A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CARDIOPATIAS NO IDOSO José Ricardo. SUMÁRIO Introdução I - Principais doenças carddiovasculares no idoso 1.Hipertensão arterial 2.Arterosclerose 3.Enfarte.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CARDIOPATIAS NO IDOSO José Ricardo. SUMÁRIO Introdução I - Principais doenças carddiovasculares no idoso 1.Hipertensão arterial 2.Arterosclerose 3.Enfarte."— Transcrição da apresentação:

1 CARDIOPATIAS NO IDOSO José Ricardo

2 SUMÁRIO Introdução I - Principais doenças carddiovasculares no idoso 1.Hipertensão arterial 2.Arterosclerose 3.Enfarte agudo do miocárdio 4.Arritmias 5.Doenças valvulares 6.Insuficiência cardíaca

3 SUMÁRIO II - Alguns exames em cardiologia / tratamentos 1.Electrocardiograma (ECG) 2.Ecocardiograma 3.Cateterismo (angiografia) 4.Pacemaker / CDI 5.Estudo electrofisiológico/ ablação 6.Cintigrafia de perfusão miocárdica

4 Introdução A medida que a idade aumento, vão envelhecendo todos os tecidos. Múltiplos problemas de saúde, vao se manifestando. É nas idades mais avançadas que se manifesta a maior parte dos problemas cardíacos. Sendo nessas idades em que se efectuam a maior parte do rpocedimentos cardiovasculares A toma dos fármacos por essa razão torna-se crónico e é fundamental a adopção de medidas não farmacologicas

5 Factores de risco para doença cardiovascular São principais factores de risco para doença cardiovascular os seguintes: Tabagismo Sedentarismo Alcoolismo Genéticos Diabetes mellito Obesidade

6 I. 1 - Hipertensão arterial Vulgarmente conhecido como tensão alta É a elevação da pressão exercida pelas artérias contra o sangue no seu interior e a que o sangue exerce contra as artéria. Seu valor normal situa-se < 140/90 mmHg. Habitualmente é assintomática mas pode causar dores de cabeça, tonturas, mal estar geral.

7 I. 1.1 – Causas da HTA As principais causas da HTA são: - Genética - Envelhecimento (rigidez) das artérias - Dieta (excesso de consumo de sal, gordura álcool etc). - Stress - Sedentarismo - Obesidade

8 I. 1.2 – Complicações da HTA 1.Enfarte agudo do miocárdio 2. Miocardiopatia e a insuficiência cardíaca. 3.Insuficiência cardíaca 4.Acidente vascular cerebral (AVC) 5.Insuficiência renal 6.Diminuição da visão e problemas na retina.

9 I. 1.3 – Tratamento da HTA –Medidas não farmacológicas 1.Moderação da ingestão de sal e álcool, parar de Fumar 2.Aumento na ingestão de alimentos ricos em potássio 3.Prática regular de actividade física 4.Controlar o stress 5.Manutenção do peso ideal (IMC entre 20 e 25 kg/m²). 6.Minimizar o uso de medicamentos que possam elevar a pressão arterial, como Anticoncepcionais orais e Anti- inflamatórios –Medidas farmacológicas 1.Responsabilidade do médico

10 I. 2 - Arterosclerose É um processo degenerativo do qual resulta o endurecimento e espessamento da parede das artérias. É quase universal na velhice predominantemente no sexo masculino. Éassintomático. È uma das causas de Hipertensão arterial sistólica isolada.

11 I. 2.1 – Causas da arterosclerose Idade avançada. Aumento de colesterol Intoxicação (nicotina álcool etc). Doenças como sífilis e diabetes.

12 I. 2.1 – Tratamento da Arterosclerose Prevenção e tratamento 1.Não se pode intervir sobre a idade 2. Controlar o colesterol com a dieta e medicamentos. 3. Parar de fumar. 4. Controlar a diabetes com medidas não medicamentosas e medicamentos. 5. Evitar doenças sexualmente transmissível como a sífilis e se contraída tratar adequadamente

13 I. 3 - Enfarte agudo do miocárdio Conhecido como ataque cardíaco, pode levar à morte (necrose) de parte do músculo cardíaco por falta de aporte adequado de nutrientes e oxigénio É causado pela redução do fluxo sanguíneo coronário de magnitude e duração suficiente para não ser compensado pelas reservas orgânicas. A causa habitual desse processo é a oclusão de uma artéria coronária que se dá em geral pela formação de um coágulo numa área comprometida por aterosclerose.

14 I Sintomas do EAM Dor ou desconforto intenso retroesternal (atrás do osso esterno) muitas vezes referida como aperto, opressão, peso ou queimação, pode irradiar-se para pescoço, mandíbula, membros superiores e dorso. A dor, pode ser acompanhado por náuseas, vómito sudorese, palidez e sensação de morte iminente. A duração é caracteristicamente superior a 20 minutos. Dor com as características típicas, mas com duração inferior a 20 minutos sugere angina do peito.. Pacientes diabéticos idosos e as mulheres têm maior probabilidade de apresentarem uma dor ou desconforto atípico. É possível a ocorrência de IAM sem dor. Este é o chamado enfarto silencioso

15 I. 3.2 –Complicações do EAM Arritmias cardíacas Distúrbios de condução ou bloqueios Insuficiência cardíaca Disfunções das válvulas cardíacas Aneurisma cardíaco Ruptura cardíaca seja do septo interventricular seja da parede externa do coração Pericardiopatias Tromboembolia pulmonar Tromboembolia sistêmica Choque cardiogênico

16 I. 3.3 –Factores de risco para EAM Fatores que podem ser mudados ou controlados: –Colesterol alto –Hipertensão arterial –Tabagismo –Excesso de peso –Sedentarismo –Diabetes Mellitus Fatores que não podem ser mudados –Idade –História familiar ou predisposição genética

17 I. 3.4 – Tratamento do EAM O tratamento tem como objectivo diminuir o tamanho do enfarto e reduzir as complicações. –Medidas gerais - repouso, monitorização intensiva da evolução da doença. – Medicamentos sob responsabilidade médica –Procedimentos invasivos - angioplastia coronária (conhecido por cateterismo) e cirurgia cardíaca (conhecido por Bypass).

18

19 I. 4. Arritmias O ritmo cardíaco é comandado pelo nódulo sinusal, situado na aurícula dta. Envia impulsos eléctricos que estimulam a contracção do músculo cardíaco. As arritmias, são perturbações da frequência ou do ritmo dos batimentos cardíaco, quando os impulso eléctricos são emitidos ou conduzidos de forma irregular. –Algumas podem levar à morte –Podem constituir por isso, emergência médica. –A maior parte delas é inofensiva. –Podem rápidas rápidos (taquicardia >100bpm), lentos (bradicardia <50bpm ) ou apenas irregulares.

20 I. 4.1 – Causas das arritmias Congenitas Adquiridas –Lesões isquémicas –Insuficiência cardíaca –Doenças valvulares –Doenças metabólicas e endócrinas –Estresse, –Tabagismo –Alcool –Exercício físico muito forte –Uso de certas drogas (como cocaína e anfetaminas) –Alguns medicamentos –Muita cafeína

21 I. 4.2 Sintomas das Arritmias –Muitas arritmias são assintomáticas –Palpitações cardíacas – Batimento cardíaco lento –Batimento cardíaco irregular –Sensação de pausa entre os batimentos cardíacos –Ansiedade –Fraqueza –Tonturas e dor de cabeça leve –Transpiração –Falta de fôlego –Dor no peito –Desmaios

22 I.4.3 – Diagnóstico das arritmias Diagnóstico das arritmias –Electrocardiogram –ECH holter –Ecocardiograma –Detetor de eventos –Teste Tilt

23 I. 4.4 – Tratamento das Arritmias O tratamento pode ser: Medicamentoso – sob responsabilidade do seu médico –Dar ênfase a ACO (varfine ou acenocumarol). Implantação de dispositivos como PMK, CDI ou CRT Ablação (neutralização da arritmia por Estímulos eléctricos)

24

25 I.4.5 – Complicações das arritmias –Incapacidade nas actividades diárias –AVC (trombose ou derrame crebral) –Tromboembolismo pulmonar –Morte

26 I.5. Doenças valvulares Válvulas cardíacas: são estruturas que se encontra à saída das câmaras do coração. São formadas por tecido conjuntivo Impedem o refgluxo do sangue. Existem 4 válvulas –Aórtica –Mitral –Tricúspide –Pulmonar Podem ser acometidas por várias doenças que basicamente levam a: –Estenose –Insuficiência.

27 I.5.1 – Causas das doenças valvulares As principais causas da estenose são: –Febre reumática –Calcificações em válvulas bicúspides –Congênitas –Depósitos de cálcio em válvulas de idosos As principais causas de insuficiências são: –Reumáticas –Congênitas –Infecciosa (Endocardite bacteriana, a sífilis) –Hipertensão arterial. –Ruptura de cordas por enfarte (valvula mitral) –Degenerescencia mixomatosa

28 I.5.2 – Sintomas das Doenças valvulares –Podem ser assintomáticos –Dificuldade respiratória –Cansaço –Edema dos das pernas –Palpitações, –Perda de conhecimento ou desmaio –Dor ou sensação de opressão no peito

29 I.5.3 – Diagnóstico das doenças valvulares O diagnostico é feito com base em: –Observação medica (auscultação cardíaca) –ECG –Rx do tórax –Eocardiograma (chave do negócio)

30 I.5.3 – Tratamento das doenças valvulares Na fase inicial é medicamentoso, procurando controlar a sintomatologia. Na fase avançada, o tratamento é cirúrgico (substituição valvular ou correcção)

31 I.5.4 – Complicações das doenças valvulares Para além das limitações das actividades da vida diária podem ocorrer complicaçoes como: –AVC –Enfarte agudo do miocardio –Tromboembolismo pulmonar.

32

33 I.6 - Insuficiência cardíaca É a incapacidade do coração bombear sangue em quantidade suficiente para as necessidades do organismo É a etapa final de praticamente todas as doenças cardiovasculares (hipertensão, enfarte, arritmias, doenças valvulares, infecções.

34 I.6.1 – Sintomas da IC Dispneia (falta de ar) relacionado com esforços físicos e com o decúbito (ortopnéia) Tosse Fraqueza (astenia) Edema (inchaço, ou aumento do volume dos membros) Dor abdominal Palpitação Tonturas Diminuição da emissão de urina.

35 I.6.2 – Diagnóstico da IC O diagnóstico é feito com base na observação Medica e pelos seguintes exames: Eletrocardiograma Radiografia do tórax Análises EcoDopplercardiografia (o mais importante de todos) Ressonância nuclear magnética

36 I.6.3 – Tratamento da IC Tratamento não farmacológico –Otimização do nível de atividade física. –Utilização de Oxigênio –Otimização do consumo de sal e de líquidos. –Medidas nutricionais. Tratamento farmacológico – sob a responsabilidade do médico Procedimentos Mecânico-Cirúrgicos –Cirurgia de anomalias congénitas. –Cirurgia de doenças valvulares –Correcção de lesões das artérias do coração (Angina, Infarto, etc). –Correção cirurgica ou ablação das arritmias –Estimulação artificial do coração com pacemaker –Transplante cardíaco

37

38 II -ALGUNS EXAMES REALIZADOS EM CARDIOLOGIA

39 II.1 - Electrocardiograma É um onde é feito o registo da actividade eléctrica do coração. Está indicado em todas suspeitas de doença Acrdiovascular Existem várias modalidade: –ECG normal –ECH holter –Monitorização do doente internado ou durante certos exames

40

41 II.2 - Ecocardiografia È o exame da cardiologia que permite avaliação estrutural e funcional do coração. È um método ultrasonográfico que permite a observação do coração em tempo real. Está indicado no diagnóstico ou auxilio do diagnóstico de quase todas patologias cardiovascular Há modalidades diferentes –Bidimencional –Doppler –Transesofáfico –De sobrecarga

42

43 II.3 - Cateterismo (angiografia) O cateterismo cardíaco é um método de diagnóstico e tratamento cardíacos que permite o acesso ao interior do coração através de um cateter. Permite diagnosticar as lesões nas artérias do coração bem como desentupilas quando é possível implantando metais que são os Stent. Está indicado no Enfarte agudo do miocárdio, Angina cardíaca, insuficiência cardíaca.

44

45 II.4 - Pacemaker / CDI Pacemaker (marcapasso) é um pequeno dispositivo (pilha) implantado na zona peitoral esquerda/direita por baixo da pele, que emite estímulos através de sondas introduzidas no coração. Permite manter regular o ritmo cardíaco Substitui o marca-passo próprio do coração (Nódulo sinoauricular)

46

47 CDI É um dispositivo semelhante ao Marcapasso que é implantado da mesma forma É implantado para prevenir morte subita Também permite ressincronizar (manter ritmo regular do coração)

48 11. II.5 - Estudo electrofisiológico/ ablação É o método usada para tratar arritmias cardíaca, usando cateteres que emitem radiofreqüência.

49 II. 5 - Cintigrafia de perfusão miocárdica É o estudo da perfusão do miocárdio (músculo cardíaco) que possibilita avaliar a função do músculo cardíaco e diagnosticar Utiliza-se uma subistancia radioactiva que é ingectada na veia antes de adquiri as imanges que são feitas em repouso e aós esforço físico

50

51 Resumo

52 OBRIGADO


Carregar ppt "CARDIOPATIAS NO IDOSO José Ricardo. SUMÁRIO Introdução I - Principais doenças carddiovasculares no idoso 1.Hipertensão arterial 2.Arterosclerose 3.Enfarte."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google