A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INTERTEXTUALIDADE Literatura & Música. HISTÓRIA DA DONA BARATINHA Texto 1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INTERTEXTUALIDADE Literatura & Música. HISTÓRIA DA DONA BARATINHA Texto 1."— Transcrição da apresentação:

1 INTERTEXTUALIDADE Literatura & Música

2 HISTÓRIA DA DONA BARATINHA Texto 1

3 O Casamento de Dona Baratinha Era uma vez uma baratinha que varria o salão quando, de repente, encontrou uma moedinha: - Obá! Agora fiquei rica, e já posso me casar! Este era o maior sonho da Dona Baratinha, que queria muito fazer tudo como tinha visto no cinema. Então, colocou uma fita no cabelo, guardou o dinheiro na caixinha, e foi para a janela cantar: - Quem quer casar com a Dona Baratinha, que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? Um ratinho muito interesseiro estava passando por ali, e ficou imaginando o grande tesouro que a baratinha devia ter encontrado para cantar assim tão feliz. Tentou muito chamar sua atenção e dizer: - Eu quero! Eu quero!...

4 Ele era muito pequeno e tinha a voz muito fraquinha e, enquanto cantava, Dona Baratinha nem ouviu. Então chegou o cachorrão, com seu latido forte; foi logo dizendo: - Eu quero! Au! Au! Dona Baratinha se assustou muito com o barulhão dele, e disse: - Não, não, não, não quero você não, você faz muito barulhão! E o cachorrão foi embora. O ratinho pensou: agora é minha vez! Mas... - Eu quero, disse o elefante. Dona Baratinha, com medo que aquele animal fizesse muito barulho, pediu que ele mostrasse como fazia. E ele mostrou: - Não, não, não, não quero você não, você faz muito barulhão! E o elefante foi embora....

5 O ratinho pensou novamente: - Agora é a minha vez! Mas... Outro animal já ia dizendo bem alto: - Eu quero! Eu quero! E Dona Baratinha perguntou: - Como é o seu barulho? - GRRR! - Não, não, não, não quero você não, você faz muito barulhão! E vieram então vários outros animais: O leão, a onça, o tigre, o papagaio. A todos, Dona Baratinha disse não: ela tinha muito medo de barulho forte. E continuou a cantar na janela:

6 - Quem quer casar com a Dona Baratinha, que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? Também veio o urso, o cavalo, o galo, o touro, o bode e até o jacaré. A todos a baratinha disse não. Dona Baratinha já estava quase desistindo de encontrar aquele com quem iria se casar. Foi então que percebeu alguém pulando, exausto de tanto gritar: -Eu quero! Eu quero! Ah! Achei alguém de quem eu não tenho medo! E é tão bonitinho! disse a Dona Baratinha. Enfim, podemos nos casar! Então, preparou a festa de casamento mais bonita, com novas roupas, enfeites e, principalmente, comidas. Essa era a parte que o Ratinho mais esperava: a comida. O cheiro maravilhoso do feijão que cozinhava na panela deixava o Ratinho quase louco de fome. Ele esperava, esperava, e nada de chegar a hora de comer. Já estava ficando verde de fome!...

7 Quando o cozinheiro saiu um pouquinho de dentro da cozinha, o Ratinho não aguentou: - Vou dar só uma provadinha na beirada da panela, pegar só um pedacinho de carne do feijão, e ninguém vai notar nada... Que bobo! A panela de feijão quente era muito perigosa, e o Ratinho guloso não devia ter subido lá: caiu dentro da panela de feijão, e nunca mais voltou. Dona Baratinha ficou muito triste que seu casamento tenha acabado assim. No dia seguinte, decidiu voltar à janela novamente e recomeçar a cantar, mas... Desta vez iria prestar mais atenção em tudo o que era importante para ela, além do barulhão, é claro! - Quem quer casar com a Dona Baratinha, que tem fita no cabelo e dinheiro na caixinha? Adaptado. Acesso: 05/09/10...

8 DONA BARATINHA por MC Pelé Texto 2 Acesso: 12/09/10.

9 Dona Baratinha MC Pelé Composição: Mc Pelé Quem quer casar Com dona baratinha Que é maluquinha e Tá doidinha pra casar E tem também Dinheiro na caixinha ela é charmosa e Tá doidinha pra quebra (quebra tudo, quebra tudo, quebra tudo) Refrão Quem quer casar Com dona baratinha Tem tinta no cabelo e dinheiro na caixinha (2x)...

10 Ela é charmosa E quem com ela se casar Vai ter sombra e Água fresca no almoço E no jantar (2x) Refrão (2x) Ih! Uma barata AAAAAAAAAAA Ô pisa na barata Ô mata essa barata Ô chuta essa barata Ô pega a grana da barata Quem quer casar Com dona baratinha Que é maluquinha e Tá doidinha pra casar...

11 E tem também Dinheiro na caixinha ela é charmosa e Tá doidinha pra quebra (quebra tudo, quebra tudo, quebra tudo) Refrão (2x) Ela é charmosa E quem com ela se casar Vai ter sombra e Água fresca no almoço E no jantar (2x) Ai eu não queria te assustar não, mas tem uma barata aí meu AAAAAAAAAAA Ô pisa na barata Ô mata essa barata Ô chuta essa barata Ô pega a grana da barata (2x)...

12 E AGORA, JOSÉ? Carlos Drummond de Andrade Texto 3 A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José ? e agora, você ? você que é sem nome, que zomba dos outros, você que faz versos, que ama protesta, e agora, José ? Está sem mulher, está sem discurso, está sem carinho, já não pode beber, já não pode fumar, cuspir já não pode, a noite esfriou, o dia não veio, o bonde não veio, o riso não veio, não veio a utopia e tudo acabou e tudo fugiu e tudo mofou, e agora, José ? E agora, José ? Sua doce palavra, seu instante de febre, sua gula e jejum, sua biblioteca, sua lavra de ouro, seu terno de vidro, sua incoerência, seu ódio - e agora ? Com a chave na mão quer abrir a porta, não existe porta; quer morrer no mar, mas o mar secou; quer ir para Minas, Minas não há mais. José, e agora ?

13 ... Se você gritasse, se você gemesse, se você tocasse a valsa vienense, se você dormisse, se você cansasse, se você morresse… Mas você não morre, você é duro, José ! Sozinho no escuro qual bicho-do-mato, sem teogonia, sem parede nua para se encostar, sem cavalo preto que fuja a galope, você marcha, José ! José, pra onde ?

14 Texto 4: O twitter falhou, o pifou, o orkut sumiu, o blog apagou, e agora, José? e agora, você? você que é sem nick, que navega no msn, você que publica, que linka posta, e agora, José? Está sem contato, está sem cursor, está sem login, já não pode entrar, já não pode teclar, baixar já não pode, a internet pifou, o técnico não veio, a assistência não veio, o provedor não veio, não veio o hacker e tudo queimou e tudo caiu e tudo desplugou, e agora, José? E agora, José? Seu inútil teclado, seu monitor tela plana, seu disquete e CD, seu mouse ótico, seu pendrive de 1 giga, seu DVD de 1 mega, sua memória, seu MP4 – e agora? E AGORA, JOSÉ? - Releitura

15 Com o botão na mão quer ligar o pc, não existe pc; quer conectar, mas o cabo queimou; quer ir para a Lan, Lan não há mais. José, e agora? Se você instalasse, se você navegasse, se você rodasse, o CD de instalação, se você formatasse, se você deletasse, se você desligasse... mas você não desliga, você é burro, José! Sozinho no mundo qual pré-digital, sem tecnologia sem banda larga para se conectar, sem modem perto que ligue a um toque você murcha, José! José, por quê? Acesso: 05/09/10...


Carregar ppt "INTERTEXTUALIDADE Literatura & Música. HISTÓRIA DA DONA BARATINHA Texto 1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google