A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Capítulo 3 - Crise e ruptura: os últimos anos da República Velha.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Capítulo 3 - Crise e ruptura: os últimos anos da República Velha."— Transcrição da apresentação:

1 Capítulo 3 - Crise e ruptura: os últimos anos da República Velha

2 INTRODUÇÃO / CONTEXTO HISTÓRICO Os últimos anos da Rep. Velha foram marcados pela  crise da República Velha  da oligarquia agrária  crítica ao passado rural e à dependência em relação ao campo. Objetivo  modernização do País  romper com a tradição agrária e promover a industrialização. O desafio  capacitar a população para o trabalho urbano e industrial  “criar” um sujeito preparado para o labor na fábrica numa realidade na qual a maioria da população brasileira vivia na zona rural.

3 CONSEQUÊNCIAS DO PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO As cidades cresceram; Abolição da escravatura; Aumento:  de mão de obra;  de mercado consumidor;  dos problemas sociais nos grandes centros;  das desigualdades sociais. Mudança na ‡ fisionomia de algumas cidades  dos carros de luxo, pessoas nos bares e nas lojas, nos salões de dança, nas partidas de futebol, nas corridas de automóveis, nos requintados bailes de máscaras  porém não era toda a população que desfrutava dos benefícios das mudanças.

4 EUA/Europa/Brasil Em 1920, enquanto os Estados Unidos da América consolidavam-se como potência mundial  a Europa recuperava-se da Primeira Guerra Mundial  o Brasil lidava com a crise cafeeira ocasionada pela 1ª Guerra Mundial ( )  culmina na Crise de 29. Enquanto EUA e a Europa viviam um período de transformações na cultura, na política, na economia e na ciência, a arte brasileira era estremecida por um movimento cultural que teve início em 1917, com a exposição de telas de Anita Malfatti, a qual foi criticada e rejeitada – era o início do Modernismo.

5 SEMANA DE 22 - MODERNISMO CARACTERÍSTICAS Retratava a realidade do povo brasileiro (denúncia aos problemas sociais, temas do cotidiano); Desvalorizava as influências estrangeiras  a arte brasileira adquiriu características próprias, decretando sua independência e atraindo o gosto popular, Implementou identidade e liberdade de expressão. Reflexão cultural  resgate das tradições, dos costumes, dos valores étnicos  ideias inovadoras. Deformação das ‡ figuras para ampliar a expressividade.

6 O Tenentismo ( ) Movimento político-militar revolucionário liderado por Luís Carlos Prestes, a ‡ fim de fortalecer a instituição militar, moralizar a política e levar o País à modernização através de um Estado centralizado. Manifestação - Marcha dos 18 do Forte ou Revolta do Forte de Copacabana  os cadetes da Escola Militar organizaram manifestações e protestos, no intuito de impedir a posse do presidente eleito Artur Bernardes.

7 REVOLTAS CONTRA O GOVERNO Coluna Paulista  Revolta articulada pelos movimento tenentista de São Paulo, dois anos após a Revolta do Forte de Copacabana. Coluna Prestes  Carlos Prestes, líder do movimento rio grandense tem como objetivo  cruzar o País, levando a mensagem tenentista a todos os brasileiros  influência ideológica  Marxismo defensor do Comunismo, teoria social e econômica a qual prima pela igualdade entre todos os homens.

8 O CANGAÇO Representava uma opção de vida de muitos sertanejos que estavam na pobreza, sem a assistência do governo, humilhados e explorados. Eram homens que formavam bandos nômades e, na maioria das vezes, promoviam ataques às fazendas, vilas e cidades, pilhavam as riquezas, roubavam fazendeiros, políticos, viajantes nas estradas, espalhando o terror por onde passavam. No ano de 1938, o bando de Lampião foi encurralado por tropas do governo, numa região árida do Sergipe, sendo os cangaceiros mortos e decapitados.

9 O GOVERNO DE ARTUR BERNARDES Marcado por: constantes ameaças de golpe, o que gerou medidas autoritárias, tais como: censura à imprensa; estado de sítio, isto é, a suspensão de garantias constitucionais; intervenção estatal; prisão de seus adversários; crise na economia; oposição dos militares.

10 O GOVERNO WASHINGTON LUÍS E A CRISE DE 29 Marcado por/pelo: fim ao estado de sítio; Lei Celerada  permitia a repressão às atividades políticas e sindicais, impunha censura à imprensa e restringia as reuniões de cunho político-social; Lema: “governar é abrir estradas”, proposta de desenvolvimento para o País; Reforma monetária e financeira; enfrenta Crise de 29; quebra da Política do Café com Leite  Washington Luís deveria apoiar um candidato de Minas, porém ele apoiou o candidato Júlio Prestes, de São Paulo  a oposição, insatisfeita com a atitude do presidente, reuniu-se e formou a Aliança Liberal. Em 1930, Vargas assume o poder por meio de um Golpe de Estado.


Carregar ppt "Capítulo 3 - Crise e ruptura: os últimos anos da República Velha."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google