até 30/06/11, sujeitos a revisão mensal

16 Casos notificados de crianças com AIDS por transmissão vertical, estado de São Paulo, 1987 a 2010
Fonte: SINAN-ESP – VE-PEDST/AIDS-SP 16

17 Casos de gestantes com sífilis, segundo municípios e serviços de notificação, por ano de diagnóstico, estado de São Paulo, casos (30/06/12) % dos mun. ESP Fonte: SINAN-ESP – VE-PEDST/AIDS-SP * Dados preliminares até 30/06/2012, sujeitos a revisão mensal 17

18 Casos de sífilis congênita, sífilis em gestante e tx de incid por 1000 nascidos vivos-ano, segundo ano de diagn, estado de SP, ↑ 86% casos (30/06/12) Fonte: SINAN-ESP – VE-PEDST/AIDS-SP e Fundação Seade 18

19 Eliminação da TV do HIV:
2 crianças HIV+/100 mães soropositivas Eliminação da Sífilis Congênita: 0,5 caso em nascidos vivos

20 SERVIÇOS DE SAÚDE DST/HIV/AIDS NO ESTADO SP
200 Unidades ambulatoriais HIV/aids 130 Centros de testagem e aconselhamento em 95 municípios 31 Hospitais-Dia 26 Assistência Domiciliar Terapêutica 580 HIV/AIDS leitos 645 municípios – pelo menos 1 serviço de DST (abordagem sindrômica) 20

21 importados (exclusivos)
MEDICAMENTOS ARV INIBIDORES DE PROTEASE Indinavir Ritonavir Saquinavir Lopinavir/r Fosamprenavir Atazanavir Darunavir Tipranavir INIBIDORES DE T. REVERSA Zidovudina (azt) Didanosina ec (ddi ec) Lamivudina (3tc) Estavudina (d4t) Zid.+Lam. (Azt+3tc) Abacavir Tenofovir Nevirapina Efavirenz Etravirina INIBIDOR DE FUSÃO Enfuvirtida INIBIDOR DE INTEGRASE Raltegravir importados (exclusivos)

22 82.000 Nº PACIENTES EM TRATAMENTO ANTIRRETROVIRAL NO ESTADO SP
Fonte: CRT DST/Aids-SP

23 SOBREVIDA EM AIDS Sobrevida mediana de pacientes de aids
na região Sudeste do país Diagnosticados em Não se atingiu a mediana de sobrevida em 9 anos de observação, pois 59,4% dos pacientes sobreviveram 108 meses (Guibu et al 2009)

24 FIQUE SABENDO Tabela comparativa das cinco edições da Campanha Fique Sabendo 2008 a 2012 Perfil das pessoas testadas Campanha 1 Campanha 2 Campanha 3 Campanha 4 Campanha 5 % da pop envolvida 88,6% 93,1% 95% No. de unid. participantes 1.557 2.485 3.468 2.963 3.314 No. de exames realizados (Convencional & TRD HIV) 120 mil 200 mil 223 mil 150 mil No. de TRD HIV 7 mil 18 mil 35 mil 40 mil % de HIV + 179 casos ~ 730 casos TRD HIV = Total ~ 840 TRD HIV = Total ~ 647 TRD HIV = Total ~ 507

25 AMBULATÓRIO DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA
Criado em abril de Equipe multiprofissional Oferece: Aconselhamento e orientação à casais sorodiscordantes Orientação para auto inseminação Lavagem de esperma Foram atendidos 328 casais, com 13 gestações, 06 nascimentos e 06 gestações em evolução (03/2013)

26 Criado em junho de 2009 - Equipe multiprofissional Oferece:
AMBULATÓRIO PARA SAÚDE INTEGRAL PARA TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Criado em junho de Equipe multiprofissional Oferece: Atendimento em cardiologia, oftalmologia, endocrinologia, urologia, proctologia, ginecologia, fonoaudiologia, otorrinolaringologia, psicologia e psiquiatria, clínica médica, enfermagem, imunização - Avaliação e encaminhamento para cirurgia de redesignação sexual. Assessoria jurídica e geração de renda Cerca de usuários matriculados: 65% se denominam transexuais (55 homens trans); 30% travestis  e 5 % indefinidos

27 PESQUISA DEFINIÇÃO DE PROTOCOLOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS
Trabalhos com o objetivo de responder as principais questões nas áreas clínica, sociocomportamental e epidemiológica, ou Ensaios clínicos da indústria farmacêutica que ofereçam expansão do acesso, benefícios financeiros e conhecimento tecnológico. PROTOCOLOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS Vacina anti HIV (rede de estudos de vacina HVTN – HIV) Estudos clínicos de drogas ARV Prevalência do HPV Rede de Diversidade Genética Viral (VGDN) PESQUISA

28 POLÍTICA DE INCENTIVO ÀS AÇÕES EM DST/Aids
O Estado de São Paulo conta com 145 municípios qualificados na Política de Incentivo. Cabe à Coordenação Estadual de DST/Aids o suporte para o Planejamento e o monitoramento das ações em DST/aids destes municípios.

29 Processos de descentralização e a sustentabilidade das ONG no Estado de São Paulo
2000: Processo de descentralização (técnica/articulação) da concorrência de projetos de ONG para os Estados de SP, RJ, RS, SC, PR e CE e Criação do GT OG/ONG na CE DST/AIDS 2009: Processo de descentralização do Estado de SP (técnica/articulação/financeira) dos recursos de OSC para o G8: São Paulo, São Vicente, Ribeirão Preto, Sorocaba, Guarulhos, Catanduva, Campinas e Piracicaba

30 Disque DST/Aids IEC - INFORMAÇÃO, EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO
1983 – 1ª medida de prevenção adotada na América Latina Inclusão do acesso gratuito: 2008 – Informações por Em 2012 foram atendidas 6 mil ligações

31 PREVENÇÃO EM GRUPOS MAIS VULNERÁVEIS
Homens que fazem sexo com homens – Municípios e ONG Trabalhadores (as) do sexo – Municípios e ONG Travestis e transexuais – Municípios e ONG Usuários de drogas e usuários de drogas injetáveis – Mun. e ONG

32 Parcerias Secretaria da Educação: Prevenção também se ensina, distribuição preservativos para alunos de 8ª e 9ª séries dos ensinos fundamental e médio Secretaria da Administração Penitenciária: População prisional Fundação Casa: Jovens institucionalizados Secr Justiça e Cidadania: Direitos Humanos Secr Cultura: Eventos Secr Desenvolvimento Social: Moradores de rua Programa de Saúde da Mulher e ONG Conselho Empresarial DST/Aids – SP

33 NÚCLEO DE ATENÇÃO BÁSICA
Projetos estratégicos com outros programas e instituições da secretaria Implantação e monitoramento online das ações de prevenção às DST/Aids em 516 municípios Implantação do pré-natal do parceiro em 47 municípios

34 INSUMOS DISTRIBUÍDOS – 2012
Preservativos masculinos unidades Preservativos feminino unidades Gel lubrificante íntimo sachês

35 INSUMOS DE APOIO À PREVENÇÃO
Pactuação Preservativos Masculinos Programa Nacional: 80% das necessidades Programas Estaduais: 20% das necessidades Distribuição de preservativos masculinos Grupos de Vigilância Epidemiológica, Hospitais de Referência em DST/Aids, ONGs e Programas Municipais de DST/Aids. Distribuição de Preservativos femininos Profissionais do sexo Gel lubrificante População HSH, travestis, gays Kit de redução de danos Programas de Redução de Danos Usuários de Drogas Injetáveis

36 Objetivo: ampliar as oportunidades de prevenir a transmissão do HIV
PROFILAXIA PÓS-EXPOSIÇÃO SEXUAL AO HIV PRINCIPAIS ASPECTOS Objetivo: ampliar as oportunidades de prevenir a transmissão do HIV Público: pessoas expostas a situações de risco Reforça caráter complementar de práticas sexuais seguras e o uso de antirretrovirais

37 PEP - PROFILAXIA PÓS EXPOSIÇÃO (site)


Carregar ppt "PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS-SP"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google