A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Humanização em Saúde Prof. Dr. Afonso Carlos Neves Setor de Neuro-Humanidades Disciplina de Neurologia – EPM-Unifesp.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Humanização em Saúde Prof. Dr. Afonso Carlos Neves Setor de Neuro-Humanidades Disciplina de Neurologia – EPM-Unifesp."— Transcrição da apresentação:

1 Humanização em Saúde Prof. Dr. Afonso Carlos Neves Setor de Neuro-Humanidades Disciplina de Neurologia – EPM-Unifesp

2 Humanização em Saúde Fala-se em Humanização em Saúde porque se percebeu primeiro uma Desumanização na área da Saúde.

3 Humanização em Saúde Com o aumento do tempo de sobrevida, com a melhora da qualidade de vida, com todo o avanço da ciência, Por quê se fala tanto em desumanização na área da saúde?

4 Humanização em Saúde Mais do que uma Desumanização na área da Saúde existe uma Desumanização na Sociedade.

5 Humanização em Saúde As pessoas que trabalham na área da Saúde são, antes disso, pessoas que vivem na sociedade. Os usuários do Sistema de Saúde são, antes disso, pessoas que vivem na sociedade. Ambos os grupos trazem da própria sociedade os seus problemas, suas dificuldades, suas limitações.

6 Humanização em Saúde A SOCIEDADE ESTÁ DESUMANIZADA. ISSO SE REFLETE EM TODOS OS CAMPOS HUMANOS.

7 Humanização em Saúde Alguns fatores para a desumanização na sociedade: -Perda de vínculos. -Perda de noção do Todo. -Individualismo. -Em todos esses fatores: perda de afeto e respeito.

8 Humanização em Saúde Ser humano tem: - uma dimensão individual. - uma dimensão coletiva.

9 Humanização em Saúde Aristóteles: “O todo é mais do que a soma das partes”. Indivíduo: é mais do que a soma de suas partes. Comunidade: é mais do que a soma dos indivíduos.

10 Humanização em Saúde Dimensão individual do ser humano: -Corpo -Mente -Individualidade - Persona Dimensão coletiva do ser humano: -Social -Cultural -cidadania

11 Humanização em Saúde PARTE TODO INDIVÍDUO COMUNIDADE

12 Bem-estar O quê as pessoas mais esperam da vida? (de forma simplificada). 1 – Afeto. 2 – Respeito. 3 – Ter prazer e não ter dor. 4 – o mesmo para outras pessoas. 4 – Ter coisas (dinheiro, etc.) para chegar a 1,2 e 3.

13 CONCEITO DE SAÚDE MENS SANA IN CORPORE SANO MENTE SÃ EM CORPO SÃO SAÚDE COMO BEM-ESTAR OMS : BEM-ESTAR FÍSICO, MENTAL E SOCIAL.

14 Conceito Ampliado de Saúde - quadro adaptado de Ken Wilber INTERIOR I N D PSÍQUICO I. V. EXTERIOR FÍSICO C O L CULTURAL E ARTES - LÚDICO T TRADIÇÕES I RELIGIOSIDADE V ESPIRITUALIDADE O INTERSUBJETIVO SOCIAL INTEROBJETIVO OBJETIVO SUBJETIVO

15 Conceito Ampliado de Saúde - quadro adaptado de Ken Wilber INTERIOR I N D PSÍQUICO I V. EXTERIOR FÍSICO C O L CULTURAL E ARTES - LÚDICO T TRADIÇÕES I RELIGIOSIDADE V ESPIRITUALIDADE O INTERSUBJETIVO SOCIAL INTEROBJETIVO OBJETIVO SUBJETIVO SAÚDE AMBIENTAL

16 Como humanizar? 1 – desfazer o espírito armado. Redescobrir os vínculos. 2 – nem 8, nem 80. Cultivar uma terceira via. 3 – revalorizar a pausa. Restauração das energias e dos vínculos.

17 Meditação Caminhando no Labirinto Prof. Dr. Afonso Carlos Neves

18 Labirinto

19 Catedral Episcopal da Graça São Francisco – Califórnia – Estados Unidos

20 Labirinto - Dra. Lauren Artress

21 LABIRINTOS ORIGENS Cavernas Ritual Caminhos “labirínticos”

22 LABIRINTOS Mítico / Histórico EGITO a.C. - Heródoto- “8a.maravilha” CRETA – palácio de Cnossos quartos - cavernas ? - Templo de Asclépio

23 LABIRINTOS Forma genérica Povos marítimos Predominam os labirintos petalóides Povos do interior Predominam os labirintos “por etapas”

24 Labirinto Judaico

25 Labirinto de Pompéia

26 LABIRINTOS Labyrinth - Caminho único Maze - Vários caminhos Dédale -Termo francês

27 Constelação de Teseu-Hércules

28 Cristianismo 1)Mais antigo 324 d.C. – em El-Asnam Orléansville – Argélia Vestígios da Basílica de São Reparatus

29 Catedral de Chartres - França

30 Labirinto de CHARTRES

31 Catedral de Chartres França

32 Como “entender” o Labirinto Espaço Sagrado Geometria Sagrada Antigos símbolos universais Mandala “desperta” partes “adormecidas” “desperta” o hemisfério cerebral direito

33 Meditação caminhando no Labirinto Prática: 1 – Preparação: caminhar com calma; relaxar; respirar suavemente. 2 – Iluminação: sentar (ou não) como quiser. 3 – Restauração: restaurar as energias.

34 O Labirinto e a Humanização Projeto Labirinto de Humanização Hospitalar no Hospital Pirajussara

35

36

37

38 Meditação caminhando no labirinto Rua Pedro de Toledo, 669 Edifício de Pesquisa 2 Anfiteatro do Mezanino


Carregar ppt "Humanização em Saúde Prof. Dr. Afonso Carlos Neves Setor de Neuro-Humanidades Disciplina de Neurologia – EPM-Unifesp."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google