A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Aula – Visão Sistemática do Orçamento de Produção ADMINISTRAÇÃO ORÇAMENTÁRIA - e Planejamento Estratégico e Orçamentário - FACITEC Prof. Dr. Leopoldino.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Aula – Visão Sistemática do Orçamento de Produção ADMINISTRAÇÃO ORÇAMENTÁRIA - e Planejamento Estratégico e Orçamentário - FACITEC Prof. Dr. Leopoldino."— Transcrição da apresentação:

1 1 Aula – Visão Sistemática do Orçamento de Produção ADMINISTRAÇÃO ORÇAMENTÁRIA - e Planejamento Estratégico e Orçamentário - FACITEC Prof. Dr. Leopoldino Vieira

2 2 Orçamento de Produção Depois que sabemos quanto é nossa estimativa de venda, poderemos calcular quanto deveremos produzir.

3 3 Fluxo de Vendas, Produção e Estoque (fonte: Sobanski, 1994, p. 30) SENTIDO DOS INSUMOS SUB-SISTEMA

4 4 Tipos de Processos Produtitivos: Produção constante: - Maior custo de estocagem; - Pouca flexibilidade em vendas; - Otimização dos ativos fixos; - Minimização do o regime extraordinário de trabalho; - Gestão facilitada do fluxo de materiais. Produção variável: - Maior custo de manutenção dos equipamentos; - Maior custo da mão-de-obra; - Adm. de materiais complexa; - Níveis de estoque menores. Baixo custo - de estocagem. - Flexibilidade de vendas.

5 5 O Plano de Produção requer o conhecimento: Do Plano de Vendas Das características de armazenamento dos materiais Da Economia de escala do processo Da capacidade ótima e máxima de produção Da duração e etapas do processo produtivo Dos Lotes econômicos de produção Da utilização da MOB direta

6 6 ORÇAMENTO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO

7 7 Orçamento de Matérias-Primas e Compras MP são bens adquiridos que, no processo industrial, por transformação ou por montagem, integram-se nos produtos acabados. Custos relacionados à MP: Custo do Material adquirido Despesas relativas ao processo de compra Despesas relativas à manutenção dos estoques Despesas decorrentes da falta de estoques

8 8 Etapas para o Cálculo do Custo das MP Obter a quantidade de produtos a fabricar no período a orçar; Multiplicá-la pela quantidade padrão de consumo de MP por unidade de produto, obtendo a quantidade total de MP a consumir; Multiblicar o resultado pelo custo médio unitário previsto para o período, obtendo o custo total da MP consumida.

9 9 Orçamento de Compra da MP A compra da MP depende da quantidade de Estoque Inicial que se tem no período a orçar e a quantidade de Estoque Final que se pretende deixar ao final do período a orçar. Obedece a fórmula básica do Estoque: EF = EI + Entradas – Saídas Compras = EF – EI + Saídas p/ Produção

10 10 Orçamento de Mão-de-Obra Direta (MOD) Compõem MOD todos os trabalhadores relacionados na atividade fim da empresa. Numa indústria, inclui os supervisores dos operários, o pessoal do almoxarifado, da manutenção, e do planejamento e controle da produção. Normalmente é considerado um custo variável, dada a alta correlação entre o tempo de MOD e o volume de produção.

11 11 Cálculo do Custo da MOD Remuneração Líquida da MOD: –Horas de MOD X Salário/Hora Custo Total da MOD: –Remuneração Líquida + Encargos + DSR  Encargos: INSS, FGTS, 1/3 Férias, 13° Sal., seguros, planos de saúde, subsídios de refeição etc.  DSR = Descanso Semanal Remunerado

12 12 Orçamentos das Despesas do Edifícil Despesas do Edifício são normalmente consideradas como Custos Indiretos de Fabricação (CIF) e/ou despesas administrativas. São normalmente FIXOS. Exemplos:  Salários e encargos das chefias  Depreciações  Ar condicionado, água e esgoto  Despesas de conservação predial (zeladoria)

13 13 Orçamento dos CIF Custos indiretos são aqueles que não podem ser classificados como mão-de-obra direta ou matéria prima (ou seja, não têm relação direta com o nível de produção). Podem ser FIXOS, VARIÁVEIS OU SEMIVARIÁVEIS. Exemplos:  Mão-de-obra indiretanormalmente FIXO  Materiais indiretosnormalmente VARIÁVEL  Manutençãonormalmente SEMIVARIÁVEL  Energia elétricanormalmente SEMIVARIÁVEL  Depreciaçãonormalmente FIXO  Segurosnormalmente FIXO

14 14 Orçamento das Despesas Administrativas e Comerciais Despesas são sacrifícios financeiros (das áreas administrativa e comercial) para obtenção de receita. Também podem ser FIXAS, VARIÁVEIS OU SEMIVARIÁVEIS. Exemplos:  Despesas de Marketingnormalmente FIXO  Salários/encargos Adm. e de vendasFIXO e SEMIVARIÁVEL  Telefone e comunicaçãonormalmente FIXO  Depreciaçãonormalmente FIXO  Material de expedienteSEMIVARIÁVEL  TransporteSEMIVARIÁVEL

15 15 Orçamento de Caixa e Disponibilidades A projeção do Fluxo de Caixa é uma atividade indispensável para a grande maioria das instituições. A projeção do Fluxo de Caixa permite:  Visualizar a provável posição financeira da empresa e as possíveis insuficiências ou excessos de caixa.  Avaliar com antecedência alternativas de solução para insuficiências de caixa  Identificar a melhor opção de aplicação de recursos excedentes.  Embasar a política de pagamentos e recebimentos da empresa.

16 16 Métodos para o Orçamento do Fluxo de Caixa Método dos recebimentos e pagamentos.  É o método mais detalhado, recomendado para projeções de curto prazo.  Baseia-se nos orçamentos parciais, ajustado às datas em que as transações se converterão em dinheiro (caixa). Método do resultado ajustado  Recomendado para projeções superiores a um ano.  Parte-se do resultado líquido projetado (lucro líquido) ajustando- o por despesas e custos que não representam desembolso (depreciação) e por desembolsos ou ingressos que não são registrados no resultado econômico (DRE).

17 17 Métodos para o Orçamento do Fluxo de Caixa Método dos recebimentos e pagamentos.  É o método mais detalhado, recomendado para projeções de curto prazo.  Baseia-se nos orçamentos parciais, ajustado às datas em que as transações se converterão em dinheiro (caixa). Método do resultado ajustado  Recomendado para projeções superiores a um ano.  Parte-se do resultado líquido projetado (lucro líquido) ajustando- o por despesas e custos que não representam desembolso (depreciação) e por desembolsos ou ingressos que não são registrados no resultado econômico (DRE).

18 18 Método Recebimentos e Pagamentos DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - CIA. PRESTADORA DE SERVIÇOS DE LIMPEZA LTDA. CONTASAgostoSetembroOutubroNovembroDezembro Saldo Inicial , , ,00 Fluxo Operacional 2.200,00 (3.580,00) 4.580, , ,00 Entradas: 4.000, , , , ,00 Vendas a vista 4.000, , ,00 Vendas a prazo , , , ,00 Saídas: 1.800, , , , ,00 Salários operacionais (limpeza) 1.800, , , , ,00 Salários Adm , , ,00 Materiais de limpeza , ,00 Materiais de expediente , ,00 200,00 Fluxo Não operacional 4.050,00 (2.670,00) - - (560,00) (+) Integralização de Capital 4.500, (-) Compra de máquina limpeza 450,00 50, (-) Dividendos , ,00 Saldo Final de Caixa 6.250, , , ,00

19 19 Método do Resultado Ajustado 1. Saldo Inicial das Disponibilidades (CX/BCOS) 2. Lucro (Resultado) Líquido Projetado 3. Adições ao Lucro Líquido Depreciação Venda de ativos permanentes Redução de devedores Redução de estoques Aumento de credores Aumento de capital Sub-total: 4. Deduções do Lucro Líquido Pagamentos antecipados Compra de ativos permanentes Aumento de devedores Aumento de estoques Redução de credores Dividendos pagos Sub-total: 5. Saldo Final das Disponibilidades ( )

20 20 Orçamento Empresarial Estimativa da quantidade de bens que devem ser fabricados durante o período orçamentário de modo a suprir as demandas da projeção de vendas e das variações do estoque de produtos acabados Exigências de produção = Projeção de vendas + Variação de estoques ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

21 21 Orçamento Empresarial Decisões exigidas para preparação de um plano de produção: 1) Determinação das necessidades totais de produção (por produto) para o período orçamentário 2) Determinação das políticas de estoques em relação a produtos acabados e em elaboração. As políticas de estoque devem ser estabelecidas com grau razoável de precisão 3) Determinação de políticas de capacidade de produção tais como as relativas aos limites de tolerância para o nível de produção durante o ano 4) Determinação da adequação da capacidade de produção (expansão ou redução) ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

22 22 Orçamento Empresarial Decisões exigidas para preparação de um plano de produção: 5) Determinação da disponibilidade de matéria-prima, de componentes adquiridos externamente e de mão-de-obra 6) Determinação do efeito do prazo de duração das atividades de processamento 7) Determinação dos lotes econômicos de fabricação 8) Determinação do escalonamento de produção durante o ano ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

23 23 Orçamento Empresarial Impacto das políticas de estoque sobre... Vendas  Vultosos estoques são necessários para atender rapidamente as necessidades de vendas Produção  Estoques substanciais de matérias-primas são necessários para assegurar disponibilidade para atividades de fabricação, além de ser exigido um estoque elevado de produtos acabados para facilitar a obtenção de níveis estáveis de produção Compras  Compras em grandes quantidades minimizam os custos por unidade e as despesas gerais de aquisição Finanças  Estoques pequenos minimizam as exigências em termos de investimento (fluxos de caixa) e reduzem os custos de manutenção de estoques (armazenagem, obsolescência, riscos, etc.). ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

24 24 Orçamento Empresarial Fatores relevantes no estabelecimento de políticas de estoque de produtos acabados: 1) Quantidades necessárias para atender as demandas em termos de vendas. Este fator envolve a análise do orçamento de vendas e da sazonalidade da procura. Os executivos de vendas devem ser diretamente envolvidos no processo 2) Perecibilidade dos produtos 3) Duração do período de produção 4) Instalações de armazenamento 5) Adequação dos recursos financeiros para cobrir os custos de produção dos estoques com alguma antecedência em relação às vendas. Não é raro encontrar volumes excessivos de capital de giro aplicados em estoques ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

25 25 Orçamento Empresarial Fatores relevantes no estabelecimento de políticas de estoque de produtos acabados: 6) Custos de manutenção de estoques tais como seguros, mão-de-obra, impostos, aluguéis e manejo 7) Proteção contra faltas de matérias-primas 8) Proteção contra falta de mão-de-obra 9) Proteção contra aumento de preços dos insumos 10) Riscos associados a estoques tais como obsolescência, queda de preços, roubos e furtos, insuficiência de procura, etc ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

26 26 Orçamento Empresarial Planejamento e controle da utilização das compras de matérias- primas O planejamento de matérias-primas inclui os quatro sub- orçamentos seguintes: 1) Orçamento de matérias-primas 2) Orçamento de compras 3) Orçamento de estoques de matérias-primas 4) Orçamento do custo das matérias-primas consumidas ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO


Carregar ppt "1 Aula – Visão Sistemática do Orçamento de Produção ADMINISTRAÇÃO ORÇAMENTÁRIA - e Planejamento Estratégico e Orçamentário - FACITEC Prof. Dr. Leopoldino."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google