A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SÍNTESE DA TEORIA DOS ATOS DE FALA. A QUESTÃO DA INFERÊNCIA Quando um enunciado implica outro. Ex. Quando um enunciado implica outro. Ex. A) João é.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SÍNTESE DA TEORIA DOS ATOS DE FALA. A QUESTÃO DA INFERÊNCIA Quando um enunciado implica outro. Ex. Quando um enunciado implica outro. Ex. A) João é."— Transcrição da apresentação:

1 SÍNTESE DA TEORIA DOS ATOS DE FALA

2

3 A QUESTÃO DA INFERÊNCIA Quando um enunciado implica outro. Ex. Quando um enunciado implica outro. Ex. A) João é meu sobrinho implica: A) João é meu sobrinho implica: B) Sou tio de João. B) Sou tio de João. C) Se tivesse chovido, não haveria falta de energia implica C) Se tivesse chovido, não haveria falta de energia implica D)Não choveu D)Não choveu E)há falta de energia. E)há falta de energia.

4 IMPLICAÇÕES X INFERÊNCIAS IMPLICAÇÃO: IMPLICAÇÃO: Derivam do conteúdo lógico dos próprios enunciados e, portanto, não exigem, para que sejam feitas, informações retiradas do contexto. Derivam do conteúdo lógico dos próprios enunciados e, portanto, não exigem, para que sejam feitas, informações retiradas do contexto. INFERÊNCIA INFERÊNCIA Quando a comunicação não depende só do sentido “literal”, mas só pode ser entendida dentro do contexto. Quando a comunicação não depende só do sentido “literal”, mas só pode ser entendida dentro do contexto. -Nesse caso, os falantes comunicam muito mais do que as palavras das frases significam. -Nesse caso, os falantes comunicam muito mais do que as palavras das frases significam.

5 EXEMPLOS DE INFERÊNCIAS A) Não há mais homens no mundo. (comentário sobre o fato de muitos homens cuidarem da casa, enquanto as mulheres trabalham fora= o papel masculino está mudando) A) Não há mais homens no mundo. (comentário sobre o fato de muitos homens cuidarem da casa, enquanto as mulheres trabalham fora= o papel masculino está mudando) B) Você pode me passar esse pacote. (Não é uma pergunta sobre a capacidade do interlocutor em passar o pacote, mas um pedido) B) Você pode me passar esse pacote. (Não é uma pergunta sobre a capacidade do interlocutor em passar o pacote, mas um pedido) C) A lata de lixo está cheia. (Não se constata o fato, mas indica que o lixo deve ser levado para fora) C) A lata de lixo está cheia. (Não se constata o fato, mas indica que o lixo deve ser levado para fora)

6 FUNÇÃO DA PRAGMÁTICA Mostrar como se fazem inferências necessárias para se chegar ao sentido dos enunciados. Entender: Mostrar como se fazem inferências necessárias para se chegar ao sentido dos enunciados. Entender: -sentidos não literais; -sentidos não literais; -sentidos indiretos; -sentidos indiretos;

7 ALGUMAS DIFERENÇAS FRASE.(OBJETO DE ESTUDO DA SINTAXE E DA SEMÃNTICA) FRASE.(OBJETO DE ESTUDO DA SINTAXE E DA SEMÃNTICA) (estrutura sintática + significação das palavras que a contem) (estrutura sintática + significação das palavras que a contem) SIGNIFICAÇÃO (produto das indicações lingüísticas dos elementos componentes da frase) SIGNIFICAÇÃO (produto das indicações lingüísticas dos elementos componentes da frase) Ex. Está chovendo = Cai/tomba água do céu. Ex. Está chovendo = Cai/tomba água do céu. ENUNCIADO (OBJETO DE ESTUDO DA PRAGMÁTICA) ENUNCIADO (OBJETO DE ESTUDO DA PRAGMÁTICA) (Frase + informações do contexto) (Frase + informações do contexto) SENTIDO (significação da frase + indicações contextuais e situacionais) SENTIDO (significação da frase + indicações contextuais e situacionais) Está chovendo (num contexto em que se comenta o racionamento de energia derivado do esvaziamento das represas das hidrelétricas) = AGORA O RACIONAMENTO VAI ACABAR) Está chovendo (num contexto em que se comenta o racionamento de energia derivado do esvaziamento das represas das hidrelétricas) = AGORA O RACIONAMENTO VAI ACABAR)

8 A INSTRUÇÃO Será nosso objeto de estudo no próximo bimestre. (semântica enunciativo- argumentativa). Será nosso objeto de estudo no próximo bimestre. (semântica enunciativo- argumentativa). DUCROT, KOCH, Guimarães, etc. DUCROT, KOCH, Guimarães, etc.

9 DOIS GRANDES TIPOS DE ATOS DE FALA CONSTATIVA CONSTATIVA As afirmações serviam para descrever um estado de coisas e, portanto, eram VERDADEIRAS OU FALSAS. As afirmações serviam para descrever um estado de coisas e, portanto, eram VERDADEIRAS OU FALSAS. Ex. O céu é azul Ex. O céu é azul EU JOGO FUTEBOL (INDEPENDE DA MINHA ENUNCIAÇÃO) EU JOGO FUTEBOL (INDEPENDE DA MINHA ENUNCIAÇÃO) PERFORMATIVA PERFORMATIVA Afirmações que não descrevem nada e, portanto, não são nem V nem F. Afirmações que não descrevem nada e, portanto, não são nem V nem F. Correspondem, quando são realizadas, à execução de uma ação. Correspondem, quando são realizadas, à execução de uma ação. EU ME DESCULPO PELO QUE OCORREU (depende da enunciação) EU ME DESCULPO PELO QUE OCORREU (depende da enunciação) Outros exemplos: Outros exemplos: Ex. Ordeno que você saia daqui. Ex. Ordeno que você saia daqui. Declaro aberta esta sessão Declaro aberta esta sessão Eu te perdôo. Eu te perdôo. Lamento que isso tenha ocorrido. Lamento que isso tenha ocorrido.

10 AS CONDIÇÕES DE FELICIDADE sucesso x fracasso e não V/F Para que a ação correspondente a um ato performativo seja de fato realizada, é preciso não somente que ele seja enunciado, mas também que as circunstâncias de enunciação sejam adequadas. Para que a ação correspondente a um ato performativo seja de fato realizada, é preciso não somente que ele seja enunciado, mas também que as circunstâncias de enunciação sejam adequadas. Ex. Do irmão do noivo que não pode dizer “Eu aceito”. Ex. Do irmão do noivo que não pode dizer “Eu aceito”. O fiel comum que não pode dizer “eu te batizo”, etc. O fiel comum que não pode dizer “eu te batizo”, etc.

11 Principais condições de sucesso dos performativos -Adequação das pessoas e das circunstâncias. (ex. o faxineiro e não o presidente da câmara declara aberta a sessão. -Adequação das pessoas e das circunstâncias. (ex. o faxineiro e não o presidente da câmara declara aberta a sessão. -Usar a fórmula correta de enunciar. (Ex. o padre não pode dizer eu te perdôo, se se trata de um batizado) -Usar a fórmula correta de enunciar. (Ex. o padre não pode dizer eu te perdôo, se se trata de um batizado) -A enunciação deve ser realizadas integralmente pelos participantes. (ex. da aposta que só se concretiza se o outro a aceitar). -A enunciação deve ser realizadas integralmente pelos participantes. (ex. da aposta que só se concretiza se o outro a aceitar).

12 outra condição : Não basta enunciar o performativo, ele precisa ter sucesso 1. Quando a enunciação exige que o falante tenha certos sentimentos ou intenções, o falante deve adotar esse comportamento implicado pelo próprio ato de enunciação. Ex. pêsames, sem demonstrar tristeza ou promessa que não se mostra com intenção de ser cumprida, etc. 1. Quando a enunciação exige que o falante tenha certos sentimentos ou intenções, o falante deve adotar esse comportamento implicado pelo próprio ato de enunciação. Ex. pêsames, sem demonstrar tristeza ou promessa que não se mostra com intenção de ser cumprida, etc.

13 OUTRAS FORMAS DE PERFORMATIVO (que não são com o verbo na primeira pessoa do presente do indicativo) 01. PROÍBIDO FUMAR 01. PROÍBIDO FUMAR 02. OS SENHORES ESTÃO AUTORIZADOS A FALAR EM MEU NOME 02. OS SENHORES ESTÃO AUTORIZADOS A FALAR EM MEU NOME 03. OS ALUNOS FICAM ADVERTIDOS DE QUE OS QUE NÃO FIZEREM MATRÍCULA SERÃO DESLIGADOS DO PROGRAMA 03. OS ALUNOS FICAM ADVERTIDOS DE QUE OS QUE NÃO FIZEREM MATRÍCULA SERÃO DESLIGADOS DO PROGRAMA Foram realizados os performativos: Foram realizados os performativos: da proibição, da proibição, da autorização da autorização e da advertência, e da advertência, sem o uso do verbo em 1ª pessoa sem o uso do verbo em 1ª pessoa

14 DE FORMA CONTRÁRIA PODE HAVER: PERFORMATIVOS SEM QUE APAREÇAM NO ENUNCIADO PALAVRAS RELACIONADAS AO ATO A SER EXECUTADO: PERFORMATIVOS SEM QUE APAREÇAM NO ENUNCIADO PALAVRAS RELACIONADAS AO ATO A SER EXECUTADO: Ex. Curva perigosa (advertência) Ex. Curva perigosa (advertência) HAVER PALAVRAS RELACIONADAS AO ATO SEM QUE O ENUNCIADO SEJA PERFORMATIVO HAVER PALAVRAS RELACIONADAS AO ATO SEM QUE O ENUNCIADO SEJA PERFORMATIVO Ex. Você tinha mandado o aluno ficar quieto. (constativo, mesmo com a presença da palavra mandar). Ex. Você tinha mandado o aluno ficar quieto. (constativo, mesmo com a presença da palavra mandar).

15 QUANDO O ENUNCIADO SERÁ CONSIDERADO PERFORMATIVO Quando puder transformar-se em outro enunciado que tenha um verbo performativo na primeira pessoa do singular do presente do indicativo da voz ativa. Quando puder transformar-se em outro enunciado que tenha um verbo performativo na primeira pessoa do singular do presente do indicativo da voz ativa. Ex. Saia/ eu virei amanhã Ex. Saia/ eu virei amanhã Eu ordeno que você saia/prometo que virei amanhã. Eu ordeno que você saia/prometo que virei amanhã.

16 Dois tipos de performativos EXPLÍCITOS EXPLÍCITOS Os que contém o verbo na primeira pessoa do singular presente do indicativo da voz ativa Os que contém o verbo na primeira pessoa do singular presente do indicativo da voz ativa IMPLÍCITOS IMPLÍCITOS Os que não contém o verbo na primeira pessoa do singular presente do indicativo da voz ativa Os que não contém o verbo na primeira pessoa do singular presente do indicativo da voz ativa

17 A AMBIGUIDADE DOS PERFORMATIVOS: Eu me desculpo= Eu me desculpo= Pode ser um pedido de desculpas= performativo Pode ser um pedido de desculpas= performativo Levar em conta a situação de enunciação Levar em conta a situação de enunciação Eu me desculpo= Eu me desculpo= (Se a questão é essa, quando eu chegar lá eu me desculpo) = descrição do que se fará num futuro próximo (Se a questão é essa, quando eu chegar lá eu me desculpo) = descrição do que se fará num futuro próximo Levar em conta o movo verbal, a entonação, etc. Levar em conta o movo verbal, a entonação, etc. Levar em conta a situação de enunciação, o movo verbal (por ex. o imperativo) a entonação, etc.

18 QUE É QUE SE FAZ QUANDO SE DIZ ALGUMA COISA? Ato locucionário = é o que se realiza enunciando a frase. É o ato lingüístico de dizer (enunciar a frase abaixo) Ato locucionário = é o que se realiza enunciando a frase. É o ato lingüístico de dizer (enunciar a frase abaixo) Ato ilocucionário = É o que se realiza na linguagem. Pode ser executado pela fórmula performativa correspondente. (ato de advertência) Ato ilocucionário = É o que se realiza na linguagem. Pode ser executado pela fórmula performativa correspondente. (ato de advertência) Ato perlocucionário = é o que se realiza pela linguagem.É um efeito eventual dos atos locucional e ilocucional (persuasão do interlocutor) Ato perlocucionário = é o que se realiza pela linguagem.É um efeito eventual dos atos locucional e ilocucional (persuasão do interlocutor) Ex. Não faça mais isso. Ex. Não faça mais isso. advirto-o a não mais fazer isso advirto-o a não mais fazer isso

19 VISÃO PERFORMATIVA DA LINGUAGEM EM AUSTIN Ele verificou que mesmo nos atos contativos, o falante realiza um ato ilocucional (o de afirmação). Assim há uma parte que está sujeita a V/F e outra que não. Daí ele concluir que os constativos são na verdade um caso particular de performativos. Logo a linguagem é sempre ação. Ele verificou que mesmo nos atos contativos, o falante realiza um ato ilocucional (o de afirmação). Assim há uma parte que está sujeita a V/F e outra que não. Daí ele concluir que os constativos são na verdade um caso particular de performativos. Logo a linguagem é sempre ação. Ex. Ele é um bom estudante. Ex. Ele é um bom estudante. (Eu afirmo que) ele é um bom estudante. (Eu afirmo que) ele é um bom estudante. performativa - constativa (v/f) performativa - constativa (v/f)

20 A PROPOSTA DE JOHN SEARLE ATO PROPOSICIONAL ATO PROPOSICIONAL Referência Referência Predicação= Predicação= Conteúdo comunicado Conteúdo comunicado ATO ILOCUCIONAL ATO ILOCUCIONAL Ato que se realiza na linguagem, ao dizer Ato que se realiza na linguagem, ao dizer

21 Proposição x força ilocutória Enunciados com força ilocucional diferente podem exprimir a mesma proposição. Enunciados com força ilocucional diferente podem exprimir a mesma proposição. Ex. Ex. A)João estuda bastante. (afirmação) A)João estuda bastante. (afirmação) B)João estuda bastante? (interrogação) B)João estuda bastante? (interrogação) C) Estude bastante, João.(conselho) C) Estude bastante, João.(conselho) D) Ordeno que você estude bastante, João. (ordem) D) Ordeno que você estude bastante, João. (ordem)

22 Marcador de força ilocutória Marcador de proposição F (p) Os marcadores da força ilocutória e da proposição nem sempre estão explícitos no enunciado. Os marcadores da força ilocutória e da proposição nem sempre estão explícitos no enunciado. Ex. Eu virei amanhã Ex. Eu virei amanhã (a força ilocutória da promessa não aparece no enunciado de forma explícita) (a força ilocutória da promessa não aparece no enunciado de forma explícita) (Eu prometo que virei amanhã) (Eu prometo que virei amanhã)

23 A NEGAÇÃO Umas incidem sobre o ilocucional Umas incidem sobre o ilocucional A) Eu não lhe ordeno A) Eu não lhe ordeno que saia daqui que saia daqui Nega-se o ato ilocucinal de ordenar Nega-se o ato ilocucinal de ordenar Outras incidem sobre o conteúdo proposicional Outras incidem sobre o conteúdo proposicional B) Eu lhe ordeno B) Eu lhe ordeno que não saia daqui que não saia daqui Nega-se a proposição Nega-se a proposição SAIR DAQUI SAIR DAQUI

24 CLASSIFICAÇÃO DOS ATOS ILOCUCIONAIS Não se deve confundir a análise dos VERBOS ilocutórios com a dos ATOS ilocutórios. Assim, nem todo ato ilocutório será expresso por um verbo (ou substantivo dele derivado). Muitas vezes, os atos ilocutórios são expressos indiretamente.(atos de fala indiretos). Não se deve confundir a análise dos VERBOS ilocutórios com a dos ATOS ilocutórios. Assim, nem todo ato ilocutório será expresso por um verbo (ou substantivo dele derivado). Muitas vezes, os atos ilocutórios são expressos indiretamente.(atos de fala indiretos). Exs. Quando alguém se atrasa, pode dizer: Exs. Quando alguém se atrasa, pode dizer: -Desculpem-me pelo atraso, ou: -Desculpem-me pelo atraso, ou: -O trânsito está terrível. (ato de fala indireto=pedido de desculpas) -O trânsito está terrível. (ato de fala indireto=pedido de desculpas) Ordem na forma de desejo (Eu queria um talão de cheques). Ordem na forma de desejo (Eu queria um talão de cheques). -Pedido na forma de pergunta (Você tem cigarro?) -Pedido na forma de pergunta (Você tem cigarro?)

25 Teorias dos atos de fala CLÁSSICA CLÁSSICA Os atos de fala são universais Os atos de fala são universais Pensa os atos de linguagem de maneira isolada, não como encadeamento de atos. Pensa os atos de linguagem de maneira isolada, não como encadeamento de atos. Na visão interacionista, um pedido corresponde uma aceitação ou recusa. Na visão interacionista, um pedido corresponde uma aceitação ou recusa. Austin mostrou que dizer é fazer e os interacionistas que dizer é fazer fazer (efeito nas relações interpessoais que levou aos estudos da polidez lingüística. Austin mostrou que dizer é fazer e os interacionistas que dizer é fazer fazer (efeito nas relações interpessoais que levou aos estudos da polidez lingüística. INTERACIONISTA INTERACIONISTA Os atos de fala variam de cultura para cultura, de grupo social para grupo social. Os atos de fala variam de cultura para cultura, de grupo social para grupo social. Ex. ato de agradecimento. Antes não se agradecia os criados, os garçons, etc. Hoje, agradece-se a eles por qualquer serviço que prestam. Ex. ato de agradecimento. Antes não se agradecia os criados, os garçons, etc. Hoje, agradece-se a eles por qualquer serviço que prestam. Houve mudança cultural (aristocracia – democracia) Houve mudança cultural (aristocracia – democracia) Já expressão como “que Deus lhe dê em dobro” só subsistem em áreas menos modernas do país. Já expressão como “que Deus lhe dê em dobro” só subsistem em áreas menos modernas do país.

26 Teoria das faces LOCUTORINTERLOCUTOR POSITIVANEGATIVAPOSITIVANEGATIVA ATOS AMEAÇADO- RES DA FACE CONFISSÃOAUTOCRÍTICA PEDIDO DE PERDÃO PROMESSAGARANTIAJURAMENTOREPRIMENDAREFUTAÇÃOCRÍTICAORDEMCONSELHOAMEAÇA

27 A POLIDEZ LINGÜÍSTICA Procura diminuir os efeitos dos atos ameaçadores da face e reforçar os atos valorizadores da face. Procura diminuir os efeitos dos atos ameaçadores da face e reforçar os atos valorizadores da face. POLIDEZ POSITIVA = PRODUZ E REFORÇA OS ATOS VALORIZADORES, mas também POLIDEZ POSITIVA = PRODUZ E REFORÇA OS ATOS VALORIZADORES, mas também Evita-se o excesso de atos valorizadores para não parecer hipócrita ou bajulador. Evita-se o excesso de atos valorizadores para não parecer hipócrita ou bajulador. POLIDEZ NEGATIVA = EVITA OU MINIMIZA OS ATOS AMEAÇADORES DA FACE. Já a falta disso pode levar o falante a parecer grosseiro. POLIDEZ NEGATIVA = EVITA OU MINIMIZA OS ATOS AMEAÇADORES DA FACE. Já a falta disso pode levar o falante a parecer grosseiro. TUDO ISSO DEPENDE DE CADA CULTURA. TUDO ISSO DEPENDE DE CADA CULTURA.

28 Exercícios de fixação desse conteúdo

29 QUESTÕES PARA RESPONDER EM DUPLAS. 1. Qual a força ilocutória e perlocutória do enunciado do sujeito A no segundo quadro? 1. Qual a força ilocutória e perlocutória do enunciado do sujeito A no segundo quadro? 2. O pedido de confirmação obteve uma resposta satisfatória? Justifique apresentando as condições de sucesso ou fracasso desse ato. 2. O pedido de confirmação obteve uma resposta satisfatória? Justifique apresentando as condições de sucesso ou fracasso desse ato. 3.Em qual dos quadros temos atos de fala constativos? 3.Em qual dos quadros temos atos de fala constativos? 4.Que dados são retirados do cotexto para a interpretação humorística da charge e quais são retirados do contexto sítuacional e sócio-histórico? 4.Que dados são retirados do cotexto para a interpretação humorística da charge e quais são retirados do contexto sítuacional e sócio-histórico? 5.Separe a força ilocucional do conteúdo proposicional do enunciado do sujeito A no segundo quadro. 5.Separe a força ilocucional do conteúdo proposicional do enunciado do sujeito A no segundo quadro. 6. que tipos de raciocínios inferenciais precisam ser feitos nessa charge para a sua interpretação. 6. que tipos de raciocínios inferenciais precisam ser feitos nessa charge para a sua interpretação. 7. Pense numa paráfrase que o sujeito B poderia fazer para dar sua resposta usando um verbo performativo. 7. Pense numa paráfrase que o sujeito B poderia fazer para dar sua resposta usando um verbo performativo.


Carregar ppt "SÍNTESE DA TEORIA DOS ATOS DE FALA. A QUESTÃO DA INFERÊNCIA Quando um enunciado implica outro. Ex. Quando um enunciado implica outro. Ex. A) João é."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google