A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CENTRO DE REFERÊNCIA E TREINAMENTO DST/AIDS-SP PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS-SP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CENTRO DE REFERÊNCIA E TREINAMENTO DST/AIDS-SP PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS-SP."— Transcrição da apresentação:

1 CENTRO DE REFERÊNCIA E TREINAMENTO DST/AIDS-SP PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS-SP

2 HISTÓRIA 1980: Primeiro caso de aids no Brasil (SP) 1983: Programa Estadual Aids, Instituto de Saúde, Instituto de Infectologia Emílio Ribas, Instituto Adolfo Lutz 1986: Coordenação Nacional DST/Aids 1988: CRT Aids-SP - Serviço e Coordenação de Aids 1998: CRT DST/Aids-SP torna-se a Coordenação do Programa Estadual DST/Aids-SP

3 MISSÃO PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS-SP Diminuir a vulnerabilidade da população do Estado de São Paulo em adquirir Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e HIV/aids; buscar a melhoria da qualidade de vida das pessoas afetadas e reduzir o preconceito, a discriminação e os demais impactos sociais negativos das DST/HIV/aids, em consonância com os princípios do SUS

4 Gerência de Prevenção Informática - Infraestrutura - Sistemas Assessoria de Imprensa / /Comunicação CRT DST/AIDS Diretoria Técnica Unidade de Pesquisa de Vacina em HIV Ouvidoria. Assessoria de Pesquisa Gerência de Vig. EpidemiológicaGerência de Ass. Integral à SaúdeGerência de Apoio TécnicoGerência de Recursos HumanosGerência Administrativa Inform. Educ. e Comunicação Vig. e Controle de DST/AidsAmbulatório de HIV e especialidades Informações (SAME)Desenv.de RHFinanças Populações mais Vulneráveisl Controle de Infecções Hospitalares Atendimento ExtraFarmáciaDep. PessoalCompras e Gestão de Contratos Atenção Básica Ambulatório de Hepatites Controle de MedicamentosEng. e Seg. e Med. Trabalho Infra-Estrutura Internação. Laboratório. Treinamento Atividades Complementares ADT Biblioteca Projetos de ONGs DST e CTA Diagnóstico por Imagem. Coordenação de enfermagemCoordenação de Saúde MentalMonitoramento e avaliação Hospital-Dia e Pediatria Ambulatório de.Saúde Integral a Travestis e Transexuais Comunicação Interna Unidade de Ensaios Clínicos Gestão de equipamentos Gerência de Planejamento Articulação com OSC Supervisão de Nutrição

5 Ministério da Saúde Secretarias Estaduais de Saúde Conselho Nacional de Saúde Secretarias Municipais de Saúde Conselho Estadual de Saúde SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS Conselho Municipal de Saúde.Universalidade.Integralidade.Equidade.Participação social.Descentralização.Hierarquização Princípios Lei Federal 8080 (1989) – Sistema Único de Saúde (SUS) Saúde é um direito de todos e dever do Estado – acesso gratuito e universal 70% da pop brasileira utiliza o SUS quase 100% para terapias de alto custo

6 BRASIL - PANORAMA DA EPIDEMIA Estimativa de infectados pelo HIV: Prevalência da infecção pelo HIV**: 0,42% (pop. 15 a 49 anos, 2010) - fem. 0,31% - masc. 0,52% Casos acumulados de aids (06/2012): Taxa de incidência de aids (por 100 mil hab) 2009 – 18,8 Nº óbitos por aids acumulados ( ): – – Taxa de mortalidade (por 100 mil habitantes) 2010 – 6, ,3 Fonte: MS/SVS/Departamento de DST, Aides e Hepatites ViraisPN DST/AIDS-MS *Casos notificados no SINAN, registrados no SISCEL/SICLOM até 30/06/2011 e SIM de 2000 a Dados preliminares para os últimos 5 anos. ** Estudo Sentinela Parturientes, 2006.

7 POPULAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO 41,3 milhões de habitantes (22% da pop do país) - censo 2010 Número de municípios: 645 Densidade demografica: 167,90hab/km² Responsável por 31% do PIB do Brasil PIB per capita ,00r$ Expectativa de vida ao nascer: 74,8 anos em 2009

8 ESTADO DE SÃO PAULO - PANORAMA DA EPIDEMIA casos acumulados de 1980 a junho de 2012* Taxa de Incidência em ,5/100mil sexo masculino Taxa de Incidência – 2011: 26,0/100mil sexo feminino Taxa de Incidência : 11,4/100mil óbitos por aids acumulados de 1981 a 2012 Taxa de Mortalidade em 2011: 7,2 /100mil óbitos em 2011 Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIP-Aids) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação SEADE MS/SVS/Departamento Nacional de DST, Aids e Hepatites Virais '(**) Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (SEADE), sujeitos a revisão mensal

9 Estimativa da prevalência de HIV Grupos Específicos UD: 5,9% Bastos,EI. Taxas de infecção de HIV e sífilis e inventário de conhecimento, atitudes e práticas relacionadas as IST entre usuários de drogas em 10 municípios brasileiros. Relatório téncico,2009. HSH: 10,5% Kerr,L. CAP e prevalência de HIV e sífilis entre HSH em 10 cidades brasileiras. Relatório técnico,2009. Profissionais do sexo: 4,9% Szwarcwald,CL. Taxas de prevalência de HIV e sífilis e CAP de risco relacionadas as IST nos grupos de Conscritos (Exército ª): 1,16%

10 Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIPAIDS) – Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação Seade; MS/SVS/Departamento Nacional de DST, Aids e Hepatites Virais Notas: *Utilizada projeção populacional da Fundação Seade ** Dados preliminares até 30/06/2011 (SINAN) e 31/12/2009 *Seade), sujeitos a revisão mensal Taxa de Incidência de aids por 100 mil habitantes-ano e razão de sexo (%) por ano de diagnóstico, Estado São Paulo, 1980 a 2010* casos (30/06/12) 2009 TI= 21,4 Masc = 28,3 Fem= 14,9

11 Fonte: Fundação Seade Taxa de Mortalidade por aids (por 100 mil habitantes-ano) segundo sexo e ano de óbito, estado de São Paulo, 1988 a 2010 Até óbitos acumulados 2011 * – óbitos TM =7,1/100mil hab.-ano 8 óbitos/dia

12 Objetivos do Plano Estratégico – Estado de São Paulo Até 2015 reduzir para 15% o diagnóstico tardio de HIV e aumentar em 100% a população testada para HIV pelo menos uma vez na vida no Estado Aprimorar a Saúde Integral das PVHIV nos serviços da rede especializada de saúde. Reduzir a morbi-mortalidade por causas relacionadas à infecção pelo HIV e demais eventos associados ao tratamento antirretroviral. Até 2015 reduzir para 2 crianças HIV+/100 mães soropositivas e reduzir para 0,5/1000 nascidos vivos a taxa de incidência da sífilis congênita Ampliar e qualificar as ações de prevenção, assistência e tratamento das DST /HIV/AIDS para Gays, outros HSH e Travestis, considerando as demandas e especificidades desse grupo populacional. Promover políticas e ações intersetoriais para a redução das vulnerabilidades as DST/HIV/AIDS vivenciadas por Gays e outros HSH e Travestis. Diminuir a incidência do HIV entre as mulheres Aumentar o acesso das mulheres as ações de prevenção, diagnóstico e tratamento às DST/HIV/AIDS e à saúde sexual e reprodutiva contemplando, situações específicas de vulnerabilidade.

13 Aids em Homens com 13 anos ou mais segundo categoria de exposição e ano de diagnóstico, estado de São Paulo, 1980 a 2010* Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIP-Aids) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação SEADE (**) Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (SEADE), sujeitos a revisão mensal

14 Aids em Homens que fazem sexo com homens (HSH) segundo faixa etária (anos) e ano de diagnóstico, estado de São Paulo, 1980 a 2010* Fonte: Base Integrada Paulista de Aids (BIP-Aids) - Cooperação Técnica PEDST/Aids-SP e Fundação SEADE (**) Dados preliminares até 30/06/11 (SINAN) e 31/12/09 (SEADE), sujeitos a revisão mensal

15 Casos notificados de gestantes infectadas pelo HIV segundo ano de diagnóstico, estado de são paulo, * Fonte: SINAN- PEDST/Aids-SP '(**) Dados preliminares até 30/06/11, sujeitos a revisão mensal Total= casos

16 Casos notificados de crianças com AIDS por transmissão vertical, estado de São Paulo, 1987 a 2010 caso s Fonte: SINAN-ESP – VE-PEDST/AIDS-SP

17 * Dados preliminares até 30/06/2012, sujeitos a revisão mensal % dos mun. ESP casos (30/06/12) Casos de gestantes com sífilis, segundo municípios e serviços de notificação, por ano de diagnóstico, estado de São Paulo,

18 Fonte: SINAN-ESP – VE-PEDST/AIDS-SP e Fundação Seade 86% casos (30/06/12) Casos de sífilis congênita, sífilis em gestante e tx de incid por 1000 nascidos vivos-ano, segundo ano de diagn, estado de SP,

19 Eliminação da TV do HIV: 2 crianças HIV+/100 mães soropositivas Eliminação da Sífilis Congênita: 0,5 caso em nascidos vivos

20 SERVIÇOS DE SAÚDE DST/HIV/AIDS NO ESTADO SP 200 Unidades ambulatoriais HIV/aids 130 Centros de testagem e aconselhamento em 95 municípios 31 Hospitais-Dia 26 Assistência Domiciliar Terapêutica 580 HIV/AIDS leitos 645 municípios – pelo menos 1 serviço de DST (abordagem sindrômica)

21 MEDICAMENTOS ARV INIBIDORES DE T. REVERSA Zidovudina (azt) Didanosina ec (ddi ec) Lamivudina (3tc) Estavudina (d4t) Zid.+Lam. (Azt+3tc) Abacavir Tenofovir Nevirapina Efavirenz Etravirina INIBIDORES DE PROTEASE Indinavir Ritonavir Saquinavir Lopinavir/r Fosamprenavir Atazanavir Darunavir Tipranavir INIBIDOR DE FUSÃO Enfuvirtida INIBIDOR DE INTEGRASE Raltegravir importados (exclusivos)

22 Fonte: CRT DST/Aids-SP Nº PACIENTES EM TRATAMENTO ANTIRRETROVIRAL NO ESTADO SP

23 SOBREVIDA EM AIDS Sobrevida mediana de pacientes de aids na região Sudeste do país Diagnosticados em Não se atingiu a mediana de sobrevida em 9 anos de observação, pois 59,4% dos pacientes sobreviveram 108 meses (Guibu et al 2009)

24 FIQUE SABENDO Tabela comparativa das cinco edições da Campanha Fique Sabendo 2008 a 2012 Perfil das pessoas testadasCampanha 1Campanha 2Campanha 3Campanha 4Campanha 5 % da pop envolvida88,6%93,1%95% No. de unid. participantes No. de exames realizados (Convencional & TRD HIV) 120 mil200 mil223 mil150 mil No. de TRD HIV7 mil18 mil35 mil40 mil % de HIV +179 casos~ 730 casos TRD HIV = 276 Total ~ 840 TRD HIV = 230 Total ~ 647 TRD HIV = 257 Total ~ 507

25 AMBULATÓRIO DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA Criado em abril de Equipe multiprofissional Oferece: Aconselhamento e orientação à casais sorodiscordantes Orientação para auto inseminação Lavagem de esperma Foram atendidos 328 casais, com 13 gestações, 06 nascimentos e 06 gestações em evolução (03/2013)

26 AMBULATÓRIO PARA SAÚDE INTEGRAL PARA TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Criado em junho de Equipe multiprofissional Oferece: -Atendimento em cardiologia, oftalmologia, endocrinologia, urologia, proctologia, ginecologia, fonoaudiologia, otorrinolaringologia, psicologia e psiquiatria, clínica médica, enfermagem, imunização - Avaliação e encaminhamento para cirurgia de redesignação sexual. - Assessoria jurídica e geração de renda Cerca de usuários matriculados: 65% se denominam transexuais (55 homens trans); 30% travestis e 5 % indefinidos

27 PESQUISA DEFINIÇÃO DE PROTOCOLOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS Trabalhos com o objetivo de responder as principais questões nas áreas clínica, sociocomportamental e epidemiológica, ou Ensaios clínicos da indústria farmacêutica que ofereçam expansão do acesso, benefícios financeiros e conhecimento tecnológico. PROTOCOLOS DE PESQUISA INSTITUCIONAIS Vacina anti HIV (rede de estudos de vacina HVTN – HIV) Estudos clínicos de drogas ARV Prevalência do HPV Rede de Diversidade Genética Viral (VGDN)

28 POLÍTICA DE INCENTIVO ÀS AÇÕES EM DST/Aids O Estado de São Paulo conta com 145 municípios qualificados na Política de Incentivo. Cabe à Coordenação Estadual de DST/Aids o suporte para o Planejamento e o monitoramento das ações em DST/aids destes municípios.

29 Processos de descentralização e a sustentabilidade das ONG no Estado de São Paulo 2000: -Processo de descentralização (técnica/articulação) da concorrência de projetos de ONG para os Estados de SP, RJ, RS, SC, PR e CE e Criação do GT OG/ONG na CE DST/AIDS 2009: -Processo de descentralização do Estado de SP (técnica/articulação/financeira) dos recursos de OSC para o G8: São Paulo, São Vicente, Ribeirão Preto, Sorocaba, Guarulhos, Catanduva, Campinas e Piracicaba

30 IEC - INFORMAÇÃO, EDUCAÇÃO E COMUNICAÇÃO Disque DST/Aids 1983 – 1ª medida de prevenção adotada na América Latina Inclusão do acesso gratuito: – Informações por Em 2012 foram atendidas 6 mil ligações

31 PREVENÇÃO EM GRUPOS MAIS VULNERÁVEIS Homens que fazem sexo com homens – Municípios e ONG Trabalhadores (as) do sexo – Municípios e ONG Travestis e transexuais – Municípios e ONG Usuários de drogas e usuários de drogas injetáveis – Mun. e ONG

32 Parcerias Secretaria da Educação: Prevenção também se ensina, distribuição preservativos para alunos de 8ª e 9ª séries dos ensinos fundamental e médio Secretaria da Administração Penitenciária: População prisional Fundação Casa: Jovens institucionalizados Secr Justiça e Cidadania: Direitos Humanos Secr Cultura: Eventos Secr Desenvolvimento Social: Moradores de rua Programa de Saúde da Mulher e ONG Conselho Empresarial DST/Aids – SP

33 NÚCLEO DE ATENÇÃO BÁSICA Projetos estratégicos com outros programas e instituições da secretaria Implantação e monitoramento online das ações de prevenção às DST/Aids em 516 municípios Implantação do pré-natal do parceiro em 47 municípios

34 INSUMOS DISTRIBUÍDOS – 2012 Preservativos masculinos unidades Preservativos feminino unidades Gel lubrificante íntimo sachês

35 INSUMOS DE APOIO À PREVENÇÃO Pactuação Preservativos Masculinos Programa Nacional: 80% das necessidades Programas Estaduais: 20% das necessidades Distribuição de preservativos masculinos Grupos de Vigilância Epidemiológica, Hospitais de Referência em DST/Aids, ONGs e Programas Municipais de DST/Aids. Distribuição de Preservativos femininos Profissionais do sexo Gel lubrificante População HSH, travestis, gays Kit de redução de danos Programas de Redução de Danos Usuários de Drogas Injetáveis

36 PROFILAXIA PÓS-EXPOSIÇÃO SEXUAL AO HIV PRINCIPAIS ASPECTOS Objetivo: ampliar as oportunidades de prevenir a transmissão do HIV Público: pessoas expostas a situações de risco Reforça caráter complementar de práticas sexuais seguras e o uso de antirretrovirais

37 PEP - PROFILAXIA PÓS EXPOSIÇÃO (site)


Carregar ppt "CENTRO DE REFERÊNCIA E TREINAMENTO DST/AIDS-SP PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS-SP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google