A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO - SNA Farmacologia Prof. Bruno Barbosa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO - SNA Farmacologia Prof. Bruno Barbosa."— Transcrição da apresentação:

1 FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO - SNA Farmacologia Prof. Bruno Barbosa

2 SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO O sistema nervoso autônomo divide-se em duas partes: o simpático e o parassimpático. A atividade do sistema nervoso simpático predomina em ocasiões de esforço; a atividade do parassimpático prevalece durante o repouso e a recuperação. O Sistema Nervoso Autônomo é a parte do Sistema nervoso que está relacionada ao controle da vida vegetativa, ou seja, controla funções como a respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e digestão. No entanto, ele não se restringem a isso. Ele é o principal responsável pelo controle automático do corpo frente às diversidades do ambiente

3 SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO De modo geral, esses dois sistemas, sistema nervoso simpático e sistema nervoso parassimpático, têm funções contrárias (antagônicas). Um corrige os excessos do outro. Por exemplo, se o sistema simpático acelera demasiadamente as batidas do coração, o sistema parassimpático entra em ação, diminuindo o ritmo cardíaco.

4 SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO As fibras nervosas,os gânglios nervosos, de ambos os sistemas partem do encéfalo e da medula espinal por intermédio dos nervos cranianos e espinais, respectivamente, para se dirigirem para os órgãos e outras estruturas internas.

5 SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO As imagens seguintes ilustram as ações e os efeitos dos sistemas nervosos simpático e parassimpático. Nem todos os órgãos se ligam a ambos os sistemas; os vasos sanguíneos, por exemplo, são controlados unicamente pelos nervos do sistema simpático.

6 Diferenças Anatômicas entre o Simpático e o Parassimpático são as seguintes: SimpáticoParassimpático Neurônios pré-gânglionares na medula torácica e lombar (T1 a L2)-tóraco-lombar Localizam-se no Tronco encefálico e na medula sacral(S2, S3 e S4)- crânio- sacral Gânglios longe das víscerasNeurônios próximos ou dentro das vísceras Fibra pré-gânglionar curta e pós longa Fibra pré-gânglionar longa e pós curta Os neurotransmissores são noradrenalina e adrenalina. Sistema de alerta e fuga. O neurotransmissor é acetilcolina

7 NEUROTRANSMISSORES Normalmente as fibras nervosas dos sistemas simpáticos e parassimpáticos secretam principalmente dois principais neurotransmissores: noradrenalina ou acetilcolina. As fibras que secretam noradrenalina ativam receptores adrenérgicos, e as que secretam acetilcolina ativam receptores colinérgicos. Ao contrário do que se pode imaginar, não existe uma regra muito precisa de qual das duas substâncias determinado sistema emprega, no entanto pode-se fazer algumas generalizações para melhor compreensão.

8 NEUROTRANSMISSORES Podemos assim afirmar que todos os neurônios pré- ganglionares, sejam eles simpáticos ou parassimpáticos, são colinérgicos. Consequentemente, ao se aplicar acetilcolina nos gânglios, os neurônios pós-ganglionares de ambos os sistemas serão ativados. Em relação aos neurônios pós ganglionares do sistema simpático, em sua maioria, eles liberam noradrenalina a qual excita algumas células mas inibe outras. No entanto, alguns neurônios pós ganglionares simpáticos, são colinérgicos, como por exemplo, as que inervam a maioria das células sudoríparas. Outro exemplo são os que inervam alguns vasos que irrigam tecido muscular. Os pós-ganglionares Parassimpáticos também são colinérgicas.

9 AÇÕES DO SIMPÁTICO E DO PARASSIMPÁTICO NOS DIFERENTES ÓRGÃOS:

10 Ações do Sistema Simpático e Parassimpático

11 Órgão Efeito da estimulação simpática Efeito da estimulação parassimpática Olho: pupila Músculo ciliar Dilatada nenhum Contraída Excitado Glândulas gastrointestinais vasoconstriçãoEstimulação de secreção Glândulas sudoríparassudaçãoNenhum Coração: músculo (miocárdio) Coronárias Atividade aumentada Vasodilatação Diminuição da atividade Constrição Vasos sanguíneos sistêmicos: Abdominal Músculo Pele Constrição Dilatação Constrição ou dilatação Nenhum Pulmões: Brônquios Vasos sangüíneos Dilatação Constrição moderada Constrição Nenhum Tubo digestivo: Luz Esfíncteres Diminuição do tônus e da peristalse Aumento do tônus Aumento do tônus e do peristaltismo Diminuição do tônus

12 Rim Diminuição da produção de urina Nenhum Bexiga: Corpo Esfíncter Inibição Excitação Inibição Ato sexual masculinoEjaculaçãoEreção Glicose sangüíneaAumentoNenhum Metabolismo basalAumento em até 50%Nenhum Atividade mentalAumentoNenhum Secreção da medula supra-renal (adrenalina) AumentoNenhum FígadoLiberação de glicoseNenhum Órgão Efeito da estimulação simpática Efeito da estimulação parassimpática

13 FARMACOLOGIA  Refere-se a ação de drogas. Drogas que imitam a ação do SN Simpático  Simpaticométicas Drogas que imitam a ação do SN Parassimpático  Parassimpaticométicas

14 DROGAS ADRENÉRGICAS São conhecidas como simpaticomiméticas, drenomiméticas ou simplesmente adrenérgicas. Estimulam as funções do Sistema Nervoso Simpático, por ativarem receptores  e  adrenérgicos.

15 DROGAS ADRENÉRGICAS Podem ser: 1. Adrenérgicos Diretos; 2. Adrenérgicos Indiretos; a. Atuam na biossíntese, estocagem, liberação e recaptação do neurotransmissor; b. Atuam no sistema enzimático responsável pela inativação natural do neurotransmissor; c. Adrenérgicos Mistos.

16 ESTIMULANTES DIORETOS DOS RECEPTORES Adrenalina, Noradrenalina, Dopamina, Dobutamina Isoproterenol, Agonistas  , Fenilefrina, Nafazolina e derivados. PROMOTORES DA LIBERAÇÃO DE NORADRENALINA Anfetamina e Derivados, Efedrina e derivados.

17 ADRENÉRGICOS DIRETOS -CATECOLAMINAS ADRENALINA É secretada pela medula das adrenais e por tecidos cromafins. Coração = estimulante cardíaco muito potente. Possui ação nos receptores  1 adrenérgicos excitando tanto as fibras do miocárdio quanto do sistema de condução do coração; aumenta o automatismo, excitabilidade, condução e contratilidade. Vasos sangüíneos = Age nos receptores  1 causando redução do fluxo sangüíneo cutâneo, mesentérico e renal; e age nos receptores  2 estimulando predominantemente os vasos da musculatura esquelética com conseqüente vasodilatação e aumento do fluxo. Pressão arterial= A pressão arterial média não se altera. Efeitos metabólicos = A ativação de receptores  e  provoca o aumento da glicemia por glicogenólise e lipólise; A secreção de insulina por estímulo  e diminuída por estímulo .

18 ADRENALINA Efeitos respiratórios = estimulação  (  2 ) provoca broncodilatação. SNC= efeito discreto de Ansiedade, inquietação, tremores. Músculo liso= Os efeitos vão depender dos receptores predominantes no músculo; Estímulo  e  relaxa toda a musculatura intestinal; Estímulo  contrai o piloro e o trígono vesical; Estímulo  2 relaxa o útero gravídico e o músculo destrusor da bexiga ADRENÉRGICOS DIRETOS -CATECOLAMINAS

19 ADRENALINA Absorção, Metabolismo e Excreção= Por via subcutânea suas atividades vasoconstrictoras tornam a absorção lenta e mais ou menos uniforme, a via intramuscular torna o aporte um pouco mais rápido à circulação. Usos Clínicos= Alívio do broncoespasmo, parada cardíaca e reações alérgicas graves. Reações Adversas= Podem variar desde tremores até palpitações e arritmias graves. Preparações no Brasil = É encontrada na forma de ampolas – Adrenalina / Epinefrina

20 ADRENÉRGICOS DIRETOS - CATECOLAMINAS NORADRENALINA É o mediador químico das fibras pós-ganglionares do sistema simpático. Também é conhecida por Levarterenol e Norepinefrina.  Coração = Aumento da pressão sistólica e diastólica, aumento da resistência periférica e aumento da pressão média; Débito cardíaco cai ou permanece inalterado; Redução do fluxo cardíaco para os rins, fígado e músculo esquelético;  Metabólicos= ativação de  receptores proporciona o aumento da glicemia.  Músculo liso não vascular = Efeitos muitos discretos e sem relevância.

21 ADRENÉRGICOS DIRETOS- CATECOLAMINAS NORADRENALINA Absorção, Metabolismo e Excreção= Por via subcutânea suas atividades vasoconstrictoras tornam a absorção lenta e mais ou menos uniforme, a via intramuscular torna o aporte um pouco mais rápido à circulação. Usos Clínicos = No Brasil atualmente são usados em alguns casos na UTI de pacientes cardíacos (importada). Reações Adversas = podem variar desde tremores até palpitações e arritmias graves. Podem ainda ocasionar necrose no local da aplicação intravenosa quando há extravasamento da solução.

22 ADRENÉRGICOS DIRETOS - CATECOLAMINAS ISOPROTERENOL É uma catecolamina sintética também conhecida por isopropilnoradrenalina e isoprenalina. É o mais potente  - adrenérgico das catecolaminas.  Coração = Redução da pressão média pela discreta elevação sistólica e evidente queda da diastólica; Débito cardíaco incrementado pelos efeitos inotrópicos e cronotrópicos positivos; Fluxo sangüíneo vascular esquelético se eleva acentuadamente;  Metabólicos = A glicogenólise e a hiperglicemia é menos pronunciada; Ocorre lipólise comparável à que ocorre com a adrenalina; Pela estimulação  nas células pancreáticas ocorre aumento da liberação da insulina.

23 ADRENÉRGICOS DIRETOS - CATECOLAMINAS ISOPROTERENOL Absorção, Metabolismo e Excreção= Sua absorção é completa quando administrada por via inalatória. Sua absorção oral e sublingual é irregular e não confiável. Usos Clínicos = Asma brônquica, bloqueio átrio- ventricular, choque cardiogênico e parada cardíaca. Reações Adversas= São comuns: palpitações nos asmáticos. Preparações Comerciais = Nebulímetro : ISUPREL R

24 ADRENÉRGICOS DIRETOS CATECOLAMINAS DOPAMINA É uma catecolamina endógena, sendo um neurotransmissor central de grande importância.  Coração = É a droga de escolha inicial para aumentar o inotropismo cardíaco na descompressão secundária à depressão da contractilidade miocárdica. Os efeitos dopaminérgicos causam aumento da filtração glomerular, fluxo sangüíneo renal e da excreção de sódio. Usos Clínicos= É usada na hipotensão arterial, com resistência periférica baixa ou normal e oligúria. Utilizada também na insuficiência cardíaca congestiva, crônica refratária. Reações Adversas= Doses excessivas podem provocar taquicardia, arritmias, cefaléias, ansiedade e tremores. Preparações =No Brasil encontra-se em ampolas. DOPAMINA / DOPAMIN R / REVIVAN R

25 ADRENÉRGICOS DIRETOS CATECOLAMINAS Nafazolina, tetraidrozolina, oximetazolina e xilometazolina; Descongestionante nasal, Vasoconstrictor ocular, Contrário aos demais agentes adrenérgicos  depressão do SNC.

26 ADRENÉRGICOS DIRETOS ESTIMULADORES SELETIVOS DOS RECEPTORES ADRENÉRGICOS  2 São substâncias que, partindo-se do isoproterenol, foram sintetizadas com ação específica nos receptores  2. As principais são: Metaproterenol (ALUPENT R ), Terbutalina (BRYCANIL R ), Salbutamol (AEROLIN R ), Fenoterol (BEROTEC R ).

27 ADRENÉRGICOS DIRETOS ESTIMULADORES SELETIVOS DOS RECEPTORES ADRENÉRGICOS  2 Usos Clínicos A principal indicação é no alívio do broncoespasmo. Também eficazes contra o parto prematuro e no tratamento do aborto evitável. Reações Adversas Os principais efeitos colaterais são; tremores, ansiedade, palpitações, taquicardia, arritmias cardíacas.

28 DROGAS ADRENÉRGICAS AMINAS DE AÇÃO INDIRETA E MISTA EFEDRINA É uma amina simpatomática similar aos derivados sintéticos da anfetamina, muito utilizada em medicamentos para emagrecer, pois ela faz que o metabolismo acelere, queimando mais gordura Ações Farmacológicas Seus efeitos cardiovasculares são semelhantes à adrenalina. Aumento da freqüência cardíaca, elevação da pressão média, sendo que a duração desses efeitos é dez vezes superior ao da adrenalina. Pela ativação dos receptores  2 provoca broncodilatação e sua aplicação tópica provoca midríase por estimulação . Apresenta ações no SNC que se traduzem por: excitação, tremores e ansiedade.

29 DROGAS ADRENÉRGICAS AMINAS DE AÇÃO INDIRETA E MISTA EFEDRINA Usos Clínicos Tratamento da asma brônquica. Reações Adversas Insônia, agitação, ansiedade, tremores. Palpitações, arritmias e elevação da pressão arterial. Preparações Geralmente são associadas a um tranquilizante e teofilina. EFEDRINA / ARGYROPHEDRINE R / RINISONE R

30 DROGAS ADRENÉRGICAS AMINAS DE AÇÃO INDIRETA E MISTA FENILEFRINA Eficaz por via oral, usado como descongestionante das vias aéreas superiores. Na grande maioria das preparações encontra-se associado a um antihistamínico e/ou analgésico. Preparações EFEDRIN R / CORISTINA D R / RESPRIN R / COLDRIN R.

31 DROGAS ADRENÉRGICAS AMINAS DE AÇÃO INDIRETA E MISTA METARAMINOL É utilizado exclusivamente na hipotensão arterial, sendo esse efeito hipertensor perdura por aproximadamente 90 minutos. Preparações No Brasil é comercializado em ampolas. ARAMIN R.

32 1. Diretos a) Anti  -adren. b) Anti  -adren. 2. Indiretos. SNA BLOQUEADORES ADRENÉRGICOS

33 BLOQUEADORES ADRENÉRGICOS ALFA-BLOQUEADORES PRAZOZIN É um bloqueador  adrenérgico, utilizado na hipertensão arterial. Absorção, Metabolismo Excreção = Absorvido por via oral, Liga-se fortemente à proteínas plasmáticas e é extensamente biotransformado pelo fígado e eliminado pela urina. Sua ½ vida é de 3 horas. Ações Farmacológicas = ações cardiovasculares. No Homem o fluxo renal e a filtração glomerular não são alterados por essa droga. Usos Clínicos : hipertensão arterial. Reações Adversas:Tontura, cefaléia, náuseas, vômito, congestão nasal, parestesias, aumento do número de micções e edema. Preparações Comerciais: Comprimidos com o nome de MINIPRESS R.

34 BLOQUEADORES ADRENÉRGICOS BETA-BLOQUEADORES Propanolol, Atenolol e Acetobutol  Absorvidos por via oral e excretados pelos rins Ações Farmacológicas Coração = redução da freqüência cardíaca. Brônquios = Causam broncoconstricção. Útero= Como os estimulantes  2 reduzem a contratilidade uterina no parto prematuro, os  -bloqueadores inibem esse efeito podendo ocorrer o parto prematuro. TGI = Os estímulos  -adrenérgicos inibem a musculatura gastro-intestinal. Olho = dilatação pupilar (MIDRÍASE), e pela ação dos  -bloqueadores. é

35 BLOQUEADORES ADRENÉRGICOS BETA-BLOQUEADORES Usos Clínicos Os  -bloqueadores têm sido usados principalmente na hipertensão arterial, podem também ser usados no infarto do miocárdio, hipertiroidismo, angina, arritmias cardíacas, miocardiopatias, enxaqueca, síndrome cardíaca funcional, glaucoma. Reações Adversas Insuficiência cardíaca, bloqueio átrio-ventricular, vasoconsticção periférica, broncoespasmos, diarréia, bradicardia, hipoglicemia e hipotensão. Depressão, sonolência e alucinações.

36 DROGAS QUE REDUZEM A FUNÇÃO DO NEURÔNIO ADRENÉRGICO RESERPINA Mecanismo de Ação = Causa depleção de catececolaminas. das fibras simpáticas pós-ganglionares e da medula das adrenais. Cinética = absorvida por via oral, e em decorrência do seu efeito cumulativo requer de 2 a 3 semanas para exibir seu efeito máximo. Usos Clínicos = Para o tratamento de hipertensos. Deve-se usar a dose oral. Reações Adversas = Há casos de intensa depressão o que pode levar ao suicídio e aumenta a acidez gástrica. Obstrução nasal, diarréia, impotência sexual, aumento de peso. Preparações comerciais = SERPASO R - comprimidos ou ampolas.

37 DROGAS QUE REDUZEM A FUNÇÃO DO NEURÔNIO ADRENÉRGICO GUANETIDINA Mecanismo de Ação = É um falso neurotransmissor, além de causar a depleção da NA nos terminais. Usos clínicos = Formas graves de hipertensão arterial geralmente associada a um diurético. É eficaz por via oral e também tem efeito cumulativo. Reações Adversas = Hipotensão, diarréia, fadiga, ejaculação retrógrada. Preparações = ISMELINA R - comprimidos

38 DROGAS QUE REDUZEM A FUNÇÃO DO NEURÔNIO ADRENÉRGICO  -METILDOPA Mecanismo de Ação = É convertida em alfa- metilnorepinefrina, atua nos receptores pré-sinápticos reduzindo a neurotransmissão adrenérgica. Usos clínicos = Hipertensão arterial. Reações Adversas = Sonolência, tontura, congestão nasal, redução da libido, sedação. Preparações = Comprimidos de ALDOMET R

39 DROGAS QUE REDUZEM A FUNÇÃO DO NEURÔNIO ADRENÉRGICO CLONIDINA Além de sua eficácia anti-hipertensiva, tem sido usada em doses baixas na profilaxia da enxaqueca. Reações Adversas = Sedação, hipotensão, impotência menor que o que ocorre com a alfa- metildopa.A suspensão de seu uso pode provocar uma hipertensão grave. Preparações = Comprimidos de ATENSINA R e CATAPRESAN R

40 DE MODO GERAL, AS PORÇÕES SIMPÁTICA E PARASSIMPÁTICA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SÃO ANTAGÔNICAS, MAS TRABALHAM EM HARMONIA.


Carregar ppt "FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO - SNA Farmacologia Prof. Bruno Barbosa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google