A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CARATINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO NÚCLEO DE ECONOMIA INDUSTRIAL E DA TECNOLOGIA Silvio Antonio Ferraz Cario Henrique Cavalieri.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CARATINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO NÚCLEO DE ECONOMIA INDUSTRIAL E DA TECNOLOGIA Silvio Antonio Ferraz Cario Henrique Cavalieri."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CARATINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO NÚCLEO DE ECONOMIA INDUSTRIAL E DA TECNOLOGIA Silvio Antonio Ferraz Cario Henrique Cavalieri da Silva Fernando Seabra Luiz Carlos de Carvalho Júnior Graciella Martignago Ricardo Lopes Fernandes ESTUDOS SETORIAIS INDÚSTRIA TÊXTIL-CONFECÇÃO DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS, FEVEREIRO – 2011

2 INDUSTRIA TÊXTIL-CONFECÇÃO MUNDIAL E BRASILEIRA

3 DINÂMICA GLOBAL DA INDÚSTRIA TÊXTIL-CONFECÇÃO Empresas em países desenvolvidos: Buscam inovações tecnológicas e adotam técnicas de supply chain managment. Mantém posição como responsáveis pela marca e design dos produtos. Transferem produção de menor valor agregado e eficiência para os demais países. Empresas em países em desenvolvimento: São subordinadas às empresas dos países desenvolvidos. Usam técnicas utilizadas nos países desenvolvidos, porém com custos mais baixos. Transferem atividades menos eficientes para os outros países Procuram desenvolver autonomia em relação aos compradores da cadeia de valor.

4 Mudanças recentes na demanda e nos padrões de concorrência Complexas cadeias globais de valor: produção, comercialização e distribuição Inovações geradas nas indústrias químicas e de máquinas e equipamentos Inovação de produtos e processos - novas funcionalidades e novos insumos Parcerias com fornecedores especializados Parcerias entre empresas de diferentes ramos Elevados graus de padronização e uniformidade dos produtos Regulação do comércio internacional

5 Fatores críticos para o aumento da competitividade Capacidade de inovação e de diferenciação de produtos, principalmente a capacidade de desenvolvimento do design. Aperfeiçoamento do processo de produção, associado à sua modernização e racionalização. Desenvolvimento das atividades de promoção, comercialização e distribuição dos produtos

6 Tendências dos investimentos internacionais Internacionalização da produção Aprimoramento dos sistemas logísticos Campanhas de marketing e propaganda Diversificação das linhas de produto – mix de produtos Integração para frente – varejo, design, marcas Novas tecnologias – produtos e processos Integração da cadeia por meio de fusões, aquisições e joint-ventures Novos modelos de negócios pautados em produtos e processos

7 Panorama da Indústria Têxtil-Confecção no BRASIL Desenvolvimento influenciado pela dinâmica do setor no mercado mundial, porém com baixa inserção no comercio internacional. Crescimento dos investimentos no desenvolvimento de produtos funcionais e a incorporação de atributos intangíveis. Empresas de pequeno e médio porte mantêm gastos elevados em aumento da escala e na diferenciação de produtos via preço. Cenário macroeconômico nacional e regulação comercial exercem influência sobre as estratégias empresariais. Convergência com o padrão mundial – abandono de linhas de produtos, especialização de plantas, atuação em mercados específicos, encomendas de produtos, etc. Inserção competitiva da indústria no mercado externo está fortemente pautada na cadeia algodão – fibras e produtos. Significativo papel exercido por países asiáticos no comércio internacional da cadeia têxtil.

8 Principais tendências de investimentos – BRASIL Investimentos Induzidos: Capacidade de produção Importação de máquinas visando ganhos de escala e produtividade Fechamento de unidades ou redução da capacidade de produção Transferência da produção para outras regiões com vantagens de custos Matérias-primas Pesquisa por insumos e a combinação de novos materiais que agregam valor aos artigos Mão-de-obra Direcionamento de unidades de produção para regiões com baixo custo de trabalho Logística, distribuição e comercialização Gastos com marketing, visando a consolidação de marcas próprias Criação ou fortalecimento de canais de comércio próprios na rede varejista Pesquisa por novos nichos de mercado, sobretudo não dominados pelos asiáticos

9 Principais tendências de investimentos - BRASIL Investimentos Estratégicos Mudança técnica e tecnológica Criação e fortalecimento de competências gerenciais, de produto, de mercado e de marca Parcerias com fornecedores de insumos, no desenvolvimento de funcionalidade nos artigos vestuário Forte apelo da moda Delimitação de novas linhas de produtos voltadas para nichos específicos do mercado interno Internacionalização Criação e fortalecimento de competências de mercado via a abertura de unidades em outros países, e com empresas internacionais do setor.

10 Estrutura da indústria têxtil-confecção e padrão de concorrência PaísesMil Ton.%PaísesMil Ton.% China ,1China ,4 Índia4.3338,1Estados Unidos5.4117,9 Coréia do Sul3.3646,3Índia4.8147,1 Taiwan2.8745,4Paquistão4.1546,1 Estados Unidos2.7325,1Taiwan1.8532,7 Turquia2.2354,2Brasil1.7322,5 Paquistão2.0773,9Indonésia1.3472,0 Brasil1.5752,9Coréia do Sul1.3221,9 - Turquia1.2911,9 - Tailândia1.1201,6 Total dos 10 maiores ,0Total dos 10 maiores ,3 Demais países ,0Demais países ,7 Total Total Tabela 1: Produção mundial de produtos têxteis em 2004 e 2006 Fonte: IEMI, 2006; IEMI, 2008 apud GARCIA (2009).

11 Estrutura da indústria têxtil-confecção e padrão de concorrência Tabela 2: Produção mundial de artigos do vestuário em 2004 e 2006 Fonte: IEMI, 2006; IEMI, 2008 apud GARCIA (2009) PaísesMil Ton.%PaísesMil Ton.% China ,9China ,5 Índia3.9868,3Índia2.4326,3 Estados Unidos2.5735,3Paquistão1.4443,7 México2.0014,1México1.2703,3 Turquia1.9824,1Turquia1.1793,1 Coréia do Sul1.8733,9Brasil1.0652,8 Brasil1.7403,6Coréia do Sul9052,4 Paquistão1.3502,8Itália8792,3 - Taiwan8112,1 - Indonésia7041,8 Total dos 10 maiores ,0Total dos 10 maiores ,2 Demais países ,0Demais países ,8 Total Total

12 Estrutura da indústria têxtil-confecção e padrão de concorrência Tabela 3: Principais exportadores de produtos têxteis e do vestuário em 2000 e 2006 (em US$ bilhões e %). Fonte: HIRATUKA (2008), extraído de GARCIA (2009) PaísValorParticipaçãoPaísValorParticipação China53,314,5China145,527,2 Hong Kong37,910,3Hong Kong42,58,0 Itália26,07,1Itália35,96,7 Estados Unidos22,86,2Alemanha30,55,7 Alemanha19,35,3Estados Unidos23,74,4 Coréia do Sul18,75,1Índia20,03,7 França12,53,4França16,73,1 Índia12,33,3Turquia16,33,1 México11,53,1Bélgica15,62,9 Bélgica10,72,9Coréia do Sul13,32,5 Total 10 maiores225,161,3Total 10 maiores360,067,4 Demais países142,438,7Demais países174,332,6 Total367,5100Total534,3100

13 Estrutura da indústria têxtil-confecção e padrão de concorrência Tabela 4: Principais importadores de produtos têxteis e do vestuário em 2000 e 2006 (em US$ bilhões e %). Fonte: HIRATUKA (2008), extraído de GARCIA (2009) PaísValorParticipaçãoPaísValorParticipação Estados Unidos83,822,0Estados Unidos107,720,6 Hong Kong30,27,9Alemanha41,17,9 Alemanha29,77,8Hong Kong33,26,3 Japão25,66,7Japão30,75,9 Reino Unido20,45,4Reino Unido30,55,8 França18,54,9França26,95,1 China16,94,4China26,35,0 Itália14,73,9Itália24,44,7 México10,22,7Espanha16,43,1 Bélgica8,82,3Bélgica13,02,5 Total 10 maiores258,868,0Total 10 maiores350,367,0 Demais países121,832,0Demais países172,833,0 Total380,6100,0Total523,1100,0

14 INDUSTRIA TÊXTIL - CONFECÇÃO EM SANTA CATARINA

15 Estabelecimentos empregadores e mão-de-obra contratada Fonte: Ministério do trabalho e Emprego – Rais Atividade Econômica - CNAEEst.Trab.Est.Trab.Est.Trab. Fabricação de produtos têxteis Confecção de artigos do vestuário e acessórios Total Tabela 5: Número de estabelecimentos e trabalhadores na indústria têxtil-confecção de SC, 2000, 2005 e 2009.

16 Estabelecimentos empregadores e mão-de-obra contratada Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego – Rais TêxtilConf.TêxtilConf.TêxtilConf. PorteNum.% % % % % % Micro4.4109, , , , , ,1 Pequena , , , , , ,5 Média , , , , , ,5 Grande , , , , , ,0 Total , , , , , ,0 Tabela 8: Trabalhadores formais por porte da empresa na indústria têxtil-confecção de SC, 2000, 2005 e 2009.

17 Estabelecimentos empregadores e mão-de-obra contratada Nota: SM = salário mínimo Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego – Rais. Tabela 9: Distribuição dos trabalhadores formalmente ocupados por faixa salarial na indústria têxtil- confecção de SC, 2000, 2005 e TêxtilConfecçãoTêxtilConfecçãoTêxtilConfecção Num.% % % % % % Até 1 SM2660, ,92970, ,16891, ,2 De 1 a 2 SM , , , , , ,7 De 2 a 4 SM , , , , , ,7 De 4 a 7 SM , , , , , ,0 De 7 a 10 SM1.9554,27911, ,56740,98861,35580,6 De 10 a 15 SM9622,13000,55761,02660,33800,62250,2 De 15 a 20 SM2710,61310,21860,3700,11180,2640,1 Mais de 20 SM3430,71340,22760,5910,11990,3760,1 Ignorado2380,51580,38411, , , ,4 Total , , , , , ,0

18 Produção industrial * Fabricação de produtos têxteis Benf. fibras têxteis. naturais Fiação Tecelagem Fabr. têxteis, incluindo tecelagem Acabamentos por terceiros Fabr. artefatos têxteis exceto vest Fabr. tecidos e artigos de malha Conf. artigos do vest. e aces Conf. de artigos do vestuário Fabr. de aces. do vest. seg. prof Total Tabela 10: Valor bruto da produção industrial da indústria têxtil-confecção de SC, (em milhões R$) * Devido à nova classificação do CNAE em 2008, a compatibilidade entre a nova e a antiga classificação dos sub-setores foi feita a partir da tabela de correspondências disponível em Nota: Série deflacionada pelo índice IPA-OG setores Têxtil, Vestuário e Calçados (2007 = 100). Fonte: IBGE – Pesquisa Industrial Anual – PIA.

19 Produção industrial Tabela 11: Valor da transformação industrial da indústria têxtil-confecção de SC, (em milhões de R$) * Ver Tabela 6. Nota: Série deflacionada pelo índice IPA-OG setores Têxtil, Vestuário e Calçados. Fonte: IBGE – Pesquisa Industrial Anual – PIA * Fabricação de produtos têxteis Benf.. fibras têxteis. naturais Fiação Tecelagem Fabr. têxteis, incluindo tecelagem Acabamentos por terceiros Fabr. artefatos têxteis exceto vest Fabr. tecidos e artigos de malha Conf. artigos do vest. e aces Conf. de artigos do vestuário Fabr. de aces. do vest. seg. prof Total

20 Produção industrial Tabela 12: Valor da transformação industrial em relação ao valor bruto da produção industrial da indústria têxtil-confecção de SC, (%). * Ver Tabela 7. Fonte: IBGE – Pesquisa Industrial Anual – PIA * Fabricação de produtos têxteis Benf.. fibras têxteis. naturais Fiação Tecelagem Fabr. têxteis, incluindo tecelagem Acabamentos por terceiros Fabr. artefatos têxteis exceto vest Fabr. tecidos e artigos de malha Conf. artigos do vest. e aces Conf. de artigos do vestuário Fabr. de aces. do vest. seg. prof Total

21 Mercado Externo Gráfico 5: Exportações e importações de SC e taxa de câmbio, (US$ FOB). Nota: Taxa de câmbio - R$ / US$ - comercial - venda - média Fonte: MDIC/SECEX

22 Mercado Externo Gráfico 6: Exportações e Importações têxtil-confecção de SC, (US$ FOB). Fonte: MDIC/SECEX

23 Mercado Externo Gráfico 7: Exportações e Importações Têxteis de SC, (US$ FOB). Fonte: MDIC/SECEX

24 Mercado Externo Gráfico 8: Exportações e Importações Confecções de SC, (US$ FOB). Fonte: MDIC/SECEX

25 Mercado Externo Fonte: MDIC/SECEX. Tabela 15: Principais países de destino das exportações da indústria têxtil-confecção (milhões US$ FOB, ) Estados Unidos103,5297,85127,84144,99139,32124,9093,8582,9346,7831,7118,59 Argentina62,4358,547,0729,6248,9154,2058,3869,7469,6438,9846,41 Alemanha26,9325,9329,2028,5127,3422,1211,878,115,314,032,95 Paraguai11,9410,855,656,048,7912,0713,4516,1819,1916,2528,53 Uruguai14,5518,5910,889,7914,2214,3713,4611,4311,5410,4413,25 Outros81,8073,1877,8488,98116,37124,19130,96124,99110,1474,1980,17 Total301,15284,94258,47307,94354,96351,85321,98313,38262,59175,61189,90

26 Mercado Externo Fonte: MDIC/SECEX. Tabela 16: Exportações têxtil-confecções de SC por blocos econômicos (milhões US$ FOB, ) NAFTA111,52104,75136,48152,55147,49137,34116,03110,1468,6548,2040,00 MERCOSUL88,9187,9823,5945,4671,9380,6485,2997,34100,3765,6788,19 U.E.60,3356,9265,4377,0693,8980,8170,8455,8045,2824,8821,01 Outros40,3835,2932,9732,8741,6553,0649,8250,0948,3036,8640,70 Total301,15284,94258,47307,94354,96351,85321,98313,38262,59175,61189,90

27 Mercado Externo Fonte: MDIC/SECEX. Tabela 19: Principais países de origem das importações da indústria têxtil-confecções – SC (milhões US$ FOB, ) China0,481,423,252,494,3113,2650,57115,05197,61236,28417,40 Índia4,382,731,571,746,0511,4728,0750,45169,95118,63222,05 Indonésia0,890,441,061,376,5618,5653,30111,7594,36113,05152,93 Tailândia1,040,540,490,270,240,803,6029,7834,2928,3030,66 Paraguai22,478,314,635,129,832,568,339,6713,9516,3327,49 Outros59,9431,1118,3517,2924,1135,6954,4884,01111,39174,04226,03 Total102,6349,0130,8028,9057,8695,75210,86407,47635,88699,641100,11

28 Indústria Têxtil – Confecção de SC: Vantagens, Limites, Ameaças e Oportunidades competitivas VANTAGENSAMEAÇAS  Empresas com especialização produtiva – cama, mesa e banho  Mão-de-obra qualificada  Planta industrial moderna das empresas de médio e de grande portes  Qualidade e marca dos produtos no mercado  Inserção ativa no mercado consumidor interno  Competitividade internacional de produtos atoalhados  Infra-estrutura institucional de apoio  Inadequada infra-estrutura de transportes  Elevados custos tributários  Manutenção de política cambial apreciada  Concorrência com produtos importados com o fim do acordo multifibras  Perda de mercado internacional com o fim do acordo multifibras  Sazonalidade da oferta de insumos naturais e dependência de insumos artificiais  Instalação de novo padrão produtivo mundial firmado em fibras sintéticas  Concorrência com empresas que atuam na informalidade LIMITESOPORTUNIDADES  Vínculos cooperativos limitados entre elos determinados da cadeia produtiva  Marca da individualidade empresarial nos processo de cooperação horizontal  Verticalização produtiva dificultando o adensamento de redes em empresas  Inexistência de empresas fornecedoras de máquinas e equipamentos locais  Reduzido uso de máquinas e equipamentos modernos em pequenas empresas  Carência de programas locais voltados à agregação de valor  Limitadas linhas de crédito para financiamento do parque fabril  Nova rota de especialização produtiva - marca, desing, marketing e logística  Atração de empresas fornecedoras de maquinas e equipamentos  Capacitação produtiva e inovativa de empresas de menor porte  Aumento das exportações de produtos com maior valor agregado  Participação em cadeias de produção, comercialização e distribuição mundiais  Internacionalização produtiva de empresas  Adensamento das relações de cooperação inter-empresarial e inter- institucional  Acordos de cooperação comercial entre países Quadro 4: Vantagens, limites, oportunidades e ameaças competitivas na indústria têxtil-confecção de SC, 2007 Fonte: elaboração própria.


Carregar ppt "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CARATINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO NÚCLEO DE ECONOMIA INDUSTRIAL E DA TECNOLOGIA Silvio Antonio Ferraz Cario Henrique Cavalieri."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google