A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

COMENTÁRIOS DE OBRAS LITERÁRIAS – PROFESSORA ROSSANA SILVA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "COMENTÁRIOS DE OBRAS LITERÁRIAS – PROFESSORA ROSSANA SILVA."— Transcrição da apresentação:

1 COMENTÁRIOS DE OBRAS LITERÁRIAS – PROFESSORA ROSSANA SILVA

2 Tudo que acontece em nossa vida é resultado das escolhas que fazemos. Educação de qualidade tem que ser nossa escolha permanente, afinal ninguém quer comprometer seu futuro. Seja Feliz! Colégio Nossa Senhora das Graças, 100 ANOS Educando gerações a serviço da vida

3 Manuel Bandeira “O São João Batista do Modernismo” "...o sol tão claro lá fora, o sol tão claro, Esmeralda, e em minhalma — anoitecendo." Nome: M anuel Bandeira Nascimento: 19/04/1886 Natural: Recife - PE Morte: 13/10/1968

4 Manuel Bandeira (Manuel Carneiro de Souza Bandeira, Recife, 1886-Rio de Janeiro, 1968). Considerado como um dos maiores poetas brasileiros, foi também autor de ensaios, crônicas e memórias, tradutor e organizador de antologias.

5 Parte para São Paulo e se matricula na Escola Politécnica Prepara-se para ser arquiteto, profissão a que tomou gosto por influência do pai. Emprega-se nos escritórios da Estrada de Ferro Sorocabana e toma aulas de desenho de ornato, à noite, no Liceu de Artes e Ofícios. Adoece do pulmão no fim do ano letivo (1904) e abandona os estudos. - Volta ao Rio e inicia uma longa peregrinação em busca de climas serranos: Campanha, Teresópolis, Maranguape, Uruquê, Quixeramobim.

6 Modernismo: 1ª fase ( ) Além dos documentos depositados na Casa de Rui Barbosa, foi preservada a sua biblioteca, com cerca de volumes, doada à Academia Brasileira de Letras, que guarda ainda documentos sobre suas atividades, em especial como acadêmico.Academia Brasileira de Letras

7 Obras principais: Cinza das horas (1917); Carnaval (1919); Ritmo dissoluto (1924); Libertinagem (1930); Estrela da manhã (1936); Lira dos cinquent'anos (1948); Estrela da tarde (1963)

8 A poesia de Manuel Bandeira - eliminados os resíduos simbolistas e parnasianos de Cinza das horas e Carnaval - enquadrando-se na vertente mais clássica do espírito modernista, aquela em que se processa uma fusão entre a confissão pessoal e a vida cotidiana. Em Bandeira predomina com algumas insistência o lirismo do EU, mas o cotidiano jamais desaparece dos textos, numa síntese feliz entre subjetividade e objetividade. Isto se dá porque uma relação dialética estabelece-se entre ambos.

9 Publica o seu primeiro livro A Cinza das Horas - impresso nas oficinas do Jornal do Comércio. Edição de 200 exemplares, custeada pelo autor (300 mil-réis) Publicação do Carnaval (edição do autor).

10 Participou da Semana da Arte Moderna através do poema os sapos que foi declamado por Ronald de Carvalho Teatro Municipal de São Paulo: palco da Semana de Arte Moderna Museu de Arte Moderna de São Paulo MAM

11 Os sapos O meu verso é bom Frumento sem joio. Faço rimas com Consoantes de apoio. Vai por cinquüenta anos Que lhes dei a norma: Reduzi sem danos A fôrmas a forma. Clame a saparia Em críticas céticas: Não há mais poesia, Mas há artes poéticas..." Urra o sapo-boi: - "Meu pai foi rei!"- "Foi!" - "Não foi!" - "Foi!" - "Não foi!". Brada em um assomo O sapo-tanoeiro: - A grande arte é como Lavor de joalheiro. Outros, sapos-pipas (Um mal em si cabe), Falam pelas tripas, - "Sei!" - "Não sabe!" - "Sabe!". Longe dessa grita, Lá onde mais densa A noite infinita Veste a sombra imensa; Lá, fugido ao mundo, Sem glória, sem fé, No perau profundo E solitário, é Que soluças tu, Transido de frio, Sapo-cururu Da beira do rio... Enfunando os papos, Saem da penumbra, Aos pulos, os sapos. A luz os deslumbra. Em ronco que aterra, Berra o sapo-boi: - "Meu pai foi à guerra!" - "Não foi!" - "Foi!" - "Não foi!". O sapo-tanoeiro, Parnasiano aguado, Diz: - "Meu cancioneiro É bem martelado. Vede como primo Em comer os hiatos! Que arte! E nunca rimo Os termos cognatos.

12 CARACTERÍSTICAS Tornou-se um clássico entre os modernistas, explorou a riqueza expressiva da linguagem anti- acadêmica e as possibilidades rítmicas do verso livre à perfeição. Um profundo lirismo em relação aos fatos da vida cotidiana.

13 A poesia brota da solidão e oscila sistematicamente entre a aceitação da perda e o estímulo do desejo. Capacidade de exprimir conteúdos humanos profundos por meio de uma linguagem simples, despojada, muitas vezes coloquial.

14 TEMAS: A infância, a morte, a doença, o desejo erótico, a ternura das coisas simples e menos intencionais, a humanidade dos humildes e dos marginais, social, notícia de jornal.

15 ESTRELA DA MANHÃ (1936) Autor: Manuel Bandeira 1936: Edição de 47 exemplares Estrutura: 28 textos em versos e prosa poética

16 TEMAS: O desejo insatisfeito, o tom confidencial, referência autobiográficas (a doença, os lugares onde morou, a família, suas origens), social, morte, o cotidiano, beco, temas da infância...

17 POESIAS: Estrela da Manhã Poema do Beco Trem de Ferro Tragédia Brasileira

18 Manuel Bandeira Eu quero a estrela da manhã Onde está a estrela da manhã? Meus amigos meus inimigos Procurem a estrela da manhã Ela desapareceu ia nua Desapareceu com quem? Procurem por toda a parte Digam que sou um homem sem orgulho Um homem que aceita tudo Que me importa? Eu quero a estrela da manhã Três dias e três noite Fui assassino e suicida Ladrão, pulha, falsário Virgem mal-sexuada Atribuladora dos aflitos Girafa de duas cabeças Pecai por todos pecai com todos Pecai com os malandros Pecai com os sargentos Pecai com os fuzileiros navais Pecai de todas as maneiras Com os gregos e com os troianos Com o padre e com o sacristão Com o leproso de Pouso Alto Depois comigo Te esperarei com mafuás novenas cavalhadas [comerei terra e direi coisas de uma ternura tão simples Que tu desfalecerás Procurem por toda a parte Pura ou degradada até a última baixeza Eu quero a estrela da manhã.

19 Misael, funcionário da Fazenda, com 63 anos de idade. Conheceu Maria Elvira na Lapa — prostituída, com sífilis, dermite nos dedos, uma aliança empenhada e os dentes em petição de miséria. Misael tirou Maria Elvira da vida, instalou-a num sobrado no Estácio, pagou médico, dentista, manicura... Dava tudo quanto ela queria. Quando Maria Elvira se apanhou de boca bonita, arranjou logo um namorado. Misael não queria escândalo. Podia dar uma surra, um tiro, uma facada. Não fez nada disso: mudou de casa. Viveram três anos assim. Toda vez que Maria Elvira arranjava namorado, Misael mudava de casa. Os amantes moraram no Estácio, Rocha, Catete, Rua General Pedra, Olaria, Ramos, Bonsucesso, Vila Isabel, Rua Marquês de Sapucaí, Niterói, Encantado, Rua Clapp, outra vez no Estácio, Todos os Santos, Catumbi, Lavradio, Boca do Mato, Inválidos... Por fim na Rua da Constituição, onde Misael, privado de sentidos e de inteligência, matou-a com seis tiros, e a polícia foi encontrá-la caída em decúbito dorsal, vestida de organdi azul. TRAGÉDIA BRASILEIRA

20 Poema do Beco Que importa a paisagem, a Glória, a baía, a linha do horizonte? — O que eu vejo é o beco

21 Trem de ferro Café com pão Café com pão Café com pão Virge Maria que foi isso maquinista? Agora sim Café com pão Agora sim Voa, fumaça Corre, cerca Ai seu foguista Bota fogo Na fornalha Que eu preciso Muita força Muita força Muita força (trem de ferro, trem de ferro) Quando me prendero No canaviá Cada pé de cana Era um oficiá Oô... Menina bonita Do vestido verde Me dá tua boca Pra matar minha sede Oô... Vou mimbora vou mimbora Não gosto daqui Nasci no sertão Sou de Ouricuri Oô... Vou depressa Vou correndo Vou na toda Que só levo Pouca gente Pouca gente Pouca gente... (trem de ferro, trem de ferro) Oô... Foge, bicho Foge, povo Passa ponte Passa poste Passa pasto Passa boi Passa boiada Passa galho Da ingazeira Debruçada No riacho Que vontade De cantar! Oô... (café com pão é muito bom)


Carregar ppt "COMENTÁRIOS DE OBRAS LITERÁRIAS – PROFESSORA ROSSANA SILVA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google