A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Folclore brasileiro A Literatura infantil e seu caráter popular.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Folclore brasileiro A Literatura infantil e seu caráter popular."— Transcrição da apresentação:

1 folclore brasileiro A Literatura infantil e seu caráter popular

2 Um pouco de teoria Folclore: um corpo orgânico de modos de sentir, pensar e agir peculiares às camadas populares das sociedades civilizadas Édison Carneiro in Dinâmica do folclore.

3 Giuseppe Maria Sciacca tecido único que inclui: Lendas Usos Costumes Ritos Festas... e que substancia a língua, a arte, a religião e a vida dos povos

4 Luís da Câmara Cascudo Sempre haverá, para qualquer agrupamento humano, por mais rudimentar que seja, a memória coletiva de duas origens de conhecimento: o oficial, regular, ensinado pelo colégio dos sacerdotes ou direção do rei, e o não-oficial, tradicional, oral, anônimo, independente de ensino sistemático, porque é trazido nas vozes das mães, nos contos de caça e pesca, na fabricação de pequenas armas, brinquedos, assombros CASCUDO, Luís da Câmara. O folclore; literatura oral e popular. In: A literatura do Brasil. 2ed. Rio de Janeiro: Sul-Americana, 1971, p.21.

5 Ricardo Azevedo O folclore, ou seja, o universo onipresente e transitório formado pelos mitos, contos, versos, festas, comidas, danças, rezas, simpatias, crendices, anedotas, adivinhas, cantigas, ditados, parlendas, frases feitas etc., inventados pelo povo, é do tamanho do infinito.

6 Folclore e cultura popular...é a cultura popular, com suas narrativas intrigantes e mágicas, suas brincadeiras de palavras, sua poesia e sabedoria que sobrevivem até hoje, contadas de boca em boca, reinventadas através dos tempos. AZEVEDO, Ricardo. Meu livro de folclore. Um punhado de literatura popular. São Paulo: Ática, 1997, p.71.

7 O caráter do folclore Popular Anonimato Tradicional* * O conceito de tradicional tem sido revisto por alguns folcloristas, em face de um novo aspecto.

8 O dinamismo do folclore Para Édison Carneiro, o fenômeno folclórico deve ser visto por sua dinâmica, e não como alguma coisa estável, imutável, em repouso. As formas costumam conservar-se (o auto, a ronda, a quadra, o conto), mas o conteúdo tende a reformular-se. Para Câmara Cascudo, tais reformulações variam de região para região, conforme o povo que recebe essas composições.

9 Folclore e a criança Considerando a criança, o folclore é a melhor forma de verdadeiramente fazê-la penetrar na alma do povo, de conhecer as vidas diferentes do país, de criar uma consciência nacional e o amor às nossas coisas Maria Antonieta A. Cunha

10 O folclore na escola Henriqueta Lisboa destaca a importância do caráter espontâneo na apresentação do folclore à criança: (...) o folclore não deve ser ministrado à infância a feitio de estudo, mas, sim, proporcionado de modo recreativo, espontâneo, sem insistência. O que se define como popular, tradicional e anônimo, não lograria viver em clima de oposição. LISBOA, Henriqueta. Literatura oral para a infância e a juventude. São Paulo: Cultrix, 1970, p. 12.

11 O folclore em Lobato Publicado pela 1ª vez em 1921, O Saci, então um livrinho de 38 páginas, é um dos livros de Lobato que mais direta e ostensivamente incorpora elementos da cultura brasileira. Seguindo conselhos de tio Barnabé, Pedrinho prende um saci numa garrafa e, através dele, é iniciado nos mistérios dos personagens folclóricos da mata brasileira.

12 Histórias de tia Nastácia Folclore são as coisas que o povo sabe e transmite contando de um para o outro, de pais a filhos. São contos, histórias, anedotas, superstições, sabedoria popular, ditados... Quem, então, melhor que tia Nastácia para desfiar as histórias do nosso folclore?

13 Bibliografia AZEVEDO, Ricardo. Meu livro de folclore. Um punhado de literatura popular. São Paulo: Ática, 1997, p.71. CARNEIRO, Édison. Dinâmica do folclore. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, CASCUDO, Luís da Câmara. O folclore; literatura oral e popular. In: A literatura do Brasil. 2ª ed. Rio de Janeiro: Sul-Americana, p.21. CUNHA, Maria Antonieta Antunes. Literatura infantil: teoria e prática. 18ª ed. Série Educação. São Paulo: Ática, 1999, pp LAJOLO, Marisa; ROCHA, Ruth; MARANHÃO, Ricardo. Monteiro Lobato. 2ª ed. Literatura comentada. São Paulo: Nova Cultural, 1988, p. 65. LISBOA, Henriqueta. Literatura oral para a infância e a juventude. São Paulo: Cultrix, 1970, p. 12. LOBATO, Monteiro. Histórias de tia Nastácia. 32ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1995, p. 7.


Carregar ppt "Folclore brasileiro A Literatura infantil e seu caráter popular."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google