A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fonte: Pesquisa da Universidade da Carolina do Norte (1998) Educação Corporativa & Tecnologia Marisa Eboli FEA/ USP II Fórum Inteligência Corporativa Rio.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fonte: Pesquisa da Universidade da Carolina do Norte (1998) Educação Corporativa & Tecnologia Marisa Eboli FEA/ USP II Fórum Inteligência Corporativa Rio."— Transcrição da apresentação:

1 Fonte: Pesquisa da Universidade da Carolina do Norte (1998) Educação Corporativa & Tecnologia Marisa Eboli FEA/ USP II Fórum Inteligência Corporativa Rio de Janeiro, RJ 13 de Março de 2009

2 Tópicos – Educação no Brasil: os desafios permanecem – Educação Corporativa: relembrando conceitos e princípios de sucesso – Melhores práticas de Conectividade e Disponibilidade – Tendências, desafios, mitos e verdades

3 Educação na Sociedade do Conhecimento A nova sociedade tem novos requerimentos para a educação: formar o cidadão capaz de produzir, consumir e participar da vida social, o que não pode mais ser feito apenas durante uma etapa da vida. (Paulo Renato Souza, 2005)

4 Educação em um mundo global Desenvolver em todas as pessoas a capacidade de aprender.

5 VEJA Edi ç ão de agosto de 2008 Entrevista: Andreas Schleicher Medir para avan ç ar r á pido O físico alemão que comanda os rankings de educação da OCDE diz que o Brasil precisa copiar práticas que dão certo em outros países para deixar de vez o grupo dos piores Nenhum indicador sobre a qualidade de ensino tem tanto peso e repercussão quanto o Pisa, sigla em inglês para programa internacional de aferição de estudantes, que está sob os cuidados do físico alemão Andreas Schleicher, 44 anos. Há oito, ele é o responsável pela aplicação da prova, uma iniciativa da OCDE (organização que reúne as trinta nações mais desenvolvidas do mundo). Na comparação com 57 países, o Brasil sempre aparece entre os últimos colocados em todas as disciplinas. Situação que Schleicher conhece não apenas por estatísticas mas por suas viagens ao Brasil. Desde que assumiu o cargo, ele já visitou escolas em mais de 100 países.

6 Reclamações dos professores: – Impertinentes – Arrogantes – Impacientes – Imediatistas – Sem capacidade de atenção e concentração Fonte: Pesquisa da Universidade da Carolina do Norte (1998) NINTENDO Generation

7 Têm habilidade para enfrentar estratégias em mudança Têm destreza para aprender dentro de ambiente muito competitivo Têm reações rápidas e sabem tomar decisões rápidas Conseguem antecipar as estratégias dos inimigos Lidam com uma complexidade e multiplicidade de variáveis simultaneamente Sentem-se à vontade com tecnologia e têm a expectativa que ela avance cada vez mais Aprendem em ambientes de ritmo acelerado e impulsionados pela tecnologia NINTENDO Generation Porém com atributos como:

8 VEJA Edi ç ão de agosto de 2008 Comportamento Tudo ao mesmo tempo - e agora Pelo computador e pelo celular, as crianças conversam com vários amigos, jogam videogame e ainda discutem com os pais. Agora você pelo menos sabe o nome disso: seu filho é multitarefas. LIGADA, SEMPRE Beatriz, 10 anos, muitas atividades simultâneas e boas notas na escola: "Tenho de ficar atenta a tudo" Otavio Dias de Oliveira LIMITE NA REDE Eric, 10 anos, horário para brincar e para se conectar: sem internet, mistura livro, lição e TV Oscar Cabral FERAS DO TECLADO Atenção dividida: Giovanna, 9 anos, que digita com todos os dedos (inclusive polegares), e os irmãos Guilherme, 11, e Heloísa, 8, conversam enquanto jogam e acham normalíssimo Fotos Oscar Cabral e Lailson Santos

9 Educação e tecnologia precisam se encontrar no Brasil quarta-feira, 11 de março de 2009 Já há algum tempo, o Brasil é um dos países onde as pessoas permanecem mais tempo conectadas à rede mundial de computadores. No entanto, quando o assunto é o uso da internet para auxiliar o processo de ensino, o País ainda tem um longo caminho a percorrer. É o que mostra o livro "A Geração Interativa na Ibero-América: crianças e adolescentes diante das telas", um estudo realizado com mais de 25 mil estudantes com idade entre 6 e 18 de escolas públicas e privadas da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México, Peru e Venezuela e que traz informações sobre o uso de diferentes tecnologias por parte desse público. De acordo com a pesquisa, no Brasil, quase metade dos estudantes afirmam que nenhum professor utiliza a internet para explicar a matéria dada ou estimula o uso da rede. O dado mostra o descompasso entre a velocidade de penetração da tecnologia no dia-a-dia dessas crianças e adolescentes (segundo a pesquisa quase 70% dos estudantes têm computador em casa e navegam mais de duas horas por dia) e a capacidade das instituições de ensino em incorporar esses recursos para melhorar e tornar mais interessante para esses jovens o processo de aprendizado.

10 Marisa Eboli FEA - USP Nova Onda de Conceitos EducacionaisCustomização Distribuição Diversificada Prontidão Multimídia Portátil Campus Virtual Conectividade Simultaneidade Aprendizagem Contínua Colaboração Interatividade

11 IDADE MÉDIA

12 – Organizações flexíveis – Economia do conhecimento – Rápida obsolescência do conhecimento – Empregabilidade – Educação para estratégia global A Educação Corporativa surge da confluência de diversos fatores...

13 A Universidade Corporativa (UC) é um “guarda-chuva estratégico” para desenvolver e educar funcionários, clientes, fornecedores e comunidade, a fim de cumprir as estratégias empresariais da organização. O modelo de UC é baseado em competências e interliga aprendizagem às necessidades estratégicas de negócios. Jeanne Meister O conceito de Educação Corporativa surge diretamente relacionado à estratégia de negócios...

14 Princípios (Meister, 1999) – Prover oportunidades de aprendizagem que dêem suporte para a empresa atingir seus objetivos do negócio – Considerar o modelo de UC um processo e não apenas como um local de aprendizado – Desenhar programas que incorporem os três C’s: cidadania, contexto e competências – Treinar pessoas da “cadeia de valores” – Migrar do modelo “sala-de-aula” para múltiplas formas de aprendizagem – Estimular líderes a se envolver com a aprendizagem – Depender cada vez menos da alocação de orçamento da empresa e buscar um orçamento próprio – Assumir foco global no desenvolvimento de soluções de aprendizagem – Criar sistemas eficazes de avaliação dos investimentos e resultados obtidos – Utilizar a UC para sustentar vantagem competitiva e entrar em novos mercados

15 Educação Corporativa é um sistema de formação de pessoas pautado por uma gestão de pessoas com base em competências, devendo instalar e desenvolver nos colaborados (internos e externos) as competências consideradas críticas para a viabilização das estratégias de negócio, promovendo um processo de aprendizagem ativo vinculado aos propósitos, valores, objetivos e metas empresariais. O conceito de Educação Corporativa surge diretamente relacionado à estratégia de negócios... Marisa Eboli

16 Competitividade Perpetuidade Cidadania Conectividade Disponibilidade Sustentabilidade Parceria Fonte: M. Eboli (2004) O sucesso da implantação de um Sistema de Educação Corporativa é garantido por sete princípios fundamentais...

17 Princípio 3 - Conectividade Competitividade Perpetuidade Cidadania Conectividade Disponibilidade Sustentabilidade Parceria Construção social do conhecimento por meio de redes de relacionamento tanto no ambiente interno quanto externo. Princípio 3 - Conectividade: Adotar “educação inclusiva” Implantar Gestão do Conhecimento Integrar sistema de Educação Corporativa com Gestão do Conhecimento Práticas

18 ESPIRAL DO CONHECIMENTO INTERNALIZAÇÃO SOCIALIZAÇÃO COMBINAÇÃO EXTERNALIZAÇÃO

19 INTERAÇÕES NA ESPIRAL DO CONHECIMENTO Interações Virtuais Interações Face a Face Interações Coletivas Interações Individuais SOCIALIZAÇÃO Compartilhamento do conhecimento tácito entre os indivíduos INTERNALIZAÇÃO Reconversão do novo conhecimento explícito em conhecimento tácito COMBINAÇÃO Conversão do conhecimento em formas explícitas (documentação) EXTERNALIZAÇÃO Promoção de conversas em grupo para a formação de conceitos (interlocução) Fonte: Krogh & Ichijo & Nonaka. Facilitando a criação de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

20 –A Caterpillar University foi um fator de sucesso da Caterpillar’s Knowledge Network –Clareza e direção para as ações de gestão do conhecimento –Foco em conectar pessoas (comunidades de prática) Fonte: Allen, Mark (editor). The Next Generation of Corporate Universities. San Francisco: Pfeiffer, 2007 Caterpillar Conectividade

21 GE -Mais de funcionários no mundo -Presente em mais de 100 países -Tradição fenomenal de CEO’s (Charles Coffin presidente de 1892 a 1922, que sucedeu o fundador Thomas Edison, foi nomeado o CEO “número 1” de todos os tempos pela Fortune Magazine). Fonte: Monografia dos alunos Celso José Pereira Fernanda Vianna de Andrade e Julia Ruback Fernandes da turma 08 do MBA Gestão Empresarial apresentada no IV Fórum Gestão Empresarial realizado em Coffin criou uma meritocracia baseada em avaliação de performance que foi a pedra fundamental de uma cultura que fez da GE uma máquina de fazer talentos, tornando-se referência mundial no desenvolvimento de talentos e formação de líderes. -Sua Universidade Corporativa - Crotonville - fundada em 1956, pelo então presidente Ralph Cordiner, é a primeira que se tem registro no mundo, e revelou-se como uma importante ferramenta na consolidação dessa cultura.

22 GE - A rede global de intranet chamada Inside GE que conecta seus 315 mil empregados. Conectividade - Weblog (fórum) da GE Global Research Lab batizado de. From Edison’s Desk. - Support Central, um sistema global de gestão do conhecimento que contém o registro de todos os business cases desenvolvidos pela corporação e centenas de grupos de discussão. Fonte: Anais do XII Seminário Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnologica – ALTEC 2007 – Buenos Aires, Argentina (09/2007). Os autores são Marisa Eboli e Marcos Bosquetti.

23 Crotonville a primeira Universidade Corporativa (1956) Fonte: Monografia dos alunos Celso José Pereira Fernanda Vianna de Andrade e Julia Ruback Fernandes da turma 08 do MBA Gestão Empresarial apresentada no IV Fórum Gestão Empresarial realizado em

24 Princípio 4 - Disponibilidade Competitividade Perpetuidade Cidadania Conectividade Disponibilidade Sustentabilidade Parceria Aprendizado a qualquer hora e em qualquer lugar Princípio 4 - Disponibilidade: Utilizar de forma intensiva a tecnologia aplicada à Educação Adotar múltiplas formas de aprendizagem Práticas

25 Disponibilidade BANK OF MONTREAL Departamento de Treinamento Universidade Corporativa -Fase 1 50% Sala de Aula 50% Distribuído 30% Sala de Aula 70% Distribuído 20% Sala de Aula 80% Distribuído Universidade Corporativa -Fase 2

26 – Habilidades de relacionamento – Habilidades interpessoais complexas – Capacidade conceitual e solução de problemas – Orientação e cultura – Assuntos estratégicos – Problemas graves ou emergenciais A Natureza da Educação em sala-de-aula Disponibilidade

27 – Normas e regras do Banco – Material para auto-estudo – Material de apoio ao desempenho – Orientação para gerentes treinarem nas unidades – Suporte eletrônico – Centros eletrônicos de aprendizagem – Intranet & Internet A Natureza da Educação “Distribuída”

28 –Projeto de ensino a distância. –Atende hoje: –mais de 20 mil clientes do Grupo Martins –5,2 mil profissionais de vendas, dos colaboradores internos e de aproximadamente 1,2 mil motoristas –262 cursos disponíveis dentro das áreas de interesse de cada um desses públicos. –Resultados: –Campeão do prêmio “E-Learning Brasil de 2003 a 2008” –"O retorno tem sido muito significativo. Nossas pesquisas constataram que os clientes que participaram do programa de ensino a distância aumentaram mais de 30% seu faturamento.“ Marco Tannús, diretor da Universidade Martins do Varejo Fonte:

29 Mensuração de Resultados em Educação Corporativa no Brasil Período de Realização: Novembro de 2004 Resultados da Pesquisa

30 Empresas por Setor de Atividade INFRA ESTRUTURA Energia Elétrica (2) Saneamento (1) Telecomunicações (2) INDÚSTRIA PRIMÁRIA Cimentos (1) Quím/Defensivos (1) Quím/Petroquímica (1) Usina Álcool/Açúcar (1) INDÚSTRIA SECUNDÁRIA Alimentos (2) Automotiva (1) Cosméticos (1) Eletroeletrônica (2) Farmacêutica (1) Moveleiro (1) SERVIÇOS Alimentos (1) Com. Varejista (1) Computação / Informática (1) Comunicação (2) Educação (2) Saúde (1) Tecnologia (2) Outros (1) FINANCEIRO Bancos (9) Meios de Pagto (1) Fiscalizador SF (1) 39

31 VariávelClassificaçãoPercentual Âmbito de atuação do SEC Nacional (Estados ou regiões)33,3% Nacional todo o território28,2% Brasil e América Latina10,3% Brasil e Ibero – América2,6% Outros17,9% Não responderam7,7% Utilização de programas de e-learning Sim87,2% Não10,3% Não responderam2,6% Características do SEC

32 e-Learning ( X ) Intensificar a comunicação13 ( X ) Propiciar a gestão do conhecimento26 ( X ) Realizar cursos25 ( X ) Estimular a integração entre áreas/pessoas9 Questão 32: Dentre os motivos apresentados abaixo, indique os principais que foram considerados para a decisão da empresa de implementar programas de e-learning: Características do SEC

33 Awards Criteria The program recognizes corporate learning organizations that best illustrate performance in the key strategic areas of: Alignment: Furthering corporate goals through learning & development efforts Alliances: Making the best use of external providers Corporate/College Partnerships: Working to address critical business challenges by leveraging the wealth of content and resources available through a college or university Launching: Successfully beginning a new corporate university, leadership academy, or a newly branded component of the learning organization Leadership Development: Implementing successful, high-impact learning and development programs targeted to managers, high potentials, and senior executive leadership Learning Technologies: Creating an effective learning environment through the use of technology Marketing: Developing and implementing innovative communications and branding strategies Measurement: Creating tools and techniques to measure the value of an organization’s investment in learning 10th Annual Corporate University Xchange Excellence Awards On the evening of February 25, The Corporate University Xchange 10th Annual Awards for Excellence and Innovation will be presented. These awards salute corporate and government learning organizations that demonstrate programs and practices improving employee and business performance. Since 1999, the Awards have set the standard for corporate learning as the most prestigious and difficult to win.

34 10th Annual Corporate University Xchange Excellence Awards Finalists in alphabetical order, by category: Learning Technology BJC Healthcare CSC EMC InfoSys Technologies Limited jetBlue Airways Technology Manufacturing Group – Training, Intel Tenaris University

35 – Processo de consolidação, aprimoramento e ampliação das experiências já existentes; – Internacionalização dos sistemas de educação corporativa; – Mudanças e inovações, como intercâmbio, atividades compartilhadas etc... Educação Corporativa no Brasil: tendências PESQUISA Set/ 2005

36 –Criar uma conexão entre Educação Corporativa e Gestão do Conhecimento –Definir a atuação das lideranças na criação de um ambiente de aprendizagem e promover seu envolvimento com Educação –Mensurar adequadamente os resultados obtidos Educação Corporativa no Brasil: desafios PESQUISA Set/ 2005

37 Alguns mitos... – A Universidade Corporativa requer mais recursos do que se aporta para os centros tradicionais de treinamento. – As Universidades Corporativas vieram para substituir as universidades tradicionais.

38 Algumas verdades... – O envolvimento dos líderes é fundamental para o sucesso de uma Universidade Corporativa – É um sistema estratégico e integrado de formação de pessoas – Há necessidade de revisões periódicas – A Universidade Corporativa não é um modismo

39 12 de Setembro/ 2007 N o 1976 – Ano 30

40 Chief Learning Officers Competências e papéis dos CLO´s Elkeles e Phillips (2006) distinguem o que consideram como fatores fundamentais para o CLO obter sucesso em sua função. Estes fatores seriam: – entendimento do negócio; – entendimento da cultura organizacional; – pensamento global; – alavancagem dos relacionamentos com os líderes do negócio e influenciadores por toda a organização; – capacidade de inovação e execução; – estabelecimento de parcerias com instituições externas; – promoção da aprendizagem e compartilhamento do conhecimento; – utilização de informações para comunicar a efetividade dos processos de aprendizagem.

41 DimensãoPapelPercentual Visão de Longo Prazo Visionário78% “Indo além” da UC Construtor de Alianças Internas73% Construtor de Alianças Externas55% Desenvolvimento de Soluções de Aprendizado Desenvolvedor de parcerias66% Consultor54% Líder na Gestão do Conhecimento46% Planejador da Tecnologia de Aprendizado 38% Operação da Unidade de Negócio de Educação Marketing55% Empreendedor43% Desenvolvedor de Novos Negócios34% Gerador de Receitas24% Fonte: Corporate University Exchange, 2004, p. 42 Competências e papéis dos CLO´s Chief Learning Officers

42

43 PARA CONSTRUIR UM BRASIL MELHOR MAIS DO QUE ECONOMIAS COMPETITIVAS... SISTEMAS EDUCACIONAIS COMPETITIVOS!

44 TER ORIENTAÇÃO AO CLIENTE SER PORTÁTIL E APRENDER A QUALQUER HORA E EM QUALQUER LUGAR

45 APROVEITAR BEM O TEMPO

46 ESTAR CONECTADO NO MUNDO

47 IDENTIFICAR E CAPTURAR CONHECIMENTO

48 TRABALHAR EM REDES

49 ATUAR DE FORMA COLABORATIVA E INTEGRADORA

50 INCORPORAR O NOVO

51 TER A ATITUDE DE APRENDER SEMPRE

52 MARISA EBOLI Muito Obrigada!


Carregar ppt "Fonte: Pesquisa da Universidade da Carolina do Norte (1998) Educação Corporativa & Tecnologia Marisa Eboli FEA/ USP II Fórum Inteligência Corporativa Rio."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google