A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Cruz Alta Nossa Velha - Nova Parte 39 Exército Brasileiro em Cruz Alta Parte 02.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Cruz Alta Nossa Velha - Nova Parte 39 Exército Brasileiro em Cruz Alta Parte 02."— Transcrição da apresentação:

1

2 Cruz Alta Nossa Velha - Nova Parte 39

3 Exército Brasileiro em Cruz Alta Parte 02

4 A SEGUNDA GRANDE UNIDADE MILITAR A CHEGAR EM CRUZ ALTA FOI DE ARTILHARIA E FOI ORIGINALMENTE CRIADA EM PLENA GUERRA DO PARAGUAI ( ). ALIÁS, FOI UMA DAS ÚNICAS UNIDADES MILITARES DA HISTÓRIA DO EXÉRCITO BRASILEIRO QUE SURGIU EM MEIO À AÇÕES DE GUERRA INICIOU-SE NO PRÓPRIO PARAGUAI (HUMAITÁ)*, SOB O COMANDO DE DUQUE DE CAXIAS E, ANTES DE VIR PARA CRUZ ALTA, EM 1909, PASSOU POR OUTRAS CIDADES, MUDANDO DE NOME ALGUMAS VEZES CRUZ ALTA FOI ESCOLHIDA COMO SEDE DA UNIDADE DEVIDO A SUA PRIVILEGIADA SITUAÇÃO GEOGRÁFICA, BOA MALHA FERROVIÁRIA E AVANÇADO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E POLÍTICO NO INÍCIO DO SÉCULO XX * RAZÃO PELA QUAL O GRUPO É TAMBÉM CONHECIDO COMO HUMAITÁ 29º G.A.C. AP

5 A ORIGEM REAL DA HISTÓRIA DO 29º G.A.C. REMONTA AO ANO DE 1831 APÓS A ABDICAÇÃO DO IMPERADOR DOM PEDRO I, FOI FORMADA UMA REGÊNCIA PROVISÓRIA QUE, PARA PROTEGER O TERRITÓRIO NACIONAL, ORGANIZOU O EXÉRCITO BRASILEIRO, COM A CRIAÇÃO DE BATALHÕES E CORPOS DE ARTILHARIA E CAVALARIA ASSIM SURGIA O 1º REGIMENTO DE ARTILHARIA A CAVALO, CRIADO UNICAMENTE NO RIO GRANDE DO SUL, TENDO COMO SEDE INICIAL A CIDADE DE SÃO GABRIEL QUE ENTÃO, APÓS DÉCADAS DE ATIVIDADES BÉLICAS E DE TROCAS DE NOMES, ACABOU POR FINALMENTE CHAMAR-SE 29º G.A.C. AP, CONFORME O PRÓXIMO SLIDE A HISTÓRIA COMEÇOU EM 1831 ASSIM, HÁ QUEM CONSIDERE A ORIGEM DA UNIDADE 1831 E OUTROS 1868

6 ENTRE 1915 E 1919 A UNIDADE PASSOU POR UMA ETAPA DE EXTINÇÃO TEMPORÁRIA SEGUIDA DE UMA REORGANIZAÇÃO EVOLUÇÃO DA UNIDADE º Corpo Provisório de Artilharia a Cavalo – Humaitá – Paraguai º Batalhão de Artilharia a Pé – Assunção – Paraguai º Regimento de Artilharia a Cavalo – Corumbá – Paraguai (1876), após Cuiabá (1880) e Curitiba (1882) º Regimento de Artilharia de Campanha – Curitiba A partir de 28/02/1909 – 3º Regimento de Artilharia Montada – CRUZ ALTA-RS º Regimento de Artilharia Montada (8º RAM) º Regimento de Artilharia Montada (6º RAM) º RAM Auto-rebocada º Regimento de Obuses II/6º Regimento de Obuses º Grupo de Artilharia de Campanha (29º GAC) 2000 até os dias atuais - 29º GAC Auto-Propulsada (29º GAC AP) Mallet - o Patrono

7 O RECORTE ACIMA MOSTRA QUE, EM 1910, FOI PUBLICADO NO JORNAL CORREIO DO POVO O EDITAL PARA A CONSTRUÇÃO DO NOVO QUARTEL INSTALAÇÃO EM CRUZ ALTA

8 ACIMA, CÓPIA ATUALIZADA DA ESCRITURA DE COMPRA DO TERRENO DESTINADO AO NOVO QUARTEL COMPRA DO TERRENO

9 A IMAGEM DÁ IDÉIA DA EXTENSA ÁREA ADQUIRIDA PELO EXÉRCITO PARA A INSTALAÇÃO DA UNIDADE VISÃO AÉREA DE º R.A.M. SANTINHA AVENIDA PADRE PACHECO

10 FOTO DA ÉPOCA DA CONSTRUÇÃO PARTE DOS MATERIAIS USADOS NA OBRA FORAM IMPORTADOS DA EUROPA º R.A.M. 01

11 HOJE - 29º G.A.C. AP AVENIDA PADRE PACHECO

12

13 DÉCADA DE 1910 FORTALEZA CENTENÁRIA 02

14 DÉCADA DE 1920

15 DÉCADA DE 1930 UM DOS QUARTÉIS MAIS BONITOS DO EXÉRCITO

16 DÉCADA DE 1940 TROPA SAINDO PARA MANOBRAS

17 DÉCADA DE 1960

18 DURANTE A FESTA DE FÁTIMA 1969

19 DÉCADA DE 1970

20 HOJE EXEMPLARMENTE LIMPO E BEM CUIDADO

21 6º R.A.M. 03

22 HOJE

23 6º R.A.M. 04

24 HOJE

25 ANÚNCIO DA ÉPOCA JORNAL O COMMERCIO

26 ANÚNCIO DA ÉPOCA JORNAL O COMMERCIO

27 1969 GRUPO HUMAITÁ HOJE VÁRIOS MOMENTOS 05

28 GRUPO HUMAITÁ 1976HOJE VÁRIOS MOMENTOS 06

29 1976 GRUPO HUMAITÁ HOJE VÁRIOS MOMENTOS

30 GRUPO HUMAITÁ HOJE1976 VÁRIOS MOMENTOS

31 DÉCADA DE 1970

32 GRUPO HUMAITÁ VÁRIOS MOMENTOS

33 GRUPO HUMAITÁ 1977 HOJE VÁRIOS MOMENTOS

34 GRUPO HUMAITÁ 1979 HOJE VÁRIOS MOMENTOS

35 PARTE DE TRÁS DO PAVILHÃO CENTRAL PÁTIO DO 6º R.A.M. 07

36 HOJE

37 PAVILHÕES DO FUNDO BAIAS DE ANIMAIS, ALOJAMENTOS, PAIÓIS, DEPÓSITOS...

38 HOJE - PAVILHÕES DO FUNDO 08 09

39 DÉCADA DE 1920 BAIAS DOS CAVALOS A ATIVIDADE AGRÍCOLA NO QUARTEL, COM A AJUDA DOS ANIMAIS, ERA COMUM NA ÉPOCA 10

40 º R.A.M. 11

41 HOJE

42 º R.A.M. 12

43 HOJE

44 1931 O QUARTEL EM VÁRIAS ÉPOCAS O HIPISMO ERA UMAS DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES ESPORTIVAS

45 3º RAM 8º RAM O QUARTEL EM VÁRIAS ÉPOCAS

46 6º RAM 19516º RAM O QUARTEL EM VÁRIAS ÉPOCAS Hélio Adão de Moraes

47 O QUARTEL EM VÁRIAS ÉPOCAS

48

49

50

51 6º R.A.M. PAVILHÕES DE RESERVA DE MATERIAL 13

52 HOJE

53 DESFILE NO INTERIOR DA UNIDADE 6º R.A.M. 14

54 HOJE HOJE O LOCAL É UMA PISTA ATLÉTICA

55 8º R.AM. 15

56 HOJE

57 PÁTIO O MASTRO NA SETA VERMELHA É UMA REFERÊNCIA PARA 2 SLIDES APÓS 16

58 HOJE FUNCIONA TAMBÉM NO 29º G.A.C. AP A BCAD/3, UNIDADE VINCULADA AO COMANDO DA AD/3 (QUARTEL GENERAL)

59 FORMATURA DO PELOTÃO PÁTIO 17

60 HOJE Busto de Mallet

61 6º R.A.M. NA 2ª GUERRA MUNDIAL SE QUIZERES A PAZ, PREPARA-TE PARA A GUERRA

62 AVENIDA GENERAL OSÓRIO DESFILES DA UNIDADE

63 AVENIDA GENERAL OSÓRIO DESFILES DA UNIDADE

64 ATIVIDADES VARIADAS A UNIDADE SEMPRE ESTEVE PRESENTE EM VARIADAS ATIVIDADES LOCAIS, TANTO MILITARES COMO CIVIS

65 DÉCADA DE 1970 FOTOS DO PROJETO 01 HOJE

66 DÉCADA DE 1980 FOTOS DO PROJETO 34 HOJE

67 NEVASCA DE 1965 FOTOS DO PROJETO 29 HOJE

68 O QUARTEL ACOMPANHOU DE CAMAROTE A CONSTRUÇÃO DO MONUMENTO DE FÁTIMA, APARTIR DE º R.A.M. 18

69 EM FRENTE, A LINHA FÉRREA CRUZ ALTA - PASSO FUNDO HOJE

70 RETORNO DO GRUPAMENTO APÓS MANOBRAS A CASA MORANDINI AINDA EXISTE - VER PROJETO º R.A.M. CASA MORANDINI 19

71 RETORNO DO GRUPAMENTO DO COMANDANTE NELSON ETCHEGOYEN A CRUZ ALTA, VINDO DE SÃO PAULO CASA MORANDINI º R.A.M.

72 HOJE AVENIDA PADRE PACHECO AO FUNDO LINHA FERREA CRUZ ALTA - PASSO FUNDO

73 DÉCADA DE

74 AVENIDA PADRE PACHECO HOJE

75 O INCÊNDIO DE 1980 UM CAPÍTULO TRISTE DA HISTÓRIA DA UNIDADE FOI O INCÊNDIO DE 1980, QUE ACOMETEU A ALA NORTE DO PRÉDIO CENTRAL

76 O dia foi 6 de maio de 1980 Era final de tarde e dia de semana (terça-feira). O expediente já havia terminado. Os militares que permaneciam no quartel eram os de serviço, mais os soldados de outros municípios, chamados de "laranjeiras". Eu residia com minha família, na época, na rua Procópio Gomes, no Barro Preto, abaixo da "linha dos trilhos" do ramal Cruz Alta-Ijuí. Meu vizinho e grande amigo era o Carlos Frederico Kruger, também sargento do 29 GAC. Foi ele que entrou na minha casa muito afoito e me disse: "o quartel está pegando fogo". Saí para o fundo de minha casa e dali constatei que as chamas já se elevavam sobre o pavilhão principal. Rapidamente Kruger e eu nos dirigimos para o quartel pela rua Duque de Caxias. Os bombeiros já estavam atuando no controle do fogo que, segundo soubemos tão logo chegamos ao local, rompera na Fiscalização Administrativa do Pavilhão da Administração Devemos considerar que o Pavilhão Central, a frente do quartel, tinha basicamente três grandes divisões: a esquerda, o Pavilhão da Administração; o centro, o Corpo da Guarda e seus alojamentos e, no térreo e andar superior, a Seção Mobilizadora e quartos de oficiais em trânsito. À direita tínhamos o Cozinha e o Cassino dos Oficiais e o Salão de Honra. Foi no Pavilhão da Administração que ocorreu o sinistro que o consumiu por inteiro, até a extremidade Norte, onde ficava o Gabinete de Comando. A repercussão do sinistro teve dimensão nacional e trouxe um atropelo na área de informações e relacionamento com o público, área que eu atuava, na Seção de Relações Públicas do Grupo, que ficava ao lado do Gabinete do Comandante. SINISTRO DO INCÊNDIO - RELATO A CAUSA DO INCÊNDIO FOI UM CURTO - CIRCUITO, DEVIDO AO MAL ESTADO DA FIAÇÃO ELÉTRICA

77 O motivo de tal repercussão deveu-se a cobertura "ao vivo" e com imagens (enormes labaredas de mais de 10 metros de altura) da RBS TV. A equipe de plantão da RBS, ao saber do incêndio, posicionou uma câmera na parte superior de sua sede, próximo aos Silos, e de lá mesmo noticiou o evento para o Jornal Nacional, que começava às 20 horas. Naturalmente, os telefones emperraram, pois os pais e familiares dos soldados que eram da região do Planalto Médio ficaram preocupados, pois as imagens eram muito fortes e não davam, porém, uma dimensão apropriada da região afetada, gerando especulação se envolveria a área de paióis, etc. O fogo expandiu-se de tal maneira e com tal velocidade graças ao formato e material do teto (de madeira) e, segundo os bombeiros, pegou "um tubo" de ar quente no vão do telhado em direção ao Norte onde, na metade, encontrou o acervo histórico da Unidade. Esse acervo fora instalado num "piso" superior, entre o térreo e o telhado. Combustível para o fogo que se aproximava. Ali chegando, nada mais controlou o fogo. Os bombeiros então trataram de "isolar" o Pavilhão Central, resfriando as suas paredes. Mesmo assim, a equipe e voluntários do colega Kruger, utilizando escadas e a varanda superior, transferiu os documentos de Mobilização para uma área mais segura. As perdas patrimoniais foram totais, os danos foram irreversíveis, principalmente no Histórico da Unidade, pois os demais itens poderiam, como foram, recuperados com o tempo. Pessoalmente, como sempre fui ligado à História, como militar e jornalista, o baque foi enorme. O BAQUE FOI ENORME O INCÊNDIO FOI TRANSMITIDO AO VIVO PELO JORNAL NACIONAL

78 Tinha afeição por aquele material histórico dos séculos 18, 19 e 20 (apesar de ali ter contraído uma alergia respiratória devido ao acúmulo de ácaros nos velhos papéis; entrava sempre de lenço molhado na frente do nariz). O registro dos assentamentos dos Pracinhas do Grupo que tinham participado da 2º Grande Guerra (150 militares) estavam ali depositados. Algumas obras e históricos da Unidade participando de alguns importantes eventos como a Revolução de Trinta, a ação da 5a Bateria contra a Coluna Prestes, a Revolução de 1964, eram "jóias" que estavam ali guardadas e que o fogo não teve nenhuma pena. Consumiu tudo. O pessoal de serviço e os soldados que pernoitavam no quartel fizeram o possível para retirar móveis e documentos. Um episódio que marcou foi a retirada do móvel de aço, o "cofre" da tesouraria por apenas três soldados. Movidos provavelmente pela "adrenalina eles trouxeram para fora e colocaram no alpendre. Mais tarde, depois para transferir para um local provisório, foram necessários 8" homens para fazer o que 3" tinham feito naquela noite. O comandante da época, Coronel Célio José Henriques Manzo, coordenou, com os bombeiros, as ações de controle do sinistro. A mim, atribuiu a missão de ligar-se com as rádios, os jornais e a emissora de televisão, lá pelas 23 horas, para transmitir a informação de que o fôra controlado e, principalmente, de que não houvera nenhum militar ou bombeiro ferido nas ações de combate ao sinistro. Antes de liberar os militares da cidade, explicou como seria o dia seguinte e convidou a todos para que cantassem o Hino da Artilharia. É evidente que muitos militares ficaram muito emocionados. MILITARES SE EMOCIONARAM IMPORTANTE PERDA DE ACERVO HISTÓRICO

79 Em julho desse mesmo ano fui chamado para fazer o Curso de Técnicas de Relações Públicas no Centro de Estudos de Pessoal, no Rio de Janeiro. O Coronel Manzo me chamou e pediu que, dentro do possível e desde que não prejudicasse meus estudos nos próximos seis meses, deveria entrar em contato com os ex-comandantes da Unidade lá residentes e pesquisar o Arquivo Histórico do Exército, para iniciar o processo de recuperação do acervo. E lá, no Rio de Janeiro, me encontrei com os Coronéis Brito, Lira, Newton, Braz e todos deram enorme contribuição pessoal à retomada de dados de nossa história. A comenda da Ordem do Mérito da Força Expedicionária teve origem numa entrevista que fiz com o ex-comandante Newton Correa de Andrade Mello, que sendo febiano, se prontificou a gestionar pela honraria, concedida em 04 de maio de Os dados históricos foram dados de "improviso" e verbalmente, por mim, para o ex-comandante, que foi anotando num papel. O RECOMEÇO Atenciosamente, Professor SILVIO LUZARDO O ENTÃO SGT SILVIO LUZARDO, NA ÉPOCA DO INCÊNDIO

80 A ÁREA AFETADA FOI RECONSTRUÍDA LOGO EM SEGUIDA... INCÊNDIO DE 1980

81 HOJE... COM MELHORAMENTOS

82 MONTAGEM: À ESQUERDA EM RECONSTRUÇÃO E À DIREITA HOJE INCÊNDIO DE 1980

83 6º R.A.M. e 29º G.A.C. AP MONTAGEM: NAS LATERAIS 6º R.A.M. E NO CENTRO 29º G.A.C. AP

84 MONTAGEM: NAS LATERAIS 29º G.A.C. AP E NO CENTRO 6º R.A.M. 6º R.A.M. e 29º G.A.C. AP

85 6º R.A.M. A UNIDADE JÁ TEVE EM TORNO DE 90 COMANDANTES DESDE A SUA CRIAÇÃO

86 6º R.A.M. O ATUAL COMANDANTE DA UNIDADE É O TENENTE CORONEL CLÁUDIO VASCONCELLOS SANTOS

87 HOJE - 29º G.A.C. AP MAIS CEM ANOS PARA ESSA ESPLÊNDIDA UNIDADE 06

88 Os homens só se lembram de Deus e as nações só valorizam seus soldados quando sentem a sobrevivência ameaçada. Passado o perigo, a maioria dos homens esquecem-se de Deus, e as nações de seus soldados. (Napoleão Bonaparte)

89 ONDE ESTOU ? Algumas fotos deste trabalho apresentam um número em seu canto superior direito Localize na foto aérea acima onde a fotos correspondentes foram tiradas

90 18/08/2011 CRUZ ALTA-RS 190 ANOS Fotos atuais e montagem: Alfredo Roeber Agradecimentos : Ten Cel Marco Antonio Maluf Barroso * 3º Sgt Eniomar Maciel Pinto - 29º G.A.C. * EX-COMANDANTE DO 29º G.A.C. AP

91 VISITE CRUZ ALTA

92 fim OBRIGADO PRÓXIMO

93 Se você gostou da montagem, envie para seus amigos; Se você quer ajudar com novas montagens me envie fotos antigas de Cruz Alta; Um agradecimento especial aos amigos que, com interesse e boa vontade, têm contribuído para o prosseguimento deste projeto; Veja os demais projetos Nossa Velha-Nova Cruz Alta e atualizações no endereço: Alfredo Roeber Amigo(a),


Carregar ppt "Cruz Alta Nossa Velha - Nova Parte 39 Exército Brasileiro em Cruz Alta Parte 02."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google