A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Controles Internos Interrelacionamento entre auditoria, controles internos, gestão de riscos e compliance. 5° AUDITE Palestrante: Cristiano José Ribeiro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Controles Internos Interrelacionamento entre auditoria, controles internos, gestão de riscos e compliance. 5° AUDITE Palestrante: Cristiano José Ribeiro."— Transcrição da apresentação:

1 Controles Internos Interrelacionamento entre auditoria, controles internos, gestão de riscos e compliance. 5° AUDITE Palestrante: Cristiano José Ribeiro dos Santos Florianópolis (SC), 24 de junho de 2013.

2 Introdução Visão Geral Interrelacionamentos Desafios Controles Internos Interrelacionamento entre auditoria, controles internos, gestão de riscos e compliance.

3 Controles Internos Interrelacionamento entre auditoria, controles internos, gestão de riscos e compliance. 1. Introdução O COSO define controle interno como um processo, efetuado pelo conselho de administração, administradores e outros profissionais de uma entidade, projetado para fornecer segurança razoável quanto à realização dos objetivos de eficácia e eficiência das operações, confiabilidade dos relatórios financeiros e de conformidade com as leis e regulamentos aplicáveis.

4 Controles Internos Interrelacionamento entre auditoria, controles internos, gestão de riscos e compliance. O controle interno é um processo. É um meio para um fim, não um fim em si mesmo. O controle interno não é apenas formalização por meio de manuais, políticas e formulários, mas dele também fazem parte as pessoas em todos os níveis de uma organização. O controle interno pode oferecer apenas uma garantia razoável, não garantia absoluta, aos gestores e outros interessados na entidade. O controle interno é voltado para a consecução dos objetivos em uma ou mais categorias distintas mas que podem se sobrepor.

5 AUDITORIA INTERNA-ERM AUDITORIA EXTERNA 2. Visão Geral Objetivos Estratégicos, Táticos e Operacionais do Negócio Objetivos Estratégicos, Táticos e Operacionais do Negócio Riscos aos Objetivos CONTROLES INTERNOS CONTROLES INTERNOS Distorção Relevante das DF -Mensuração -Classificação -Divulgação Riscos: Financeiro, Legal, Imagem, Decisório, Estratégico, Fraude, Tecnologia, etc. Interesses Sócios e Administradores Minoritários, Stakeholders em Geral Eficiência Operacional Informação Adequada Compliance

6 Riscos aos Objetivos CONTROLES INTERNOS CONTROLES INTERNOS Distorção Relevante das DF -Mensuração -Classificação -Divulgação Riscos: Financeiro, Legal, Imagem, Decisório, Estratégico, Fraude, Tecnologia, etc. 3. Interrelacionamentos Controles Internos x Auditoria Interna ou Externa Avaliação Geral: Ambiente de Controle Avaliação de Riscos Atividades de Controle Informação e Comunicação Monitoramento Processo e Controle: Desenho (efetividade) Execução (eficiência) Objetivos da avaliação podem variar

7 AUDITORIA INTERNA-ERM Riscos aos Objetivos CONTROLES INTERNOS CONTROLES INTERNOS Riscos: Financeiro, Legal, Imagem, Decisório, Estratégico, Fraude, Tecnologia, etc. Interesses Sócios e Administradores Eficiência Operacional Informação Adequada Compliance 3. Interrelacionamentos Controles Internos x Auditoria Interna Menor grau de independência, espaço para criatividade, consultoria LEGALMENTE PODE PARTIC. DA IMPLEMENTAÇÃO DO CONTROLE Menor grau de independência, espaço para criatividade, consultoria LEGALMENTE PODE PARTIC. DA IMPLEMENTAÇÃO DO CONTROLE Dist Relev. DF/Gerencial -Mensuração -Classificação -Divulgação

8 AUDITORIA EXTERNA 3. Interrelacionamentos Riscos aos Objetivos CONTROLES INTERNOS CONTROLES INTERNOS Distorção Relevante das DF -Mensuração -Classificação -Divulgação Minoritários, Stakeholders em Geral Ef.Op. - Continuidade Informação Adequada Compliance Controles Internos x Auditoria Externa Riscos: Financeiro, Legal, Imagem, Decisório, Estratégico, Fraude, Tecnologia (CONTINGÊNCIAS) Maior grau de independência, fortemente regulamentada PODE SUGERIR MAS NÃO PODE IMPLEMENTAR O CONTROLE Maior grau de independência, fortemente regulamentada PODE SUGERIR MAS NÃO PODE IMPLEMENTAR O CONTROLE

9 Gerenciamento de riscos: processo conduzido em uma organizac ̧ ão pelo conselho de administrac ̧ ão, diretoria e demais empregados, aplicado no estabelecimento de estratégias formuladas para identificar, em toda a organizac ̧ ão, eventos em potencial capazes de afetá-la e para administrar os riscos de modo a mante ̂ -los compatíveis com o apetite a risco da organizac ̧ ão e possibilitar garantia razoável do cumprimento dos seus objetivos (relac ̧ ão objetivo/risco/controle). 3. Interrelacionamentos Controles Internos x Gestão de Riscos

10 AUDITORIA INTERNA-ERM Riscos aos Objetivos CONTROLES INTERNOS CONTROLES INTERNOS Riscos: Financeiro, Legal, Imagem, Decisório, Estratégico, Fraude, Tecnologia, etc. Interesses Sócios e Administradores 3. Interrelacionamentos Controles Internos x Gestão de Riscos (Auditoria Interna) Normalmente mapeia os riscos e seu impacto, contribui com o aperfeiçoamento dos controles e realiza ciclos de testes sobre estes. Deve prezar pela independência e posicionamento no organograma Alinhada com a Governança Estimular o Self Assesment Função específica/segregada de ERM ISO 31000:2009 – Gestão de Riscos Cria e protege valor, abrange todos os processos operacionais, parte da tomada de decisões, é sistemática, estruturada e oportuna, aborda a incerteza, baseia nas melhores informações disponíveis.

11 Responsabilidade da administrac ̧ ão sobre as demonstrac ̧ ões contábeis A administrac ̧ ão da Entidade é responsável pela elaborac ̧ ão e adequada apresentac ̧ ão dessas demonstrac ̧ ões contábeis de acordo com a Lei XYZ da Jurisdic ̧ ão X e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaborac ̧ ão de demonstrac ̧ ões contábeis livres de distorc ̧ ão relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. 3. Interrelacionamentos Controles Internos x Gestão de Riscos

12 Responsabilidade dos auditores independentes ….. Uma auditoria envolve a execuc ̧ ão de procedimentos selecionados para obtenc ̧ ão de evide ̂ ncia a respeito dos valores e divulgac ̧ ão apresentados nas demonstrac ̧ ões contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliac ̧ ão dos riscos de distorc ̧ ão relevante nas demonstrac ̧ ões contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliac ̧ ão de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaborac ̧ ão e adequada apresentac ̧ ão das demonstrac ̧ ões contábeis da Entidade para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunsta ̂ ncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Companhia. 3. Interrelacionamentos Controles Internos x Gestão de Riscos

13 AUDITORIA EXTERNA Riscos aos Objetivos CONTROLES INTERNOS CONTROLES INTERNOS Distorção Relevante das DF -Mensuração -Classificação -Divulgação Minoritários, Stakeholders em Geral 3. Interrelacionamentos Controles Internos x Gestão de Riscos (Auditoria Externa) O Auditor externo deve realizar testes e obter evidências para reduzir o risco até obter um grau de segurança razoável para emitir opinião. Risco inerente Risco de controle Impacto no volume de testes Risco de Auditoria Emitir opinião errada

14 AUDITORIA INTERNA-ERM AUDITORIA EXTERNA Interesses Sócios e Administradores Minoritários, Stakeholders em Geral 3. Interrelacionamentos Controles Internos x Compliance Todas as organizações e seus indivíduos tem que tem cumprir leis e normas internas ou externas. Estar em compliance é estar em conformidade com leis e regulamentos internos e externos. Isto contribui para a transparência, prevenção de fraudes, evitar multas e sanções, etc. É uma atividade rotineira e permanente enquanto a auditoria pode ser exporádica. A Gestão de Compliance, assegura um Sistema de Controles Internos que demonstra, de maneira transparente, que a estrutura organizacional adotada e os procedimentos internos estão em conformidade com os regulamentos externos e internos afetos às entidades. COMPLIANCE CONTROLES INTERNOS CONTROLES INTERNOS Área Específica Inst. Fin. - Bacen

15 -Manter os controles o mais simples possível, pois o simples funciona. -Não esquecer o papel das pessoas, baseando-se apenas em sistemas e processos. -Aliar o conhecimento acadêmico ao conhecimento prático dos processos de negócio. -Ao avaliar os controles sempre questionar: PORQUE ESTAMOS FAZENDO ISTO! 4. Desafios

16 (47)


Carregar ppt "Controles Internos Interrelacionamento entre auditoria, controles internos, gestão de riscos e compliance. 5° AUDITE Palestrante: Cristiano José Ribeiro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google