A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O Modelo Britânico de Aten ç ão à Sa ú de – O que podemos aproveitar dessa realidade para o Modelo Brasileiro e para as Autogestões? Airton T Stein Professor.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O Modelo Britânico de Aten ç ão à Sa ú de – O que podemos aproveitar dessa realidade para o Modelo Brasileiro e para as Autogestões? Airton T Stein Professor."— Transcrição da apresentação:

1 O Modelo Britânico de Aten ç ão à Sa ú de – O que podemos aproveitar dessa realidade para o Modelo Brasileiro e para as Autogestões? Airton T Stein Professor Titular de Saúde Coletiva da Ufcspa e Ulbra Coordenador do Núcleo de Avaliação de Tecnologia em Saúde do GHC Dezembro, 2013

2 Sumário A importância da APS no modelo assistencial público e privado Iniquidade Efetividade, Eficácia e Eficiência ATS Monitorização do Horizonte Tecnológico Diretrizes clínicas Capacitação dos profissionais de saúde Consultor acadêmico Take home message

3

4 A importância da APS Qual o motivo de não se utilizar a Unidade Saúde da Família? – Afiliação ao subsistema privado (61,6%) – Não necessidade de frequentar serviços de saúde devido a boa condição de saúde (13,3%). Bousquat A. Acesso realizado ao Programa de Saúde da Família com área com “alta” cobertura do subsistema privado. Ciência & Saúde Coletiva 17(11): ,2012

5

6 Fatores de risco na Inglaterra e EUA idade 55 a 64 anos From: Disease and Disadvantage in the United States and in England JAMA. 2006;295(17): doi: /jama

7 Comparação do autorelato e clínica por nível educacional

8 Conclusão do estudo – doença e vulnerabilidade nos EUA e Inglaterra Baseado no auto relato de doença e marcador biológico os residentes nos EUA são menos saudáveis do que os ingleses e existem diferenças de acordo com a distribuição socioeconômica. – Razões: Menor acesso ao serviço de saúde nos EUA A ocorrência de doença em adultos esta relacionada as enfermidades em crianças Determinantes sociais de saúde - circunstâncias no qual as pessoas vivem e trabalham – gradiente social em saúde Iniquidade econômica maior nos EUA

9 A inovação nas organizações de saúde Transparência Liderança Infraestrutura adequada Interdisciplinariedade Informação baseada em evidências Efetividade e a segurança Ezziane Z. Pathways and complexity of innovation in health care. Journal of Health Innovation and Integrated Care – vol. 3, Iss 1 (2012) (Acessível em

10 Efetividade O benefício de utilizar uma tecnologia, programa ou intervenção para abordar um problema específico sob condições de rotina. – Ex.: atendimento de um paciente com diabetes, obeso, hipertenso... (comorbidades)

11 Eficácia O benefício de utilizar uma tecnologia, programa ou intervenção para abordar um problema específico sob condições ideais. – Ex.:no contexto de pesquisa num laboratório ou num ensaio clínico randomizado.

12 Eficiência A habilidade para obter o máximo benefício possível, considerando o recurso disponível

13

14 Porque ATS em Hospitais No ambiente hospitalar se vivencia com frequência todas as fases (ciclo de vida) das tecnologias da saúde

15 Sítio da Rebrats na Internet

16

17

18 Evidência: - Dados do paciente - Pesquisa básica, clínica e epidemiológica - Ensaios randomizados - Revisões sistemáticas Conhecimento DECISÃO CLÍNICA Diretrizes clínicas Ética Limitações: -Políticas de saúde -Tempo -Financiamento Fatores do prof. de saúde/paciente: - Valores pessoais - Valores culturais - Experiência individual - Fatores educacionais

19

20 Biblioteca Cochrane

21

22 Como implementar uma nova estratégia Nicolau Maquiavel, O Príncipe (1513) “Não existe nada mais difícil do que planejar uma nova estratégia...” Escorbuto na Marinha Britânica 1601 – James Lind – primeiro Experimento * 1795 – frutas cítricas disponíveis na marinha Demonstrou que o Escorbuto era desencadeado por carências graves de vitamina C na dieta. Implementação demorou 194 anos

23 O caso Escorbuto: O caso Escorbuto: Porque demorou mais de 100 anos para serem utilizadas frutas cítricas nos navios militares e comerciais? Dificuldade na comunicação; Implementação contrária aos interesses militares e comerciais (frutas nos navios muito cara!); Desafios grandes para a sabedoria científica; Relação inadequada entre: – aqueles que faziam pesquisa – daqueles que poderiam implementar os resultados Source: Bown SR: ‘Scurvy’, Thomas Allen Publishers, 2003

24 ANÁLISE ECONÔMICA Maior custo Menor custo Nova tecnologia é mais efetiva e de maior custo Em geral, a tecnologia vigente Cenário ideal Dominante Descartar Maior efetividade Menor efetividade

25 CUSTO ALTO BAIXA EFETIVIDADE CUSTO BAIXO ALTA EFETIVIDADE CUSTO BAIXO BAIXA EFETIVIDADE CUSTO ALTO ALTA EFETIVIDADE CUSTO EFETIVIDADE

26 Pesquisa comparativa de efetividade (Comparative Effectiveness Research) Delineada para a tomada de decisão Evidência: – Benefício (Efetividade) – Dano (Efeitos Adversos) – Acurácia Definida a partir de pesquisas: – Comparação entre: drogas, equipamentos médicos, formas de atendimento

27 Da evidência para a recomendação ECR Estudo Observacional Alto nível de Recomenda- ção Baixo nível de Recomenda- ção Sistema antigo Balanço entre benefício, dano & fardo Valores e preferências dos pacientes GRADE Uso de recursos Qualidade da evidência

28 Escolhendo desfecho Cada decisão apresenta consequências desejáveis e indesejáveis  As recomendações devem incluir desfechos desejáveis e indesejáveis  Os desfechos devem ser importantes para os pacientes.

29 Desfechos desejáveis – Reduzir permanência no hospital – Reduzir a duração da doença – Reduzir o gasto com recursos Desfechos indesejáveis – Reações adversas – Resistência bacteriana – Custo do tratamento Cada decisão apresenta consequências desejáveis e não desejáveis  Definir a confiança na estimativa das intervenções Benefícios e danos

30 WP 6: Strategies for collaboration among European guideline developers and health technology assessment agencies in Europe

31 Probabilidade e confiança do efeito Tem 40% de chance de chover e 10% de probabilidade de saber o que estamos falando.

32 Probabilidade e confiança do efeito Temos 20% de redução no risco com a intervenção X e 10% de chance de confiança

33 BMJ 2003 BMJ, 2003 Paraquedas reduz o risco de lesão após o desafio gravitacional, mas a efetividade não foi provada por ECR Redução do Risco Relativo  99,9%  Associação de Paraquedas dos EUA relatou 821 lesões e 18 mortes em 2,2 milhões de pulos em 2007 Parachutes reduce the risk of injury after gravitational challenge, but their effectiveness has not been proved with randomised trials

34

35 Piano stairs - TheFunTheory.com -

36 Mission accomplished No dia 1 de Maio de 2003 – O Presidente Bush declarou em um Navio de Guerra, que os EUA e aliados haviam ganho a Guerra no Iraque após 6 semanas. A história nós sabemos – a missão não se completou naquele momento. Após essa declaração Houve 4270 mortes de soldados Americanos e milhares de civis iraquianos no período De 8 anos e oito meses de Guerra.


Carregar ppt "O Modelo Britânico de Aten ç ão à Sa ú de – O que podemos aproveitar dessa realidade para o Modelo Brasileiro e para as Autogestões? Airton T Stein Professor."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google