A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

As Indústrias Químicas Brasileiras no Período da Crise Mundial.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "As Indústrias Químicas Brasileiras no Período da Crise Mundial."— Transcrição da apresentação:

1 As Indústrias Químicas Brasileiras no Período da Crise Mundial.

2 O “Efeito cascata” Num mudo globalizado como o que vivemos as causas de uma crise econômica podem ser incontáveis. Se lá no Japão alguém der um espirro, nós aqui no Brasil dizemos “saúde”.

3 Como a crise dos EUA afeta o Brasil?

4 Iniciou-se nos Estados Unidos como uma crise no pagamento de hipotecas, provocando quebras de bancos; As quebras e os problemas enfrentados por bancos geraram o que se chama de "crise de confiança".

5 Consequências: Num mundo de incertezas, o dinheiro pára de circular! quem possui recursos sobrando não empresta, quem precisa de dinheiro para cobrir falta de caixa não encontra quem forneça. Isso fez cair e encarecer o crédito disponível. E numa economia globalizada, a falta de dinheiro em outro continente afeta empresas no mundo todo.

6 Qual a situação do Brasil? Embora o Brasil possua um potencial de consumo interno e nossas matrizes energéticas sejam inúmeras e promissoras, o país está entre os mais atingidos pela crise: Afetando o consumos das famílias e os investimentos.

7 As Indústrias As indústrias química e petroquímica são indústrias que fazem indústrias, já que estamos presentes nos mais variados segmentos da economia.

8 Em 2008, sobretudo o último trimestre, afetou fortemente vários setores, resultando em queda de produção e vendas, falta de crédito, redução no faturamento e o desfecho final na questão do emprego. É evidente que esse movimento atingiu a nossa cadeia produtiva.

9 As Indústrias no Brasil Até a chegada da crise financeira internacional, no último trimestre de 2008, a indústria química brasileira vinha muito bem, num rítmico forte de crescimento, acompanhando toda a economia nacional. A crise acabou afetando este desempenho, quando os movimentos de mercado e de consumo caíram, assim como as exportações. A falta de crédito acabou atrapalhando também a carteira de investimentos do setor, boa parte já em andamento.

10 Previsões A ABIQUIM (Associação Brasileira das Indústrias Químicas) previu, no final do ano passado, que a partir de janeiro de 2009 o setor passaria a se recuperar, pois começaria a entender melhor tudo o que aconteceu. Resultado: Olhando os níveis de produção, janeiro sobre dezembro cresceu quase 4%, fevereiro sobre janeiro registrou uma alta de 12%, percentual que se repetiu em março. Conclusão: No primeiro semestre de 2009 o setor demonstrou uma recuperação considerável no nível de produção.

11 Combate aos efeitos da Crise Reduzir temporariamente o Imposto de Importação sobre alguns produtos, quando não houver produção nacional ou similar do bem. Redução do IPI. Os principais setores beneficiados pela importação são: geração de energia (53,86%), petroquímica (8,67%) e têxtil (7,17%).

12 Balanço: A produção do setor químico obteve crescimento de 40% nos seis primeiros meses de 2009 em relação a dezembro de 2008, mas é ainda inferior comparando- se com o primeiro de semestre de Vendas internas: o comparativo semestral aponta para uma queda de 21% contra o volume dos seis primeiros meses de Para compensar esta menor demanda interna, o setor direcionou o excedente de produção para o comércio exterior.

13 Balanço: Em 2009 houve uma queda de 43,5% nas importações e um aumento de 15,9% nas exportações em relação a igual período de Para atingir este patamar, as indústrias direcionaram esforços para incrementar as vendas externas, mesmo porque não dá para diminuir a produção, uma vez que as plantas químicas precisam trabalhar em nível elevado de capacidade para não ter perda de rendimento.

14 Foco Segundo a ABIQUIM as empresas devem, a partir de agora, focar mais o mercado interno, pois as exportações não demonstram sustentabilidade pelo aspecto das margens obtidas. As empresas que já conquistaram esses mercados devem procurar mantê-los. Mas, em função do crescimento de renda, a melhor opção será o mercado interno.

15 Influência no Brasil No Brasil, a indústria química tem a terceira maior participação na formação do PIB, respondendo por 3,1% do PIB em O setor químico brasileiro situa-se entre os 10 maiores do mundo.

16 Fatores positivos: O mercado interno é um canal importante para nossa produção, enquanto os demais mercados voltam ao normal. O salário mínimo teve aumento. Para o empresário não é um bom negócio demitir e sim investir em treinamento, qualificação e disseminação da cultura organizacional, desejando uma relação mais estável com o trabalhador.

17 Inovações Empresas buscam a inovação: Novos processos mais sustentáveis e novas alternativas aos seus clientes; Buscam levar a voz do cliente a todos os níveis da empresa para que ela direcione o envolvimento de toda a equipe em benefício do cliente; Fornecem produtos, tecnologias competitivas e inovadoras para o mercado.

18 Inovações Oferecem aos Clientes, serviços técnicos que viabilizem seus objetivos; Proporcionam treinamento continuado para os seus funcionários visando seu aprimoramento profissional; Promovem atualização tecnológica do corpo técnico e processos aplicativos.

19 Pequenos empresários: Grandes geradores de emprego. Deve-se focar o desenvolvimento sustentável das pequenas empresas, já que elas são parte importante da riqueza gerada no Brasil.

20 A Petrobras Lema: “Uma empresa integrada de energia que atua com responsabilidade social e ambiental”

21 A Petrobras A empresa está em quarto lugar no ranking das maiores petrolíferas de capital aberto do mundo, é a terceira maior empresa do continente americano em valor de mercado (ultrapassando a Microsoft) e ocupa o quinto lugar entre as maiores empresas do mundo em valor de mercado.

22 A Petrobras diante a crise Segundo o diretor financeiro da Petrobras a crise econômica só afetaria a companhia caso se prolongasse para depois de 2010 Para os investimentos de curto prazo, ou seja, até para os próximos três anos, há recursos próprios gerados a partir do caixa da empresa.

23 A Petrobras como uma fuga da crise Em um cenário global no qual a Europa e os EUA reduziram sua capacidade de produção de petroquímicos, passaram a importar, abrindo oportunidades para a América Latina, em países dotados de matérias-primas com custo aceitável. O Brasil já conta com parques petroquímicos instalados. Mas carecia de petróleo e gás.

24 O Pré-Sal A descoberta do petróleo no pré-sal abriu uma perspectiva fantástica para toda a cadeia petrolífera e petroquímica, mas ainda depende de análises de viabilidade econômica.

25 O Pré-Sal Pré-sal é a denominação das reservas petrolíferas encontradas abaixo de uma profunda camada de sal no subsolo marítimo, também chamada de subsal.

26 O Pré-Sal A primeira reserva petrolífera em área pré- sal no mundo ocorreu no litoral brasileiro, onde passaram a ser conhecidas simplesmente como "petróleo do pré-sal" ou "pré-sal". Estas também são as maiores reservas conhecidas em zonas da faixa pré-sal.

27 O Pré-Sal A companhia detém reservas em quantidade suficiente para suprir a demanda doméstica por combustíveis e insumos petroquímicos durante décadas.

28

29 O Pré-Sal e o Meio Ambiente A Petrobrás tem o plano de em 2010 já começar a operar no campo de Tupi com a tecnologia de reintrodução do gás carbônico, que é liberado na exploração de gás natural e de petróleo. O gás reinjetado na rocha onde se encontra o óleo potencializa a produção e ameniza a emissão do gás. A Petrobrás já faz a injeção de CO 2 em exploração de reservas terrestres na Bahia.

30 Consequências: Por conta do problema do aquecimento global, alguns setores avaliam que a exploração do pré-sal pode ser menos lucrativa do que o governo espera. O Ministério de Minas e Energia afirmou que há uma tendência mundial de taxação da exploração de petróleo para favorecimento de fontes de energia limpas.

31 O que o governo diz... O governo afirma que o Brasil foi o último país a entrar na crise financeira global e o primeiro a sair dela. Um dos motivos para isso foi a criação de um forte mercado interno no país, ancorado por um crescimento na classe média (hoje composta, por 52,9% da população brasileira). Com os recursos advindos do pré-sal, o governo vai antecipar o combate à pobreza e cumprir com o desafio de melhorar a educação no país.

32 Reflexões: Será que os mercados são capazes de se auto- regular? Por que o mercado não divide os lucros com a sociedade, mas a sociedade divide os lucros com o mercado? Será justo os governos ajudarem as instituições financeiras sem assumir parte do seu capital?

33 Conclusão: A sociedade deve ajudar, desde que seja recompensada por isso, caso contrário, é dinheiro público apenas para salvar instituições privadas.


Carregar ppt "As Indústrias Químicas Brasileiras no Período da Crise Mundial."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google