A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Dr Weber Soares Coelho Dermatologista pela SBD Mestrando pela FMRP-USP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Dr Weber Soares Coelho Dermatologista pela SBD Mestrando pela FMRP-USP."— Transcrição da apresentação:

1 Dr Weber Soares Coelho Dermatologista pela SBD Mestrando pela FMRP-USP

2 DST n Corrimento uretral n uretrites não gonocócicas n uretrites gonocócicas n Ulceras genitais n cancro duro n cancro mole n herpes genital

3 n Uretrite gonocócica n Dç infecciosa da mucosa uretral n Ag : Neisseria gonorrhoeae n transmissão via sexual n PI de 2-5 dias n assintomáticas

4 n  incidencia nos jovens sexualmente ativos n clínica: prurido uretral  1-3 dias  disúria  corrimento uretral mucóide  purulento n febre e manifestações infecciosas agudas

5 n Complicações: balanopostite, prostatite epididimite, uretrite estenose uretral meningite faringite sepse conjuntivite gonocócica

6 n Diagnóstico laboratorial: n análise do corrimento n coloração pelo gram n achado de diplococos G- IC  faz diagnóstico em 95% dos H e 30% das M

7 n Cultura em meio Thayer Martin: n suspeita em  n  com diagnóstico negativo pelo gram n material insuficiente p/ coloração n casos suspeitos de resistência á penicilina

8 n DD com uretrites não gonocócicas n TTO: Ofloxacino 400 mg DU Cefixima 400 mg DU Ciprofloxacina 500mg Vo DU Ceftriaxona 250 mg IM DU Tianfenicol 2,5 g VO DU

9 n Uretrite não gonocócica n Uretrites sintomáticas com bacterioscopia, gram e cultura negativos p/ gonococo Agentes: Clamidia tracomtatis Ureaplasma urealiticum Micoplasma hominis Trichomonas vaginalis

10 n Transmissão via sexual com PI de dias n  geralmente assintomáticas Clamídia Gonorréia X

11 n Clínica: n corrimento mucóide, discreto, disúria leve n uretrite subaguda em 50% dos pac com uretrite n corrimento pode simular gonorréia n complicações: prostatite epididimite balanite conjuntivite S. Reiter

12 n Diagnóstico: n confirmatório  IFD, ELISA, PCR n sugere o diagnóstico  4 ou + piócitos no esf. 20 ou + piócitos no EAS Ausência do gonococo n TTO: Azitro 1gVO/DU Doxiciciclina 100mg VO 12/12h 7dias Eritromicina 2g/dia por 7 dias

13 n Corrimento uretral Anamnese e exame físico Bacterioscopia na consulta NaoSim Diplococos G - IC Nao Ttar clamídia Sim Ttar gonorréia e clamídia

14 n Orientações: n sempre concluir o tratamento n interromper relações sexuais n sempre usar camisinha n oferecer e ensinar o uso correto de preservativos n caso piora ou recidiva, voltar p/ US n notificar o doente no formulário

15 Sífilis n Doença infecciosa, sistêmica, crônica n Surtos de agudização e períodos de latência n Ag: Treponema pallidum n Transmissão sexual, sanguínea, materno fetal

16

17 n Classificação: n lues adquirida recente  < 1 ano evolução n lues adquirida tardia  > 1ano evolução n lues congênita recente  até 2º ano de vida n lues congênita tardia  após 2º ano vida

18 1- Cancro duro: n ulcera única, pouco dolorosa, base endurecida, fundo liso e secreção serosa escassa n lesão surge entre dias após o contato sexual n adenopatia regional não supurativa, móvel, indolor n  - glande e sulco balano- prepucial n  - peq lábios, paredes vaginais e colo uterino

19 2- Lues secundária: n lesões cutâneo-mucosas, não ulceradas após 6-8 sem do surgimento do cancro duro n acompanhadas de micropoliadenopatia generalizada n ocasioanlmente: artralgias, febrícula, cefáleia e adinamia n raramente acometimento hepático e ocular

20 n Clínica: n roséolas de surgimento precoce n pápulas eritêmato-acastanhadas lisas, lesões escamosas n qdo na superfície palmo-plantar sugere o diagnóstico de lues 2ª n alopécia em clareira n madarose n lesões pápulo hipertróficas em regiões de dobras e atrito  condiloma plano

21 n 3- lues latente n forma de lues adquirida n não se observam sinais e sintomas clínicos n diagnóstico feito por meio de testes sorológicos n duração variável

22 4- Lues terciária : n clínica surge após 3-12 anos n lesões cutâneo-mucosas  tubérculos e gomas n lesões neurológicas  tabes dorsalis n lesões SCV  aneurisma aórtico n lesões articulares  artropatia de charcot

23 Sífilis

24

25 n DD: n lues primária: Cancro mole Herpes genital Donovanose n lues secundária: Farmacodermia Dçs exantemáticas MHV Colagenoses

26 Lues

27

28 n Diagnóstico laboratorial: n lues 1ª- microscopia de campo escuro n VDRL- exame qualiquantitativo auxilia no diagnóstico e seguimento + 15dias após o cancro após 1 ano os títulos  após o tto fica neg entre meses memória imune  cicatriz sorológica

29 OBS: n Títulos sorológicos  indicam dç muito recente ou muito antiga, tratada ou não. Sorologia treponêmica qualitativa caso -  não tem doença caso +  repetir o exame repetir o tto

30 OBS: n 3 títulos baixos( menores que 1/8) sem qq indício de infecção  memória imune n nesse caso: alta ao paciente orientação ao paciente cicatriz pode permanecer +

31 n TTO: Penicilina G benzatina n lues 1ª- 2,4 milhoes DU n lues 2ª- 2,4 milhoes UI, repetir após 7 dias n lues 3ª- 2,4 milhoes UI/sem por 3 sem OBS: alergia a Penicilina Eritromicina 2g/d 15dias- recente 2g/d 30 d- tardia

32 n Cancro mole n Ag: Haemophilus ducrey n PI: 2-5 dias n + freq no  n clínica: lesões dolorosas, múltiplas lesões em beijo borda irregular, amolecida fundo sujo

33 n Localização: n frênulo e sulco balano prepucial   n fúrcula, face int peq e gdes labios   n 50% há acometimento de linfonodos inguinais- bubão unilateral- endurecimento- liquefação-fistulização orifício único- secreção purulenta

34 Cancro mole

35

36 n Exame direto: esfregaço de secreção da base da lesão ou de material tirado do bubão bacilos G- IC em cadeias paralelas acompanhadas de cocos G +

37 n Cultura: método diagnóstico + sensível n biópsia: não é usada n TTO: Azitromicina 1g VO DU Ceftriaxona 250mg IM DU Ciprofloxacina 500mg VO 12/12h 3 dias Doxiciclina 100mg VO 12/12 hs 10 dias Bactrim VO 12/12hs 10 dias Eritomicina 2g VO 7 dias

38 n Recomendações: Após iniciado o tto  re-examinar o paciente com 7 dias Seguimento feito até involução total das lesões Uso de condon Tratar o parceiro Sempre pesquisar lues no momento diagnóstico e 30 dias após

39 n Herpes genital n virose transmitida pelo contato sexual n PI de 3-14 dias n transmissão tb por contato direto com lesões ou objetos contaminados n lesões vesiculosas  ulceras n Ag: HSV tipo 1 e 2 n tipo 2- genitais / tipo 1- peri orais

40 n Q clínico: 1- Primoinfecção herpética Necessário solução de continuidade Pode ser assintomático Pródromos:  sensibilidade local formigamento mialgias ardência prurido local discreto

41 n Localização:  - glande e prepúcio  - peq lábios, clitóris, fúrcula n clínica: pápulas eritematosas 2-3 mm vesículas amarelo citrino úlceras adenopatia regional dolorosa- 50% lesões cervicais uterinas

42 n Após a primoinfecção- vírus ascende pelos nervos periféricos- núcleos da cels ganglionares- período de latência

43 n 2- herpes genital recorrente n Após a primoinfecção 90% dos pac tem recorrência nos 1º ano por reativação viral n recorrência : febre, raios UV, menstruação, stress, ATB e imunodepressão n clínica é menos exuberante n pródromos:  sensibilidade local prurido mialgias queimação, fisgadas

44 Herpes genital

45 n Diagnóstico laboratorial: n Anamnese n Exame físico dermatológico n citodiagnostico de Tzanck  cels multinucl. e balonizadas n papanicolau  inclusões virais n biópsia  sugere o diagnóstico devido a presença de corpúsculos e inclusão viral

46 n TTO: n 1- sintomático n dor aliviada com analgésico/ AINES n água boricada/ ATB tópico n 2- específico n vários ttos usados, nenhum erradica o vírus n Não há tto que cure o herpes genital

47 n Herpes: Aciclovir- 400mg 8/8h 10 d Valaciclovir- 1g VO 12/12h 10d Famciclovir- 250mg 8/8h 10d Aciclovir 400mg 8/8h 5d Valaciclovir 500mg 12/12h 5d Famciclovir 125mg Vo 12/12h 5 dias Aciclovir 5-10 mg/kg/EV 8/8h 7d O + precoce Recorrências Casos graves

48 n Ulceras genitais Anamnese e exame físico Lesões vesiculosas Sim Não Ttar Herpes genital Lesões com + de 4 sem ??? Não Sim Ttar sífilis, cancróide e HP oferecer anti HIV adesão ao tto, notificar

49 OBRIGADO!!! Cancro mole Sífilis AIDS Gonorréia Linfogranuloma venéreo Donovanose Uretrites não gonocócicas HPV Uretrites Herpes genital


Carregar ppt "Dr Weber Soares Coelho Dermatologista pela SBD Mestrando pela FMRP-USP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google