A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Diagnóstico Karina Ortiz R2 Orientador: Felipe Hardt.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Diagnóstico Karina Ortiz R2 Orientador: Felipe Hardt."— Transcrição da apresentação:

1 Diagnóstico Karina Ortiz R2 Orientador: Felipe Hardt

2 Estiramento muscular Contusão muscular Lesão muscular

3 Mecanismos: Lesão por tração: Aceleração/desaceleração súbitos. Na transição aceleração/desaceleração. Geralmente: correndo ou pulando. Estiramento

4 Geralmente ocorrem em músculos biarticulares Ex: isquiotibiais Durante contrações excêntricas. Maior parte dos casos: Junção miotendínea. Mecanismos

5 Músculos inativos ou fatigados. Pode ocorrer devido a ação concêntrica em uma parte e uma ação excêntrica simultânea em outra parte de um m. biarticular. Mecanismos

6 Fator de risco: flexibilidade pobre em jogadores de futebol (Ekstrand et. Al.). Mecanismos

7 Ruptura completa do músculo Dor severa Queda súbita ao correr Investigação imediata: contração pobre, edema. Mecanismos

8 Epífises abertas: Avulsão muscular pode levar a fratura na origem tendínea do músculo. Todo estiramento súbito em jovens merecem um Rx. Crianças

9 Contusão muscular

10 Impacto muscular não-penetrantes contundente, resultando em um esmagamento do tecido muscular. Definição da gravidade: Energia de impacto (velocidade da colisão ou a compressão do músculo) Estado do músculo Contusão muscular

11 Geralmente afeta o músculo adjacente ao osso Intermuscular Ruptura da fáscia, hematoma caudal. Intramuscular (associado com síndrome compartimental intramuscular e maior risco de miosite ossificante) Contusão muscular

12 Casos agudos: fácil... história de uma dor aguda e súbita em um grupo muscular. Tensão súbita ou uma contusão Dor ao movimento e ao esforço muscular máximo Inchaço e rigidez. Teste muscular: fraqueza e dor na ativação Diagnósticos diferenciais

13 Mais difícil.... O atleta não lembra do mecanismo! Caroço (tumor) muitas vezes indolor no músculo... Primeiro sinal de tumor ?? (sarcoma) US, RM, biópsia... Casos tardios

14 Rx: calcificações... Miosite ossificante? Ou tu malignos? Especialista! Casos tardios

15 Sangramento intramuscular. +fáscia intacta. Dor severa e progressiva Edema Perda da ADM Alguns dias após lesão Ausência de equimose da pele. Cirurgia! Síndrome compartimental

16 AINE: sangramento mais pronunciado Compressão do nervo Raros casos: lesão direta do nervo em contusões severas. Paralisia do nervo periférico

17 Dor crônica ciática glútea ou em coxa posterior Fibrose próxima à origem dos isquiotibiais Dor crônica aos esforços Sintomas de compressão ciática. Síndrome dos isquiotibiais

18 Grau 1: ruptura de algumas fibras. Grau 2: ruptura parcial do músculo. Grau 3: ruptura total Classificação

19 Lesão muscular Grau I

20 Lesão muscular Grau II

21 Grau III

22 Grau 1: edema muscular e dor, sem perda de força ou restrição de movimento. Retorno em 7 – 10 dias Grau 2: perda de força e função. Hematoma. Retorno em semanas Grau 3: retração muscular e perda de função. Retorno em meses Classificação

23 Clínico: estiramento súbito ou contusão Imagem: para saber a extensão da lesão Diagnóstico

24 inspeção e palpação dos músculos envolvidos testes da função dos feridos músculos, ambos com e sem resistência externa. história típica de contusão ou deformação acompanhada de inchaço e / ou equimose distal à lesão. Diagnóstico

25 US tradicionalmente método de escolha relativamente barato radiologista dependente RM pode confirmar com precisão / descartar a existência de lesão/ caracterização muito detalhada da lesão Diagnóstico

26 Figure 1. A 28-year-old male professional footballer with grade I distal hamstring strain. Axial fat- saturated proton density-weighted image through the distal thigh demonstrating oedema within the long head of biceps femoris muscle centred on the musculotendinous junction (arrow). Note the perifascial fluid surrounding the muscle at the injury site (arrowheads).

27 Figure 4. A 22-year-old cricket professional fast bowler with grade II right latissimus dorsi strain. Extended field of view sonogram demonstrating a tear within the latissimus dorsi muscle (LD) surrounded by haematoma (arrowheads).

28 Ruptura completa do adutor longo

29 Dor muscular tardia Síndrome miofascial (contratura) Hérnia muscular Outras: câimbra, claudicação intermitente, fibromialgia, doenças infecciosas (cisticercose, leptospirose), inflamatórias (miosites, colagenoses), hemangioma intramuscular Diagnóstico diferencial

30 Dor da musculação Surge horas após treino intenso, alcançando seu pico em 24-72h Mais relacionada à exercícios excêntricos Secundária à recuperação das microlesões (hipótese mais provável) Dor muscular tardia

31 Bandas musculares contraturadas/tensas que produzem dor referida em áreas distantes ou local. O diagnóstico é clínico Síndrome miofascial

32 Um defeito na fáscia, fazendo o tecido muscular se herniar e ficar aprisionado Treino intenso, anabolizantes, trauma, genética Assintomático, mas pode causar dor localizada durante os treinos ou comprimir estruturas Hérnia muscular

33 Injeção de anestésico local, seguido de actovegin (aa.)e S Traumeel (homeopático). Dias 0, 2 e 4 após (1) para o local da estirpe em si (2) em uma linha vertical ao longo do mesmo músculo (3)terapia de infiltração na correspondente área da coluna vertebral lombar (tanto central como paravertebral). Tratamentos

34 Plasma rico em plaquetas Aplicação no sítio da lesão guiado por US Rico em fatores de crescimento Popular Pode funcionar Mas...pode não funicionar Pouca evidência Necessário mais estudos. PRP

35 Muscle injuries associated with soccer.-Tonu Saartok. The early management of muscle strains in the elite athlete: best practice in a world with a limited evidence basis-John W Orchard. Imaging of muscle injury in the elite athlete J C LEE Bibliografia


Carregar ppt "Diagnóstico Karina Ortiz R2 Orientador: Felipe Hardt."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google