A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

As Formas e o Espaço nas Artes Plásticas Trabalho realizado por Maria José Ferreira (Profª), no ano lectivo 2008/09, no âmbito do Centro de Recursos (Biblioteca)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "As Formas e o Espaço nas Artes Plásticas Trabalho realizado por Maria José Ferreira (Profª), no ano lectivo 2008/09, no âmbito do Centro de Recursos (Biblioteca)"— Transcrição da apresentação:

1 As Formas e o Espaço nas Artes Plásticas Trabalho realizado por Maria José Ferreira (Profª), no ano lectivo 2008/09, no âmbito do Centro de Recursos (Biblioteca) 1

2 A representação do Espaço nas Artes Plásticas ao longo de várias épocas Ao longo dos séculos o Homem pretendeu usar ou representar o Espaço conforme a sua maneira de pensar, conforme as suas leis, os seus conhecimentos, os seus saberes e os seus gostos….. Vamos começar por estudar uma corrente da pintura da Arte Moderna chamada O Cubismo. Nesta corrente vais observar como os artistas viam a representação dos objectos no Espaço. Nota : As obras que vais analisar nem sempre estão dispostas por ordem cronológica. 2

3 O Cubismo O que é o Cubismo? Movimento da Arte Moderna, cujos princípios são: a geometrização das formas e volumes; renúncia à perspectiva científica; o claro-escuro perde sua função; representação do volume colorido sobre superfícies planas; sensação de pintura escultórica; cores austeras, do branco ao negro passando pelo cinza, por um ocre apagado ou um castanho suave. 3

4 A arte moderna Arte Moderna é o termo genérico usado para designar a maior parte da produção artística do fim do século XIX até meados dos anos 1970 (embora não haja consenso sobre essas datas e alguns de seus traços distintivos), enquanto que a produção mais recente da arte é chamada frequentemente de arte contemporânea (alguns preferem chamar de arte pós-moderna). A arte moderna refere - se a uma nova abordagem da arte em um momento no qual não mais era importante que ela representasse literalmente um assunto ou objecto (através da pintura e da escultura) -- o advento da fotografia fez com que houvesse uma diminuição drástica na demanda por certos meios artísticos tradicionais, a pintura especialmente. Ao invés disso, e é aí que a ideia de moderno começa a tomar forma, os artistas passam a experimentar novas visões, através de ideias inéditas sobre a natureza, os materiais e as funções da arte, e com frequência caminhando em direcção à abstracção. A noção de arte moderna está estreitamente relacionada com o modernismo. 4

5 Origem do cubismo Historicamente o Cubismo originou-se na obra do pintor Cézanne, pois, para ele, a pintura deveria tratar as formas da natureza como se fossem cones, esferas e cilindros. Entretanto, os cubistas foram mais longe do que Cézanne. 5

6 Cézanne 6

7 7

8 8

9 9

10 10

11 No cubismo… … o pintor cubista tenta representar os objectos em três dimensões, numa superfície plana, sob formas geométricas, com o predomínio de linhas rectas. Não representa, mas sugere a estrutura dos corpos ou objectos. Representa-os como se movimentassem em torno deles, vendo-os sob todos os ângulos visuais, por cima e por baixo, percebendo todos os planos e volumes. Despreza a perspectiva científica muito estudada por vários artistas nos século XV e XVI. 11

12 Principais artistas: Picasso e Braque Pablo Picasso( )Tendo vivido 92 anos e pintado desde muito jovem até próximo à sua morte passou por diversas fases: a fase Azul, entre , que representa a tristeza e o isolamento provocados pelo suicídio de Casagemas, seu amigo, são evidenciados pela monocromia e também representa a miséria e o desespero humanos; a fase Rosa, entre , o amor por Fernande origina muitos desenhos sensuais e eróticos, com a paixão de Picasso pelo circo, iniciam-se os ciclos dos saltimbancos e do arlequim. Depois de descobrir as artes primitivas e africana compreende que o artista negro não pinta ou esculpe de acordo com as tendência de um determinado movimento estético, mas com uma liberdade muito maior. Picasso desenvolveu uma verdadeira revolução na arte. Em 1907, com a obra Les Demoiselles dAvignon começa a elaborar a estética cubista que, como vimos anteriormente, se fundamenta na destruição de harmonia clássica das figuras e na decomposição da realidade, essa tela subverteu o sentido da arte moderna com a declaração de guerra em 1914, chega ao fim a aventura cubista. Podemos destacar, também o mural Guernica, que representa, com veemente indignação, o bombardeio da cidade espanhola de Guernica pelos aliados alemães de Franco, em abril de 1937, responsável pela morte de grande parte da população civil formada por crianças, mulheres e trabalhadores. "A obra de um artista é uma espécie de diário. Quando o pintor, por ocasião de uma mostra, vê algumas de suas telas antigas novamente, é como se ele estivesse reencontrando filhos pródigos - só que vestidos com túnica de ouro." Pablo Picasso "A Arte não é a verdade. A Arte é uma mentira que nos ensina a compreender a verdade". Pablo Picasso. 12

13 Picasso – A primeira comunhão Antes de Picasso criar com o pintor Braque o Cubismo, usou a Perspectiva Científica, como pode ser visto neste seu trabalho de

14 Braque ( ) Foi um pintor e escultor francês que juntamente com Pablo Picasso inventaram o Cubismo. Braque iniciou a sua ligação às cores, na empresa de pintura decorativa de seu pai. A maior parte da sua adolescência foi passada em Le Havre, mas no ano de 1889, mudou-se para Paris onde, em 1906, no Salão dos Independentes, expôs as suas primeiras obras no estilo de formas simples e cores puras (fauvisme). No Outono de 1907, conheceu Picasso com quem se deu quase diariamente até que em 1914, devido à Grande Guerra, se separaram. Braque foi mobilizado e ferido na cabeça em 1915, tendo sido agraciado com a Cruz de Guerra e da Legião de Honra. Durante dois anos, devido ao ferimento esteve afastado da pintura. 14

15 O cubismo divide – se em duas fases: O analítico e o sintético Cubismo Analítico - ( 1909) caracterizado pela desestruturação da obra em todos os seus elementos. Decompondo a obra em partes, o artista regista todos os seus elementos em planos sucessivos e sobrepostos, procurando a visão total da figura, examinado - a em todos os ângulos no mesmo instante, através da fragmentação dela. Essa fragmentação dos seres foi tão grande, que se tornou impossível o reconhecimento de qualquer figura nas pinturas cubistas. A cor reduz -se aos tons de castanho, cinza e bege. 15

16 Cubismo Sintético - (1911) Reage à excessiva fragmentação dos objectos e à destruição de sua estrutura. Basicamente, essa tendência procurou tornar as figuras novamente reconhecíveis. O cubismo sintético, também é chamado de Colagem porque introduz letras, palavras, números, pedaços de madeira, vidro, metal e até objectos inteiros nas pinturas. Essa inovação pode ser explicada pela intenção dos artistas em criar efeitos plásticos e de ultrapassar os limites das sensações visuais que a pintura sugere, despertando também no observador as sensações tácteis. 16

17 Les demoiselles d'Avignon É um dos mais famosos quadros do pintor espanhol Pablo Picasso. Pintado em 1907, a óleo sobre tela, este quadro encontra-se exposto no MoMA, em Nova Iorque, e esteve, em 2005, exposto no Museu Sakıp Sabancı, na cidade de Istambul, na Turquia. É um quadro pré-cubista, que evidência o impacto da arte africana.pintorespanholPablo Picasso1907MoMA Nova IorqueMuseu Sakıp SabancıIstambulTurquia Na época em que pintou este quadro, Picasso tinha completa noção que este era o quadro mais importante que havia pintado até então. Para a obra definitiva Picasso passou meses a fazer esboços e, durante o trabalho, fez inúmeras modificações. Quando concluiu a obra, havia concebido a maior tela que alguma vez pintou.Picasso Esta obra representa, para além de uma obra-prima do cubismo mundial, a violação de todas as tradições e convenções visuais naturalistas ocidentais, ao apresentar cinco aleivosas (prostitutas), representadas de forma cubista, como se nota na mulher nua sentada à direita, vista simultaneamente de frente e de costas. Os rostos das personagens reflectem o início do Período Negro, na obra de Pablo Picasso, assemelhando-se a máscaras e esculturas africanas.Pablo Picasso A estética geométrica e visual delimitou contornos quanto ao futuro do cubismo. cubismo 17

18 Les demoiselles d'Avignon

19 19

20 Picasso – Guernica 20

21 Braque 21

22 O que é o Espaço? – (Física) Extensão formada por três dimensões - altura, largura e profundidade - onde se encontram todos os corpos e ocorrem todos os eventos físicos.Extensãoalturalarguraprofundidade (Astronomia) Tudo o que está além do invólucro atmosférico da Terra.invólucroatmosféricoTerra Intervalo entre duas coisas (corpos, lugares, palavras etc.).Intervalo Paollo Uccello nasceu em1397,em Florença e foi um pintor italiano. Uccello fez parte do Quattrocento do Renascimento, destacando-se por sua maestria nas pinturas em perspectiva e pela impressão de relevo que deu à pintura, recorrendo para isso ao claro-escuro (chiaroescuro). Era obcecado pela perspectiva e passava noites tentando entender o Ponto de fuga. Usava-a para criar uma sensação de profundidade em suas obras.1397FlorençapintoritalianoRenascimento claro-escuroperspectivaPonto de fuga Vamos ver agora, como se representava o Espaço no Renascimento 22

23 Entre 1450 e 1480 a perspectiva torna-se científica, é codificada e tem regras de construção. Fundamenta-se em dados fixos e geométricos: um ponto de fuga ao centro do quadro, onde as linhas convergem, massas e intervalos diminuindo proporcionalmente à medida que convergem, dando a ilusão de que o quadro tem profundidade. 23

24 Os gregos e romanos já tentavam um uso de projecções. O arquitecto Vitrúvio, por exemplo, usava – as. Porém, o seu desenvolvimento ficou esquecido na Idade Média. O aperfeiçoamento da perspectiva central teve a contribuição de artistas (pintores, escultores e arquitectos) como o já falado Paollo Uccello, Brunelleschi ( ), Alberti ( ) e Vasari ( ). 24

25 Brunelleschi (1377/1446) – Escultor e arquitecto italiano Grande estudioso do problemas do Espaço. O seu estudo baseia-se num processo geométrico de projectar espaço numa superfície plana, tal como a lente de um aparelho fotográfico projecta uma imagem em perspectiva no filme. 25

26 Tavoletta de Brunelleschi 26

27 Pintura de Rafael - A Escola de Atenas RafaelRafael, Pintura a Fresco 500 cm × 700 cm Nota: Nesta pintura foi usada a perspectiva cientifica Palácio ApostólicoPalácio Apostólico, Vaticano Vaticano 27

28 Perspectiva com 1 Ponto de Fuga 28

29 29

30 30

31 Perspectiva com 2 pontos de Fuga 31

32 Uso de 2 ou mais Pontos de Fuga 32

33 Perspectiva Aérea (3 Pontos de Fuga) 33

34 Perspectiva axonométrica: (axo a eixo) Sistema de representação, rigorosa, num esquema de três eixos: comprimento, altura, largura ( tridimensão). TIPOS 34

35 O Espaço na Pré – História, na Antiguidade e na Idade Média A organização espacial era muito mais simplificada na Pré-História, na Antiguidade e na Idade Média, porque se organizavam as pinturas num sistema de espaço idealizado bidimensional. Na Pré-História o homem não configura um espaço quando pinta sobre as paredes das cavernas, simplesmente coloca as figuras como se estivesse escrevendo. Havia um intento mágico de poder possuir a figura desenhada, geralmente de animais, na ânsia pela facilidade de caça para a sobrevivência. Nos murais egípcios as figuras são colocadas paralelas ao plano pictórico, não dando a ilusão de profundidade. A maneira que representavam o espaço era sobrepondo uma figura à outra, isto é, a mais próxima do observador encobria parcialmente a mais distante, mas essa mais afastada não diminuía de tamanho em relação à primeira. As figuras menores não estavam necessariamente mais ao fundo, mas tinham importância social inferior. Os egípcios usavam a lei da frontalidade na representação da figura humana para manter a bidimensionalidade; consistia em representar o rosto, as pernas e os pés de perfil, enquanto que o olho e o tronco eram desenhados de frente, facilitando assim o reconhecimento da figura. Todos os povos da Antiguidade construíram os seus espaços pictóricos usando uma relação com a planimetria. 35

36 Pré-História - Pintura rupestre em Altamira- Espanha 36

37 Pintura Egípcia 37

38 Pintura egípcia Nesta pintura é bem visível a Lei da Frontalidade Achas que o corpo está representado com realismo? Quais as razões? 38

39 Pintura egípcia - rebatimentos 39

40 Arte egípcia 40

41 Pintura cretense – O Príncipe dos Lirios O Apogeu da civilização Cretense, deu-se entre os anos 1550 e 1450 a.C. Repara, que também nesta civilização podemos observar a Lei da Frontalidade 41

42 Pintura Cretense – As chamadas Parisienses Chamam-se parisienses a estas damas cretenses, porque, apesar de terem vivido antes de Cristo muitos anos, usavam uma moda muito semelhante à usada no século XIX, em Paris. Repara que o rosto está representado de perfil, mas os olhos estão de frente. 42

43 Giotto ( ) foi um pintor e arquitecto italiano. Nasceu perto de Florença. Pintor italiano, Giotto di Bondone, foi um dos primeiros artistas a dar a ilusão da vida real, em termos de emoção e espaço, numa superfície plana. Giotto é considerado o fundador da pintura moderna, pois rompeu com o convencionalismo estático e estereotipado de sua época. Em 1334 foi designado como supervisor da catedral de Florença e arquitecto da cidade. 43

44 Giotto - Pintura a fresco Trabalhou o Espaço sem conhecer a perspectiva científica. Não usou o ponto de fuga, mas empiricamente sentia-o. 44

45 Giotto Nesta pintura da Última Ceia podes observar um dos truques usados para representar as figuras no espaço. – As figuras ao fundo, parecem mais altas que as colocadas em primeiro plano! 45

46 Pintura de uma das Madonas de Giotto Nesta pintura da Idade Média poderás observar ainda, vestígios da Lei da frontalidade, usada já há longínquos séculos, pelos egípcios. Nota: Madona, em italiano quer dizer minha senhora e corresponde a Nossa Senhora 46

47 Giotto - Madona e o Menino 47 Também nesta pintura de Giotto podemos observar truques para representar as figuras no espaço – os anjos, do primeiro plano, estão ajoelhados, para que, os que estão atrás, possam ser vistos. Por sua vez, estes vão sendo desenhados, como se estivessem colocados em degraus

48 A Arte Infantil e a representação do Espaço 48

49 49

50 50

51 51

52 Semelhanças na representação do Espaço Compara este desenho infantil, onde são usados rebatimentos, com a pintura egípcia representada na figura

53 Realismo, surrealismo e Hiper-realismo Não penses, porém, que a partir do Cubismo, nunca mais os artistas usaram a perspectiva científica! Houve sempre, artistas notáveis como, por exemplo, Magritte ( ) que nunca deixaram de a usar e, nem por isso, deixaram de ser actuais! Nota: Realismo – representação fiel dos objectos. Surrealismo – representação realista dos objectos, mas de tal forma que, no conjunto,não pode ser real. Mais à frente veremos o que é o Hiper – Realismo. 53

54 René Magritte 54 Surrealismo

55 Hiper – realismo Duane Handen Dois turistas mais que verdadeiros A Droga No Século XX, a liberdade de interpretar e alterar as formas e as proporções tem sido total. Hoje, o hiper - realismo, é uma corrente artística que se iniciou na América nos anos 60 e que procura representar a realidade com tal verdade que a torna irreal ou tragicamente grotesca 55

56 Em forma de conclusão…. Alguns textos foram adaptados de vários autores ou de outros documentos. Espero, querido aluno/a, que este trabalho, por mim realizado, sirva para te abrir horizontes…. Pesquisa mais e… estou sempre disponível para te ajudar! Maria José Ferreira (Profª) 56


Carregar ppt "As Formas e o Espaço nas Artes Plásticas Trabalho realizado por Maria José Ferreira (Profª), no ano lectivo 2008/09, no âmbito do Centro de Recursos (Biblioteca)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google