A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC Superintendência Nacional de Previdência Complementar.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC Superintendência Nacional de Previdência Complementar."— Transcrição da apresentação:

1 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC Superintendência Nacional de Previdência Complementar

2 Tema 7 – PREVIC Contexto e Desenvolvimento dos Investimentos Previdenciários – Análise da Mudança de Perfil do Investidor Previdenciário. Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

3 3 Debater a “nova” Entidade. Contextualizar o perfil do investidor previdenciário. Elementos importantes para a entidade e seus usuários. Migração dos Investimentos Aspectos Relevantes Diagnósticos Decisão Evolução. Debater com os atores Exposição Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

4

5

6 Próximos Passos Concurso Público Regimento Interno Mudança de Sede Orçamento (TAFIC) Organização administrativa.

7 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar Indicadores – Taxas de Juros e Atratividade

8 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

9 9 Investidor Institucional Administram valores para um conjunto de participantes com um objetivo comum. –Profissionais que administram montantes elevados; –Podem ponderar risco e retorno dos investimentos; As tesourarias das empresas e as grandes riquezas; Os gestores de fundos; As seguradoras; Os fundos previdenciários; Transacionam em diversos mercados de ativos; Influenciam o preço de um título ou papel; e Tem acesso à informação elaborada. Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

10 10 Previdência Aberta –Bancos e Seguradoras Previdência Fechada –Fundos de Pensão –Fundos Associativos Regimes Próprios de Previdência Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

11 11 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

12

13

14

15 15 Resolução CMN 3.792/2009 Histórico Criação 05/2009 a 09/2009 Aplicação 09/ Atual Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

16 16 IN SPC 14 IN SPC 19 IN SPC 21 IN SPC 22 IN SPC 31 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

17 17 Plano de Assistência à Saúde Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

18 18 Diretrizes para a gestão  Dever Fiduciário  Finalidade Previdenciária  Equilíbrio  Longo Prazo  Gestão de Fluxos  Mapeamento dos Processos Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

19 19 Qualificação para os gestores 1.Econômica 2.Atuarial 3.Financeira 4.Riscos Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar Previdenciária

20 20 PERFIL DO INVESTIDOR: –Objetivo de aplicação; –Prazo para aplicação; –Expectativa de rentabilidade; –Sensibilidade ao risco; e –Necessidade de liquidez. Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

21 21 Outros elementos são importantes definidores do perfil de um investidor: O grau de conhecimento sobre as possibilidades de investimento; A sua condição de investidor: institucional; e Suas restrições a investimentos. Perfil dos Investidores Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

22 22 –Observar a modalidade do plano de benefícios, suas especificidades e as características de suas obrigações.... –Adotar regras, procedimentos e controles internos observados o porte, a complexidade, a modalidade e a forma de gestão de cada plano.... Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

23 23 –A EFPC deve gerenciar os ativos de cada plano de forma a garantir o permanente equilíbrio.... Entre estes ativos e o passivo atuarial –Definir política de investimentos para cada plano.... Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

24 Construindo a Política 1ª. Etapa – Diagnosticar –O que existe? –Como é feito? –O que queremos? –O que pensamos? –Para onde iremos? Legislação CMN CVM PREVIC Práticas de Aplicação Áreas Existentes Fóruns 24 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

25 Construindo a Política 2ª. Etapa – Perfil previdenciário ◦ Caracterizar o Plano da EFPC; ◦ Discutir com os fóruns; ◦ Verificar as exigências;  Modelo gestão;  Segmentos  Controles e riscos  Seleção/Aprovação  Ato de Comunicar PolíticaProcessosControles 25 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

26 26 Comportamento Benefícios Sobre o ambienteInformal Regras Sistemas Risco InformaçãoAnálise Planejamento Controles Sobre a EntidadeFormal Ativos Análise Técnica Construindo a Política Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

27 27 Risco e Incerteza INCERTEZA é o acaso, a surpresa, aquilo de que não se tem parâmetros nem referências. ObrigatóriOÉ ObrigatóriO que os gestores conheçam: –Regras, –Mercados e históricos; –Rentabilidade Obs.: desconhecimento não pode ser tido como incerteza, apenas como falha na tomada de decisão. Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

28 28 RISCO É a probabilidade de um evento vir a acontecer e de suas conseqüências. “O simples fato de existir atividade, abre a possibilidade de ocorrência de eventos ou situações cujas conseqüências constituem oportunidade para obter vantagens (lado positivo) ou então ameaças ao sucesso (lado negativo)” A Federation of European Risk Management Associations – FERMA (2005) RISCO Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

29 29 MIGRAÇÃO Preparar a indústria de fundos para cenários de menor rentabilidade dos títulos públicos A Federation of European Risk Management Associations – FERMA (2005) RISCO Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

30 30 MIGRAÇÃO ---- Costume com altas rentabilidades, associadas a baixo risco de crédito e reduzida volatilidade a diferença entre as carteiras é pouco intensa, assim como as diferenças de rentabilidade Diminuta percepção quanto à relevância da tomada de uma decisão de investimento refletida. CVM RISCO Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

31 31 MIGRAÇÃO ---- Migração para outros segmentos renda variável e parte da para ativos de crédito privado Preparar a indústria de fundos para cenários de menor rentabilidade dos títulos públicos Ativos que permitam uma maior rentabilidade, evidentemente com maior risco. CVM RISCO Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

32 32 Migração dos investimentos Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar Renda Fixa Renda Variável Inv. Exterior Operações Estruturadas

33 33 Migração dos investimentos Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar Títulos Públicos Ativos Títulos Privados Participações Operações Estruturadas Projetos Infraestrutura

34 34 Migração dos investimentos Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar Ativo Fundo Carteira Instrumentos ControleRelações Obrigações Fluxos Pagtos.

35 35 Migração dos investimentos Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar Crédito Riscos AmbientaisSociais Acionistas Operações

36 36 Retorno Princípios Gestor Ativos Indexador Perfil Práticas Risco LesTroCon Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar

37 37 Edevaldo Fernandes da Silva Diretor de Assuntos Atuariais, Contábeis e Econômicos Superintendência Nacional de Previdência Complementar Endereço: Esplanada dos Ministérios – Bloco F – 6º andar Brasília – DF Fone: (61) Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar


Carregar ppt "Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC Superintendência Nacional de Previdência Complementar."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google